Banca de DEFESA: CHRISTIANE CARLOS ARAÚJO DE NEGREIROS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CHRISTIANE CARLOS ARAÚJO DE NEGREIROS
DATA : 15/06/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Link de acesso para videoconferência: meet.google.com/vqb-ymhq-nys
TÍTULO:

COMPETÊNCIA VETORIAL DE TRIATOMA BRASILIENSIS E TRIATOMA PSEUDOMACULATA (HEMIPTERA: REDUVIIDAE) INFECTADOS COM DIFERENTES DTUS (DISCRETE TYPING UNITS) DE TRYPANOSOMA CRUZI

 


PALAVRAS-CHAVES:

Trypanosoma cruzi. Triatomíneos. Infecção experimental. Aspectos biológicos.


PÁGINAS: 97
RESUMO:

O objetivo deste estudo foi avaliar os aspectos biológicos de Triatoma brasiliensis e Triatoma pseudomaculata infectados experimentalmente por diferentes DTUs (Discrete Typing Units) de Trypanosoma cruzi. Ninfas de 3º, 4º e 5º estádios de T. brasiliensis (n=120) e T. pseudomaculata (n=120) foram alimentadas em camundongos infectados com um isolado de T. cruzi ou mistura de isolados do parasito. Um grupo de insetos não infectado foi utilizado como controle. A infecção dos triatomíneos por T. cruzi foi avaliada diariamente e individualmente por análise das excretas até 90 dias após a infecção. Os aspectos biológicos dos triatomíneos como, excreção, ocorrência de ecdise e mortalidade foram avaliados diariamente. O volume de sangue ingerido (μL) e o peso (mg) dos insetos foi verificado 4h após o repasto sanguíneo a cada 15 ou 30 dias. A infecção por T. cruzi foi detectada em todos os grupos de T. brasiliensis, enquanto em T. pseudomaculata foi observada apenas no grupo de infecção única pelo isolado RN02 e nos grupos de infecção mista RN02+RN23 e RN02+RN23+CL-Brener. O percentual médio de infecção em todos os grupos de T. brasiliensis foi de 20% e 22%, em insetos que realizaram repasto sanguíneo em intervalos de 15 e 30 dias, respectivamente. Para T. pseudomaculata o percentual médio de infecção foi de 18% (alimentação a cada 15 dias) e 8% (alimentação a cada 30 dias). O volume de sangue ingerido pelos grupos de T. brasiliensis e T. pseudomaculata com infecção mista foi inferior quando comparado aos grupos com infecção única e o controle. A ocorrência de ecdise foi mais elevada nos grupos de T. brasiliensis com infecção única e no grupo controle de T. pseudomaculata. A mortalidade foi mais elevada nos grupos de T. pseudomaculata com infecção mista, ao passo que não foi observada diferença significativa nos grupos de T. brasiliensis. A excreção foi mais elevada no grupo controle de T. pseudomaculata. A ocorrência de cleptohematofagia em T. brasiliensis foi descrita neste estudo de forma inédita. Esses dados evidenciaram que essas duas espécies são vetores potencialmente eficazes na transmissão de T. cruzi, sendo T. brasiliensis mais susceptível à infecção. Portanto, é fundamental a realização de atividades de controle vetorial de forma contínua e eficiente para reduzir o risco de transmissão de T. cruzi nas áreas endêmicas de ocorrência desses vetores.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - ***.295.184-** - ANDRESSA NORONHA BARBOSA DA SILVA - UFMG
Presidente - ***.985.294-** - LUCIA MARIA DA CUNHA GALVAO - UFRN
Externa ao Programa - 3270997 - NATHALIE DE SENA PEREIRA - UFRNExterno à Instituição - VAGNER JOSE MENDONCA - UFPI
Notícia cadastrada em: 30/05/2023 14:18
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao