Banca de QUALIFICAÇÃO: RAFAEL CAETANO LISBOA CASTRO DE ANDRADE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAFAEL CAETANO LISBOA CASTRO DE ANDRADE
DATA : 14/04/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

QUITOOLIGOSSACARÍDEOS COMO MOLÉCULAS BIOATIVAS: ATIVIDADE CICATRIZANTE


PALAVRAS-CHAVES:

Fibroblastos; Cicatrização; oligossacarídeos.


PÁGINAS: 61
RESUMO:

A integridade da pele é essencial para a vida humana, quando ocorre uma ruptura nessa barreira física o intuito do mecanismo de reparo é induzir uma resposta rápida e eficiente para evitar complicações como a formação de queloides ou evolução para uma ferida crônica. Nesse cenário, a demanda pela busca de biomoléculas, com características antioxidantes, antimicrobiana, anti-inflamatória e imunoestimulante, como os quitooligossacaídeos (QOS), que possam auxiliar no processo de cicatrização tem aumentado recentemente de maneira acelerada. Diante disso, esse estudo apresenta como objetivo avaliar a atividade cicatrizante dos QOS, obtidos em dois tempos de hidrólise (1 e 5 minutos) por quitosanases derivadas de Bacillus toyonensis, nos modelos de migração celular (“scratch”) in vitro e no de reparo de feridas in vivo. O processo de degradação enzimática da quitosana produziu oligossacarídeos com grau de desacetilação de cerca de 80%, com predominância de hexâmeros comprovados através das técnicas de cromatografia de permeação em gel (CPG) e espectrometria de massas. O ensaio de viabilidade celular indica a biocompatibilidade dessas substâncias em diferentes concentrações (50; 100; 250; 500 µg/mL) sobre fibroblastos murinos. A capacidade dos QOS em estimular a migração de fibroblastos in vitro foi observada nas maiores concentrações testadas (100; 250; 500 µg/mL), com uma redução de até 100% no tamanho da ranhura após 12 horas da adição das amostras. O efeito cicatrizante in vivo desses oligossacarídeos foi confirmado no modelo da ferida induzida por corte cirúrgico, onde essas moléculas apresentaram redução significativa para os grupos testados com QOS1 30 mg/kg (89,25%), QOS1 300 mg/kg (82%), QOS5 30 mg/kg (89,25%) e QOS5 300 mg/kg (93%) quando comparados ao grupo salina (61,25%) no sétimo dia de experimento. Apesar de não possuir mecanismo de ação conhecido, os resultados obtidos indicam o potencial uso como cicatrizante dos QOS como moléculas promissoras para o âmbito farmacêutico.


MEMBROS DA BANCA:
Externa ao Programa - 2378605 - CRISTIANE FERNANDES DE ASSIS
Presidente - 3652554 - FRANCISCO CANINDE DE SOUSA JUNIOR
Externa à Instituição - MAIRA CONCEIÇÃO JERONIMO DE SOUZA LIMA - UnP
Notícia cadastrada em: 31/03/2021 18:51
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao