Banca de DEFESA: DANIELLE LIMA BEZERRA DE MENEZES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DANIELLE LIMA BEZERRA DE MENEZES
DATA : 25/02/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

MICROPARTÍCULAS POLIMÉRICAS PARA VEICULAÇÃO DE UM DERIVADO TIOFENO E AVALIAÇÃO DA SUA POTENCIAL ATIVIDADE ANTIPROLIFERATIVA in vitro


PALAVRAS-CHAVES:

microesferas, derivado 2-aminotiofeno, cinética de liberação, alamarBlue, spray-drying.


PÁGINAS: 76
RESUMO:

O 2-amino-4,5,6,7-tetrahidrobenzo[b]tiofeno-3-carbonitrila (6CN) é um derivado 2-aminotiofeno com atividade antiproliferativa contra linhagens celulares cancerígenas. No entanto, apresenta baixa solubilidade aquosa que limita sua utilização clínica. Este trabalho teve como objetivo avaliar a influência da microencapsulação no desenvolvimento de um novo sistema capaz de modular sua liberação e incrementar a atividade biológica. Para isto foram desenvolvidas microesferas de hidroxipropilmetilcelulose (HPMC) carregadas com o 6CN por spray-drying com diferentes razões entre 6CN:HPMC. Estes sistemas foram caracterizados quanto ao teor, por técnicas de espectrofotometria na região do infravermelho, microscopia eletrônica de varredura e análise granulométrica, difração de raios-X (DRX), análise térmica por calorimetria exploratória diferencial (DSC), além de ensaios in vitro de cinética de liberação e viabilidade celular por alamarBlue em células de linhagem de rim embrionário humano (HEK-293) e carcinoma de cólon (CT-26). Os sistemas apresentaram um teor variante de 70-80% quando não consideradas as perdas totais durante o processo de obtenção. A caracterização por espectroscopia na região do infravermelho evidenciou interações entre matriz e ativo. A análise do tamanho de partícula mostrou a formação de partículas com tamanho médio entre 31-47 μm com uma morfologia de superfície esférica, bem definida e lisa. A análise por DRX e DSC evidenciaram que dentro do sistema o 6CN tende a permanecer em um estado mais amorfo. O ensaio de cinética de liberação em membrana de diálise mostrou que o 6CN tem 100% da sua liberação em até 10 horas tanto no pH 7,4 como pH 1,2. Os sistemas MP2 e MP3 promoveram uma liberação prolongada nos modelos mono e biexponencial, em ambos os pH em até 56 horas. O ensaio de citotoxicidade nas células de linhagem HEK-293 mostrou que nas concentrações entre 5-50 μg/mL o 6CN apresenta uma atividade protetora em até 48 horas. Nas células de CT-26, não foi observado um efeito citotóxico significativo. No entanto, nas células tratadas com MP3 nas concentrações de 25 e 50 μg/mL a viabilidade celular foi reduzida em 40 e 50%, respectivamente. Diante disso, os dados asseguram que foi desenvolvido um sistema obtido por spray-drying a partir de HPMC capaz de modificar a liberação do 6CN e interferir no crescimento celular de células CT-26 com potencial para aplicação em tratamentos de longa duração.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1789788 - ADLEY ANTONINI NEVES DE LIMA
Externo à Instituição - FABIO ROCHA FORMIGA - FIOCRUZ
Externo ao Programa - 2195251 - HUGO ALEXANDRE DE OLIVEIRA ROCHA
Notícia cadastrada em: 08/02/2021 11:01
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao