Banca de DEFESA: ADDISON RIBEIRO DE ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ADDISON RIBEIRO DE ALMEIDA
DATA : 13/04/2020
HORA: 14:00
LOCAL: SESSÃO FECHADA
TÍTULO:

DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE UMA FORMULAÇÃO LARVICIDA CONTENDO DERIVADO DO ÁCIDO CINÂMICO PARA O COMBATE AO Aedes aegypti


PALAVRAS-CHAVES:

Aedes aegypti. Larvicida. Produto natural. Cinamato de pentila. Nanoemulsão. Micropartículas sólidas.


PÁGINAS: 129
RESUMO:

A principal estratégia de controle das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti é a eliminação do vetor, principalmente em sua fase larval. Apesar da eficácia dos larvicidas e inseticidas comerciais, esses produtos apresentam toxicidade ambiental sendo o uso de produtos naturais uma alternativa para essa problemática. O objetivo desse estudo foi desenvolver e caracterizar formulações contendo cinamato de pentila e avaliar sua atividade larvicida para o Aedes aegypti. O cinamato de pentila foi obtido por semissíntese através da esterificação do ácido cinâmico. Este composto foi caracterizado e sua pureza determinada por RMN 1H e CLUE-EM/EM. Foram realizados ensaios de atividade do cinamato de pentila em larvas L3 e em mosquitos adultos de A. aegypti, obtendo-se uma atividade larvicida com DL50 de 19,9 μg.mL-1, e contra mosquitos adultos na dose de 200 μg por frasco teste, 80,8 ± 3,8 % de mortalidade em 2 h. Foram produzidas nanoemulsões com as lecitinas PHOSAL® 50+ (PHO), LIPOID® S 20 (L20) e LIPOID® S 75-3 (L75) por agitação mecânica e ultra turrax. As nanoemulsões foram submetidas à secagem por atomização para a obtenção de micropartículas sólidas caracterizadas por FTIR, MEV, DSC e TG. As nanoemulsões obtidas por agitação com turrax tiveram menores tamanhos de gotícula, sendo a de PHO: 81,0 ± 1,8 nm; L20: 120,4 ± 4,9 nm e L75 com 150,9 nm. As nanoemulsões de PHO se mostraram as mais estáveis durante 30 dias de observação, também foram as que apresentaram maior teor de cinamato de pentila com 66,0 ± 0,5%. As imagens obtidas por MEV evidenciaram que as micropartículas formadas pelas diferentes lecitinas tiveram aspecto semelhante entre elas. Nos espectros de FTIR foram observados sinais de estiramento característicos do cinamato de pentila e dos excipientes e pelas técnicas de DSC e TG foi possível ver um aumento da estabilidade do composto incorporado nas micropartículas sólidas. O estudo preliminar de toxicidade em zebrafish demonstrou evidências de toxicidade do cinamato de pentila em baixas concentrações, entretanto futuros estudos poderão ser realizados para a influência do solvente neste tipo de modelo. As nanoemulsões e micropartículas produzidas se mostraram adequadas para viabilizar o uso em água desse éster com potencial uso como larvicida e adulticida, abrindo perspectivas para estudos com outros compostos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1492900 - CICERO FLAVIO SOARES ARAGAO
Externo ao Programa - 2276354 - LEANDRO DE SANTIS FERREIRA
Externa à Instituição - LORENA CARNEIRO ALBERNAZ - UnB
Interna - 1490222 - SILVANA MARIA ZUCOLOTTO LANGASSNER
Notícia cadastrada em: 03/04/2020 17:05
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao