Banca de QUALIFICAÇÃO: VALÉRIA COSTA DA SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : VALÉRIA COSTA DA SILVA
DATA : 24/09/2019
HORA: 09:00
LOCAL: SALA CARL PETER VON DIETRICH - CENTRO DE BIOCIÊNCIAS
TÍTULO:

ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA INTESTINAL DO EXTRATO AQUOSO DE Ipomoea asarifolia E AVALIAÇÃO DE TOXICIDADE IN VIVO


PALAVRAS-CHAVES:

inflamação intestinal; colite; DNBS; ratos; Ipomoea asarifolia; Convolvulaceae; toxicidade; campo aberto; rotarod.


PÁGINAS: 111
RESUMO:

A doença inflamatória intestinal é desencadeada por uma resposta imune descontrolada associada ao desequilíbrio genético, ambiental e da microbiota intestinal. Sua farmacoterapia baseia-se em medicamentos derivados dos aminossalicilatos, corticorteroides, imunomoduladores e agentes biológicos, no entanto, apresentam sérios efeitos adversos. Desse modo, o uso de fitoterápicos pode ser usado como terapia adjuvante no tratamento da DII, para isso, além da utilização de ensaios que validem suas atividades farmacológicas, há necessidade do uso de ensaios toxicológicos como, ensaio de toxicidade aguda e subcrônica para garantir a segurança no uso destes compostos. Ipomoea asarifolia, popularmente conhecida como “salsa” ou “brava salsa”, pertence à família Convolvulaceae, a qual é rica em compostos bioativos, como o ácido caféico, ácido clorogênico e rutina. O objetivo desta abordagem foi estudar o efeito preventivo do extrato aquoso de I. asarifolia (IA) na colite induzida por ácido 2,4-dinitrobenzeno sulfônico (DNBS) em ratos e, validação de segurança. Nos ensaios de toxicidade aguda e subcrônica foi realizada a administração de dose única (2000 mg/kg) e doses seriadas por 28 dias (50, 100 e 200 mg/kg) de IA, respectivamente. No ensaio de colite, ratos pré-tratados com extrato IA (25, 50 e 100 mg/kg) ou sulfassalazina 250 mg/kg (SSZ) receberam instilação intracolônica de DNBS em etanol a 50% (v/v). Não foram observados efeitos tóxicos in vivo, pelas análises de toxicidade hematológica, hepática, renal e alterações motoras nas doses avalidas. O extrato de IA apresentou efeito protetor contra a inflamação intestinal, com melhora no índice de atividade da doença e danos macroscópicos. IA ou SSZ reduziram significativamente a atividade de mieloperoxidase e também a regularam negativamente a expressão gênica de JNK1, NF-κβ-p65, STAT3 e, diminuíram os níveis de TNFα, IL-1β, acompanhado do aumento da IL-10, associados a uma melhora significativa do estresse oxidativo, com redução do MDA e aumento da glutationa no tecido colônico. O efeito protetor do extrato também foi confirmado na avaliação histológica, demonstrando preservação da citoarquitetura colônica. A análise imuno-histoquímica revelou regulação negativa de NF-ββ-p65, iNOS, IL-17 e regulação positiva de SOCs-1 e MUC-2. Diante dos resultados obtidos, o extrato de IA apresenta propriedades antioxidante e anti-inflamatória intestinal e mostrou ter potencial para possível aplicação no controle da DII humana.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1789788 - ADLEY ANTONINI NEVES DE LIMA
Externo ao Programa - 2195251 - HUGO ALEXANDRE DE OLIVEIRA ROCHA
Externa ao Programa - 1720860 - VANESSA DE PAULA SOARES RACHETTI
Notícia cadastrada em: 17/09/2019 15:50
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa24-producao.info.ufrn.br.sigaa24-producao