Banca de QUALIFICAÇÃO: RAQUEL RIBEIRO BARBOSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAQUEL RIBEIRO BARBOSA
DATA : 27/09/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 1 do PPgCF
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ANTIHELMÍNTICO DO EXTRATO DAS FOLHAS DA Calotropis procera EM NEMATODEOS GASTROINTESTINAIS DE OVINOS


PALAVRAS-CHAVES:

Apocynaceae, flor-de-seda, fitoterápico, nematodes, veterinária.


PÁGINAS: 109
RESUMO:

Um dos maiores entraves da ovinocaprinocultura no Nordeste do Brasil é o parasitismo por nematóides gastrintestinais. A ocorrência da resistência anti-helmíntica em rebanhos dessa região, tem favorecido investigações sobre o uso de métodos alternativos, tais como o uso de plantas medicinais. Relatos do uso popular tem motivado pesquisas para comprovação cientÍfica do potencial antihelmíntico da Calotropis procera por meio de estudos in vitro e in vivo. Dessa forma, objetivou-se avaliar o potencial antihelmíntico do extrato hidroetanólico das folhas da C. procera (ECp) por meio de ensaios in vitro e in vivo em nematóides gastrointestinais de ovinos naturalmente infectados. O experimento foi divido em etapas: I. Triagem fitoquímica da planta; II. Avaliação da atividade anti-helmíntica in vitro: teste de eclodibilidade larval-TEO e teste do desenvolvimento larval-TDL; III. Avaliação da toxicidade: ensaio MTT e teste de toxicidade aguda em ratos; IV. Ensaio clínico: teste de redução da contagem de ovos em fezes em ovinos. Como resultados, por meio da triagem fitoquímica foi possível detectar a presença alguns grupos de metabólitos secundários: flavonóides, saponinas, alcalóides e fenóis. Por meio da análise por Cromatografia em Camada Delgada pode-se indicar a presença de rutina, canferol, quercetina e luteolina. Na avaliação da eficácia in vitro, o ECp apresentou eficácia superior a 90% nas concentrações de 24 e a 100 % nas concentrações superiores a 36 mg/mL após 48 h de incubação no TEO. Todas as concentrações avaliadas diferiram estatisticamente do controle negativo (agua destilada) p<0.0001. No TDL, observou-se diferença significativa entre as concentrações avaliadas e o controle negativo nas doses acima de 6 mg/mL com valores de p=0,000. A comparação entre as concentrações do extrato e o controle positivo (ivermectina) apresentou diferença significativa para as doses de 1, 12, 24 e 36 mg/mL com valores de p= 0,000. O ensaio de MTT mostrou que os extratos nas concentrações de 500 e 1.000 μg/mL diferiram significamente do controle negativo 0% DMSO, assim como do controle DMSO 2% no teste Tukey (p<0,05). Não foi evidenciada diferença significativa (p>0,05) entre DMSO 1% e a amostra a 500 μg/mL, nem entre DMSO 2% e a amostra a 1000 μg/mL pelo teste t, o que sugere que a toxicidade apresentada pode estar associada a presença do DMSO a amostra. As concentrações de 1 a 250 μg/mL não apresentaram citotoxicidade quando comparadas ao controle negativo. No teste de toxicidade aguda em ratos, não observou-se mortalidade nas doses de 1.000 e 2.000 mg/Kg, via oral. Não foram observados sintomas de intoxicação nas primeiras 24 horas pós-tratamento, nem alterações significativas no hemograma após 14 dias de observação. Não foi observada diferença significativa nas dosagens de AST, ALT, uréia, creatinina e fosfatase alcalina dos tratamentos quando comparados ao controle. Observou-se diferença significativa (p<0.05) entre os tratamentos (1.000 e 2.000 mg/Kg) quando comparados ao controle no que diz respeito à quantificação de proteínas totais. O grupo que recebeu a dose de 2.000 mg/Kg diferiu estatisticamente do grupo controle quanto à dosagem de albumina (p<0.05). O ensaio clínico preliminar foi realizado na fazenda experimental do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), campus Ipanguaçu-RN, com um total de 15 ovinos, divididos em três grupos (n =5), os resultados demonstraram que o extrato da C. procera quando administrado na dose de 300 mg/Kg, via oral, reduziu em 25% e 26,52% o número de ovos por grama de fezes dos animais no 14º dia e 28º dia pós-tratamento, respectivamente.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2087759 - ANDRE DUCATI LUCHESSI
Externo ao Programa - 1714262 - LILIAN GIOTTO ZAROS DE MEDEIROS
Presidente - 2275890 - MARCELO DE SOUSA DA SILVA
Notícia cadastrada em: 11/09/2018 10:50
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao