Banca de DEFESA: IAGO DE SOUZA GOMES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : IAGO DE SOUZA GOMES
DATA : 03/07/2017
HORA: 14:00
LOCAL: SALA DE AULA II DO PPGCF
TÍTULO:

PROTEÍNAS EXOSSOMAIS COMO MARCADORES PRECOCES DA DOENÇA
RENAL: AVALIAÇÃO DA EXPRESSÃO DE WT-1, NEFRINA E PODOCINA EM
MODELO DE DIABETES MELLITUS TIPO 1.


PALAVRAS-CHAVES:

Diabetes mellitus tipo 1; nefropatia diabética; exossomos urinários; WT-1; nefrina; podocina.


PÁGINAS: 62
RESUMO:

A nefropatia diabética (ND) é uma das complicações decorrentes do Diabetes mellitus tipo 1 (DM1). A perda de podócitos do glomérulo renal é um evento precoce e chave no desenvolvimento da ND. A técnica para concentrar os exossomos urinários eliminados na urina tem permitido a quantificação de pequenas concentrações de componentes celulares carreados nessas microvesículas extracelulares, ricas fontes de biomarcadores. Dentre as proteínas encontradas nos exossomos urinários estão: a proteína de tumor de Wilms-1 (WT-1), que tem um papel importante no desenvolvimento de muitas doenças renais; a nefrina e a podocina, proteínas chaves na manutenção da integridade da fenda de filtração glomerular.
Objetivo: Assim, o presente estudo objetiva avaliar a partir de exossomos urinários e do córtex renal as proteínas WT-1, nefrina e podocina envolvidas na estrutura da fenda de filtração glomerular, as quais poderão representar potenciais marcadores precoces e não invasivos de dano glomerular e da ND.
Materiais e Métodos: Os animais foram divididos em 2 grupos, Controle e Diabéticos induzidos por Estrepzotocina (STZ), sendo avaliados em 2 períodos (30 e 60 dias), quanto ao peso corporal e a parâmetros bioquímicos como glicose, ureia, albumina e creatinina.
Resultados: Observou-se uma redução do peso e albumina sérica dos animais do grupo diabéticos induzido por STZ em comparação ao grupo controle, em ambos os períodos. Também houve um aumento de glicemia e ureia séricas desses mesmos grupos. Além disso, foi observado características clínicas clássicas do DM1, como poliúria, polifagia e polidipsia.
Conclusão: Dessa forma, a indução do DM1 por STZ foi confirmado pela verificação da hiperglicemia, por meio das dosagens séricas de glicose e, também, pela a presença das características clínicas como perda de peso corporal, poliúria, polifagia, polidipsia. Além disso, as alterações nas concentrações séricas de ureia e albumina, sugerem um possível quadro inicial de dano renal nestes animais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2323511 - ADRIANA AUGUSTO DE REZENDE
Externo ao Programa - 2477216 - NAISANDRA BEZERRA DA SILVA FARIAS
Externo à Instituição - VALERIA MORGIANA GUALBERTO DUARTE MOREIRA LIMA - UEPB
Notícia cadastrada em: 23/06/2017 14:11
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao