Banca de DEFESA: GUSTAVO HENRIQUE AZEVEDO BRANDÃO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GUSTAVO HENRIQUE AZEVEDO BRANDÃO
DATA: 29/02/2016
HORA: 14:30
LOCAL: SALA DE AULA II DO PPGCF
TÍTULO:

Alcaloides de Melocactus zehntneri: extração sustentável e atividade farmacológica


PALAVRAS-CHAVES:

Melocactus zehntneri, alcaloides, otimização de extração, maceração, ultrassom, líquido iônico, extração por fluido supercrítico e anti-HPV.


PÁGINAS: 139
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Melocactus zehntneri (Britton & Rose) é uma das muitas espécies vegetais de valor terapêutico que se encontra ameaçada pelas atividades humanas sobre o seu habitat. Ao considerar as relações etnofarmacológicas e quimiotaxonômicas, uma vez que M. zehntneri pertence à família Cactaceae, os constituintes químicos da espécie se tornam atrativos especialmente no que tange os alcaloides isoquinolínicos, classe de extremo interesse farmacológico enquanto moléculas citotóxicas. Acredita-se que agregando valor científico à espécie novas políticas públicas de conservação podem ser desenvolvidas. Este trabalho tem como objetivos avaliar a extração de alcaloides de M. zehntneri por maceração, ultrassom (EAU), ultrassom com liquido iônico (EAU-liquido iônico) e extração por fluido supercrítico (EFS) tendo como metas um processo sustentável e a valorização do bioma Caatinga. Além disso, foram realizados experimentos de citotoxicidade com diferentes concentrações de frações enriquecidas em alcaloides frente às linhagens HeLa e C33a responsáveis por carcinomas cervicais. As condições de extração de maceração [tempo 24, 48 e 72 horas], EAU [amplitude (20%, 27%, 33% e 40%); tempo (15, 30, 45 e 60 minutos) e proporção droga:solvente (1:10, 1:20 e 1:40, p/v)], EAU-liquido iônico [concentração (0 mol/mL; 0,05 mol/mL; 0,1 mol/mL; 0,2 mol/mL e 0,3 mol/mL)] e EFS [pressão (100, 200 e 300 bar) e temperatura (35º C, 45º C e 55º C)] foram otimizadas para garantir o máximo de eficiência de extração. O rendimento global, Cromatografia em Camada Delgada (CCD) e espectrofotometria foram usadas como ferramentas de análises para selecionar as melhores condições de extração em cada técnica. Dessa forma, as amostras obtidas a partir de partes aéreas da planta e extraídas por maceração (72 horas), EFS (300 bar e 55º C) EAU e EAU-liquido iônico (27% de amplitude, 45 minutos e proporção de 1:10, p/v) foram selecionadas e um método em CLAE-UV/DAD desenvolvido para comparação de perfis. Nessa técnica, área e intensidade de absorção simultânea em 254 nm e 279 nm dos picos no cromatograma foram assumidos como correspondentes a alcaloides. Os resultados dos cromatogramas sugerem que a EFS ofereceu diferenças qualitativas e uma maior eficiência para todos os compostos, quando comparado com as demais técnicas de extração; em contrapartida, para a maceração, EAU e EAU-líquido iônico não foram observadas diferenças qualitativas. Na atividade biológica foi observada ação citotóxica frente à linhagem C33a nas frações CHCl3 e BuOH obtidas de partes aéreas e raízes; ao passo que, essa atividade em linhagem HeLa apenas foi observada em frações clorofórmicas obtidas de partes aéreas e raízes. A aplicação de técnicas sustentáveis e os resultados experimentais apresentados no trabalho agregaram valor científico para a espécie de Melocactus zehntneri. Assim, esperamos que essa contribuição auxilie no desenvolvimento de políticas públicas para preservação dessa espécie e valorização do bioma Caatinga.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1543286 - CAMILA GAMBINI PEREIRA
Presidente - 1893445 - EUZEBIO GUIMARAES BARBOSA
Externo à Instituição - LEANDRO DANIELSKI - UFPE
Notícia cadastrada em: 23/02/2016 14:16
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao