Banca de QUALIFICAÇÃO: EMERSON MICHELL DA SILVA SIQUEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EMERSON MICHELL DA SILVA SIQUEIRA
DATA: 23/10/2014
HORA: 13:30
LOCAL: SALA DE AULA II do PPGCF
TÍTULO:

ANÁLISE FITOQUÍMICA E ATIVIDADES FARMACOLÓGICAS DE Spondias tuberosa Arr. (UMBU)


PALAVRAS-CHAVES:

Spondias tuberosa, anti-inflamatório, antiviral, citotoxicidade e marcadores.


PÁGINAS: 42
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Spondias tuberosa Arruda é uma árvore frutífera conhecida popularmente como umbuzeiro, tapereba ou umbu que pertence à família Anacardeaceae. Ela é uma planta nativa e endêmica do Brasil, distribuída por todos estados do nordeste brasileiro. A espécie tem grande importância na medicina popular do semi-árido nordestino, onde é utilizada principalmente para tratar várias condições inflamatórias, problemas digestivos e infecções virais e bacterianas. No entanto, apesar da vasta utilização na medicina tradicional, existem poucos estudos farmacológicos e fitoquímicos que subsidiem e embasem a sua utilização popular. Diante disto, este trabalho buscou caracterizar os marcadores químicos para as folhas de S. tuberosa e avaliar sua atividade anti-inflamatória. O extrato das folhas foi preparado por maceração em meio hidroetanólico. A avaliação do perfil fitoquímico das folhas foi realizada preliminarmente por CCD e em seguida por CLAE. Na análise por CCD foi verificada a presença dos flavonoides rutina e isoquercitrina. A análise por CLAE confirmou a presença desses compostos e também a presença dos ácidos fenólicos ácido clorogênico e ácido caféico. Os compostos identificados foram quantificados através da validação da metodologia seguindo as normas da RDC 899/2003 da ANVISA e ICH Guidelines 2005. Para avaliação do efeito anti-inflamatório foram utilizados os modelos de peritonite e de edema de pata induzidos por carragenina, administração via i.p., em camundongos. Os resultados das atividades anti-inflamatórias in vivo mostraram que o extrato das folhas, nas concentrações de 125, 250 e 500 mg/kg, apresentou uma diminuição do influxo de leucócitos, diâmetro do edema e nível da enzima mieloperoxidase, quando, comparado ao controle dexametasona. Em suma, em nosso trabalho foi verificado que o extrato hidroetanólico das folhas de Spondias tuberosa apresentou atividade anti-inflamatória importante nos dois modelos ensaiados, o que torna a planta uma potencial espécie para este uso, justificando o seu uso popular. No que se refere a caracterização de marcadores, os compostos fenólicos ácido clorogênico, ácido caféico, rutina e isoquercitrina identificados no extrato das folhas de Spondias tuberosa podem ser utilizados no controle de qualidade da matéria-prima e de extratos obtidos com a espécie.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 346847 - MARIA DAS GRACAS ALMEIDA
Interno - 1679481 - ANA PAULA BARRETO GOMES
Externo ao Programa - 1569526 - RENATA MENDONCA ARAUJO
Notícia cadastrada em: 22/10/2014 10:16
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa25-producao.info.ufrn.br.sigaa25-producao