Banca de DEFESA: KIEV MARTINS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KIEV MARTINS
DATA: 22/05/2014
HORA: 14:00
LOCAL: SALA DE AULA 2 DO PPGCF
TÍTULO:

 Caracterização molecular do Trypanosoma cruzi isolado de pacientes chagásicos, triatomíneos e reservatórios silvestres procedentes do semiárido do Estado do Rio Grande do Norte



PALAVRAS-CHAVES:

Trypanosoma cruzi I e III, doença de Chagas crônica, formas clínicas, diversidade genética


PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Trypanosoma cruzi, o agente etiológico da doença de Chagas, é subdividido em seis unidades de tipagem distintas (DTUs) e a DTU II é a mais comum em indivíduos infectados no Brasil. Este trabalho teve como objetivo a caracterização genética de populações do T. cruzi que circulam em diferentes hospedeiros procedentes de vários municípios do semiárido do Estado do Rio Grande do Norte e verificar a sua associação aos ciclos de transmissão do parasito e as formas clínicas dos pacientes infectados. Os isolados do T. cruzi foram obtidos por hemocultura para seres humanos e xenocultura para mamíferos silvestres e triatomíneos. Estes isolados foram caracterizados molecularmente usando os marcadores genéticos: 24SαrRNA, a subunidade 2 do gene mitocondrial citocromo oxidase (COII), e a região do o espaçador intergênico (SL-IRac). Os pacientes sororreativos para T. cruzi foram examinados e as formas clínicas caracterizadas de acordo com exames especializados. A identidade genética do T. cruzi foi analisada em 16 de pacientes chagásicos com diferentes formas clínicas, dois do Panstrongylus lutzi, um Galea spixii e um Euphractus sexcinctus. As DTUs I e III do T. cruzi foram identificadas respectivamente, em 37,5% (6/16) e 18,7% (3/16) dos pacientes e a DTU II em 43,8% (7/16) deles. A DTU III também foi identificada em P. lutzi, G. spixii e E. sexcinctus. TcI e TcII foram isolados de pacientes com formas clínicas cardíaca, digestiva e indeterminada, enquanto o TcIII foi identificado apenas em pacientes com a forma clínica indeterminada. A ocorrência dessas DTUs revelou notável diversidade filogenética entre os isolados do T. cruzi e o TcIII foi identificado em humanos pela primeira vez no nordeste brasileiro. Esses achados podem representar uma sobreposição dos ciclos de transmissão peridomiciliar e silvestre do parasito e contribuir para a compreensão da dinâmica populacional do T. cruzi e a doença fornecendo suporte aos programas de controle nessa área endêmica.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1218940 - ANTONIA CLAUDIA JACOME DA CAMARA
Externo ao Programa - 1752367 - PAULO MARCOS DA MATTA GUEDES
Externo à Instituição - ELIANE LAGES SILVA - UFTM
Notícia cadastrada em: 16/05/2014 10:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao