Banca de DEFESA: EDILENE GADELHA DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EDILENE GADELHA DE OLIVEIRA
DATA: 20/12/2013
HORA: 09:00
LOCAL: SALA DE AULA 2 PÓSGRADUAÇÃO
TÍTULO:

MICROPARTÍCULAS DE POLI (ÁCIDO LÁCTICO)/POLOXÂMERO OBTIDAS POR SPRAY DRYING PARA LIBERAÇÃO MODIFICADA DE METOTREXATO


PALAVRAS-CHAVES:

Micropartículas. Poli (ácido láctico). Pluronic. Metotrexato. Spray


PÁGINAS: 98
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Novos sistemas de liberação de fármacos vêm sendo utilizados para aumentar a eficácia de quimioterápicos devido à possível resistência de células cancerígenas. As micropartículas de poli (ácido láctico) (PLA) constituem uma alternativa para diminuir a toxicidade e prolongar a liberação do metotrexato (MTX). Além disso, o uso de blendas poliméricas PLA-poloxâmeros pode melhorar o perfil de liberação do fármaco devido a mudanças nas interações das partículas com superfícies biológicas. O objetivo do estudo foi desenvolver micropartículas biodegradáveis de MTX produzidas por spray drying e avaliar interações PLA-Pluronic® (PLA-PLU) para modular a liberação do fármaco, utilizando diferentes tipos de Pluronic® (PLUF127 e PLUF68). As variáveis de composição incluíram razões fármaco:polímero (1:10; 1:4,5; 1:3) e polímero:copolímero (25:75, 50:50, 75:25). A reprodutibilidade e a eficácia do método de produção foram confirmadas pela alta eficiência de incorporação dos sistemas (75,0-101,3%). As micropartículas de MTX/PLA apresentaram-se esféricas com superfície aparentemente lisa. Este formato mostrou-se dependente da razão polímero:copolímero nas partículas contendo blendas. A análise térmica e a difração de raios-X sugerem que há dispersão do fármaco por toda a matriz, enquanto que a miscibilidade entre os componentes foi dependente da razão polímero:copolímero. Nenhuma ligação química entre o fármaco e o polímero foi identificada pela análise de FTIR. As micropartículas de PLA contendo MTX apresentaram perfil de liberação prolongada com um prevalente modelo cinético de Korsmeyer-Peppas. O PLU acelerou a taxa de liberação do fármaco devido a sua possível saída da matriz polimérica. Por outro lado, estudos de liberação do fármaco realizados em cultura de células demonstraram que o PLU modula a taxa de MTX liberado a partir de micropartículas contendo blendas. Este efeito foi confirmado pela citotoxicidade dos sistemas estudados, de acordo com a quantidade de fármaco liberado em função do tempo. Portanto, o uso de PLU foi capaz de melhorar o perfil de liberação de micropartículas de PLA contendo MTX, o qual pode ser utilizado como carreador para modular a liberação do fármaco com potencial aplicação in vivo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1639820 - ARNOBIO ANTONIO DA SILVA JUNIOR
Externo ao Programa - 2203888 - MARCIA RODRIGUES PEREIRA
Externo à Instituição - YÊDA MEDEIROS BASTOS DE ALMEIDA - UFPE
Notícia cadastrada em: 04/12/2013 12:24
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao