Banca de QUALIFICAÇÃO: JOVELINA SAMARA FERREIRA ALVES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOVELINA SAMARA FERREIRA ALVES
DATA: 27/09/2013
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Farmácia Hospitalar
TÍTULO:

ESTUDO QUÍMICO E AVALIAÇÃO FARMACOLÓGICA DE Genipa americana L.


PALAVRAS-CHAVES:

Genipa americana Linnaeus


PÁGINAS: 64
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Genipa americana Linnaeus, pertencente à família Rubiaceae, ocorre amplamente na região Nordeste e em outras regiões do país, como também em outros países. Sob o ponto de vista medicinal é usada pela população como: catártico, antidiarréico, antigonorréico, antiulceroso, analgésico, em casos de sífilis, anemia, icterícia, asma, hidropsia, problemas de fígado e baço. Devido ao reconhecido uso popular e a escassez de estudos químicos e farmacológicos, faz-se necessário conduzir estudos de caracterização dos marcadores e/ou compostos ativos. O estudo iniciou-se com a coleta de folhas, frutos maduros e verdes nas mediações da Praia de Barreta (Nísia Floresta-RN), dos quais as folhas foram submetidos à secagem e moagem. Posteriormente, ocorreu o preparo dos extratos hidroetanólicos (EH) das folhas, pericarpo e endocarpo dos frutos e fracionamento com solventes orgânicos com ordem de polaridade crescente(éter de petróleo, diclorometano, acetato de etila, e n-butanol). Para análise das frações foi utilizada a técnica de CCD e CLAE e procedimentos cromatográficos foram utilizados para o isolamento de compostos químicos. Foi observada a presença de flavonoides em análise por CCD do EH das folhas (EHF) e frutos de G. americana. Após esta análise, realizou-se uma coluna líquida a vácuo (CLV) da fração n-butanólica do EHF. Algumas frações da CLV da fração foi butanólica foram utilizadas no isolamento, dentre elas a fração FL3, FL4 e FL5 que originaram 125mg da fração semi-purificada Gn1 e 7mg fração semi-purificada Gn2. Gn1 foi enviado para análises de Espectrometria de Massas (EM) para identificação dos compostos marjoritários do EHF. Os ensaios de difusão em disco mostraram que o EHF é ativo contra Streptococcus pneumoniae e Klebsiella peneumoniae e que o EH do endocarpo dos frutos não possui atividade antimicrobiana in vitro. Os ensaios antiinflamatórios demonstraram que o EH F possui atividade anti-inflamatória in vivo, ensaios com as frações do EHF serão desenvolvidos para identificação da fração mais ativa. Processos de isolamento estão sendo desenvolvidos para o EH da polpa e do pericarpo de G. americana.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1893445 - EUZEBIO GUIMARAES BARBOSA
Interno - 1544647 - MATHEUS DE FREITAS FERNANDES PEDROSA
Presidente - 1871916 - RAQUEL BRANDT GIORDANI
Notícia cadastrada em: 24/09/2013 10:44
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao