Banca de QUALIFICAÇÃO: JACKSON ARAUJO DE SOUSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JACKSON ARAUJO DE SOUSA
DATA : 18/12/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Google Meet - https://meet.google.com/sfr-gazh-rfo
TÍTULO:

Convivência com o Semiárido e Injustiça Ambiental na Chapada do Apodi (Tabuleiro do Norte/CE)


PALAVRAS-CHAVES:

Injustiça ambiental; Convivência com o Semiárido; Agronegócio; Resistência.


PÁGINAS: 82
RESUMO:

Na Chapada do Apodi, no Ceará, a expansão do agronegócio tem reconfigurado a questão agrária da região e ensejando processos de injustiça ambiental. De maneira concomitante, surgem movimentos de resistência ao modelo de desenvolvimento preconizado pelo agronegócio. Nessa esteira, se territorializa a convivência com o Semiárido a partir da cooperação entre camponeses(as), organizações da sociedade civil, técnicos, pesquisadores e universidades visando construir uma relação mais harmônica entre sociedade e natureza. Tal processo também se verifica na porção da Chapada do Apodi circunscrita ao município de Tabuleiro do Norte, onde ocorre a expansão do agronegócio do algodão (e do milho, soja e sorgo nos períodos de entressafra). Pensar a convivência com o Semiárido em espaços que não são considerados fronteiras agrícolas é diferente de pensar esta convivência em espaços onde há a territorialização do grande capital. Nesta, os conflitos são mais visíveis e intensos, pondo em confronto racionalidades muitas vezes divergentes e/ou excludentes. Neste recorte, é possível verificar a convivência com o Semiárido sendo diretamente afetada pela territorialização do capital, ensejando processos de injustiça ambiental. Dessa forma, o objetivo geral da presente pesquisa é compreender as limitações impostas pela injustiça ambiental à convivência com o Semiárido na Chapada do Apodi no município de Tabuleiro do Norte. Os objetivos específicos são: 1) caracterizar os territórios da convivência com o Semiárido na Chapada do Apodi; 2) investigar o cenário de injustiça ambiental na Chapada do Apodi, frente as ações do Estado e do agronegócio; 3) evidenciar as estratégias de resistência que possibilitam a convivência com o Semiárido em meio à injustiça ambiental na região. A pesquisa se constitui como de natureza qualitativa, cujos procedimentos metodológicos são organizados em quatro etapas, quais sejam: 1) levantamento e revisão bibliográfica; 2) levantamento de dados secundários; 3) trabalhos de campo; 4) sistematização e análise dos dados.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3214278 - LEANDRO VIEIRA CAVALCANTE
Interno - 1804195 - GLEYDSON PINHEIRO ALBANO
Externa à Instituição - CAMILA DUTRA DOS SANTOS - UECE
Notícia cadastrada em: 29/11/2022 09:38
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa28-producao.info.ufrn.br.sigaa28-producao