Banca de DEFESA: DAISY CAROLINE NASCIMENTO PEREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DAISY CAROLINE NASCIMENTO PEREIRA
DATA : 31/07/2017
HORA: 14:30
LOCAL: NEPSA II
TÍTULO:

Distribuição Funcional de Renda no Brasil (1955-2014)


PALAVRAS-CHAVES:

Distribuição de Renda. Distribuição Funcional de Renda. Participação dos Salários na Renda Nacional. Participação do Capital na Renda Nacional.


PÁGINAS: 115
RESUMO:

Nas ciências econômicas são vastos os trabalhos que analisam a temática voltada às desigualdades econômicas, porém, uma das críticas feitas à literatura econômica contemporânea que estuda a desigualdade de renda é que esta, predominantemente, estuda aspectos relacionados à distribuição pessoal de renda (DPR), esquecendo-se de se aprofundar nas questões relacionadas à distribuição funcional de renda (DFR). Embora a DFR seja um aspecto importante no desenvolvimento de muitas teorias macroeconômicas, seu estudo ainda é muito negligenciado, tanto a nível internacional quanto nacional. Isso se deve, em grande parte, às limitações teóricas e metodológicas inerentes ao seu estudo. Apesar dessas limitações, existem diversos fatores que motivam seu estudo. Assim, o presente trabalho tem por objetivo analisar o comportamento histórico da Distribuição Funcional de Renda no Brasil entre 1955-2014. Analisamos o comportamento da DFR a partir de três fatores: produtividade real do trabalho, salários reais e o poder de barganha dos trabalhadores. A análise do poder de barganha dos trabalhadores foi realizada através da compreensão da evolução do Estado do Bem-Estar Social. Os resultados demonstram que, entre 1955 a 2014, a distribuição funcional de renda no Brasil apresentou comportamento cíclico. Em comparação internacional, percebe-se que a participação da renda do trabalho na renda nacional acompanhou a dinâmica internacional e que a DFR no Brasil é relativamente baixa, mesmo quando comparada com a de países pobres. Também verificamos que estudos voltados a DFR devem levar em consideração fatores conceituais, metodológicos e quantitativos, pois, não existe um consenso na literatura em relação as suas técnicas de mensuração. Através das metodologias apresentadas, percebe-se que o tratamento dado à renda dos autônomos (renda mista) é o principal fator que influencia a existência de diversas formas de estimação da participação da renda do trabalho na renda nacional. A pesquisa classifica-se como exploratória-descritiva, quali-quantitativa e os dados foram obtidos, majoritariamente, através das Contas Nacionais realizadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pelos bancos de dados da International Labour Organization (ILO) e Organisation for Economic Co-operation and Deselopment (OECD). 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1752338 - FABRICIO PITOMBO LEITE
Externo ao Programa - 7349918 - MARCONI GOMES DA SILVA
Externo à Instituição - RICARDO SCHMIDT FILHO - UFCG
Notícia cadastrada em: 11/07/2017 14:58
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao