Banca de DEFESA: CAMILA MIRELLA SANTOS DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAMILA MIRELLA SANTOS DE OLIVEIRA
DATA: 24/02/2016
HORA: 14:30
LOCAL: Sala B7 - Setor V
TÍTULO:

CRIMINALIDADE NO BRASIL E SEUS ASPECTOS ECONÔMICOS NO PERÍODO 1990-2010: UMA ANÁLISE DE VETORES AUTORREGRESSIVOS PARA DADOS EM PAINEL – PVAR


PALAVRAS-CHAVES:

Criminalidade, Teoria do Crime, PVAR, GMM-system.



PÁGINAS: 77
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Economia
RESUMO:


O presente estudo tem por objetivo investigar os efeitos dos aspectos econômicos sobre a criminalidade, para o período de 1990 a 2010, com a finalidade de verificar as principais causas para o aumento expressivo da criminalidade nos estados brasileiros. Para alcançar o objetivo proposto, o estudo se baseará na teoria econômica do crime de Becker (1968). Para isto, serão utilizados os dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde (SIM-DATASUS), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada(IPEA) e Secretaria do Tesouro Nacional (STN). As estatísticas apontam que são os jovens as principais vítimas de violência, principalmente homicídios. Neste sentido, o presente trabalho será constituído por dois modelos, com destaque para a influência das variáveis de educação, renda, desigualdade de renda e pobreza sobre as taxas de homicídios nos estados brasileiros. Para o primeiro modelo foram considerados os indivíduos (homens e mulheres) de todas as idades. Já o segundo modelo levou em consideração apenas os indivíduos (homens e mulheres) jovens, com idade de 15 a 29 anos. A ideia é verificar a magnitude do impacto dessas variáveis econômicas entre um modelo e outro, já que a criminalidade tem afetado principalmente os indivíduos mais jovens. Dessa forma, será realizado um estudo considerando a criminalidade nas 27 unidades federativas do Brasil, através da construção de um painel de dados não balanceado, utilizando da técnica VAR Painel (PVAR), proposto por Holtz-Eakin et al.(1998) estimado pelo método de momentos generalizados (GMM) sistêmico para identificar as possíveis relações existentes entre fatores econômicos e a criminalidade, através das funções impulso-resposta e decomposição de variância. As estatísticas descritivas revelam que, nos últimos anos, as taxas de homicídios vêm apresentando um crescimento contínuo, em que os jovens são as principais vítimas. Para ambos os modelos, as variáveis econômicas apresentaram um comportamento semelhante. Com relação às variáveis centrais, os achados empíricos sugerem a desigualdade de renda e os efeitos inerciais como um dos principais propulsores da criminalidade. Por outro lado, as evidências revelam que uma elevação da renda domiciliar per capita eleva o custo de oportunidade do crime, corroborando com a teoria econômica. Dessa maneira, verifica-se a necessidade de políticas públicas com foco sobre a diferença de renda e/ou reformulação da política pública nacional de maneira que promova a melhoria social, a fim de combater de forma mais eficaz a criminalidade no Brasil.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1474874 - JANAINA DA SILVA ALVES
Externo ao Programa - 1957532 - JOAO PAULO MARTINS GUEDES
Externo à Instituição - RODOLFO FERREIRA RIBEIRO DA COSTA - UERN
Notícia cadastrada em: 24/02/2016 08:40
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa16-producao.info.ufrn.br.sigaa16-producao