Banca de QUALIFICAÇÃO: NELSON COSME DE ALMEIDA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NELSON COSME DE ALMEIDA
DATA: 06/06/2014
HORA: 15:00
LOCAL: 3H5
TÍTULO:

UNIDADE DIDÁTICA PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA DO MEIO AMBIENTE: o caso da Licenciatura em Física do IFRN Campus Santa Cruz


PALAVRAS-CHAVES:

método do arco de Maguerez, unidade didática, 


PÁGINAS: 140
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Física
RESUMO:

Com a inserção – a partir da resolução nº 2, de 30 de janeiro de 2012 – da educação ambiental na educação brasileira surgiu a necessidade de formar professores capazes de discutir a questão ambiental no âmbito de suas respectivas disciplinas. Para os licenciandos em física, uma formação que atenda a essa necessidade é possível via a disciplina de Física do Meio Ambiente.

 

A disciplina, Física do Meio Ambiente, ou Física Ambiental, além de lidar com diversos aspectos da física, ainda interage com a química, biologia, economia, e até mesmo invoca aspectos da sociologia. Nesse entrelaçamento, a física, ao aplicar seus vários desdobramentos e formulações matemáticas e lógicas aos problemas ambientais, promove a característica transdisciplinar inerente a todas as formas do conhecimento (LANDULFO, 2005, p. 72).

 

Embora, no IFRN, Física do Meio Ambiente seja uma disciplina recente, na UFRN, por exemplo, ela existe desde a década de 70.

 

A criação da disciplina de Física do Meio Ambiente se deu pelo Departamento de Física da UFRN na década de 70, e durante todos esses anos tem passado por profundas mudanças na forma como vinha sendo abordada. O embrião do curso de Física do Meio Ambiente surgiu na UFRN em 1976 e foi baseado na estrutura curricular de cursos que eram ministrados em universidades Norte Americanas e na Europa (GUEDES, 2012, p.17).

 

 

Essa disciplina constitui um elo entre as demais disciplinas do Curso de Licenciatura em Física. Na Matriz Curricular do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), por exemplo, ela é capaz de fazer conexão com as disciplinas do núcleo específico, tais como, Mecânica, Termodinâmica, Eletromagnetismo e Física Moderna; do núcleo complementar como Cálculo Diferencial e Integral ou do núcleo didático-pedagógico como as disciplinas: Didática e Fundamentos Sócio-Políticos e Econômicos da Educação.

Sendo assim, a preocupação primordial desta dissertação reside em propor uma Unidade Didática para a disciplina Física do Meio Ambiente capaz de debater sobre os fenômenos Efeito Estufa e Aquecimento Global através de uma metodologia problematizadora, denominada de Método do Arco de Charles Maguerez

A Dissertação está dividida em cinco capítulos:

 

  • CAPÍTULO 1 – FÍSICA DO MEIO AMBIENTE COMO DISCIPLINA NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM FÍSICA NO BRASIL

  • CAPÍTULO 2 – INTERAÇÃO SOL-TERRA

  • CAPÍTULO 3 – O DESAFIO DE CONVERTER INFORMAÇÃO EM CONHECIMENTO

  • CAPÍTULO 4 – PROPOSTA DE UMA UNIDADE DIDÁTICA

  • CAPÍTULO 5 – ANÁLISE DA UNIDADE DIDÁTICA

 

O Capítulo 1, traz uma análise sobre a inserção da disciplina Física do Meio Ambiente (FMA) nos cursos de licenciatura em Física do Brasil. Então, num primeiro momento foi feita uma pesquisa nos sites de todos os Institutos Federais e de todas as Universidades Federais do Brasil, para constatar em quais Instituições de Ensino Superior (IES) essa disciplina vem sendo adotada. Em seguida, fizemos um estudo das ementas encontradas, a fim de saber quais são e como estão sendo trabalhados os conteúdos de Física na disciplina FMA, buscando compreender se havia alguma correlação com as discussões ambientais. Finalizamos o capítulo expondo as Razões para a inserção de Física do Meio Ambiente nos currículos da Licenciatura em Física.

O Capítulo 2, intitulado Interação Sol-Terra, sugere alguns conteúdos que podem ser trabalhados em FMA. Trata-se de um material de apoio para o professor dessa disciplina. A intenção foi oferecer um material que norteasse o professor na elaboração de aulas sobre a interação do Sol com Terra e que a partir dessa interação pudesse ensinar sobre os fenômenos aquecimento global e efeito estufa. Nele trouxemos objetivamente um texto sobre fusão nuclear; energia solar; mancha solar, ejeção de massa corona,vento solar e os fenômenos, já citados, efeito estufa e aquecimento global.

O Capítulo 3 traz uma discussão sobre o desafio de converter informação em conhecimento. Então, num primeiro momento fala sobre a formação inicial de professores, principais responsáveis por converter informação em conhecimento. Em seguida, mantendo a mesma perspectiva discute sobre a nova cultura da aprendizagem, onde de ressalta o papel da escola na formação do cidadão, na construção do conhecimento. Destaca-se o papel do professor e do aluno, bem como as formas de ensinar dos docentes.

Finalizamos o capítulo mostrando o quanto é complexo e delicado incorporar, na prática do professor, metodologias que proporcionem o desenvolvimento de habilidades e competências. Embora o objetivo seja o de convergir e apontar soluções, existem muitas definições, muitos entendimentos sobre o significado de aprendizagem significativa, competências e habilidades.

O Capítulo 4 apresenta a metodologia problematizadora utilizada na proposta da Unidade Didática sobre Efeito Estufa e Aquecimento Global,denominada de Método do Arco de Charles Maguerez. No primeiro momento, descreveremos as etapas desse método e, ainda, apontaremos suas vantagens e desvantagens, quanto ao seu uso. Na sequência, propomos uma Unidade Didática cujo objetivo é debater sobre o Efeito Estufa e Aquecimento Global utilizando tal método. Por fim, situamos as etapas do Método do Arco na Unidade Didática proposta.

No quinto e último capítulo, descreveremos e analisaremos a aplicação da Unidade Didática (UD) proposta nessa dissertação, baseada no método do Arco de Charles Maguerez.

Espera-se, com a elaboração dessa unidade didática, propiciar aos futuros professores uma formação acadêmica que os possibilite maior conscientização sobre a mútua relação, homem e natureza, sem abandonar o caráter científico nas questões que envolvam Física e Meio Ambiente.

 

 

 

 

 

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 345796 - CICLAMIO LEITE BARRETO
Presidente - 348011 - GILVAN LUIZ BORBA
Externo à Instituição - LENINA LOPES SOARES SILVA - IFRN
Notícia cadastrada em: 06/05/2014 17:08
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa15-producao.info.ufrn.br.sigaa15-producao