PPGQ/CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INSTITUTO DE QUÍMICA Telefone/Ramal: (84) 3342-2323/136 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgq

Banca de DEFESA: ALINE ARAÚJO ALVES DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALINE ARAÚJO ALVES DE OLIVEIRA
DATA: 09/08/2013
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório do CCET
TÍTULO:

Estudo da degradação térmica e catalítica de petróleo bruto pesado usando Al-MCM-41.


PALAVRAS-CHAVES:

catalisadores mesoporosos; análise térmica; destilação catalítica; cinética; energia de ativação aparente.


PÁGINAS: 147
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
SUBÁREA: Físico-Química
ESPECIALIDADE: Cinética Química e Catálise
RESUMO:

Os materiais mesoporosos nanoestruturados vem sendo estudados para aplicação na indústria do petróleo, em especial o Al-MCM-41, devido à área superficial em torno de 800-1000 m2 g-1 e diâmetro de poros variando de 2 a 10 nm, adequado para catálise de moléculas grandes como petróleos pesados. O MCM-41 foi sintetizado pelo método hidrotérmico, o qual foi adicionado Alumínio, numa proporção Si/Al igual à 50, a fim de aumentar a geração de sítios ácidos ativos nos nanotubos. Os catalisadores foram caracterizados por difração de Raios-X (DRX), área superficial pelo método BET e volume médio de poros pelo método BJH através da adsorção de N2, espectroscopia de absorção na região do infravermelho (FT-IR) e determinação da acidez superficial com aplicação de uma molécula sonda – n-butilamina. Os catalisadores apresentaram propriedades estruturais bem definidas e coerentes com a literatura. Esta tese teve como objetivo geral testar o Al-MCM-41 sintetizado como catalisador e, para tanto, foi traçado dois objetivos específicos: o primeiro aplicá-lo numa planta-piloto de destilação catalítica nas percentagens de 1, 3 e 5% em massa, numa mistura física catalisador-óleo, usando um corte de petróleo na faixa do gasóleo pesado (400ºC+). Todavia os melhores resultados foram com Al-MCM-41 - 3%, demonstrando uma eficiência de até 45%. O segundo objetivo foi realizar testes de análise térmica, utilizando quatro amostras de petróleo bruto pesado, com ºAPI variando de: 14,0; 15,4; 17,4 e 18,5, respectivamente. Esses testes transcorreram numa faixa de temperatura de 30 – 900ºC, com razões de aquecimento (β) variando de 5, 10 e 20 ºC min-1, a fim de verificar os perfis termogravimétricos destes petróleos quando submetidos à ação do catalisador Al-MCM-41. Para tanto, variou-se os percentuais de catalisador aplicados in situ: 1, 3, 5, 10 e 20% em massa. E a partir dos dados termogravimétricos foram aplicados dois modelos cinéticos diferentes: Ozawa-Flynn-Wall (OFW) e Kissinger-Akahrira-Sunose (KAS). As energias de ativação aparente encontradas para ambos os modelos tinham valores semelhantes e, eram menores para o segundo evento de perda de massa, conhecido como zona de craqueamento, indicando uma atuação mais efetiva do Al-MCM-41 nessa zona. Além disso, a partir da proporção 5% em massa da mistura catalisador-óleo, notou-se uma diminuição mais acentuada no valor dessas energias. Perante a análise desses dois objetivos, distintos e complementares, concluiu-se que o Al-MCM-41 possui aplicabilidade catalítica em petróleos pesados, auxiliando na obtenção de frações mais leves na destilação catalítica e, diminuindo a energia de ativação aparente de um sistema catalisador-óleo, sendo o melhor resultado com 20% em massa de Al-MCM-41.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANA CATARINA FERNANDES CORIOLANO - UnP
Presidente - 350509 - ANTONIO SOUZA DE ARAUJO
Externo à Instituição - EDJANE FABIULA BURITI DA SILVA - Estácio
Externo à Instituição - SULENE ALVES DE ARAUJO - UESB
Interno - 1149328 - VALTER JOSE FERNANDES JUNIOR
Notícia cadastrada em: 26/07/2013 07:58
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao