PPGQ/CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INSTITUTO DE QUÍMICA Telefone/Ramal: (84) 3342-2323/136 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgq

Banca de DEFESA: FLAVIA FREITAS VIANA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FLAVIA FREITAS VIANA
DATA: 25/07/2013
HORA: 10:30
LOCAL: Auditório do NUPPRAR
TÍTULO:

Tratamento de borra de petróleo com sistemas microemulsionados



PALAVRAS-CHAVES:

Tensoativo; Microemulsão; Borra de petróleo; Solubilização; Tratamento; Resíduos Perigosos.


PÁGINAS: 108
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
SUBÁREA: Química Orgânica
ESPECIALIDADE: Polímeros e Colóides
RESUMO:

No armazenamento de petróleo a borra é formada nos fundos de tanques, devido a sua decantação, já que a borra é composta por grande quantidade de óleo (frações pesadas de petróleo), água e sólidos. A borra de petróleo é uma mistura complexa, viscosa e considerada um resíduo perigoso tornando-se necessário desenvolver tecnologias e métodos que facilitem a limpeza, a extração do óleo e a aplicação na indústria. Portanto, neste trabalho objetivou-se determinar a composição da borra de petróleo, obter e caracterizar sistemas microemulsionados (SME), e estudar as suas aplicações no tratamento da borra. Neste contexto, utilizou-se a extração Soxhlet da borra de petróleo bruta e da borra envelhecida permitiu quantificar o teor de óleo (43,9 % e 84,7 % - 13 ºAPI), de água (38,7 % e 9,15 %) e de sólidos (17,3 % e 6,15 %), respectivamente.  Os resíduos foram caracterizados através das técnicas de fluorescência de raios X (FRX), de difração de raios X (DRX) e Infravermelho de transmissão (FT-IR). O FRX determinou a presença de ferro e enxofre em maiores proporções, comprovando-se pelo DRX a presença dos seguintes minerais: Pirita (FeS2), Mackinawita (FeS) e Magnetita (Fe3O4). O FT-IR mostrou a presença de frações pesadas de petróleo. Em paralelo foram obtidos doze SME, combinando os seguintes constituintes: dois tensoativos não iônicos (Unitol L90 e Renex NP110 - T), três cotensoativos (butanol, sec-butanol e álcool isoamílico - C), três fases aquosas (agua de torneira - ADT, solução ácida – HCl 6 % e salina – NaCl 3,5 % - Fa) e uma fase óleo (querosene - Fo). A partir da obtenção destes sistemas, foi escolhido um ponto em comum na região de microemulsão (25 % [C+T], 5 % Fo e 70 % Fa), os quais foram caracterizados, a temperatura ambiente (25°C), através da viscosidade (Reômetro de Haake Mars), diâmetro de partículas (Zeta Plus) e estabilidade térmica. Estes pontos foram aplicados na solubilização da borra do petróleo, sob agitação, na proporção de 1:4, variando tempo e temperatura. As eficiências de solubilização foram obtidas desconsiderando o teor de sólidos, em que apresentaram uma faixa de 73,5 % - 95 %. Assim, escolheu-se dois sistemas como destaque para aplicação em tanques de armazenamento, com eficiências de solubilização da borra de petróleo acima de 90 %, que comprovou-se a eficácia do SME. Os planejamentos experimentais fatoriais delimitaram dentro do domínio a influencia de constituintes dos SME na solubilização da borra de petróleo envelhecida, com modelos preditivos. O SME A foi escolhido como o melhor sistema, que solubilizou elevada concentração (~151,7 g/L) de borra de petróleo bruta envelhecida por SME.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALEXANDRE GURGEL - UFV
Externo ao Programa - 770.445.684-91 - CATIA GUARACIARA FERNANDES TEIXEIRA - UFRN
Interno - 348475 - DJALMA RIBEIRO DA SILVA
Presidente - 347057 - TEREZA NEUMA DE CASTRO DANTAS
Notícia cadastrada em: 15/07/2013 10:44
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao