PPGQ/CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INSTITUTO DE QUÍMICA Telefone/Ramal: (84) 3342-2323/136 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgq

Banca de DEFESA: REUS TIAGO RIGO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: REUS TIAGO RIGO
DATA: 22/07/2013
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de Aula do Laboratório de Química I
TÍTULO:

SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE MEMBRANAS ZEOLÍTICAS TIPO MFI E APLICAÇÃO EM SEPARAÇÃO DE AROMÁTICOS.


PALAVRAS-CHAVES:

zeólita, Silicalita, permeação, cristais, filme zeolítico, membrana.


PÁGINAS: 120
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
SUBÁREA: Química Inorgânica
ESPECIALIDADE: Físico Química Inorgânica
RESUMO:

A síntese de membranas zeolíticas do tipo MFI foi realizada pelo processo de cristalização in situ ou hidrotérmica. Foi estudado o tempo de homogeneização do gel em temperatura ambiente e filtração do mesmo antes da etapa de cristalização efetuada em estufa, obtendo-se um filme zeolítico mais uniforme. O pó da zeólita sintetizada (estrutura tipo MFI, Silicalita) foi caracterizado por diversas técnicas complementares, como: difração de raios X (DRX), microscopia eletrônica de varredura (MEV), análise térmica, dessorção a temperatura programada (TPD), infravermelho por transformada de Fourier (FTIR), análise textural por adsorção de nitrogênio (área específica). Com a finalidade de avaliar a qualidade da camada suportada sobre o suporte cerâmico, testes de permeação com N2 foram efetuados partindo da temperatura ambiente até 600 °C, onde foi observado valores mais adequados de permeação a partir dos 200 °C. Com os dados obtidos confeccionou-se um gráfico em função da temperatura versus a permeação, a curva encontrada foi de difusão superficial. Por microscopia eletrônica de varredura, observou-se a formação de cristais homogêneos e que o filme zeolítico não apresentava fissuras ou rachaduras, indicando que o processo de síntese e tratamentos posteriores não danificaram a camada de zeólita sobre o suporte. Realizando estudos de permeação encontramos valores que variam entre 3,64x10-6 a 3,78x10-6, 4,71x10-6 a 5,02x10-6, para pressões de 20 e 25 psi, respectivamente. E para a mistura xilenos/N2 os valores foram de 5,39x10-6 a 5,67x10-6, 8,13x10-6 a 8,36x10-6, também para pressões de 20 a 25 psi. Os valores encontrados para o fator de separação foram de 15,22 em 400 °C no primeiro experimento e 1, 64 para o segundo experimento em uma temperatura de 150 °C.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2302898 - ELEDIR VITOR SOBRINHO
Externo à Instituição - KATIA BERNARDO GUSMÃO - UFRGS
Presidente - 1308577 - SIBELE BERENICE CASTELLA PERGHER
Notícia cadastrada em: 03/07/2013 10:54
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa21-producao.info.ufrn.br.sigaa21-producao