PPGQ/CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INSTITUTO DE QUÍMICA Telefone/Ramal: (84) 3342-2323/136 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgq

Banca de DEFESA: GOLBERY HENRIQUE LUCAS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GOLBERY HENRIQUE LUCAS
DATA: 29/04/2013
HORA: 14:00
LOCAL: Setor III--Sala G3
TÍTULO:

Hidrofobização, Caracterização e Aplicação da Vermiculita para Remoção de Óleo Insolúvel em Água.


PALAVRAS-CHAVES:

Vermiculita, cera de carnaúba, hidrofobização, adsorção, óleo


PÁGINAS: 91
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
SUBÁREA: Química Analítica
ESPECIALIDADE: Análise de Traços e Química Ambiental
RESUMO:

Dentre os vários silicatos em camadas, a vermiculita tem sido uma das mais empregadas como material adsorvente por apresentar a capacidade de troca iônica o que facilita na remoção de compostos orgânicos que são poluentes em potencial no que se refere a superfícies das águas. A importância da modificação do argilomineral através da hidrofobização com a cera de carnaúba estabelece o aumento na capacidade de remoção de óleo no meio aquoso, isso contribui para um ambiente mais propício para a vida nos ecossistemas. A vermiculita quando expandida diminui a sua capacidade hidrofóbica sendo necessária a utilização de um hidrofobizante deixando-a organofílica. Neste trabalho foram utilizadas no processo de modificação da vermiculita as faixas granulométricas de -8+16, -16+20 e -20+35 #. As amostras de vermiculita hidrofobizada com cera de carnaúba e do argilomineral sem o hidrofobizante foram caracterizadas com análises químicas e físico-químicas. Foram utilizadas as técnicas: análise térmica (termogravimetria e termogravimetria derivada), espectroscopia no infravermelho, microscopia eletrônica de varredura, fluorescência de raios-x e testes de adsorção. A TG/DTG foi utilizada para avaliar o comportamento térmico da vermiculita expandida da cera de carnaúba e das amostras hidrofobizadas com porcentagens de 5, 10 e 15 % em massa do hidrofobizante. Os resultados de FTIR constataram o aumento dos sinais característicos da cera de carnaúba nas amostras hidrofobizadas conforme a maior quantidade de hidrofobizante. A termogravimetria e o FTIR mostram com base nos resultados obtidos que o recobrimento da superfície da vermiculita ocorreu de forma homogênea. Os dados obtidos pela técnica de fluorescência de raios-x com perda ao fogo comprovaram os resultados das análises termogravimétricas em relação aos percentuais de cera incorporados. A fluorescência indica através das informações fornecidas pelas análises que o material recoberto apresenta-se homogêneo. A MEV foi utilizada para inspeção da textura e morfologia do argilomineral com e sem a cera de carnaúba. A microscopia eletrônica de varredura reafirma a deposição da cera de forma homogênea sobre a superfície do mineral como indicavam as outras técnicas. Para verificar a capacidade de adsorção da argila sem o hidrofobizante e hidrofobizada foi utilizado um volume de água fixo de 1 ½ litro em cada experimento com 3 g de óleo para 50 g de amostra. Os resultados obtidos mostram que a melhor extração de óleo pelo material transformado corresponde a 260 % em relação à massa da amostra recoberta e maior que 80% do óleo suspenso no sistema.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1199268 - JAILSON VIEIRA DE MELO
Interno - 7350310 - MARIA DE FATIMA VITORIA DE MOURA
Externo à Instituição - RENNAN GEOVANNY OLIVEIRA ARAUJO - UFS
Notícia cadastrada em: 23/04/2013 16:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao