PPGQ/CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INSTITUTO DE QUÍMICA Telefone/Ramal: (84) 3342-2323/136 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgq

Banca de DEFESA: CICERO ADAILTON BEZERRA

Uma banca de DEFESA foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: CICERO ADAILTON BEZERRA

DATA: 29/07/2010

HORA: 09:00

LOCAL: Sala de Pós-Graduação da Química

TÍTULO:
Estudo da capacidade de remoção de óleo solúvel, em águas produzidas,
por bentonita hidrofobizada

PALAVRAS-CHAVES:

Adsorção, Bentonita, HPAs.


PÁGINAS: 99

GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra

ÁREA: Química

SUBÁREA: Química Analítica

ESPECIALIDADE: Análise de Traços e Química Ambiental

RESUMO:

Neste trabalho avaliou-se a capacidade de remoção de HPAs em solução oleosa entre a bentonita hidrofobizada com óleo de linhaça e parafina com a bentonita natural. As análises da bentonita natural e hidrofobizada foram feitas através das técnicas de caracterização: (1) Análise Termogravimétrica (TG) que teve como objetivo avaliar os eventos térmicos devido a perdas de massa, associados tanto a saída de umidade e decomposição da argila quanto devido à perda do agente hidrofobizante. (2) Análise de difração de raios X (DRX) com o intuito de determinar as fases mineralógicas que compõem a estrutura da argila e (3) Espectrofotometria na região do infravermelho usada para caracterizar os grupos funcionais tanto da matriz mineral (bentonita) quanto dos agentes hidrofobizantes (óleo de linhaça e parafina). Foi utilizado um planejamento fatorial 24 com os seguintes fatores; hidrofobizante, percentual de hidrofobizante, tempo de adsorção e volume da solução oleosa. Analisando o planejamento fatorial 24 foi visto que nenhum dos fatores, aparentemente, apresentou-se mais importante que os demais e, como todas as respostas apresentaram valores expressivos em relação à capacidade de remoção do óleo, não foi possível avaliar uma diferença no grau de eficiência dos dois hidrofobizantes. Para o novo estudo comparou-se a eficiência da argila modificada, com cada hidrofobizante separadamente, em relação à sua forma natural. Para tanto, fez-se quatro novos planejamentos fatoriais 23 utilizando a bentonita natural como um fator diferencial. Os fatores usados foram a bentonita (com e sem hidrofobização), tempo de exposição do material adsorvente à solução oleosa e volume da solução oleosa, visando interpretar como esses fatores poderiam influenciar no processo de purificação de águas contaminadas por HPAs.  Empregou-se como técnica para obtenção da resposta a espectroscopia de fluorescência, uma vez que já se conhece da literatura que os HPAs, por apresentarem cadeias conjugadas devido à condensação dos anéis aromáticos, apresentam fluorescência, bastante semelhante, quando excitados na região do ultravioleta e como técnica auxiliar a cromatografia gasosa acoplada à espectroscopia de massa (CG-EM)i usada  para a análise dos HPAs, no sentido de complementar o estudo realizado com a espectroscopia de fluorescência, uma vez que o método espectroscópico permite apenas se ter uma idéia da quantidade total das espécies fluorescentes contidas na parte solúvel do óleo. O resultado mostra um excelente  adsorção de HPAs e outras espécies fluorescentes atribuído ao efeito principal do primeiro fator, hidrofobização, para o primeiro planejamento 23 BNTL 5%, com 93% paro o sexto o ensaio (+-+), no segundo planejamento fatorial 23 BNTL 10%, o quarto ensaio (++-) com 94,5% o terceiro planejamento fatorial 23 BNTP 5%, o segundo ensaio (+--) com 91% e o quarto e ultimo planejamento BNTP 10%, o último ensaio (+++) com 88%. Comparado com adsorção da bentonita na sua forma natural. Neste trabalho mostra também o limite de adsorção de cada hidrofobizante.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1645110 - CARLOS ALBERTO MARTINEZ HUITLE
Presidente - 1199268 - JAILSON VIEIRA DE MELO
Externo à Instituição - JOSÉ ANTONIO DE MOURA - UnP
Notícia cadastrada em: 27/07/2010 11:25
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao