Banca de DEFESA: SUEILHA FERREIRA DE ANDRADE DE PAULA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : SUEILHA FERREIRA DE ANDRADE DE PAULA
DATA : 30/01/2023
HORA: 09:00
LOCAL: videoconferência
TÍTULO:

PIRÓLISE- CG/MS DE SPIRULINA PLATENSIS: AVALIAÇÃO DE BIOMASSAS CULTIVADAS SOB CONDIÇÕES AUTOTRÓFICAS E MIXOTRÓFICAS.


PALAVRAS-CHAVES:

Mixotrófico, Spirulina Platensis, Biomassa, Termogravimetria, Pirólise.


PÁGINAS: 136
RESUMO:

Microalgas são microrganismos autotróficos e fixadores de CO2 com grande potencial para produzir biocombustíveis de forma sustentável, porém o gargalo encontra-se no alto custo para obtenção de biomassa. O crescimento mixotrófico tem se apresentado como uma alternativa para alcançar a sustentabilidade econômica e ambiental. A biomassa utilizada neste trabalho é oriunda de cultivo autotrófico e mixotrófico de S. platensis cultivada respectivamente em meio de controle (Zarrouk) e com adição do soro do queijo em diferentes concentrações, 2,5 (M2,5), 5,0 (M5) e 10,0% (M10), e foi cedida por Pereira [19] para a realização da caracterização das biomassas através da Análise Elementar e poder calorífico. Além disso, foi avaliada a estabilidade térmica das mesmas usando a análise térmica através da termogravimetria e a micropirólise (Py-CG/MS) rápida nas temperaturas de 450, 550 e 650 °C na avaliação de produção de compostos voláteis. A pirólise das biomassas obtidas nos cultivos autotróficos e mixotrófico, foi realizada com a finalidade de obter bio-óleo e produtos químicos valiosos, Devido a influência do meio de cultura, as biomassas usadas neste estudo apresentam diferentes composições bioquímicas e isto foi observado nos resultados obtidos do poder calorífico, TGA e compostos voláteis avaliados por Py-GC/MS a 450°C, 550°C e 650°C. A partir dos resultados obtidos por termogravimetria foi possível observar que os processos de perda de massa, de todas as biomassas do nosso estudo, ocorreram de forma semelhantes. Já por pirólise, tivemos que a amostra M10 por possuir menor teor de proteínas, formou menor quantidade de compostos nitrogenados por pirólise em todas as temperaturas avaliadas. Houve redução de 43,8% (450º), 45,6% (550ºC) e 23,8% (650ºC) na formação de compostos nitrogenados em relação à amostra A. Além disso, a temperatura também mostrou um efeito considerável na formação de compostos voláteis. Os maiores rendimentos de compostos nitrogenados, fenóis e hidrocarbonetos aromáticos e não aromáticos foram observados a 650ºC. Os compostos oxigenados e contendo N e O diminuíram com o aumento da temperatura. Hidrocarbonetos como tolueno, heptadecano e heneicosano foram produzidos pela pirólise de S. platensis. Sendo assim, essas biomassas usadas neste estudo mostraram-se atrativa para a produção de bio-óleo de alta qualidade e produtos químicos valiosos, sendo necessário uma atualização em relação ao teor de compostos nitrogenados, através da manipulação das condições de crescimento e temperatura do processo de pirólise.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - CRISTIANE FRANCISCA DA COSTA SASSI - UFPB
Externo à Instituição - JANDUIR EGITO DA SILVA - IFRN
Externa ao Programa - 7350310 - MARIA DE FATIMA VITORIA DE MOURA - nullInterna - 2413537 - POLLYANA SOUZA CASTRO
Presidente - 1569526 - RENATA MENDONÇA ARAUJO
Notícia cadastrada em: 20/01/2023 08:16
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao