PPGQ/CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INSTITUTO DE QUÍMICA Telefone/Ramal: (84) 3342-2323/136 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgq

Banca de DEFESA: ANDERSON DIAS VIANA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANDERSON DIAS VIANA
DATA : 06/12/2019
HORA: 14:00
LOCAL: auditório do Química III
TÍTULO:

NANOPARTÍCULAS DE PRATA ESTABILIZADAS POR ÁCIDO RICINOLEICO E SEU EPÓXIDO APLICADAS COMO SENSOR DE CISTEÍNA E AGENTE ANTIMICROBIANO


PALAVRAS-CHAVES:

Nanopartículas de prata; Ácido Ricinoleico; Sensor de cisteína; Efeito Bactericida


PÁGINAS: 95
RESUMO:

Nanopartículas vem sendo aplicadas pela sua grande área superficial, sua reatividade e pelas novas propriedades inexistentes na fase bulk. Novas sínteses com uso de produtos naturais vêm sendo utilizadas por tornar o processo mais ambientalmente amigável. Entretanto, o uso do produto natural bruto requer altas temperaturas ou um longo tempo de síntese. Neste trabalho utilizamos o ácido ricinoléico extraído do óleo de mamona, devido a sua biodegrabilidade, maior solubilidade em água e disponibilidade, pois é uma planta característica do nordeste brasileiro. No ácido ricinoléico foi feito o processo de epoxidação para aumentar a capacidade redutora dessa substância. Neste trabalho foi otimizada a síntese de nanopartículas de prata com o tensoativo do ácido ricinoleico (AgSAR) e com sua forma epoxidada (AgSEAR) para serem aplicados como sensores de cisteína e agentes antibacterianos. Obteve-se absorbâncias máximas de UV-Vis de 420 nm para AgSAR e de 405 nm para AgSEAR, indicando formação de nanopartículas. Pelo planejamento de experimento obteve-se como ponto ótimo da síntese a concentração de 0,5 mmol∙L-1 de Ag+ e de 20 mmol∙L-1 do tensoativo na síntese de AgSAR e de 0,3 mmol∙L-1 de Ag+ e de 20 mmol∙L-1 do tensoativo na síntese de AgSEAR. Há uma redução do tempo de síntese de 10 dias do AgSAR para 6 h no AgSEAR. Na MET obteve-se o tamanho médio da nanopartículas 16,70 nm para AgSAR e de 17,80 nm para AgSEAR, enquanto que no EDL obteve-se 75,42 nm para AgSAR e 82,10 nm para AgSEAR. Essa diferença de tamanho indica que os tensoativos se encontram como micela em torno da nanopartícula. As nanopartículas foram seletivas a cisteína apresentando limite de detecção de 3,49 μmol∙L-1 para AgSAR e de 16,67 μmol∙L-1 para AgSEAR. Na aplicação antibacteriana, houve inibição total de crescimento na concentração de 18 mg/L para o AgSAR e de 11 mg/L para AgSEAR.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1198847 - JOSE LUIS CARDOZO FONSECA
Externo à Instituição - JOSÉ ROBERTO SIQUEIRA JUNIOR - UFTM
Presidente - 1958858 - LUIZ HENRIQUE DA SILVA GASPAROTTO
Externo ao Programa - 063.531.844-09 - RAFAEL DA SILVA FERNANDES - UFRN
Externo à Instituição - SEVERINO ALVES JUNIOR - UFPE
Notícia cadastrada em: 26/11/2019 11:53
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao