Banca de DEFESA: TAMIRES FERREIRA DA COSTA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : TAMIRES FERREIRA DA COSTA
DATA : 10/08/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do NUPPRAR
TÍTULO:

ESTUDO EXPERIMENTAL E TEÓRICO DAS INTERAÇÕES DE ESPÉCIES QUÍMICAS NA SUPERFÍCIE DO ELETRODO DE DIAMANTE DOPADO COM BORO PARA PROMOVER A FORMAÇÃO DE ESPÉCIES FORTEMENTE OXIDANTES


PALAVRAS-CHAVES:

BDD, ácido oxálico, superfícies, interações


PÁGINAS: 100
RESUMO:

O diamante é uma forma alotrópica de carbono formada por ligações simples (hibridização sp3) entre carbonos em uma geometria tetraédrica, possuindo propriedades únicas, como alta condutividade térmica, dureza, resistência à flexão, resistividade mecânica e inércia química. Devido a estas propriedades, o diamante (natural ou sintético) é usado em vários setores tecnológicos como mecânica, eletrônica, óptica, química, médica e espacial. Devido à ausência de condutividade elétrica no diamante, é necessário dopar com boro, nitrogênio ou flúor, proporcionando características de semicondutores metálicos de acordo com a quantidade desses elementos presentes nela. Entre os elementos citados, o boro é o mais utilizado. Após a otimização da preparação de filmes de diamante sintético, esses materiais foram muito utilizados para diferentes investigações e aplicações tecnológicas. Em eletroquímica, os filmes de diamante receberam atenção especial devido às suas propriedades peculiares (capacitivo de baixa corrente, ampla janela de potencial em meio aquoso, cinética de transferência de elétrons rápida em múltiplos sistemas redox, adsorção molecular fraca (baixa passivação) e resistência à corrosão), principalmente quando as superfícies de diamante dopadas com boro foram empregadas. Foram realizados primeiros estudos com diamante dopado com boro (BDD) para investigar o comportamento eletroquímico dos sistemas redox na sua superfície e, conseqüentemente, sua aplicação com outras técnicas analíticas. Por esta razão, o uso desses materiais na eletroanálise foi superior a outras formas de carbono (grafite, carbono vítreo, etc.). Depois disso, alguns pesquisadores determinaram que os filmes BDD podem ser usados para oxidar compostos orgânicos, obtendo a remoção completa deles da solução. Esses resultados mostraram claramente que os eletrodos de filme BDD, quando atuam como ânodo, possuem uma alta estabilidade em meio aquoso ácido forte produzindo radicais hidroxílicos (OH) durante a oxidação da água. Esses radicais são fisicamente absorvidos na superfície BDD. Os radicais OH são considerados oxidantes fortes, e quando produzidos na superfície BDD, a degradação de compostos orgânicos pode ser conseguida de forma eficiente. Além disso, a produção de outras espécies de oxidantes fortes é possível pela participação de radicais OH, como cloro ativo, ozônio, peróxido de hidrogênio, persulfato, percarbonato, entre outros. No entanto, estudos recentes demonstraram que os mecanismos de oxidação de compostos orgânicos, bem como a formação das espécies fortes oxidantes, são fortemente influenciados pelas características da camada condutora e as propriedades do substrato dos ânodos de diamante. Desta forma, o principal objetivo deste projeto é estudar por procedimentos experimentais e cálculos teóricos as interações de diferentes espécies na superfície do eletrodo de diamante. A investigação desses parâmetros permite compreender a formação de espécies oxidantes fortes, bem como os mecanismos de oxidação eletroquímica dos compostos orgânicos que ocorrem por meio da conversão ou combustão eletroquímica.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1645110 - CARLOS ALBERTO MARTINEZ HUITLE
Interno - 1959889 - DAVI SERRADELLA VIEIRA
Externo à Instituição - ELIANE BEZERRA CAVALCANTI - UNIT
Externo à Instituição - MARCO ANTONIO QUIROZ ALFARO - udlap
Externo ao Programa - 1149539 - MARIA GORETTE CAVALCANTE
Notícia cadastrada em: 16/07/2018 14:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa26-producao.info.ufrn.br.sigaa26-producao