PPGQ/CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INSTITUTO DE QUÍMICA Telefone/Ramal: (84) 3342-2323/136 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgq

Banca de QUALIFICAÇÃO: JOE VÍTOR ALVES DO NASCIMENTO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JOE VÍTOR ALVES DO NASCIMENTO
DATA : 15/12/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do CCET
TÍTULO:

Avaliação das propriedades de argilas montmorillonitas natural e sintética pilarizadas com polihidroxications de alumínio


PALAVRAS-CHAVES:

Montmorillonita sintética e natural; Argilas pilarizadas; Íon de Keggin


PÁGINAS: 56
RESUMO:

O argilomineral montmorillonita foi sintetizado em condições hidrotérmicas, pressão autogênica, meio ácido e fluorídrico. Tanto a argila sintética quanto argila natural foram caracterizados por meio de difração de raios X (DRX), análise termogravimétrica (TG), espectroscopia na região do infravermelho (FTIR), adsorção e dessorção de N2, microscopia eletrônica de varredura (MEV) e energia dispersiva de raios X (EDS). A argila sintética apresentou um difratograma de raios X com reflexões características da montmorillonita, tal como a argila natural, com exceção da presença de quartzo na composição mineralógica desta última. Por meio das análises realizadas, uma maior quantidade de alumínio foi identificada para a argila sintética, assim como um caráter mais meso-macroporoso e pureza composicional, ao comparar com a argila natural. A pilarização das argilas foi realizada partindo de duas fontes distintas de íons de Keggin, uma comercial e outra produzida em laboratório. Os materiais resultantes foram caracterizados por DRX, TG, FTIR e adsorção e dessorção de N2. Os materiais pilarizados sintéticos apresentaram uma estrutura desorganizada, porém pilarizada, tal como constatado por meio dos difratogramas de raios e análise textural. A argila natural pilarizou, também, com ambas as fontes, e apresentou características típicas dos materiais pilarizados. O uso de clorohidróxido de alumínio (ACH) como fonte de íons de Keggin gerou materiais com maior quantidade de espécies de alumínio no espaço interlamelar, resultando em materiais com menor volume de microporos. As áreas específicas dos materiais naturais pilarizados foram superiores as calculadas para os análogos oriundos da argila sintética, devido a uma maior contribuição da microporosidade criada com o processo de pilarização.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2140818 - AMANDA DUARTE GONDIM
Externo ao Programa - 2302898 - ELEDIR VITOR SOBRINHO
Externo à Instituição - FABIO GARCIA PENHA - IFRN
Presidente - 1308577 - SIBELE BERENICE CASTELLA PERGHER
Notícia cadastrada em: 28/11/2017 09:25
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao