PPGQ/CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INSTITUTO DE QUÍMICA Telefone/Ramal: (84) 3342-2323/136 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgq

Banca de DEFESA: STÉPHANIE CAVALCANTE DE MORAIS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : STÉPHANIE CAVALCANTE DE MORAIS
DATA : 21/07/2016
HORA: 14:00
LOCAL: LAPET
TÍTULO:

ESTABILIDADE TÉRMICA DE POLÍMEROS HIDROSSOLÚVEIS


PALAVRAS-CHAVES:

Estabilidade térmica. Kappa Carragenana. Poliacrilamida Parcialmente Hidrolisada. Carboximetilcelulose. Energia de ativação


PÁGINAS: 98
RESUMO:

O estudo da degradação térmica de polímeros é essencial para se determinar a estabilidade da sua estrutura e depende do estado físico em que o polímero se encontra. Um estudo comparativo da estabilidade térmica da kappa carragenana (KC), poliacrilamida parcialmente hidrolisada (HPAM) e carboximetilcelulose (CMC) foi realizado na tentativa de se estabelecer uma correlação entre as estruturas químicas, estabilidade desses polímeros e suas energias de ativação no estado sólido e em solução. A estabilidade térmica dos polímeros no estado sólido foi avaliada por termogravimetria/termogravimetria derivada e a energia de ativação foi calculada utilizando o método integral de Broido. Já para os polímeros em solução, foram realizadas medidas de viscosidade em função do tempo nas temperaturas de 40, 60, 80 e 100°C, e construído um modelo de decaimento exponencial da viscosidade específica para determinação da energia de ativação. Observou-se uma estabilidade similar dos polímeros no estado sólido e em solução, com maiores energias de ativação no estado sólido em função do transporte de calor mais eficiente em solução. Os resultados obtidos condizem com as particularidades estruturais de cada polímero, sendo a HPAM o polímero com maior estabilidade e energia de ativação de 467,92 kJ mol-1 no estado sólido e 79,41 kJ mol-1 em solução. Entre os polímeros naturais a rigidez estrutural desempenhou um papel importante, onde a CMC com valores de energia de ativação de 293,35 e 55,14 kJ mol-1 no estado sólido e em solução, respectivamente, foi mais estável que a KC com valores de 275,88 kJ mol-1 no estado sólido e 35,80 kJ mol-1 em solução. E, por meio da relação entre as energias de ativação no estado sólido e em solução, foi proposta a possibilidade de utilização de um modelo matemático útil para previsão do comportamento de outros polímeros em solução a partir da sua análise no estado sólido.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - MARCELO SILVEIRA RABELLO - UFCG
Interno - 1412709 - NEDJA SUELY FERNANDES
Presidente - 1149440 - ROSANGELA DE CARVALHO BALABAN
Notícia cadastrada em: 15/07/2016 11:16
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao