Banca de DEFESA: JÉSSICA PIRES DE PAIVA BARRETO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JÉSSICA PIRES DE PAIVA BARRETO
DATA : 20/07/2016
HORA: 09:30
LOCAL: Sala de treinamento do NUP-ER
TÍTULO:

ESTUDO DA RELAÇÃO sp3/spde ÂNODOS DE DIAMANTE DOPADO COM BORO (DDB) nA PRODUÇÃO DE ESPÉCIES FORTEMENTE OXIDANTES


PALAVRAS-CHAVES:

DDB. Espécies fortemente oxidantes. Persulfato. Lactuca Sativa


PÁGINAS: 100
RESUMO:

A possibilidade de preparar diamante sintético aumentou o interesse da comunidade científica para a aplicação destes materiais, devido as suas características peculiares. Entretanto, a dopagem do diamante sintético com N, P, B e F tornam-o semicondutores para serem aplicados na eletroquímica. No decorrer das pesquisas foi estabelecido que o diamante dopado com boro (DDB) é um ânodo que não favorece a adsorção química das espécies na sua superfície. Porém, recentemente a influência das características do filme (rugosidade, espessura, teor de boro e impurezas sp2) foi determinada; e estes parâmetros podem afetar a eficácia do ânodo na produção de oxidantes fortes e na degradação de compostos orgânicos. Por estas razões, estudar a influência da razão sp3/sp2 fornece informações sobre a escolha de um eletrodo específico de DDB para aplicações eletroquímicas. Este trabalho tem como objetivos primordiais comparar ânodos de DDB com diferente razão sp3/sp2 para avaliar o desempenho na produção de persulfato aplicando diferentes densidades de corrente, bem como, abordar à atuação dessa espécie fortemente oxidante na degradação de um composto modelo, Acid Violet 7. Além disso, o desenvolvimento de um estudo toxicológico empregando Lactuca Sativa através da eficiência de descontaminação do efluente sintético mediante persulfato eletroquimicamente gerado foi avaliado. Os resultados claramente demonstram que o eletrodo de DDB, contendo maior teor de grafite e maior propriedade de adsorção na superfície, favorece a produção significativa do oxidante de interesse. O melhor tempo de eletrólise para a produção máxima/ideal da espécie foi de 120 minutos; visto que posterior a esse tempo tende a se tornar constante ou decair a concentração de persulfato, em função da reação paralela da evolução de oxigênio. O tratamento eletroquímico para o corante Acid Violet 7 usando eletrodos de DDB (sp3/sp2175) e DDB (sp3/sp2 329) mostrou que, para ambos os casos, a eliminação da cor e a degradação da matéria orgânica foram atingidas, porém um maior nível de mineralização foi observado com o eletrodo de diamante 329, indicando uma melhor descontaminação do efluente. Após o tratamento eletroquímico, as análises toxicológicas comprovaram que o efluente tratado com o DDB 175 permitiu a germinação das sementes de Lactuca Sativa. Porém, o resultado obtido é contrário ao grau de mineralização obtido com o DDB 329. Esse comportamento foi devido à produção de oxidantes e concentrações significativas de ácidos alifáticos no final do tratamento eletroquímico com DDB 329, evitando a germinação das sementes de Lactuca Sativa.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1558610 - ANA PAULA DE MELO ALVES GUEDES
Presidente - 1645110 - CARLOS ALBERTO MARTINEZ HUITLE
Externo à Instituição - DANYELLE MEDEIROS DE ARAUJO - CAPES
Externo ao Programa - 1199268 - JAILSON VIEIRA DE MELO
Externo à Instituição - LEONARDO ANDRES CANO - UNLP
Notícia cadastrada em: 23/06/2016 15:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao