PPGQ/CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA INSTITUTO DE QUÍMICA Telefone/Ramal: (84) 3342-2323/136 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgq

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANTONIO CÉSAR NOBRE DE ABRANTES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANTONIO CÉSAR NOBRE DE ABRANTES
DATA: 22/04/2016
HORA: 14:30
LOCAL: Sala 3F1
TÍTULO:

OBTENÇÃO DE SISTEMAS EMULSIFICADOS A PARTIR DE ÓLEO DE GERGELIM E LINHAÇA COMO SISTEMA PARA LIBERAÇÃO DE FÁRMACOS


PALAVRAS-CHAVES:

emulsões O/A, extrato romã, lecitina, óleo gergelim, óleo linhaça


PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
SUBÁREA: Físico-Química
ESPECIALIDADE: Química de Interfaces
RESUMO:

As emulsões são formulações empregadas em diferentes seguimentos da indústria e tem como destaque a área de medicamentos. Os óleos de linhaça e gergelim apresentam propriedades antiinflamatórias, o que os tornam com bastante potencial de aplicação em humanos. O seu uso na obtenção das formulações de emulsão apresenta estabilidades satisfatórias. O extrato aquoso de romã retirado do pó da casca da romã também apresenta propriedades antinflamatórias, até mais que os próprios óleos. A partir deste contexto este trabalho, objetiva obter dois diferentes tipos e emulsão. As emulsões foram obtidas a partir de diagrama ternário utilizando na fase aquosa a água destilada e como tensoativo a lecitina de soja. Dentro da região de emulsão apresentadas nos dois diagramas, foram escolhidas as formulações do tipo óleo em água e de maior estabilidade. Após a escolha de diferentes composições de emulsão rica em fase aquosa, foram adicionados nipagim e nipasol como conservantes e goma xantana como estabilizante para garantir maior estabilidade. Para cada óleo foram escolhidas três formulações sem extrato (seis formulações). A adição do extrato foi realizada em percentuais de 0,3%, 0,5% e 1,0% nas formulações, gerando dezoito formulações e totalizando vinte e quatro formulações estudadas. Essas formulações foram caracterizadas através das técnicas de medida pH, viscosidade, condutividade, estabilidade acelerada e estabilidade térmica. Antes de adicionar o extrato bioativo foi empregada a técnica de Ultra-violeta para quantificar o bioativo presente no pó da casca da romã. A formulações com a adição do extrato tiveram seus valores de pH diminuídos e viscosidade aumentada quanto maior foi o percentual do extrato no meio. Isso se deve por que o extrato apresenta fenóis de caráter ácido e a quantidade maior de extrato no meio precisa de mais moléculas para hidratar esse extrato, tornando o meio com menos água livre. Percebeu-se também que a estabilidade foi diminuída com o maior percentual do extrato, comportamento explicado pela preferência da molécula de água do meio pelo extrato e não pela micela. Dentre as formulações estudadas as que apresentaram pH compatível com a pele e estabilidade desejada foram as de percentuais de extrato na ordem de 0,3% e 0,5% em formulações que tem menor percentual de fase óleo e tensoativo e maior percentual de água.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1753094 - ALCIDES DE OLIVEIRA WANDERLEY NETO
Externo ao Programa - 1639820 - ARNOBIO ANTONIO DA SILVA JUNIOR
Interno - 1198847 - JOSE LUIS CARDOZO FONSECA
Notícia cadastrada em: 14/03/2016 15:47
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao