Banca de DEFESA: MARIANA HELENA DE OLIVEIRA ALBUQUERQUE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIANA HELENA DE OLIVEIRA ALBUQUERQUE
DATA: 19/12/2013
HORA: 15:00
LOCAL: Sala de Treinamento do LCP
TÍTULO:

Determinação da Concentração de Metais no Material Particulado (PM10 e PM 2,5) do Ar Atmosférico de uma Área Urbana da Cidade do Natal – RN.


PALAVRAS-CHAVES:

MP2,5; MP10, Qualidade do Ar e Metais Tóxicos.


PÁGINAS: 109
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
SUBÁREA: Química Analítica
ESPECIALIDADE: Análise de Traços e Química Ambiental
RESUMO:

Devido a sua localização no continente, a cidade de Natal (Rio Grande do Norte, Brasil) recebe ventos constantes, o que a torna mundialmente conhecida como a cidade que tem uma boa qualidade do ar. No entanto, faltam estudos que comprovem este título. Mesmo Natal não sendo uma cidade industrializada, está em pleno desenvolvimento sócio-econômico, e isto implica em um crescimento do poder aquisitivo da população, como também no conseqüente aumento da frota de veículos automotores. Com isso, é possível se prever uma evolução nas emissões veiculares, acarretando na crescente preocupação com a poluição atmosférica, sabendo que esta pode causar danos à saúde humana e ao meio ambiente. O presente trabalho teve como objetivo avaliar qualidade do ar atmosférico de região urbana da cidade de Natal, capital do estado do Rio Grande do Norte (latitude 5º49’29’’ sul e longitude 35º13’34’’ oeste), visando determinação da concentração dos metais Mn, Ni, Cu, As, Cd e Pb no Material Particulado (PM10 e PM2,5) do ar atmosférico na área urbana da cidade do natal. O período de amostragem para o estudo compreendeu a aquisição de dados de Janeiro a Dezembro de 2012. Os filtros contendo material particulado foram selecionados de seis em sem dias e digeridos. As amostras digeridas foram analisadas por Espectrometria de Massa com Plasma Indutivamente Acoplado (ICP-MS). Para a concentração do material particulado as médias mensais variaram de 8,92 a 19,80 g/m3 para o PM10 e de 2,84 a 7,89 g/m3 para o MP2,5. Sendo assim, para o período do estudo, a concentração de MP10, não ultrapassou em nenhum momento os valores definidos pela legislação vigente (CONAMA 03/90), que estabelece como padrão de qualidade do ar a concentração para MP10, o valor de 150 g/m3, para um período de 24 h e para longos períodos a média aritmética anual de 50 g/m3. E as concentrações de MP2,5 estiveram em acordo como o padrão estabelecido pela EPA (12 μg/m³). As médias das concentrações dos metais para o MP10, variaram de 0,12 a 6,20 ng.m-3 e para o MP2,5 de 0,18 a 5,81 ng.m-3 sendo que as maiores médias encontradas foram para os elementos Pb, Mn e Cu. Os elementos V, Cr, Ni, As e Cd apresentaram médias mais baixas. No entanto, em nenhum caso as concentrações dos metais ultrapassaram os valores regulamentados internacionalmente pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos - EPA, Organização Mundial da Saúde - WHO e União Européia.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1913849 - EDGAR PERIN MORAES
Externo à Instituição - FRANCISCO LAERTE DE CASTRO - CTGás
Externo à Instituição - GLAUBER JOSE TUROLLA FERNANDES - NENHUMA
Presidente - 1149328 - VALTER JOSE FERNANDES JUNIOR
Notícia cadastrada em: 09/12/2013 14:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa28-producao.info.ufrn.br.sigaa28-producao