Banca de QUALIFICAÇÃO: TARCÍSIO SANTIAGO GOMES FILHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : TARCÍSIO SANTIAGO GOMES FILHO
DATA : 28/05/2019
HORA: 10:30
LOCAL: Auditório do LABTAM - NUPPRAR
TÍTULO:

ESTUDO DA INCORPORAÇÃO DE SALGESSO E GESSO RECALCINADO DE PRIMEIRO CICLO EM PASTAS PARA DE RESVESTIMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL


PALAVRAS-CHAVES:
Gesso; reciclagem; propriedades mecânicas, trabalhabilidade, revestimento de construção civil.


PÁGINAS: 86
RESUMO:

O gesso é um material largamente utilizado por diversas indústrias, que vão desde a cimenteira até a odontológica e de implantes ortopédicos. A busca pela viabilidade técnica e econômica da reciclagem de seus resíduos, bem como, por novas fontes minerais que sejam capazes de aliviar a intensa exploração do solo decorrente desta atividade, tem se tornado cada vez mais importantes, uma vez que, a degradação ambiental causada pela mineração da gipsita, o desmatamento de matas nativas para suprir a demanda energética, associada à poluição do ar originada da queima da lenha durante o processo de calcinação deixam mais ainda em evidencia a necessidade de haver mudanças nesta cadeira produtiva, visando a minoração dos impactos causados pela mineração e produção do gesso. No meio acadêmico, cada vez mais, pesquisas tem se voltado para a elaboração de rotas para a reciclagem do gesso ou mesmo a produção a partir de fontes alternativas de gipsita. A reversibilidade do processo de hidratação do gesso (recalcinação) faz com que seja possível a sua reciclagem podendo assim ser reinserido na cadeia produtiva em adição ou substituição ao gesso de primeiro ciclo. Simultaneamente também se avalia a viabilidade da utilização de rejeitos de outras indústrias para a obtenção do gesso, dentre as quais se destacam o carago, gerado em uma das etapas de produçãodo sal marinho, e o fosfogesso, oriundo da indústria de fertilizantes. O carago é o subproduto gerado após a passagem da água marinha pelos tanques de decantação e, em seguida, pelos evaporadores, quando a água atinge um grau de salinidade entre 17 e 19, o sulfato de cálcio é formado. O sulfato de cálcio resultante do processo de evaporação da água do mar é, atualmente, fonte de pesquisas que venham a transformá-lo em gesso. Neste sentido, este trabalho visa avaliar a viabilidade de incorporação de gesso reciclado, produzido através do processo de calcinação do gesso hidratado, do salgesso, produzido a partir da calcinação em autoclave do carago, ao pó de gesso beta comercial na aplicação em revestimentos de construção civil. Foram, para tanto, analisadas um total de 10 formulações distintas onde se fizeram variar, apenas, os percentuais de cada um dos três pós analisados e fixando o fator água gesso (FAG) bem como as etapas preliminares de obtenção dos insumos. Os resultados obtidos, apontam que apesar de haver divergência entre os resultados obtidos, boa parte das exigências normativas foram atendidas, apontando para a possibilidade de uso destes insumos como revestimentos de alvenaria.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - HELOÍSA PIMENTA DE MACEDO - UFRN
Presidente - 6347420 - MARCUS ANTONIO DE FREITAS MELO
Externo à Instituição - RODOLFO LUIZ BEZERRA DE ARAÚJO MEDEIROS - UFRN
Notícia cadastrada em: 15/05/2019 08:18
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa23-producao.info.ufrn.br.sigaa23-producao