Banca de DEFESA: KATHARINA GABRIELA SPANIOL

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : KATHARINA GABRIELA SPANIOL
DATA : 03/08/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de aulas do PPGCEM
TÍTULO:

Produção de fitas cerâmicas a base de TCP/PVA com adição de prata via método de tape casting para uso como curativo ósseo 


PALAVRAS-CHAVES:

TCP, PVA, tape casting, fitas cerâmicas.


PÁGINAS: 70
RESUMO:

Os procedimentos de reparo de defeitos ósseos apresentam muitos desafios devido às baixas taxas de cura, o que gera um impacto negativo na qualidade de vida dos pacientes e nos custos hospitalares. Uma alternativa promissora para a regeneração destes tecidos danificados tem sido o uso de biomateriais na engenharia de tecidos ósseos, especialmente com o uso de membranas de barreira. Para a produção destas membranas, o fosfato tricálcico (TCP), têm sido amplamente investigadas por sua semelhança química e biológica aos tecidos ósseos e excelentes propriedades de biocompatibilidade e adesão celular. No entanto, há alguns inconvenientes em sua utilização: degrada-se um pouco mais rápido que a regeneração óssea e sua resistência mecânica é relativamente baixa. Para superar essas deficiências, muitas pesquisas vêm sido feitas para criar compósitos formados por TCP e polímeros com a finalidade de melhorar as propriedades mecânicas. Dentre esses polímeros, o poli (álcool vinílico) (PVA) é um material sintético que possui propriedades de biocompatibilidade e não-toxicidade sendo uma importante matéria-prima para fabricação de filmes. Contudo, sua rápida degradabilidade interfere negativamente na osteogênese devido a um tempo reduzido de interação entre o material e o osso. Uma possível solução para esse problema é a utilização de um agente reticulante, com por exemplo o ácido cítrico. Infecções são consideradas uma das complicações mais sérias durante o período pós-operatório. Uma resposta para essa problemática é o uso de um sistema antibacteriano. A atividade antibacteriana dos íons de prata é conhecida por ter fortes efeitos bactericidas, bem como um amplo espectro de atividades antimicrobianas. Em relação aos métodos de produção de filmes, a técnica de tape casting possui a vantagem de produzir filmes finos, de estrutura homogênea, com espessura controlada e em larga escala. Portanto, o objetivo deste trabalho é o produzir fitas cerâmicas à base de uma cerâmica, o tricálcio fosfato, e de um polímero, o PVA, contendo nanopartículas de prata através da produção de filmes finos pelo método de tape casting com o potencial para serem usadas como membranas de barreira, com efeito antibacteriano. A metodologia constou na produção de suspensões (caracterizadas através de ensaios reológicos) e de fitas cerâmicas, submetidas a, análise térmica (ATG e ATD), difração de raios X (DRX), fluorescência de raios X (FRX), grau de intumescimento, microscopia eletrônica de varredura (MEV-FEG), ensaios de bioatividade e citotoxicidade. Os resultados mostram que as suspensões apresentam comportamento pseudoplástico, adequado para o processo via tape casting. As curvas TG das fitas apresentam perfis semelhantes, no qual o processo total de perda de massa ocorreu, na faixa de temperatura de 30°C a 450°C. Os padrões de DRX das fitas cerâmicas revelam a formação de fase β-TCP segundo ficha padrão (JCPDS 009-0169). A composição química do material confirma a presença dos elementos que compõe a fase β-TCP e do elemento prata para as composições que contém o agente antimicrobiano. O grau de instumescimento das amostras valida a reticulação das amostras pelo aumento da resistência à agua das composições contendo o agente reticulante. É possível observar nas imagens de MEV estruturas homogêneas e a presença de macroporos e que o ácido cítrico modifica a estrutra das amostras, tornando-as mais compactas e menos porosas. O ensaio de bioatividade revela a formação de um precipitado nas superfícies das fitas cerâmicas, comprovando que o material é bioativo. Os resultados obtidos a partir da análise de citotoxidade confirma que o material viabiliza a propagação celular. Conclui-se, que o método empregado e as condições de processamento favoreceram a obtenção de fitas cerâmicas baseadas em TCP/PVA com potencial para serem utilizadas como membrana de barreira para regeneração óssea.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - Ana Paula da Silva Peres - UFRN
Externo à Instituição - EDUARDO GALVAO RAMALHO - IFRN
Externo ao Programa - 2941160 - JOSE HERIBERTO OLIVEIRA DO NASCIMENTO
Presidente - 1149564 - WILSON ACCHAR
Notícia cadastrada em: 24/07/2018 14:38
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa24-producao.info.ufrn.br.sigaa24-producao