Banca de DEFESA: FERNANDO SERGIO DE MACEDO CALDAS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FERNANDO SERGIO DE MACEDO CALDAS
DATA : 12/03/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do DFTE
TÍTULO:

ESTUDO DA RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM COMPÓSITO DE MATRIZ POLIMÉRICA COM ADIÇÃO DE ALUMINA


PALAVRAS-CHAVES:

Biomateriais, Cimentos Ósseos, PMMA, Alumina, Compósito de matriz polimérica.


PÁGINAS: 62
RESUMO:

Atualmente, as pesquisas para o desenvolvimento de materiais biocompatíveis vêm sendo amplamente desenvolvidas. Estes materiais, também conhecidos por biomateriais, são utilizados na área da medicina com o intuito de tratar, substituir ou reparar sistemas biológicos (tecidos e/ou órgãos) parcial ou totalmente. Na área da cirurgia ortopédica, os cimentos ósseos, além do uso para fixação de implantes, são aplicados na reparação de falhas ósseas decorrentes de fraturas provocadas por trauma de alta energia, como no caso de acidentes envolvendo veículos automotores e/ou o envelhecimento humano, em face da osteoporose, que é uma doença caracterizada pela redução da parte mineral dos ossos, tornando-os mais frágeis, e consequentemente, mais susceptíveis às fraturas. O cimento ósseo à base de polimetilmetacrilato (PMMA) já é largamente aplicado no âmbito da cirurgia ortopédica; neste trabalho foi estudado o efeito da adição da alumina (Al2O3) na matriz polimérica (PMMA) sobre as propriedades mecânicas, principalmente  resistência à flexão. O compósito formado por PMMA e Al2O3, além da sua possível aplicabilidade na área ortopédica, possibilitará uma redução de custo, visto ser a alumina abundante na natureza. Para o desenvolvimento deste trabalho foram caracterizados os pós de partida – PMMA e alumina, e para a obtenção dos compósitos foram realizadas as misturas do polímero (pó) na presença do redutor líquido (monômero) com adição de alumina, nas proporções de 0,5%, 1% e 2%, em peso. A mistura libera calor (reação química exotérmica), chegando a 110 ºC, e o endurecimento ocorre em temperatura ambiente, levando em média de 1 a 2 minutos. Foram obtidas as amostras endurecidas em forma de barras. Os pós de partida e os pós misturados foram caracterizados através das análises de microscopia eletrônica de varredura (MEV), espectroscopia de energia dispersiva (EDS), difração de Raio-X (DRX), e já, as amostras endurecidas, foram submetidas aos ensaios de resistência mecânica à flexão, e caracterizadas em MEV, EDS.  Os resultados mostraram que a adição de alumina ao PMMA influenciou à resistência mecânica à flexão com o aumento do módulo de elasticidade, e a capacidade de deformação e por último a progressiva redução da porosidade.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALESSANDRA AGNA ARAÚJO DOS SANTOS - UFRN
Externo à Instituição - ARIADNE DE SOUZA SILVA - UFRN
Externo à Instituição - CLODOMIRO ALVES JUNIOR - UFERSA
Externo ao Programa - 2613355 - FRANCINE ALVES DA COSTA
Presidente - 345842 - UILAME UMBELINO GOMES
Notícia cadastrada em: 02/03/2018 11:20
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao