Banca de QUALIFICAÇÃO: VANESSA CASTRO DE SOUZA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : VANESSA CASTRO DE SOUZA
DATA : 21/04/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do CCET
TÍTULO:

MODIFICAÇÕES DE ZEÓLITAS NATURAIS PARA REMEDIAÇÃO DE EFLUENTES E REAÇÕES CATALÍTICAS


PALAVRAS-CHAVES:

Zeólitas Naturais, Tratamento Ácido/Básico e Planejamento Experimental.


PÁGINAS: 60
RESUMO:

As zeólitas tem em sua composição estruturas cristalinas constituídas por (SiO4) e (AlO4) tetraedros ligados através dos átomos de oxigênio nos seus vértices que se unem gerando canais e cavidades de dimensões moleculares, com aberturas de poros de até 2nm (microporos). Existem vários tipos de zeólitas, que podem ser encontrados na natureza (naturais) ou podem ser sintetizados (sintéticas) e têm vastas aplicações, incluindo catálise e adsorção. A zeólita natural Clinoptilolita é do grupo da Heulandita, com relação Si/Al maior ou igual á 4. Essa zeólita apresenta seletividade por íons de pequenos raios, devido a suas cavidades, porém esses materiais naturais não vêm em sua forma pura, tornando-se necessários tratamentos para posterior aplicação. Dentre os tipos de modificações, a modificação de cristal-partícula pode ser obtida pelos métodos de desmetalização com tratamento hidrotérmico, ácido, básico ou a vapor. Dessa forma, torna-se viável o uso de zeólitas naturais que apresentam baixo custo, com modificações, de modo que poderá dar origem a um material com melhorias de propriedades e promissor para tratamento de efluentes e craqueamento catalítico. Porém, a eficácia do tratamento para otimização do material depende de vários parâmetros que podem ser ajustados. Neste trabalho realizou-se modificações estruturais em zeólitas naturais Clinoptilolita, com tratamentos ácidos e básicos, para abertura de mesoporosidade e assim obtenção de material hierarquico e posterior aplicações. Para o tratamento ácido usou-se o ácido nítrico variando parâmetros como tempo, temperatura e concentração. O tratamento ácido resultou numa remoção considerável de alumínio já que a razão Si/Al da zeólita natural sem tratamento é de 4,71 e após o tratamento esse valor dobrou para a amostra E8ZNceltaac (Si/Al = 10,07) e E12ZNceltaac (Si/Al = 9,57), indicando o possível aumento de porosidade com abertura de poros, além disso o planejamento experimental não foi satisfatório para avaliação da cristalinidade.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 007.566.270-10 - LINDIANE BIESEKI - UFRN
Externo à Instituição - MANUEL KARIM SAPAG - UNSL
Interno - 1755267 - MARIA CAROLINA BURGOS COSTA DO NASCIMENTO
Presidente - 1308577 - SIBELE BERENICE CASTELLA PERGHER
Notícia cadastrada em: 11/04/2017 14:36
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao