Banca de QUALIFICAÇÃO: CAROLINA AIRES MAYER

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CAROLINA AIRES MAYER
DATA : 01/09/2017
HORA: 16:00
LOCAL: Sala 1A do Decom
TÍTULO:

 

 

O PROTAGONISMO FEMININO PROATIVO NAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS DE FICÇÃO CIENTÍFICA

 


PALAVRAS-CHAVES:

 

 

Estudos da Mídia. Ficção Científica. Gênero. Feminismo. Protagonismo Feminino Proativo.


PÁGINAS: 103
RESUMO:

O presente estudo visa desenvolver um modelo de análise do protagonismo feminino nas narrativas audiovisuais. O modelo pretende identificar a presença do protagonismo feminino proativo e seu desempenho dentro da narrativa. A partir do conceito de Protagonismo Feminino Proativo, considera-se a protagonista feminina que participa ativamente da trama, desempenhando ou não papel de liderança, representada de forma equivalente aos protagonistas masculinos, e exercendo influência e relevância nos acontecimentos da narrativa. O recorte escolhido foi o universo da ficção científica, no qual o gênero distópico está em evidência nas produções audiovisuais. Utiliza-se como objetos de análise os filmes Jogos Vorazes (2012); Em Chamas (2013); A esperança: Parte 1 (2014); A esperança: o final (2015); Divergente (2014); Insurgente (2015); Convergente (2016) e a série The 100 (1ª temporada 2014: 13 episódios; 2ª temporada, 2014: 16 episódios). Para analisar o arco narrativo dessas distopias, recorre-se ao esquema adaptado por Vogler (2015) da Jornada do Herói, de Joseph Campbell. Na análise das protagonistas Katniss (Jogos Vorazes); Tris (Divergente); Clarke, Lexa e Octávia (The 100), contextualiza-se a formação da identidade com base em Castells (2013) e Butler (2016). A partir da perspectiva dos estudos feministas, apresenta-se a compilação de dados colhidos por meiode questionárioseletrônicos, visando identificar percepções de diferentes públicos sobre os objetos empíricos (Jogos Vorazes, saga Divergente e The 100). Os dados colhidos apontam divergências sobre a presença do protagonismo feminino no audiovisual percebido por homens e mulheres, assim como as principais características positivas e negativas percebidas pelo público. A divergência entre os olhares masculinos e femininos sobre a mulher mediada evidencia o desequilíbrio nas representações de gênero do audiovisual.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1644432 - MARIA DO SOCORRO FURTADO VELOSO
Interno - 1640014 - MARIA ANGELA PAVAN
Externo à Instituição - ADRIANA DA ROSA AMARAL - Unisinos
Notícia cadastrada em: 21/08/2017 17:00
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa23-producao.info.ufrn.br.sigaa23-producao