PPGH/CCHLA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA Telefone/Ramal: (84) 3342-2246/755 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgh

Banca de DEFESA: RENATA NOBRE BEZERRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RENATA NOBRE BEZERRA
DATA : 29/09/2023
HORA: 14:30
LOCAL: Virtual - meet.google.com/juy-decj-dsy
TÍTULO:
Territorialidade e alteridade no Japão Tokugawa: os diversos contatos na ilha de Kyûshû, 1603-1639

PALAVRAS-CHAVES:

Período Tokugawa, Territorialidade, Alteridade, Ilha de Kyûshû, Companhia de Jesus, Comércio Marítimo. 


PÁGINAS: 119
RESUMO:

No âmbito do comércio marítimo no índico e no pacífico no final do século XVI e início do século XVII, o Japão está no período da sua história conhecido como reunificação. Após o período de guerras internas, ou Sengoku Jidai, em 1603, a casa Tokugawa assumiu o título shogunal iniciando uma administração que duraria duzentos anos. No início do governo Tokugawa, as nações europeias estavam ativamente fazendo comércio com os japoneses. Como mediadores entre esses povos estavam os membros da Companhia de Jesus, ordem mendicante que nasceu com o propósito de disseminar o cristianismo pelo mundo. O século XVI, para o Japão, foi um momento de transição de um período de conflitos intensos para uma época de relativa paz, entretanto os primeiros anos da administração Tokugawa foi marcado por várias medidas que visavam, entre outros fins, evitar que os senhores de terras, ou Daimyou, tivessem a oportunidade de se rebelar de novo contra o governo central. Nesse cenário de mudanças está Kyûshû, umas das quatro maiores ilhas do arquipélago, e que está localizada ao sul do arquipélago. Kyûshû, por sua posição geográfica privilegiada foi palco da maior interação entre os japoneses e os diversos povos estrangeiros que estiveram presente em solo nipônico. Este trabalho se propõe a analisar os diversos espaços de contato entre os japoneses e os diferentes grupos de estrangeiros que estavam presentes no arquipélago no início do período Tokugawa, 1603, até a outorga do édito que decretou o fechamento dos portos do Japão em 1639; entendendo o conceito de Espaço como lugar praticado (CERTAU, 2014), e pensando este conceito aliado ao de territorialidade compreendido como um híbrido, nunca indiferenciado, de concreto e simbólico (HAESBAERT, 2004), e de alteridade (TODOROV, 2003), para analisar as mudanças territoriais e os diversos contatos que aconteceram na terra do sol nascente, dando enfoque à ilha de Kyûshû, que por sua especificidade que nos proporciona uma melhor compreensão do contexto analisado.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 1324248 - CARMEN MARGARIDA OLIVEIRA ALVEAL
Externa à Instituição - MARIANA AMABILE BOSCARIOL - NOVA
Presidente - ***.506.847-** - RONALDO VAINFAS - NÃO INFORMADO
Interno - ***.412.534-** - THIAGO ALVES DIAS - UFRN
Notícia cadastrada em: 14/09/2023 08:41
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao