Banca de DEFESA: VEUDERLLANE CAMPOS DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VEUDERLLANE CAMPOS DA SILVA
DATA: 31/08/2015
HORA: 13:30
LOCAL: Auditório da Geografia
TÍTULO:

Título: O TURISMO DE BASE COMUNITÁRIA COMO POSSÍVEL VETOR DE ETNODESENVOLVIMENTO: UM ESTUDO NA COMUNIDADE MEBÊNGÔKRE-KAYAPÓ DA TERRA INDÍGENA LAS CASAS – PA


PALAVRAS-CHAVES:

Terra Indígena Las Casas. Turismo de Base Comunitária. Etnodesenvolvimento. Metodologias Participativas. Povo Kayapó.


PÁGINAS: 134
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Turismo
RESUMO:

O presente estudo pretende analisar a contribuição que a futura implementação do turismo de base comunitária pode levar ao povo Mebêngôkrê-Kayapó da aldeia Tekrejarôti-re que habita a terra indígena Las Casas no Sul do Estado do Pará, onde este além de se constituir como vetor de etnodesenvolvimento pode também contribuir na conservação da Sociobiodiversidade e cultura local, por meio das vivências que possibilitará a realização da convivencialidade, onde haverá o compartilhamento não só das atividades cotidianas, dos costumes da população local, mais também primando pela interculturalidade a qual se objetivam as trocas entre visitantes e comunidade, onde estas além de promover o conhecimento dos não-indígenas sobre este povo, busca também consolidar a identidade étnica e cultural dos mesmos. Diante disso, o presente estudo norteou-se pela pesquisa-ação participativa, utilizando-se também de dados, obtidos em 2012, oriundos da aplicação de entrevistas com a comunidade para realizar o diagnóstico das potencialidades turísticas. Esta se trata de uma pesquisa de natureza exploratório-descritiva a cerca do tema. A pesquisa de campo aliada a observação participante, realização de oficinas e entrevistas contribuiu para que fosse possível realizar uma análise mais profunda do ambiente estudado.  Pretende-se com este estudo obter como resultados concretos a implantação e/ ou fomento de uma prática cultural e ambientalmente sustentável pautado nos processos de organização que permeia as diretrizes do turismo de base comunitária, porém este depende das condições dos recursos humanos e florestais e das condições de infraestrutura na comunidade, constituindo atividades social e culturalmente positivas a curto e médio prazo e em longo prazo em termos ambientais e econômicos. O presente trabalho identificou que a comunidade com suas manifestações culturais, festas e cerimônias estando aliada ao seu modo de vida e empreendida a partir dos seus critérios, tem condições de trabalhar com a atividade turística dentro da sua terra e tornar esta uma oportunidade de afirmação cultural e geração de renda. Mas conclui que para o turismo vir a ocorrer de fato são necessárias serem realizadas algumas medidas, inclusive que atenda a nova instrução normativa IN 3/2015, a qual estabelece que para que a comunidade trabalhe com o turismo na sua terra é necessário que seja elaborado um plano de visitação que atenda as exigências estabelecidas, onde este trabalho se constitui como uma ferramenta de importância na construção do mesmo, já que foi realizado a partir da demanda da comunidade e sendo realizado de forma participativa, valorando os diálogos horizontais e a autonomia deste povo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2346233 - FRANCISCO FRANSUALDO DE AZEVEDO
Externo à Instituição - VERA LÚCIA SALAZAR PESSÔA - UFG
Interno - 2806096 - WILKER RICARDO DE MENDONCA NOBREGA
Notícia cadastrada em: 11/08/2015 11:09
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao