Banca de DEFESA: ANGELO AUGUSTO PAULA DO NASCIMENTO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: ANGELO AUGUSTO PAULA DO NASCIMENTO

DATA: 15/04/2011

HORA: 14:00

LOCAL: DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA

TÍTULO:

AvaliaçÃo da cinemática do complexo tóraco-abdominal durante repouso e endurance muscular respiratória em obesos

 


PALAVRAS-CHAVES:

cinemática, obesidade, testes de função pulmonar, ventilação voluntária máxima


PÁGINAS: 78

GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde

ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional

RESUMO:

Contextualização: A obesidade pode afetar o sistema respiratório, causando alterações na mecânica ventilatória, nos volumes e fluxos pulmonares. Objetivos: Avaliar a influência da obesidade no movimento do complexo tóraco-abdominal durante o repouso e durante a ventilação voluntária máxima (VVM), assim como a contribuição entre os diferentes compartimentos desse complexo e as variações de volume da parede torácica e entre obesos e não obesos. Materiais e Métodos: Foram avaliados 16 indivíduos divididos em dois grupos: grupo de obesos (n = 8) e grupo de eutróficos (n = 8). Os dois grupos foram homogêneos quanto às características espirométricas (média de CVF: 4,97 ± 0,6 L – 92,91 ± 10,17 % do predito, e 4,52 ± 0,6 L – 93,59 ± 8,05 %), idade 25,6 ± 5,0 e 26,8 ± 4,9 anos, IMC 24,93 ± 3,0 e 39,18 ± 4,3 kg/m2, em eutróficos e obesos respectivamente. Todos os sujeitos realizaram respiração calma e lenta e a manobra de Ventilação voluntária máxima, durante o registro por pletismografia optoeletrônica. Para análise estatística, foram utilizados os testes t não pareado e de Mann-Whitney. Resultados: Os indivíduos obesos apresentaram menor contribuição percentual da caixa torácica abdominal (RCa) durante a respiração em repouso e na VVM. A variação dos volumes pulmonares expiratório (EELV) e inspiratório finais (EILV) foram menores nos sujeitos obesos. Foram constatados maiores assincronia e distorção entre os compartimentos do complexo tóraco-abdominal nos obesos, quando comparados aos eutróficos. Conclusões: A obesidade central interfere negativamente na ventilação pulmonar, reduzindo a adaptação aos esforços e incrementando o trabalho ventilatório.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1323472 - FERNANDO AUGUSTO LAVEZZO DIAS
Presidente - 1545315 - GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
Externo à Instituição - MARCELO VELLOSO - UFMG
Notícia cadastrada em: 29/03/2011 08:50
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa23-producao.info.ufrn.br.sigaa23-producao