Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRN

2019
Dissertações
1
  • SUSANN KELLY DAMIÃO DO REGO E SILVA ANDRADE
  •  Capacidade funcional de idosos com DOENÇA de Alzheimer

  • Orientador : JULIANA MARIA GAZZOLA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JULIANA MARIA GAZZOLA
  • TATIANA SOUZA RIBEIRO
  • FÁBIO HENRIQUE DE GOBBI PORTO
  • Data: 15/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A Doença de Alzheimer (DA) é a mais comum entre os idosos e representa 60% das demências diagnosticadas. Muitas investigações foram conduzidas sobre as sequelas cognitivas da DA, mas poucas se concentraram na extensão em que as deficiências nas habilidades cognitivas se traduzem em dificuldades na realização de atividades diárias. Objetivo: Verificar os fatores relacionados ao prejuízo da capacidade funcional e suas influências em relação aos dados sócio demográficos, clínicos, de estadiamento, mobilidade, equilíbrio postural e cognitivos de idosos com Doença de Alzheimer (DA). Métodos: Trata-se de um estudo observacional, analítico, de caráter transversal realizado em Natal-/RN. Participaram 40 idosos com idade igual ou superior a 60 anos com Doença de Alzheimer na fase Leve (CDR1) ou moderada (CDR2), com deambulação independente. Foram utlizados os instrumentos: questionário para avaliação de dados sociodemográficos e antropométricos; Mini-Exame de Estado de Saúde Mental (MEEM); Teste do desenho do Relógio (TDR);  Teste de Fluência Verbal (TFV) Timed Up and Go Test (TUG) e Clinical Test of Sensory Organization and Balance (CTSIB). Foram realizadas análises descritivas simples, teste de Man Witney, teste de Correlação de Spearman, modelo de regressão linear e equação de predição (p<0,05 e IC de 95%). Resultados: A mediana etária da amostra caracterizou-se por 80 anos; destacou-se a maioria feminina (77,5%), A capacidade funcional apresentou mediana de 22,5 e a maioria apresentou desequilíbrio postural (62,5%), segundo o CTSIBForam gerados oito modelos de regressão linear e foi escolhido o último para a análise, pelo método “retroceder” e elaborada a equação de predição e possíveis interpretações. As variáveis assumidas nesse modelo citado foram: CDR, Fluência verbal e CTSIB. Estas variáveis explicam 60,1% do desfecho. Conclusão: O prejuízo da capacidade funcional de idosos com DA é fortemente influenciado pelo avançar da doença, pelas alterações de linguagem e funções executivas e o déficit do equilíbrio postural.


  • Mostrar Abstract
  •  

    Introduction: Alzheimer's disease (DA) is the most common among the elderly and represents 60% of the dementias diagnosed. Many investigations were conducted on the cognitive sequelae of DA, but few concentrated on the extent to which deficiencies in cognitive abilities are reflected in difficulties in performing daily activities. Objective: To verify the factors related to impairment of functional capacity and its influences in relation to socio-demographic, clinical, staging, mobility, postural and cognitive balance of elderly with Alzheimer's disease (DA). Methods: This is an observational, analytical, cross-sectional study conducted in Natal-/rn. Participants were 40 elderly individuals aged 60 years or older with Alzheimer's disease in the mild (CDR1) or moderate (CDR2) phase, with independent ambulation. The instruments were utilized: questionnaire for the evaluation of sociodemographic and anthropometric data; Mini Mental Health Examination; Clock drawing test (TDR);  Verbal fluency Test (TFV) Timed Up and Go test (TUG) and Clinical test of Sensory Organization and Balance (CTSIB). Simple descriptive analyses, Man Witney test, Spearman correlation test, linear regression model and prediction equation (p < 0.05 and CI of 95%) were performed. Results: The median age of the sample was 80 years; The majority of women (77.5%), the functional capacity had a median of 22.5 and the majority presented postural imbalance (62.5%), according to the ctsib, eight linear regression models were generated and the latter was chosen for the analysis, by the method " and elaborate the prediction equation and possible interpretations. The variables assumed in this model were: CDR, verbal fluency and ctsib.

2
  • TIAGO SILVA OPORTO
  • AUTORRELATO DE SAÚDE E DESEMPENHO FUNCIONAL: UMA RELAÇÃO MEDIADA PELA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM MULHERES OSTEOPORÓTICAS

  • Orientador : ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • JULIANA MARIA GAZZOLA
  • INGRID GUERRA AZEVEDO
  • Data: 27/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • Envelhecer é um processo biológico natural marcado por alterações fisiológicas que podem trazer consequências físicas ao indivíduo, como a osteoporose, doença metabólica que modifica a fisiologia óssea, podendo comprometer o desempenho físico. A saúde autorrelatada (SAR) é uma ferramenta útil para avaliação da população idosa, já que fornece uma percepção subjetiva da saúde do indivíduo, sendo uma forte ferramenta para triagem de risco de comorbidades, juntamente com as ferramentas de desempenho físico como o Short Physical Performance Battery (SPPB), e as avaliações de qualidade de vida como o Osteoporosis Assessment Questionnaire (OPAQ). Entretanto pouco se sabe sobre a interação entre as medidas de desempenho físico com a saúde autorrelatada e como essa relação se estabelece em idosas com osteoporose quando mediada pela qualidade de Vida. Objetivo: analisar a relação entre autorrelato de saúde e desempenho funcional, quando mediada pela percepção da qualidade de vida em mulheres osteoporóticas. Metodologia: Trata-se de um estudo do tipo descritivo analítico transversal. A amostra foi constituída pelas idosas que atenderam aos critérios de inclusão desse estudo. As idosas foram submetidas, primeiramente, aos questionários sobre saúde autorrelatada, qualidade de vida relacionada à osteoporose e avaliação cognitiva com o teste de Leganés. Em seguida foram feitas as avaliações físicas com o uso do SPPB, dados antropométricos e clínicos, confirmação ou não da presença de osteoporose indicada por exame de densidade óssea com valor de T-score ≤ -2,5 DP. As idosas foram entrevistadas e avaliadas no Hospital Onofre Lopes (HUOL-UFRN) e no departamento de fisioterapia da UFRN. Além disso, foram dadas orientações explicando sobre o desempenho nos testes e uma cartilha autoexplicativa contendo informações sobre formas de prevenção às quedas foi entregue às participantes da pesquisa. Resultados: A amostra foi composta por 83 mulheres, com média de idade 66,98 (7,09) anos. No tocante sobre a saúde autorrelatada (SAR), observou-se que 30,1% da amostra considerava a avaliação como satisfatória. Como resultado total do OPAQ obteve-se a média de 247,27(28,05), enquanto que para o SPPB total o valor obtido foi de 6,40(1,87). Mulheres com percepção satisfatória sobre o auto relato em saúde apresentaram uma pontuação média maior no SPPB comparado as mulheres que manifestaram uma percepção insatisfatória sobre a SAR. Houve uma correlação negativa com significância estatística (r= -0,33; p < 0,05) entre o SPPB e o OPAQ. As mulheres que possuem uma percepção satisfatória sobre o auto relato em saúde apresentaram uma pontuação média maior no SPPB comparado as mulheres que manifestaram uma percepção insatisfatória sobre a SAR. as mulheres que apresentaram uma percepção insatisfatória de sua saúde tem uma pontuação maior no OPAQ comparado as mulheres que manifestaram uma percepção mais satisfatória sobre a avaliação.


  • Mostrar Abstract
  • Aging is a natural biological process marked by physiological changes that can bring about physical consequences to the individual, such as osteoporosis, a metabolic disease that modifies bone physiology and can compromise physical performance. Self-reported health (SRH) is a useful tool for the evaluation of the elderly population, since it provides a subjective perception of the individual's health, being a strong tool for risk assessment of comorbidities, together with physical performance tools such as Short Physical Performance Battery (SPPB), and quality of life assessments such as the Osteoporosis Assessment Questionnaire (OPAQ). However, little is known about the interaction between physical performance measures with self-reported health and how this relationship is established in elderly women with osteoporosis when mediated by quality of life.

    Objective: to analyze the relationship between health self-report and functional performance when mediated by the perception of quality of life in osteoporotic women. Methodology: This is a descriptive cross-sectional study. The sample consisted of the elderly women who met the inclusion criteria of this study. The elderly was submitted to questionnaires on self-reported health, quality of life related to osteoporosis and cognitive evaluation with the Leganes test. Physical evaluations were then performed using SPPB, anthropometric and clinical data, confirmation of the presence of osteoporosis indicated by a bone density test with T-score ≤ -2.5 SD. The elderly was interviewed and evaluated at the Hospital Onofre Lopes (HUOL-UFRN) and at the physiotherapy department of UFRN. In addition, guidelines were given explaining test performance and a self-explanatory primer containing information on fall prevention forms was given to the study participants.

    Results: The sample consisted of 83 women, mean age 66.98 (7.09) years. Concerning self-reported health (SAR), it was observed that 30.1% of the sample considered the evaluation to be satisfactory. As a total result of the OPAQ, the mean value was 247.27 (28.05), while for the total SPPB the value obtained was 6.40 (1.87). Women with a satisfactory perception of self-reported health showed a higher mean SPPB score compared to women who had an unsatisfactory perception of SAR. There was a negative correlation with statistical significance (r = -0.33, p <0.05) between the SPPB and the OPAQ. Women who have a satisfactory perception about self-reported health showed a higher mean SPPB score compared to women who expressed an unsatisfactory perception about SAR. women who presented an unsatisfactory perception of their health score higher in the OPAQ compared to women who expressed a more satisfactory perception about the assessment.

     

3
  • ALANE MACATRÃO PIRES DE HOLANDA ARAÚJO SENA
  • AVALIAR O EFEITO DA TERAPIA LASER DE BAIXA INTENSIDADE NO ALÍVIO DE DOR DA INCISÃO CESARIANA: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO E DUPLO CEGO

  • Orientador : MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • RODRIGO PEGADO DE ABREU FREITAS
  • CRISTINE HOMSI FERREIRA
  • Data: 28/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • Introdução e Objetivo: A dor na região da incisão cesariana é a principal queixa das puérperas no pós parto imediato e considerada como morbidade pós materna de difícil recuperação. Este estudo teve como objetivo avaliar o efeito da Terapia Laser de Baixa Intensidade (LBI) para alívio da dor na região da incisão cirúrgica das mulheres submetidas à cesárea. Desenho/Materiais e Métodos: Ensaio clínico randomizado-controlado, duplo cego, composto por 88 mulheres no puerpério imediato randomizadas em quatro grupos: grupo controle (sem aplicação de LBI, n=20), grupo placebo (aplicação de LBI sem emissão de radiação, n=20), grupo experimental I (aplicação LBI com dosagem de 4J/cm2, n=17) e grupo experimental II (aplicação LBI com dosagem de 2J/cm2, n=17). Houveram 14 perdas devido as seguintes causas: não aceitar realizar a avaliação clínica da dor, puérpera com dificuldade de comunicação e expressão, alta hospitalar antes de finalizar as coletas, ausência de quadro álgico na avaliação inicial e presença de hemorragia como intercorrência clínica. A terapia com LBI utilizou um comprimento de onda de 660nm, modo contínuo, e potência de 30mW. Todas as voluntárias foram entrevistadas com um questionário geral sobre as informações sociodemográficas e obstétricas na primeira avaliação. A avaliação clínica foi realizada em três momentos distintos: primeira entre 8 e 12 horas, segunda entre 20 e 24 horas e terceira entre 44 e 48 horas pós o parto. Para avaliação da dor foram utilizados a Escala PGIC e a algometria. Os grupos intervenção realizaram duas sessões sendo a primeira com 8-12 horas pós o parto e a segunda com 20-24 horas pós o parto. Na segunda e terceira avaliação também foi aplicada a Escala de Percepção Global de Mudança (PGIC) ocorreu no segundo e terceiro momento da avaliação do desfecho dor. Na análise estatística, os dados foram analisados utilizando o software SPSS 20.0 para Windows 23.0, atribuindo um nível de significância < 5%. A normalidade dos dados de cada grupo foi avaliada pelo teste de Shapiro-Wilk. A estatística descritiva foi apresentada por meio de medidas de tendência central. A ANOVA one-way e ANOVA de medidas repetidas. O tamanho do efeito foi demostrado pelo Cohen´s d. Resultados: Houve diferença estatisticamente significante entre os grupos na terceira avaliação númerica da dor (p=0,03) e na algometria (p=0,04). Também houve diferença significativa entre os grupos na primeira avaliação do PGIC (p=0,04) e na segunda avaliação (p=0,04). Considerando a escala númerica da dor, o tamanho do efeito nos grupos não intervenção foi de 11% (grupo placebo) e 43% (grupo controle). No grupo experimental I foi de 71% e no experimental II de 68%. Conclusão: A terapia LBI parece ter promovido efeitos benéficos para alívio de dor na ferida operatória em puérperas submetidas ao parto cesáreo.

     

     


  • Mostrar Abstract
  • Background and Objective: Pain in the region of the cesarean incision is the main complaint of women in the immediate postpartum and considered post-cesarean morbidity for the mother and the baby, characterized as postoperative pain that presents difficult recovery. This study aimed to evaluate the effect of Low Level Laser Therapy (LLLT) for pain relief in the region of the surgical incision of women undergoing cesarean section. Desing/Materials and Methods: A randomized, double-blind clinical trial with 74 women in the immediate postpartum randomized into for groups: control group (no LLLT, n = 20), placebo group (LLLT without radiation emission, n = 20), experimental group I (LLLT with dosage of 4J/cm2, n = 17) and experimental group II (LLLT with dosage of 2J/cm2, n = 17). The pain was recorded at three different times: 8-12 hours, 20-24 hours, and 44-48 hours after cesarean section. The evaluation with the Patient Global Impression of Change Scale (PGICS) occurred at the second and third moment of the evaluation of the pain. For the groups intervention, the LLLT with wavelengths of 660nm was performed in two sessions, at 8-12 hours and 20-24 hours after cesarean section. In the statistical analysis, data were analyzed using SPSS software 20.0 for Windows 23.0, giving a level of significance of <5%. The normality of the data of each group was evaluated by the Shapiro-Wilk test. Descriptive statistics were presented through measures of central tendency. One-way ANOVA and repeated measures ANOVA. The size of the effect was demonstrated by Cohen's d. Results: There was a statistically significant difference between the groups in the third numerical evaluation of pain (p = 0.03) and algometry (p = 0.04). There was also a significant difference between the groups in the first PGICS evaluation (p = 0.04) and in the second evaluation (p = 0.04). Considering the numerical scale of pain, the effect size was 11% (placebo group), 43% (control group), 71% (experimental group I) and 68% (experimental group II). Conclusion: The use of LLLT appears to have promoted beneficial effects in the decrease the intensity pain in postpartum women after cesarean section.

4
  • HALANA KAROLINA VICENTE DA SILVA
  • Avaliação Termográfica: um recurso investigativo para região do assoalho pélvico de mulheres no pós-parto imediato

  • Orientador : MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA GOMES MAGALHAES
  • GABRIELA MARINI PRATA
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • Data: 05/03/2019

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Ao longo da vida da mulher, diversos eventos podem promover alterações estruturais e funcionais nos músculos do assoalho pélvico. Sabe-se que gestação e parto modificam a anatomia e fisiologia dos componentes do assoalho pélvico e pode favorecer o surgimento das disfunções do assoalho pélvico. O treinamento dos MAP no período da gestação pode prevenir e curar os acometimentos que envolvam a musculatura. No entanto, a avaliação funcional dessa região é dificultada devido a presença da loquiação. Objetivo: Avaliar o efeito agudo dos exercícios dos músculos do assoalho pélvico por meio da termografia infravermelha. Métodos: A pesquisa foi caracterizada como cross-over. Participaram do estudo 21 puérperas no primeiro dia de pós-parto, com idade entre 18 a 40 anos, recrutadas na Maternidade Professor Dr. Leide Morais, no ano de 2018. As participantes foram divididas em grupo intervenção (n=10) e grupo controle (n=11). Todas as voluntárias que concordem em participar do estudo assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Para execução do estudo, foi aplicada a ficha de avaliação da pesquisa e, posteriormente, realizado o exame físico, contemplando a avaliação funcional do assoalho pélvico e a análise termográfica. As voluntárias realizaram um protocolo de treinamento dos músculos do assoalho pélvico e em seguida foram avaliadas novamente com a termografia adicionado do questionário Patient Global Impression.. Os dados foram analisados através do software estatístico SPSS 20.0, atribuindo-se o nível de significância de 5%. A estatística descritiva foi utilizada para apresentação dos dados sociodemográficos e clínicos. O teste T-student foi utilizado para comparação dos grupos. Resultados:  A maioria das mulheres apresentavam um companheiro e a maior parte apresentava até 10 anos de estudo e renda familiar em torno de 1-2 salários mínimos. Não houve diferença estatística entre o número de paridade, ganho de peso gestacional, idade gestacional e características do recém-nascido. A frequência da episiotomia e de lacerações foi semelhante em ambos os grupos. Quanto a temperatura corporal observou-se 36,45±0,27 ºC e 36,27±0,47 ºC, respectivamente no grupo controle e experimental. A temperatura da sala foi de 26,0,4±1,63 ºC e 25,65±0,94 ºC no grupo controle e intervenção, respectivamente. A umidade apresentou média de 60,30±8,69% no grupo controle e 62,90±4,72% no grupo intervenção. Houve diferença na proporção da coloração do laranja (p=0,02) e na cor branco (p=0,02). O PGI-I mostrou uma média de 3,70±1,49 no grupo controle e 3,36±1,12 no grupo intervenção (p=0,56). Conclusão: A proporção das cores laranja e branco foram diferentes nos grupos após o protocolo. Foi encontrado ainda que a termografia não indicou fadiga muscular.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Throughout the life of the woman, several events can promote structural and functional changes in the muscles of the pelvic floor. It is known that gestation and parturition modify the anatomy and physiology of the components of the pelvic floor and may favor the appearance of pelvic floor dysfunctions. The training of the MAP during the gestation period can prevent and cure the muscular involvement. However, the functional evaluation of this region is difficult due to the presence of loach. Objective: To evaluate the acute effect of exercises on pelvic floor muscles by infrared thermography.
5
  • JEAN ARTUR MENDONÇA BARBOZA
  • Análise termográfica do dano muscular induzido de alto e baixo volume nos flexores de cotovelo em indivíduos fisicamente ativos

  • Orientador : WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANILO GOMES MOREIRA
  • EDUARDO CALDAS COSTA
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • Data: 14/03/2019

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O dano muscular induzido por exercício (DMIE) ocorre normalmente com a prática não habitual do exercício físico, sendo sua magnitude diretamente relacionada ao tipo, intensidade, modo ou duração do exercício. A avaliação do DMIE por métodos indiretos tem sido cada vez mais utilizada e mais recentemente, a termografia por infravermelho tem sido usada como mais um instrumento para mensurar o dano muscular, no entanto não se sabe o comportamento fisiológico da temperatura superficial diante de diferentes DMIE. Objetivo: Avaliar o comportamento fisiológico da temperatura superficial da pele após dano muscular induzido de alto e baixo volume nos flexores de cotovelo, analisando se existe diferença entre diferentes magnitudes de dano e se a temperatura se relaciona com os principais marcadores indiretos. Métodos: Trata-se de um estudo longitudinal curto, em que foram analisados: trinta homens saudáveis, ativos e que não realizavam qualquer treinamento de força e/ou endurance, os quais foram distribuídos aleatoriamente para o grupo baixo (gBV) e grupo alto volume (gAV). Os sujeitos foram avaliados quanto a temperatura superficial da pele (termografia), indicadores clínicos (percepção subjetiva da dor, amplitude de movimento, percepção subjetiva de esforço), indicadores bioquímicos (concentração sanguínea de CK), e neuromusculares por meio de variável isométrica (pico de torque). As avaliações ocorreram 48 horas pré-protocolo, imediatamente antes e após, além de 30 minutos, 24, 48 e 72 horas após o protocolo de DMIE. O grupo gBV realizou 10 contrações excêntricas de flexores de cotovelo, no dinamômetro isocinético com a velocidade angular de 60°/s em uma amplitude de movimento de flexão/extensão de cotovelo de 120° e o gAV realizou o mesmo exercício, porém com 30 contrações excêntricas. Os dados foram analisados através do software estatístico SPSS 20.0 atribuindo-se o nível de significância de 5%.  Resultados: Houve aumento de temperatura no momento imediatamente após o estímulo em ambos os grupos (p<0,05), porém retornando após 30 minutos e sem diferenças entre eles (p>0,05). Em relação aos marcadores (Pico de torque, Dor, CK, ADM, Limiar de dor à pressão e Circunferência), todos apresentaram mudança ao longo do tempo, havendo diferença entre os grupos em alguns momentos avaliados. Não houve correlação da temperatura com os principais marcadores indiretos de dano muscular (Pico Torque, Dor e CK) (p>0,05). Conclusão: A temperatura superficial da pele aumenta, apenas, no momento imediatamente após o estímulo, sem diferenças entre magnitudes de dano muscular e não apresenta relação com os principais marcadores indiretos do dano muscular. Portanto, a temperatura superficial da pele não pode ser considerada um marcador indireto para avaliar o dano muscular.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Exercise-induced muscle damage usually occurs with the usual practice of physical exercise, and its magnitude is directly related to the type, intensity, mode or duration of the exercise. The evaluation of DMIE by indirect methods has been increasingly used and more recently, infrared thermography has been used as another instrument to measure muscle damage, however, the physiological behavior of the superficial temperature is not known before different DMIE. Objective: To evaluate the physiological behavior of superficial skin temperature after high and low volume induced muscle damage in the elbow flexors, analyzing if there is difference between different magnitudes of damage and if the temperature is related to the main indirect markers. Methods: This was a short longitudinal study in which 30 healthy, active men who did not perform any strength and / or endurance training were randomly assigned to the low (gBV) and high-volume groups (gAV). Subjects were evaluated for skin temperature (thermography), clinical indicators (subjective perception of pain, range of motion, subjective perception of effort), biochemical indicators (CK blood concentration), and neuromuscular indicators by means of an isometric variable of torque). The evaluations occurred 48 hours pre-protocol, immediately before and after, plus 30 minutes, 24, 48 and 72 hours after the DMIE protocol. The gBV group performed 10 eccentric contractions of elbow flexors on the isokinetic dynamometer with the angular velocity of 60 ° / s in a range of elbow flexion / elbow extension of 120 ° and gAV performed the same exercise, however with 30 contractions eccentric Data were analyzed using the statistical software SPSS 20.0, and the significance level was set at 5%. Results: There was a temperature increase at the moment immediately after the stimulus in both groups (p <0.05), but returning after 30 minutes and without differences between them (p> 0.05). Regarding the markers (Peak torque, Pain, CK, ROM, Threshold of pressure pain and Circumference), all presented change over time, with a difference between the groups in some moments evaluated. There was no correlation of temperature with the main indirect markers of muscle damage (Pico Torque, Pain and CK) (p> 0.05). Conclusion: The skin surface temperature increases only at the moment immediately after the stimulus, with no differences between magnitudes of muscle damage and no relation to the main indirect markers of muscle damage. Therefore, skin surface temperature can not be considered an indirect marker for assessing muscle damage

6
  • STEPHANO TOMAZ DA SILVA
  • IMAGÉTICA MOTORA PARA A REABILITAÇÃO DA MARCHA PÓS-AVC: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA COM METANÁLISE

     

     

     

  • Orientador : TATIANA SOUZA RIBEIRO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • TATIANA SOUZA RIBEIRO
  • CAMILA TORRIANI-PASIN
  • SUELLEN MARY MARINHO DOS SANTOS ANDRADE
  • Data: 28/03/2019

  • Mostrar Resumo
  • Resumo

    Introdução: Estima-se que, três meses após o Acidente Vascular Cerebral (AVC), 70% dos sobreviventes andem a uma velocidade reduzida e 20% permaneçam utilizando cadeira de rodas. Imagética Motora (IM) é definida como uma tarefa mentalmente ensaiada, na qual o movimento é imaginado, mas não é executado. Separadamente ou combinada com a prática física (onde o movimento é executado), a IM vem demonstrando resultados promissores na reabilitação da marcha após AVC, promovendo, por exemplo, aumento da velocidade da caminhada.

    Objetivo: Avaliar os efeitos do tratamento com Imagética Motora na melhora da marcha de indivíduos com AVC.

    Método de pesquisa: Uma estratégia de busca de palavras e termos foi utilizada para a identificação dos artigos nas seguintes bases científicas: CENTRAL, MEDLINE, Embase, CINAHL, PsycINFO, AMED, LILACS Bireme, SPORTDiscus, PEDRo e REHABDATA e nos registros de ensaios clínicos do Cochrane Stroke Group, Clinical Trials e Stroke Trials Registry. A pesquisa foi realizada nos meses de julho a outubro de 2018, sendo a última busca feita no dia 15 de outubro de 2018.

    Critério de seleção: Foram incluídos estudos nos quais os participantes tinham diagnóstico clínico de AVC, apresentando déficit na marcha e estudos que usaram a IM para promover a melhora da marcha em indivíduos com AVC.

    Coleta de dados e análise: Os dados extraídos dos estudos foram utilizados para análise do risco de viés, do efeito do tratamento e da qualidade do corpo da evidência.

    Principais resultados: Foram incluídos 21 estudos, totalizando 747 participantes. O desfecho primário analisado foi a capacidade para a marcha. Foram combinados em metanálise, estudos que compararam IM sozinha ou combinada com outra terapia versus um controle ativo de prática física, considerando o efeito imediato (n=330). Em relação a velocidade da caminhada independente (11 estudos), o efeito estimado em favor da terapia não foi significativo (diferença de média= 0,21; 95% IC -0,02 a 0,44). Não foi possível a análise para a variável dicotômica dependência de assistência pessoal. Os vinte e um estudos incluídos foram categorizados de forma mista em risco de viés baixo, alto ou incerto, com uma predominância para alto risco de viés, e a qualidade do corpo da evidência foi considerada muito baixa, baixa e moderada.

    Conclusões: Não existe evidência suficiente que comprove que a IM seja mais eficaz que outras terapias na reabilitação da marcha de indivíduos pós-avc. Apesar dos achados, a eleição da IM para o processo de reabilitação da marcha de indivíduos pós-avc deve ser estimulado. Novos ensaios clínicos randomizados devem ser realizados com uma qualidade metodológica mais rigorosa, para que a própria evidência seja melhor avaliada.


  • Mostrar Abstract
  • Abstract

    Introduction: It is estimated that three months after the stroke, 70% of survivors walk at a reduced speed and 20% remain wheelchair bound. Motor Imagery (MI) is defined as a mentally rehearsed task in which movement is imagined but not executed. Separately or combined with physical activity (where the movement is executed), has demonstrated promising results for rehabilitating gait after a stroke, such as increased gait speed.

    Objective: To assess the treatment effects of motor imagery for enhancing ability to walk among people following stroke.

    Search methods: A search strategy for words and terms was used to identify articles on the following scientific bases: CENTRAL, MEDLINE, Embase, CINAHL, PsycINFO, AMED, LILACS Bireme, SPORTDiscus, PEDRo and REHABDATA and in clinical trial records the Cochrane Stroke Group, Clinical Trials and Stroke Trials Registry. The study was carried out from July to October 2018, and the last search was made on October 15, 2018.

    Selection criteria: We included studies in which the participants had a clinical diagnosis of stroke, presenting gait deficit and studies that used MI to promote gait improvement in stroke survivors.

    Data collection and analysis: Data extracted from the studies were used to analyze the risk of bias, the effect of treatment and the quality of the body of evidence.

    Main results: Twenty-one studies were included, totaling 747 participants. The primary outcome analyzed was ability to walk. Studies comparing MI alone or combined with another therapy versus an active practice physical control, considering the immediate effect (n = 330), were combined in meta-analysis. Regarding independent walking speed (11 studies), the estimated effect in favor of therapy was not significant (mean difference = 0.21; 95% CI -0.02 to 0.44). It was not possible to analyze the dichotomous variable dependence on personal assistance. The twenty one included studies were categorized as being at risk of low, high or uncertain bias, with a predominance of high risk of bias, and the quality of the body of evidence was considered to be very low, low, and moderate.

    Author’s conclusions: There is insufficient evidence to prove that MI is more effective than other therapies in the rehabilitation of gait after stroke. Despite the findings, the choice of MI for the gait rehabilitation process after stroke should be stimulated. New randomized clinical trials should be performed with a more rigorous methodological quality, so that the evidence to be better evaluated.

7
  • RUTHE DE GÓES XAVIER DO NASCIMENTO
  • Análise da postura, movimento e força da coluna vertebral em indivíduos assintomáticos com e sem discinese escapular.

     

  • Orientador : CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • GISELE GARCIA ZANCA
  • SANDRA CRISTINA DE ANDRADE
  • Data: 29/04/2019

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Discinese escapular é definida como a alteração da posição e/ou movimento da escápula. Sendo a escápula a ligação entre tronco e membros superiores, a análise de variáveis da coluna mostra-se importante para um melhor entendimento dessa cadeia cinética. Objetivo: Avaliar a postura da cabeça, ombros, e coluna torácica; flexibilidade muscular; amplitude de movimento e força da musculatura da coluna cervical e toracolombar em indivíduos assintomáticos. Métodos: 52 indivíduos foram divididos em dois grupos: sem discinese escapular (idade 22,95±2,86) e com discinese escapular (idade 22,06±2,73). A discinese foi avaliada por meio do Scapular Dyskinesis Test. A biofotogrametria foi utilizada para a avaliação postural. O Pectoralis Minor Index e o Levator Scapulae Index foram utilizados para avaliação da flexibilidade muscular. O inclinômetro digital foi usado para avaliação da amplitude de flexão, extensão, flexão lateral e rotação da coluna cervical; e para flexão, extensão e flexão da coluna toracolombar. Para avaliação da força dos músculos flexores, extensores e flexores laterais cervicais e toracolombar foi utilizado o dinamômetro portátil. As análises de confiabilidade das variáveis inter-examinador mostraram uma concordância que variou de boa a quase perfeita.  Resultados: Não foram observadas diferença (p>0,05) entre os grupos para nenhuma das variáveis. Conclusão: Este achado pode auxiliar o crescente conjunto de evidências as quais indicam que a alteração da dinâmica escapular é comum e pode ser considerada uma variabilidade normal do movimento humano para esta população.


  • Mostrar Abstract
  • ABSTRACT

     

    Introduction: Scapular dyskinesis is defined as a abnormal of position and/or motion of the scapula. The scapula is the connection between the trunk and the upper superior, an analysis of transmission variables is important for a better understanding of the kinetic chain. Purpose: to evaluate the head, shoulders, and thoracic spine; muscle flexibility; range of motion and strength of the cervical and thoracolumbar spine musculature in asymptomatic individuals. Methods: Fifty-two individuals were divided into two groups: with scapular dyskinesis (22.95 ± 2.86) and without scapular dyskinesis (age 22.06 ± 2.73). Dyskinesis was assessed using the Scapular Dyskinesia Test. A biophotogrammetry was used for a postural analysis. The Pectoralis Minor Index and the Levator Scapulae Index were used to assess muscle flexibility. The digital inclinometer was used to evaluate the range of motion of flexion, extension, lateral flexion and rotation of the cervical spine; and flexion, extension and flexion of the thoracolumbar spine. The handheld dynamometer was used to evaluate the muscle strength of the flexor, extensor and flexor lateral cervical and thoracolumbar muscles. The inter-examiner variable samples were a concordance that varied from good to almost perfect. Results: The difference (p> 0.05) between the groups was not observed for any of the variables. Conclusion: This results can be used as a growing doby of evidence that scapular dyskinesis to be prevalent and can be classified as a normal variation of human movement for this population.

Teses
1
  • INGRID FONSECA DAMASCENO BEZERRA
  • RELAÇÃO ENTRE FUNÇÃO SEXUAL E QUALIDADE DO SONO NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES GRÁVIDAS


  • Orientador : ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA GOMES MAGALHAES
  • ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • LAIANE SANTOS EUFRASIO
  • LARISSA COUTINHO DE LUCENA
  • VANESSA PATRICIA SOARES DE SOUSA
  • Data: 15/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: A gestação é um período caracterizado por uma série de mudanças físicas, hormonais e psicológicas que, em conjunto com as influências culturais, sociais, religiosas e emocionais, vivenciadas pela gestante, podem afetar a sexualidade. Os dois problemas mais frequentemente relatados pelas mulheres, durante a gestação, são a presença dos desconfortos físicos e os problemas relacionados ao sono. Para muitas mulheres, o sono adequado, bem como a função sexual são considerados importantes. OBJETIVO: Verificar a relação entre a função sexual e qualidade do sono de mulheres grávidas, assim como sua influência na sua qualidade de vida. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo observacional, de caráter transversal, formado por gestantes que participaram do Curso para Gestantes do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, do período de abril de 2013 a março de 2018. Um total de 317 gestantes foram avaliadas por meio de entrevista e questionários autoaplicáveis, o Índice de Função Sexual Feminino (IFSF), o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburg (IQSP), Escala de Sonolência de Epworth (ESSE) e o Índice de Qualidade de Vida Ferrans and Powers (IQVFP). RESULTADOS: Os dados mostraram que a baixa qualidade do sono e a presença de sonolência diurna excessiva interfere negativamente na qualidade de vida das gestantes; e que uma boa e saudável função sexual favorece a qualidade de vida dessas mulheres. CONCLUSÃO: Os principais achados desta pesquisa mostraram que uma pior função sexual, bem como uma pior qualidade do sono levam a uma pior qualidade de vida durante a gestação.

     


  • Mostrar Abstract
  • INTRODUCTION: Gestation is a period characterized by a series of physical, hormonal and psychological changes, together with the influences of cultural, social, religious and emotional experienced by the pregnant woman, can affect sexuality. The two problems most frequently reported by women during gestation are presence of physical discomforts and problems related to sleep. For many women, proper sleep as well as sexual function are considered important. OBJECTIVE: To verify the relationship between sexual function and sleep quality of pregnant women, as well as their influence on their quality of life. METHODS: This is an observational cross-sectional study of pregnant women who participated in the Course for Pregnant Women of the Physiotherapy Department of the Federal University of Rio Grande do Norte from April 2013 to March 2018. A total of 317 pregnant women were evaluated through interviews and self-administered questionnaires, the Female Sexual Function Index (IFSF), the Pittsburgh Sleep Quality Index (IQSP), the Epworth Sleepiness Scale (ESSE), and the Quality Index of Life Ferrans and Powers (IQVFP). RESULTS: The data showed that poor sleep quality and the presence of excessive daytime sleepiness negatively interfere in the quality of life of the pregnant women; and that a good and healthy sexual function support the quality of life of these women. CONCLUSION: The main findings of this research have shown that poorer sexual function as well as poorer quality of sleep lead to poorer quality of life during pregnancy.

2
  • JANICE SOUZA MARQUES
  • Participação em atividades de lazer na percepção de crianças com deficiência e dos seus cuidadores: estudo utilizando grupos focais para identificação de barreiras e facilitadores

  • Orientador : ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • EGMAR LONGO HULL
  • KLAYTON GALANTE SOUSA
  • ANA CAROLINA DE CAMPOS
  • OLAF KRAUS DE CAMARGO
  • Data: 16/04/2019

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: As atividades de lazer fazem parte da rotina da criança e são de extrema importância para seu desenvolvimento. Crianças com deficiência, entretanto tem menos oportunidades de vivenciar a participação nestas atividades. A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) aponta que diversos fatores podem influenciar na participação e, por isso, é necessário identificar as barreiras que a restringem, para que se possa realizar melhores práticas. Objetivo: Identificar barreiras e facilitadores para a participação de crianças com deficiência em atividades de lazer, através da percepção das próprias crianças com deficiência e dos seus cuidadores. Materiais e Métodos: Estudo qualitativo, com realização de 7 Grupos Focais, totalizando uma amostra de 80 participantes (40 crianças e 40 cuidadores). Os grupos das crianças com deficiência e seus responsáveis ocorreram de forma independente. As falas foram gravadas e transcritas para posterior análise, tomando-se por base a CIF. Seguindo as “Linking Rules”, 3 juízes realizaram, individualmente, exaustiva leitura das transcrições e determinaram as categorias da CIF identificadas nas falas. As categorias foram agrupadas pela autora principal para realização de análise descritiva e as divergências foram resolvidas com reunião e discussão entre os juízes. Resultados: Há consenso entre os grupos que os Fatores Ambientais atuam como principais barreiras, principalmente, no que diz respeito às atitudes de colegas (percepção das crianças) ou de estranhos (percepção dos cuidadores) e aos produtos e tecnologia para transporte (percepção das crianças) ou utilizados nos Projetos de arquitetura e construção de espaços públicos (percepção dos responsáveis). Para as crianças, o apoio e as atitudes da família nuclear, seguido das atitudes dos amigos foram fatores os mais referidos como facilitadores à sua participação em atividades de lazer. Já para os pais, além das atitudes e do apoio da família nuclear, as atitudes sociais também facilitam a participação de seus filhos. Conclusões: Tendo em vista que os fatores ambientais são considerados como principais barreiras e facilitadores à participação, o fisioterapeuta deve incluir em sua rotina de intervenção a identificação destes elementos e realizar o planejamento focado na participação de seus pacientes, buscando estratégias além das ações ambulatórias focadas no tratamento da deficiência para, assim, promover uma melhor participação e funcionalidade das crianças com deficiência.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction Participating in leisure activities allows children to explore the environment in which they live, experiencing situations that help their development. children and adolescents participate less in socialization and leisure activities than their non-disabled peers. The International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF) points out that several factors can influence participation. To make best practices it is important to identify the barriers that difficult participation. Objective: Identify the perception of disabled children and their ceregivers regarding facilitators and barriers to their participation in leisure activities. Materials and Methods: This is a qualitative study involving 7 focus groups. 80 individuals participated in the study (40 disabled childrens and 40 caregivers). The groups of disabled children and their caregivers occurred independently. The discussions were recorded and the recordings were later transcribed. The analysis was based on ICF, following the Linking Rules. 3 judges read the transcripts of the discussions independently. While reading the discussions, the judges identified the significant points (barriers and facilitators) associated with the ICF categories. The differences were resolved with a meeting and discussion between the judges. Results: Both groups pointed out that environmental factors are the main barriers, especially with regard to peers colleagues attitudes (children's perception) or strangers (caregivers' perception) and products and technology for personal indoor and outdoor mobility and transportation (children's perception) or products used in the construction and building products and technology of buildings for public use (caregivers' perception). For the disabled childrens, the support and attitudes of the immediate family, followed by the attitudes of the friends were the biggest facilitators for their participation in leisure activities. For parents, in addition to the attitudes and support of the immediate family, social attitudes also facilitate the participation of their children. Conclusion: The perception of disabled children and their caregivers show that environmental factors were the primary facilitators and barriers to disabled children’s participation in leisure activities. Professionals need to broaden their action plans in order to identify these factors and devise strategies to increase participation of disabled children in leisure activities.

3
  • DANIEL TEZONI BORGES
  • EFEITOS DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS COM PLATAFORMA VIBRATÓRIA NO DESEMPENHO NEUROMUSCULAR E CONTROLE POSTURAL DE IDOSOS SEDENTÁRIOS: ENSAIO CONTROLADO RANDOMIZADO

  • Orientador : JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • EDGAR RAMOS VIEIRA
  • JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • JOSÉ JAMACY DE ALMEIDA FERREIRA
  • LIANE DE BRITO MACEDO
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • Data: 26/04/2019

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O declínio da performance neuromuscular relacionada ao envelhecimento afeta negativamente a funcionalidade e contribui para a fragilidade e a incapacidade em idosos. A falta de interesse e adesão aos exercícios de força acaba por potencializar os déficits nessa população. Os exercícios com plataformas vibratórias se tornaram uma alternativa mais viável para potencializar os efeitos do exercício. No entanto, seu benefícios ainda não estão claros. Objetivo: Analisar os efeitos de um programa de exercícios de 8 semanas na plataforma vibratória sobre o desempenho neuromuscular e funcional dos membros inferiores e o controle postural de idosos sedentários. Metodologia: Trata-se de um ensaio controlado randomizado, com um avaliador cego, composto por 35 idosos (68,5 ± 2,6 anos) sedentários e saudáveis de ambos os sexos. Todos foram inicialmente submetidos à avaliação do desempenho isocinético dos extensores do joelho e dos flexores plantares, à atividade eletromiográfica do músculos vasto lateral e sóleo, à oscilação do centro de pressão por meio da baropodometria e da função dos membros inferiores por meio do Timed Up and Go test.  Após a avaliação inicial os voluntários foram aleatoriamente distribuídos em dois grupos: grupo placebo (exercício com a plataforma desligada) e grupo experimental (exercício com a plataforma ligada numa frequência de 50 Hz e amplitude pico a pico de 4 mm). Ambos participaram de um programa de exercícios na plataforma, composto por um semi-agachamento bipodal isométrico a 40º de flexão de joelho, com 4 séries de 1,5 min, com intervalo de repouso de 1 minuto. Após a quarta e oitava semanas de treinamento, os voluntários foram submetidos as novas avaliações, com os mesmos procedimentos da avaliação inicial. Para análise da normalidade dos dados foi usado o teste de Kolmogorov-Smirnov e para atestar a homogeneidade entre os grupos um teste “t” para amostras independentes. Para as comparações intra e intergrupo foi usada uma ANOVA 2x3 de modelo misto. Resultados: Foi observada uma redução na amplitude (p<0,01) e na velocidade (p= 0,01) de oscilação antero-posterior  para o grupo experimental após 8 semanas de treinamento  em relação ao grupo placebo. Em relação ao desempenho isocinético, houve um aumento do pico de torque normalizado e da potência média em ambos os grupos, sem diferenças entre eles. Não foi observada diferença significativa na atividade eletromiográfica dos músculos Vasto Lateral e Sóleo e no tempo de realização do TUG. Conclusão: O programa de exercício de 8 semanas na plataforma vibratória promove uma redução da oscilação postural em idosos saudáveis. Entretanto, a melhora no desempenho isocinético se deu em função do exercício realizado, independentemente do uso ou não da plataforma.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Age related neuromuscular performance decline negatively affects functionality and contributes to frailty and disability in the elderly. The lack of interest and adherence to strength exercises ends up increasing the deficits in this population. Exercising on vibratory platforms have become a more viable alternative to potentiate the effects of the exercise. However, its benefits are still unclear. Objective: To analyze the effects of an 8-week exercise program on the vibratory platform on neuromuscular and functional lower limb performance and postural control of sedentary older adults. Methodology: This is a randomized controlled trial, with a blind evaluator, composed of 35 sedentary and healthy elderly men and women of both sexes (68.5 ± 2.6 years). All were initially submitted to evaluation of the isokinetic performance of knee extensors and plantar flexors, electromyographic activity of the Vastus Lateralis and soleus muscles, oscillation of the pressure center through baropodometry and lower limb function through Timed Up and Go test. After the initial evaluation the volunteers were randomly assigned to two groups: placebo (exercise with the platform off) and experimental group (exercise with the platform configured at a frequency of 50 Hz and peak-to-peak amplitude of 4 mm). Both participated in an exercise program on the platform, consisting of a bipodal isometric half-squat at 40º of knee flexion, with 4 sets of 1.5 min, with a rest interval of 1 minute. After the fourth and eighth weeks of training, the volunteers were submitted to the new evaluations, using the same procedures of the baseline evaluation. For analysis of the normality of the data, the Kolmogorov-Smirnov test was used and to attest the homogeneity between the groups a "t" test for independent samples was chosen. For intra and intergroup comparisons, a 2x3 mixed model ANOVA was used. Results: A reduction in the amplitude (p <0.01) and velocity (p = 0.01) of anteroposterior oscillation were observed for the experimental group after 8 weeks of training compared to the placebo group. Regarding the isokinetic performance, there was an increase in normalized peak torque and mean power in both groups, with no differences between them. No significant difference was observed in the electromyographic activity of the Vastus Lateralis and Soleus muscles nor in the TUG time. Conclusion: The 8-week exercise program on the vibratory platform promotes a reduction of postural oscillation in healthy elderly subjects. However, the improvement in isokinetic performance occurred due to the exercise performed, regardless of whether or not the platform was used.

4
  • TACIANO DIAS DE SOUZA ROCHA
  • Aerossolterapia em indivíduos obesos com ou sem DPOC: análise do padrão de deposição pulmonar e determinação de fatores preditores.

     

  • Orientador : ARMELE DE FATIMA DORNELAS DE ANDRADE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ARMELE DE FATIMA DORNELAS DE ANDRADE
  • DANIELLA CUNHA BRANDÃO
  • KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • LUCIANA ALCOFORADO MENDES DA SILVA
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • Data: 26/04/2019

  • Mostrar Resumo
  • Resumo

    Introdução: A obesidade é responsável por desencadear diversas alterações sistêmicas, aumentar a severidade e a morbidade de patologias existentes. Indivíduos obesos com doenças respiratórias, como a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) apresentam maiores índices de dispneia, piores estados gerais de saúde, maior consumo de medicações e baixa efetividade do uso de medicações inalatórias, comparados a pacientes com peso normal. Dentro do nosso conhecimento, não foram encontrados dados na literatura que definam quais seriam os fatores responsáveis pela baixa efetividade no uso desse tipo de medicação na população obesa. Além disso, o uso de aerossolterapia via cânula nasal de alto fluxo para melhorar o padrão de deposição nessa população necessita ser estudado.

    Objetivos:

    1- Analisar a associação entre variáveis anatômicas de vias aéreas superiores de indivíduos obesos saudáveis e o percentual de deposição pulmonar de radiofármaco inalado e analisar os fatores preditores para essa deposição.

    2 – Analisar a deposição pulmonar de radiofármaco inalado, via Cânula Nasal de Alto Fluxo (CNAF), em pacientes com DPOC (obesos e não obesos) Método: O estudo foi realizado em duas partes: a primeira parte (estudo 1) foi um ensaio clínico controlado, não randomizado, com indivíduos obesos e não obesos. Foram avaliadas: características antropométricas e anatômicas de vias aéreas superiores (Tomografia Computadorizada e escore Mallampati modificado). Todos voluntários inalaram radiofármaco (99mTc-DTPA; 1mci), com broncodilatador bromidrato de Fenoterol e brometo de ipratrópio, utilizando nebulizador de membrana (MESH) em respiração tranquila (volume corrente). As comparações de deposição ocorrem entre o grupo obesos e o grupo não obesos.  A segunda parte do estudo foi um ensaio clínico to tipo crossover, onde pacientes com DPOC inalaram radiofármaco (99mTc-DTPA; 1mci), com broncodilatador bromidrato de Fenoterol e brometo de ipratrópio em dois dias diferentes (pelo menos dois dias de intervalo entre eles). Em um dia a inalação ocorria de forma simples, utilizando inalador de membrana (MESH), enquanto outro dia a inalação ocorria via CNAF. A sequência da intervenção foi randomizada previamente.

    Resultados do estudo 1: Participaram do estudo 27 indivíduos (17 indivíduos não obesos e 12 obesos). Os voluntários do grupo obeso apresentaram deposição pulmonar 30% menor do que os não obesos (p=0,01; IC 95% 0,51 a 4,91). As variáveis anatômicas referentes à forma das vias aéreas diferiram entre os grupos, sendo o diâmetro anteroposterior da região retroglossal de obesos 29% maior (p<0,01; IC 95% -5,44 a -1,1), enquanto o diâmetro lateral foi 42% menor (p=0,03; IC 95% 0,58 a 11,48), comparado aos indivíduos não obesos. A área de secção transversa da região retropalatar e sua relação com a área de secção transversal na região retroglossal também foram menores em obesos (p<0,05). Nenhuma dessas variáveis apresentou correlação com a deposição pulmonar do aerosol inalado. Enquanto isso, o IMC mostrou-se responsável por 32% da variância da deposição pulmonar (p<0,001; β -0,28; IC 95 %-0,43 a -0,11). Quando analisados sob a subdivisão de classes Mallampati modificado, indivíduos obesos classe 4 apresentaram 44% menos deposição pulmonar de radiofármaco inalado do que os não obesos na mesma classificação.

    Conclusão do estudo 1: As alterações anatômicas de vias aéreas superiores, decorrentes da obesidade, parecem não interferir na deposição pulmonar mais do que o IMC por si só. Porém, a obesidade associada à classe 4 de Mallampati modificado foi responsável por uma exacerbação da diferença de deposição pulmonar entre obesos e não obesos, representando um fator preditor de má deposição pulmonar de radioaerosol nesses indivíduos.

    Resultados do estudo 2: Participaram do estudo 11 voluntários com DPOC (5 obesos), que em formato crossover compuseram os seguintes grupos: Inalação Simples (n=11) e Inalação via CNAF (n=11). Em média, os participantes apresentavam VEF1 de 43%; CVF de 58%; VEF1/CVF 70% e PEF 30% (baseados nos valores preditos). O grupo Inalação simples apresentou mediana do percentual de deposição pulmonar de 2,8% (IQR 3) da contagem total, enquanto isso, quando a inalação foi feita utilizando a CNAF, 3,0 % (IQR 1,3, p>0.05; Teste de Wilcoxon. A deposição em vias aéreas superiores foi maior com a CNAF em relação a inalação Simples (28% IQR 3, e 11% IQR 5,3, respectivamente; p=0,004). De modo inverso, foi observada menor deposição de aerosol em vias aéreas inferiores com a CNAF, comparado à inalação simples (0,2% IQR 0,9 e 0,75% IQR 0,1, respectivamente; p=0,01). A análise estratificada pelo IMC (e.g. obesos e não obesos) mostrou maior diferença na deposição pulmonar de indivíduos de peso normal, quando submetidos a CNAF e Inalação simples. (4,1% e 3,1% respectivamente), porém não significativa. Em indivíduos obesos, CNAF e inalação simples geraram percentuais de deposição pulmonar semelhantes (2,8% IQR 2 e 2,7% IQR 4, respectivamente).

    Conclusão do estudo 2: A recurso de inalação em alto fluxo com a Cânula Nasal favorece uma deposição pulmonar de aerosol semelhante a inalação simples, em pacientes com DPOC, sem benefícios específicos para o paciente obeso.


  • Mostrar Abstract
  • Abstract

    Introduction: Obesity is responsible for triggering several systemic alterations, increasing the severity and morbidity of existing pathologies. Obese individuals with respiratory diseases, such as chronic obstructive pulmonary disease (COPD), have higher rates of dyspnea, worse overall health, higher consumption of medications and a lower effectiveness of inhaled medications compared to patients with normal weight. To date, there is no data in the literature that defines what would be the factors responsible for the low effectiveness in the use of this type of medication in the obese population. In addition, the possibility of implementing aerosol therapy via a high-flow nasal cannula to improve the deposition pattern in this population has not yet been described.

    Objectives:

    1- To analyze the association between anatomic variables of the upper airways of healthy obese individuals and the percentage of pulmonary deposition of inhaled radiopharmaceuticals. Find predictors for this deposition.

    2 - To analyze inhaled aerosol pulmonary deposition via High Flow Nasal Cannula (CNAF) in patients with COPD (obese and non-obese).

    Method: The study was performed in two parts: the first part (study 1) was a non-randomized controlled clinical trial with obese and non-obese individuals. The following were evaluated: upper airway anatomical and anatomical characteristics (Computed Tomography and modified Mallampati score). All volunteers inhaled radiopharmaceutical (99mTc-DTPA; 1mci), with bronchodilator Fenoterol hydrobromide and ipratropium bromide using membrane inhaler (MESH) during quiet breathing (tidal volume). Deposition comparisons were performed between obese group and the non-obese groups. The second part of the study was a crossover trial where patients with COPD inhaled radiopharmaceutical (99mTc-DTPA; 1mci), with bronchodilator Fenoterol hydrobromide and ipratropium bromide on two different days (at least two days apart). One day, inhalation occurred simply using membrane inhaler (MESH), while in the other day the inhalation occurred via the CNAF. The sequence of the intervention was previously randomized.

    Study results 1: Participated in the study 17 non-obese individuals and 12 obese individuals. The volunteers of the obese group had 30% lower pulmonary deposition than non-obese patients (p = 0.01, 95% CI 0.51 to 4.91). Anatomical variables related to airway shape differed between groups. The anteroposterior diameter of the obese retroglossal region was 29% higher (p <0.01, 95% CI -5.44 to -1.1), while the lateral diameter was 42% lower (p = 0.03, 95% CI % 0.58 to 11.48), compared to non-obese individuals. The cross-sectional area of the retropalatar region and its relationship with the cross-sectional area in the retroglossal region were also lower in obese (p <0.05). None of these variables correlated with pulmonary deposition of the inhaled aerosol. Meanwhile, BMI was responsible for 32% of the variance of pulmonary deposition (p <0.001; β -0.28; 95% CI -0.43 to -0.11). When analyzed under the subdivision of modified Mallampati grades, obese class 4 subjects had 44% less pulmonary deposition of inhaled radiopharmaceuticals than non-obese subjects in the same classification.

    Conclusion of study 1: The anatomical alterations of upper airways, due to obesity, seem to not interfere in pulmonary deposition more than BMI alone. However, obesity associated with modified Mallampati class 4 was responsible for an exacerbation of the difference in pulmonary deposition between obese and non-obese individuals, which may be a detrimental factor to the offer of inhaled medication in the obese population.

    Results of study 2: Eleven volunteers with COPD (5 obese) participated in this crossover study. They have comprised the following groups: Simple Inhalation (n = 11) and Inhalation via High Flow Nasal Cannula HFNC (n = 11). On average, the participants had FEV1 of 43%; FVC of 58%; FEV1 / FVC 70% and PEF 30% (based on predicted values). The mean inhalation group, mean lung deposition percentage of 2.8% (IQR3) of the total count, meanwhile, used a 3.0% HFNC (IQR 1.3, p> 0.05; Wilcoxon's test The analysis stratified by BMI (eg, obese and non-obese) were submitted to HFNC and Simple Inhalation (4.1%), and 3.1%, respectively), but not significant (2,8% IQR 2 and 2,7% IQR 4, respectively).
    The conclusion of the study 2: The option of high flow inhalation with a nasal cannula favored a pulmonary aerosol deposition, similar to a simple inhalation in patients with COPD, without further benefits to the obese patients.

5
  • CIBELLE ANDRADE LIMA
  • INFLUÊNCIA DOS MODOS DE VENTILAÇÃO MECÂNICA NA EFICÁCIA DA NEBULIZAÇÃO COM BRONCODILATADOR EM PNEUMOPATAS OBSTRUTIVOS CRÔNICOS

  • Orientador : ARMELE DE FATIMA DORNELAS DE ANDRADE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ARMELE DE FATIMA DORNELAS DE ANDRADE
  • KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • DANIELLA CUNHA BRANDÃO
  • MARIA DA GLÓRIA RODRIGUES MACHADO
  • Data: 22/05/2019

  • Mostrar Resumo
  • A aerossolterapia é largamente utilizada dentro da terapia intensiva em pacientes críticos, entubados e em uso de Ventilação Mecânica (VM). No entanto, a falta de padronização para sua realização traz controvérsias quanto à eficácia nesse grupo de pacientes. Este estudo objetiva avaliar o efeito da nebulização realizada em diferentes modos ventilatórios na ventilação e aeração pulmonar de pacientes críticos com pneumopatias obstrutivas crônicas. Trata-se de um ensaio clínico, cego em que o protocolo de intervenção consiste na realização de nebulização associada a VM invasiva (Sulfato de Salbutamol, 5mg e Brometo de Ipratrópio, 0.5mg) no modo ventilatório em que fosse encontrado. Cuidados de via aérea e ajustes ventilatórios foram realizados de forma a otimizar a deposição pulmonar do aerossol. Os pacientes sedados e em VM controlada realizaram por duas vezes o protocolo de intervenção com ordem randomizada: com PEEP ajustada em 85% da autoPEEP e com PEEP elevada em 15 cmH2O. Antes e imediatamente depois de cada protocolo de intervenção, os pacientes foram avaliados através da tomografia de impedância elétrica (TIE). A variáveis de desfecho analisadas foram: ventilação pulmonar total, através da variação total de impedância pulmonar (ΔZTOT), aeração pulmonar total, através do volume final expiratório pulmonar (EELVTOT) e a distribuição regional da ventilação e aeração através da variação de impedância nas regiões pulmonares dependentes e não-dependentes. São previstos a publicação de dois artigos científicos com os dados coletados.


  • Mostrar Abstract
  • Inhaled bronchodilator drug administration during invasive mechanical ventilation (MV) is a very common practice in Intensive Care Unit (ICU).  However, the studies reveal variability in drug delivery efficiency. This study aims to evaluate the influence of mechanical ventilation modes on the efficacy of nebulized bronchodilator in the treatment of patients with obstructive pulmonary disease. This is a blind clinical trial. The intervention protocol consists in performing nebulization (Salbutamol Sulfate, 5mg and
    Ipratropium bromide, 0.5 mg) associated with invasive MV. The ventilation mode was which the patient was found, but adjustments were done with the objective of optimizing aerosol deposition. Patients under sedation and in controlled MV performed twice the intervention protocol with a randomized order: with PEEP adjusted in 85% of autoPEEP and with the PEEP elevated to 15 cmH2O.Before and immediately after each intervention protocol, the patients were evaluated through Electrical Impedance Tomography (EIT). The outcomes variables analyzed was: total lung ventilation by total impedance variation (ΔZTOT), total lung aeration by End-Expiratory Lung Volume (EELVTOT) and the distribution of regional lung ventilation and aeration by impedance variation on dependent and non-dependent pulmonar regions. It is planned to publish two scientific articles with the data collected.

6
  • KAROLINNE SOUZA MONTEIRO
  • ESTUDO DA FIBROSE CÍSTICA: efeitos de um programa de treinamento intervalado de alta intensidade sobre desfechos clínicos e qualidade de vida e validação de um instrumento de avaliação do conhecimento sobre a doença.

  • Orientador : KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • SILVANA ALVES PEREIRA
  • BALDOMERO ANTONIO KATO DA SILVA
  • DANIELLE FRANKLIN DE CARVALHO
  • Data: 09/07/2019

  • Mostrar Resumo
  • Estudo 1: Efeitos do treinamento intervalado de alta intensidade na tolerância à glicose de crianças e adolescentes com fibrose cística: ensaio clínico controlado e randomizado

    Objetivo: Verificar os efeitos do treinamento intervalado de alta intensidade na tolerância à glicose de crianças e adolescentes com fibrose cística.  Metodologia: Ensaio clínico controlado, randomizado e cego, realizado de junho/2018 a junho/2019, na Unidade da Criança e do Adolescente do Hospital Universitário Onofre Lopes, Natal-RN. Foram incluídos 10 indivíduos de 6 a 18 anos, de ambos os sexos, com diagnóstico de FC, alocados e randomizados em blocos: grupo controle (GC) e grupo experimental (GE). Ambos receberam intervenção educacional e o GE realizou treinamento intervalado de alta intensidade por 3x/semana, durante 8 semanas, em domicílio.  O desfecho primário foi a tolerância à glicose. Resultados: Não houve diferença intragrupo controle e intergrupo de todos os desfechos. Houve diferença entre as avaliações pré e follow-up apenas da área sob a curva da glicose (p=0,04) intragrupo experimental. Conclusão: O treinamento intervalado de alta intensidade não foi capaz de aumentar a tolerância à glicose em crianças e adolescentes de 6 a 18 anos com FC.

    Estudo 2: Tradução, adaptação transcultural e avaliação psicométrica da versão brasileira da Cystic Fibrosis Knowledge Scale (CFKS)

    Objetivo: Traduzir, adaptar transculturalmente e analisar as propriedades psicométricas da Cystic Fibrosis Knowledge Scale (CFKS). Metodologia: Estudo metodológico exploratório e psicométrico, que envolveu tradução, adaptação transcultural e avaliação das seguintes propriedades psicométricas: confiabilidade, viabilidade, validades de constructo, preditiva, concorrente e discriminante. Resultados: A versão brasileira da CFKS apresentou elevada consistência interna (α=0,91), efeitos chão e teto moderados, sem diferenças no escores teste-reteste. Os resultados do teste de Kaiser-Meyer-Olkin (KMO=0,93) e o teste de esfericidade de Barlett (χ²=3737,54; p=0,00) indicaram adequado ajuste dos dados, permitindo a realização da análise fatorial exploratória. A exploração fatorial identificou três dimensões: “aspectos medicamentosos, fisioterapêuticos e interação social”, “aspectos gastrointestinais, genéticos e reprodutivos”, “aspectos nutricionais”. Houve boa validade preditiva, com diferença nos escores da versão brasileira da CFKS entre todos os grupos avaliados (p<0,001), boa validade discriminante, visto que indivíduos com asma possuem maior conhecimento da asma em comparação à FC (r= 0,401; p=0,005), porém, não houve diferença entre o tempo de diagnóstico e o conhecimento em FC (r= -0,25; p=0,11) nem entre a adesão ao tratamento e o conhecimento em FC (r= -0,04; p=0,77). Conclusão: A tradução, adaptação transcultural e avaliação das propriedades psicométricas da versão brasileira da CFKS indicaram que a escala é capaz de fornecer medidas válidas, confiáveis e reprodutíveis na avaliação do conhecimento da FC.

     


  • Mostrar Abstract
  • Study 1: Effects of high-intensity interval training on glucose tolerance in children and adolescents with cystic fibrosis: a randomized controlled trial

    Aim: To verify the effects of high intensity interval training on the glucose tolerance of children and adolescents with cystic fibrosis. Methodology: Controlled, randomized and blinded clinical trial, performed from June/2018 to June/2019, at the Child and Adolescent Unit of the University Hospital Onofre Lopes, Natal-RN. There were included 10 individuals, male and female, diagnosed with CF, from 6 to 18 years old. They were allocated and randomized into blocks: control group (CG) and experimental group (EG). Both received educational intervention and the EG performed high intensity interval training for 3x/week for 8 weeks at home. The primary outcome was glucose tolerance. Results: There was no intragroup control and intergroup difference of all outcomes. There was a difference between the pre and follow-up evaluations only of the area under the curve of the glucose (p = 0.04) intragroup experimental. Conclusion: High intensity interval training was not able to increase glucose tolerance in children and adolescents aged 6 to 18 years with CF.

    Study 2: Translation, cross-cultural adaptation and psychometric evaluation of the Brazilian version of the Cystic Fibrosis Knowledge Scale (CFKS)

    Aim: To translate, cross-culturally adapt and analyze the psychometric properties of the Cystic Fibrosis Knowledge Scale (CFKS). Methodology: Exploratory and psychometric methodological study that involved translation, cross-cultural adaptation and evaluation of the following psychometric properties: reliability, viability, construct, predictive, concurrent and discriminant validity. Results: The Brazilian version of CFKS showed high internal consistency (α = 0.91), moderate floor and ceiling effects, with no differences in test-retest scores. The results of the Kaiser-Meyer-Olkin test (KMO = 0.93) and the Barlett sphericity test (χ² = 3737.54; p = 0.00) indicated an adequate adjustment of the data, allowing the exploratory factorial analysis. Factorial exploration identified three dimensions: "medicinal, physiotherapeutic and social interaction aspects", "gastrointestinal, genetic and reproductive aspects", and "nutritional aspects". There was good predictive validity, with a difference in the scores of the Brazilian version of the CFKS among all the evaluated groups (p <0.001), good discriminant validity, since individuals with asthma had greater knowledge of asthma compared to CF (r = 0.401, p = 0.005). However, there was no difference between the time of diagnosis and knowledge on CF (r = -0.25, p = 0.11) neither between treatment adherence and knowledge on CF (r = -0.04 ; p = 0.77). Conclusion: The translation, cross-cultural adaptation and evaluation of the psychometric properties of the Brazilian version of the CFKS indicated that the scale is able to provide valid, reliable and reproducible measures in the evaluation of the knowledge about CF.

     

7
  • RENATA RAMOS TOMAZ BARBOSA
  • Método Ai Chi para crianças com asma: Ensaio clínico controlado, randomizado e simples cego.

  • Orientador : KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALINE DO NASCIMENTO FALCAO FREIRE MONTE
  • BALDOMERO ANTONIO KATO DA SILVA
  • GABRIEL RODRIGUES NETO
  • KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • Data: 15/07/2019

  • Mostrar Resumo
  • Objetivo: avaliar os efeitos do método Ai Chi, na função pulmonar, controle clínico, qualidade de vida relacionada à saúde, sintomas de ansiedade e distúrbios de sono em crianças com asma. Métodos: Ensaio clínico controlado randomizado simples-cego que avaliou crianças entre 7 a 12 anos, com diagnóstico de asma leve a grave, randomizadas em blocos: Grupo Experimental (GE) e Grupo Controle (GC). Ambos receberam uma intervenção educativa e o GE realizou o método Ai Chi 2 vezes por semana durante 6 semanas, totalizando 12 sessões. Os desfechos analisados foram controle clínico da asma (Child Asthma Control Test - c-ACT e Asthma Control Test - ACT), variáveis espirométricas, qualidade de vida relacionada à saúde (Paediatric Asthma Quality of Life Questionnaire -PAQLQ), sintomas de ansiedade (Escala Spencer de Ansiedade Infantil -SCAS) e distúrbios de sono (Escala de Distúrbios de Sono em Crianças - EDSC). Resultados: 23 crianças finalizaram o protocolo GE (n=10) e GC (n=13). Não foram encontradas diferenças intergrupos no controle clínico, função pulmonar, qualidade de vida e sintomas de ansiedade. Na análise intragrupo, o GE apresentou diferença no PAQLQ total (p=0,03, TE = 0.57) e, na percepção dos pais, no sintoma de ansiedade de problemas obsessivos compulsivos - POC (p= 0,029, TE= 0,81). O GE apresentou um alto tamanho de efeito para o aumento do índice VEF1/CVF (p=0,208, TE = 3,75), e um moderado tamanho de efeito para a diminuição dos sintomas de ansiedade na percepção das crianças, relacionados à fobia social (p=0,637, TE= 0,55), POC (p=0,302, TE= 0,66), domínio total da SCAS (p=0,201, TE= 0,57) e ansiedade de separação na percepção dos pais (p=0,178, TE= 0,55). O GC apresentou diferença no índice VEF1/CVF (p=0,002, TE = 1,32) e domínio emocional do PAQLQ (p= 0,018, TE = 0,30). O GE apresentou um aumento significativo dos distúrbios de sono evidenciado pelo escore total da EDSC (p=0,03, TE= 0,43) e distúrbio da transição sono vigília - DTSV (p=0,03, TE= 0,73). O GC apresentou aumento significativo do distúrbio de início e manutenção do sono - DIMS (p=0,027, TE= 0,60). Na análise intergrupo, o GE apresentou aumento significativo do DTSV (p= 0,02, TE= 0,66). Conclusão: O método Ai Chi repercutiu clinicamente de maneira positiva na qualidade de vida e redução dos sintomas de ansiedade, entretanto observou-se aumento do distúrbio da transição sono vigília nas crianças participantes do estudo. Registro do estudo: Clinical Trial Number: NCT03392129. Data do registro: 05/01/2018


  • Mostrar Abstract
  • Objective: evaluate the effects of the Ai Chi method on lung function, clinical control, quality of life, anxiety symptoms and sleep disorders of children with asthma. Methods: A simple-blind randomized controlled clinical trial that evaluated children between 7 and 12 years of age with diagnosis of mild to severe asthma, randomized blocks: Experimental Group (EG) and Control Group (CG). Both received an educational intervention and the EG performed the Ai Chi method 2 times a week for 6 weeks, totaling 12 sessions. The outcomes were clinical control of asthma (Child Asthma Control Test -c-ACT and Asthma Control TestACT), spirometric variables, quality of life (Pediatric Asthma Quality of Life Questionnaire PAQLQ), anxiety symptoms (Spence Children’s Anxiety Scale- SCAS) and sleep disturbance (Sleep Disturbance Scale for Children -SDSC). Results: 23 children completed the protocol EG (n = 10) CG (n = 13). The groups did not differ in clinical control, lung function, quality of life, and anxiety symptoms. In the intragroup analysis, the EG presented a difference in total PAQLQ (p = 0.03, ES = 0.57) and, in the parent-report version, obsessive-compulsive problems –OCD (p = 0.029, ES = 0.81). The EG presented a high effect size for increase in FEV1 / FVC index (p = 0.208, ES = 3.75), and a moderate effect size for the reduction of anxiety symptoms in self-report child to social phobia (p = 0.637, ES = 0.55), obsessive-compulsive problems – OCD (p = 0.302, TE = 0.66), SCAS scorig (p = 0.201, ES = 0.57) and separation anxiety in parent-report version (p = 0.178, ES = 0.55). The CG presented a difference in the FEV1 / FVC index (p = 0.002, ES = 1.32) and the emotional domain of the PAQLQ (p = 0.018, ES = 0.30). The EG presented a significant increase of the sleep disturbances UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA Av. Campus Universitário – Lagoa Nova - Natal-RN, CEP 59078-970 Telefax: (84) 3342-2003 E-mail: ppgfis@ufrn.br evidenced by the SDSC score (p = 0.03, ES = 0.43) and sleep–wake transition disorders –SWTD (p = 0.03, ES = 0.73). The CG presented a significant increase of disorders of initiating and maintaining sleep - DIMS (p = 0.027, ES = 0.60). In the intergroup analysis, the EG presented a significant increase of the SWTD (p = 0.02, ES = 0.66). Conclusion: The Ai Chi method had positive repercussions in quality of life and reduction of anxiety symptoms. However, there was an increase in the sleep-wake transition disorder in the children participating in the study. Study Registry: Clinical Trial Number: NCT03392129. Date of registration: january, 5th, 2018

8
  • LARISSA BASTOS TAVARES
  • INFLUÊNCIA DO USO DA REALIDADE VIRTUAL NO PADRÃO DE ATIVAÇÃO CORTICAL E NO DESEMPENHO DE ATIVIDADE DE DUPLA TAREFA EM IDOSOS SAUDÁVEIS

  • Orientador : FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARCOS ROBERTO QUEIROGA
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • JULIANA MARIA GAZZOLA
  • KLIGER KISSINGER FERNANDES ROCHA
  • TATIANA SOUZA RIBEIRO
  • Data: 30/08/2019

  • Mostrar Resumo
  • As atividades de dupla tarefa caracterizam-se por associar tarefas cognitiva e motora, levando a uma maior demanda do sistema neuromotor para a percepção, associação e elaboração de uma resposta adequada. Considerando as alterações físicas, fisiológicas e comportamentais inerentes do processo de envelhecimento, acredita-se que o desempenho de atividades de dupla tarefa em idosos tenha piores resultados quando comparados à sujeitos mais jovens. Além disso, as atividades de dupla tarefa em idosos estão atreladas à maior predisposição a quedas, fato este, que configura um grave problema de saúde pública pelos elevados índices de mortalidade e morbidade nessa população. Mas, apesar das diversas perdas características do envelhecimento, o potencial de aprendizagem motora e cognitiva em idosos é real. Assim, o conhecimento do comportamento cerebral de idosos durante o desempenho em atividades de dupla tarefa e a elucidação de uma intervenção com melhor capacidade de modificar o seu padrão de ativação cerebral torna-se relevante para melhora da independência funcional nessa população. O presente estudo apresentou como objetivo, investigar a influência de um programa de exercícios baseado em realidade virtual no padrão de ativação cerebral e no desempenho de atividade de dupla tarefa de idosos. Estudo do tipo comparativo quase-experimental, com uma população de idosos (65-75 anos), cuja amostra constou de 13 sujeitos de ambos os gêneros que foram submetidos a avaliação do mapeamento cerebral através do aparelho de Eletroencefalografia Emotiv EPOC, durante o desempenho do Teste de Deambulação Funcional (TDF). Após a avaliação, os sujeitos foram aleatorizados em 2 grupos, sendo o grupo experimental (exercícios com realidade virtual) e controle (exercícios convencionais), e completaram um programa de exercícios durante 12 semanas com frequência de duas vezes por semana. Após a conclusão do protocolo, os sujeitos foram reavaliados obedecendo os mesmos critérios da avaliação pré-intervenção. Os dados captados pelo EEG foram processados e considerados os valores dos potenciais de onda referentes às ondas alfa e beta. Os potenciais foram tabulados no SPSS-19 e considerando a normalização dos dados, foi utilizado o Teste t pareado para comparação das médias nas condições pré e pós intervenção. Já os dados obtidos no desempenho da atividade de dupla tarefa (tempo de desempenho e número de erros), foram comparados através do Teste de Wilcoxon, considerando a distribuição não normal pelo teste de Shapiro Wilk. Para o desempenho nas atividades de dupla tarefa, os resultados encontrados evidenciam que: Na atividade DT1, o grupo controle apresentou redução significativa no tempo de desempenho; já para a atividade DT2, o grupo experimental apresentou uma redução significativa para o número de erros. Com relação ao mapeamento cerebral, os resultados demonstraram aumento significativo da onda alfa na área FC6, equivalente ao córtex motor primário, e redução significativa da onda beta nas áreas pré-frontal direita (AF4) e no córtex somatossensorias e de associação esquerdos (P7), para o grupo controle, apenas durante o desempenho da DT1. Assim, a partir dos resultados encontrados, concluímos que o programa de exercícios convencional foi capaz de expressar uma modificação mais significativa no padrão de ativação cortical dos sujeitos investigados quando comparado ao programa de exercícios com realidade virtual.


  • Mostrar Abstract
  • Dual-task activities are characterized by associating cognitive and motor tasks, leading to a greater demand of the neuromotor system for the perception, association and elaboration of an adequate response. Considering the physical, physiological and behavioral changes inherent in the aging process, it is believed that the performance of dual-task activities in the elderly has worse results when compared to younger subjects. In addition, dual-task activities in the elderly are linked to a greater predisposition to falls, a fact that configures a serious public health problem due to the high rates of mortality and morbidity in this population. But despite the several characteristic losses of aging. Thus, knowledge of the brain behavior of the elderly during performance in dual-task activities and the elucidation of an intervention with a better ability to modify their brain activation pattern becomes relevant to improve functional independence in this population. The present study aimed to investigate the influence of an exercise program based on virtual reality on the pattern of brain activation and on the performance of dual task activity in the elderly. A quasi-experimental comparative study with an elderly population (65-75 years), whose sample consisted of 13 subjects of both genders who underwent brain mapping evaluation using the Emotiv EPOC Electroencephalography device during the performance of the Functional Ambulation Test (PTO). After the evaluation, the subjects were randomized into 2 groups, being the experimental group (virtual reality exercises) and the control group (conventional exercises), and completed a 12-week exercise program twice a week. After the protocol was concluded, the subjects were reevaluated following the same criteria of the pre-intervention evaluation. The data captured by the EEG were processed and considered the potential values for the alpha and beta waves. The potentials were tabulated in the SPSS-19 and considering the normalization of the data, the paired t-test was used to compare the means in the pre and post intervention conditions. The data obtained in the performance of the dual task activity (performance time and number of errors) were compared using the Wilcoxon test, considering the non-normal distribution by the Shapiro Wilk test. For the performance in the dual task activities, the results show that: In the DT1 activity, the control group showed a significant reduction in the performance time; For DT2 activity, the experimental group showed a significant reduction in the number of errors. Regarding brain mapping, the results showed a significant increase in the alpha wave in the FC6 area, equivalent to the primary motor cortex, and a significant reduction in the beta wave in the right prefrontal (AF4) and left somatosensory and association cortex (P7) areas. , for the control group, only during the performance of DT1. Thus, from the results found, we conclude that the conventional exercise program was able to express a more significant change in the cortical activation pattern of the investigated subjects when compared to the virtual reality exercise program.

9
  • LORENNA MARQUES DE MELO SANTIAGO
  • Efeitos da Observação da Ação combinada à Imagética Motora na marcha e atividade eletroencefalográfica de indivíduos com Doença de Parkinson: ensaio clínico controlado randomizado

     

  • Orientador : ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • CLECIO DE OLIVEIRA GODEIRO JUNIOR
  • HOUGELLE SIMPLICIO GOMES PEREIRA
  • MARIA ELISA PIMENTEL PIEMONTE
  • SUELLEN MARY MARINHO DOS SANTOS ANDRADE
  • Data: 10/09/2019

  • Mostrar Resumo
  • A redução do neurotransmissor Dopamina na Doença de Parkinson (DP) resulta em mudanças eletrofisiológicas na atividade de neurônios envolvidos com circuitos cortico-estriatais e com sintomas motores e não-motores. A Observação da Ação (OA) e a Imagética Motora (IM) parecem compartilhar da mesma representação interna do comportamento, o que pode potencializar o aprendizado e a ativação dos circuitos neurais motores na DP.

    Assim, o objetivo desse estudo foi verificar os efeitos do treinamento de OA e IM da marcha, precedido da prática física, nos parâmetros cinemáticos da marcha, na mobilidade e na potência espectral dos ritmos alfa e beta do córtex frontal e fronto-central bilateral de indivíduos com DP. Realizou-se um ensaio clínico controlado e randomizado com 39 indivíduos com DP, que foram divididos em grupo experimental (GE=21) e grupo controle (GC=18). O GE recebeu 12 sessões de OA + IM + prática física da marcha. O GC observou vídeos educativos e realizou prática física da marcha pelo mesmo período. Os sujeitos foram avaliados e reavaliados 1 dia após a última sessão de treinamento quanto à atividade eletroencefalográfica (dados coletados com um headset wireless Emotiv Epoc com 16 sensores); à cinemática da marcha (através do Qualisys Motion Capture Systems®) e à mobilidade (através do Timed Up and Go Test convencional e dupla-tarefa). Foram realizados dois Follow-ups (após 7 e 30 dias da última sessão de treinamento) analisando dados cinemáticos de marcha e mobilidade. Os resultados deste estudo revelaram que o treinamento locomotor baseado na combinação de OA, IM e prática física é mais efetivo do que a prática física na redução da flexão máxima do quadril durante a fase de balanço da marcha, no aumento de amplitude de movimento do quadril, no aumento da extensão de joelho na fase contato inicial, na velocidade e mobilidade. Foi observado ainda que a potência espectral dos ritmos alfa para o canal F4 aumentou significativamente para o GE durante a execução da marcha, assim como houve redução da potência do ritmo beta para o canal FC6 para o mesmo grupo igualmente durante a execução da marcha. Esses dados indicam que o GE pode ter apresentado melhora motora correlacionado fortemente com menores níveis de exigência atencional durante a execução da marcha após o treinamento.


  • Mostrar Abstract
  • TThe reduction of the dopamine neurotransmitter in Parkinson's disease (PD) results in electrophysiological changes in the activity of neurons involved with cortico-striatal circuits and with motor and non-motor symptoms. Action Observation (AO) and Motor Imagery (MI) seem to share the same internal representation of behavior, which may enhance learning and activation of motor neural circuits in PD. Thus, the aim of this study was to verify the effects AO and MI of gait, preceded by physical practice, on gait kinematic parameters, mobility and spectral power of alpha and beta rhythms of the frontal and fronto-central bilateral cortex. We conducted a randomized controlled trial with 39 individuals with PD, who were divided into experimental group (EG = 21) and control group (CG = 18). The EG received 12 sessions of AO + MI + physical gait practice. The CG observed educational videos and performed physical practice of gait during the same period. Subjects were evaluated and reassessed 1 day after the last training session for electroencephalographic activity (data collected with a 16-sensor Emotiv Epoc wireless headset); gait kinematics (data collected with Qualisys Motion Capture Systems®) and mobility (data collected with conventional and dual-task Timed Up and Go Test). Two follow-ups were performed (7 and 30 days after the last training session) analyzing gait and mobility kinematic data. The results of this study revealed that locomotor training based on the combination of AO, MI and physical practice is more effective than physical practice in reducing maximum hip flexion during gait swing phase, increasing hip range of motion, increasing knee extension in the initial contact phase, increasing speed and mobility. It was also observed that the spectral power of the alpha rhythms for the F4 channel increased significantly for the EG during gait execution, as well as the reduction of the beta rhythm power for the FC6 channel for the same group also during gait execution. These data indicate that the EG may have shown motor improvement strongly correlated with lower levels of attentional demand during gait execution after training.

10
  • JESSICA DANIELLE MEDEIROS DA FONSECA
  • Efeitos agudos das cargas inspiratórias nos volumes da parede torácica e atividade elétrica dos músculos respiratórios em adultos saudáveis e crianças respiradores orais

     

  • Orientador : GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANTONIO JOSÉ SARMENTO DA NÓBREGA
  • GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • RAQUEL RODRIGUES BRITTO
  • RENCIO BENTO FLORENCIO
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • Data: 26/09/2019

  • Mostrar Resumo
  • RESUMO

    Objetivos: 1) O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos agudos de diferentes cargas inspiratórias e diferentes interfaces sobre o padrão respiratório e a atividade dos músculos respiratórios. 2) O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos agudos de diferentes dispositivos de resistência inspiratória e intensidade de cargas através da via aérea nasal no padrão respiratório e atividade dos músculos respiratórios em crianças com síndrome da respiração oral. Métodos: 1) Vinte adultos saudáveis foram recrutados e divididos em dois grupos (20 e 40% da pressão inspiratória máxima) por meio de alocação cruzada aleatória. Os indivíduos foram avaliados durante a respiração tranquila, respirando com carga inspiratória e recuperação. As medidas foram repetidas usando duas interfaces diferentes (nasal e oral). Os volumes da parede torácica e a atividade muscular respiratória foram avaliados por pletismografia optoeletrônica e eletromiografia de superfície, respectivamente. 2) Crianças com síndrome da respiração oral (SRO) foram randomizadas em dois grupos (20% e 40% da pressão inspiratória máxima). Essas crianças foram avaliadas durante a respiração tranquila, respirando com carga inspiratória através da via aérea nasal e recuperação. As medições foram repetidas durante o uso de dois dispositivos (limiar pressórico (PT) e resistência ao fluxo (FR)). Os volumes da parede torácica e a atividade dos músculos respiratórios foram avaliados por pletismografia optoeletrônica e eletromiografia de superfície, respectivamente. Resultados: 1) Durante a aplicação da carga inspiratória, foram observadas alterações significativas na frequência respiratória (p <0,04), tempo inspiratório (p <0,02), ventilação minuto (p <0,04), volume corrente (p <0,01), volume inspiratório final (p <0,04), volume expiratório final (p <0,03) e atividade dos músculos escaleno, esternocleiomastoideo e porção paraesternal do músculo intercostal (valores de RMS, p <0,01) quando comparados com a respiração tranquila, independentemente de o nível de carga ou da interface aplicada. A aplicação da carga inspiratória produziu diferenças significativas entre o uso das interfaces nasal e oral com aumento do volume corrente (p <0,01), volume inspiratório final (p <0,01) e da atividade elétrica dos músculos escaleno e esternocleiomastoideo (p <0,01) com o uso da interface nasal. 2) Durante a aplicação da carga inspiratória ocorreram mudanças significativas na frequência respiratória (p <0.04), tempo inspiratório (p <0.02), tempo total do ciclo respiratório (p <0.02), volume minuto (p <0.03), volume corrente (p <0.01) e na atividade muscular do escaleno e esternocleiomastoideo (valores de RMS, p <0.01) quando comparado à respiração tranquila e recuperação, independentemente do nível de carga e dispositivo aplicado. A aplicação de carga utilizando o aparelho FR mostrou uma aumento maior no volume corrente (p <0.02) e o volume inspiratório final (p <0.02) quando comparado ao PT. Conclusões: 1) A adição de carga inspiratória tem um efeito significativo no padrão respiratório e na atividade elétrica dos músculos respiratórios, sendo estes efeitos maiores quando a interface nasal é aplicada. 2) A adição de carga inspiratória utilizando uma interface nasal tem um efeito positivo sobre o padrão respiratório e a e a atividade elétrica dos músculos inspiratórios, e a dispositivo FR é mais efetivo para geração de volume pulmonar.


  • Mostrar Abstract
  • ABSTRACT

    Aims: 1) The aim of this study was to evaluate the acute effects of different inspiratory loads and different interfaces on the breathing pattern and activity of the respiratory muscles. 2) The aim of this study was to evaluate the acute effects of different inspiratory resistance devices and intensity of loads via nasal airway on the breathing pattern and activity of the respiratory muscles in children with mouth breathing syndrome. Methods: 1) Twenty healthy adults were recruited and assigned to two groups (20 and 40% of the Maximal Inspiratory Pressure) by way of randomized crossover allocation. Subjects were evaluated during quiet breathing, breathing against inspiratory load, and recovery. The measurements were repeated using two different interfaces (nasal and oral). Chest wall volumes and respiratory muscle activity were assessed with optoelectronic plethysmography and surface electromyography, respectively. 2) Children with mouth breathing syndrome (MBS) were randomized into two groups based on inspiratory load intensity (20% and 40% of the Maximal Inspiratory Pressure). These children were assessed during quiet breathing, breathing against inspiratory load via nasal airway and recovery. The measurements were repeated using two different devices (pressure threshold (PT) and flow resistance (FR)). Chest wall volumes and respiratory muscles activity were evaluated by optoelectronic plethysmography and surface electromyography, respectively. Results: 1) During the application of inspiratory load, significant changes were observed in the respiratory rate (p < 0.04), inspiratory time (p < 0.02), minute ventilation (p < 0.04), tidal volume (p < 0.01), end-inspiratory volume (p < 0.04), end-expiratory volume (p < 0.03), and in the activity of the scalene, sternocleiomastoid, and parasternal portion of the intercostal muscles (RMS values, p < 0.01) when compared to quiet breathing, regardless of the load level or the interface applied. Inspiratory load application yielded significant differences between using nasal and oral interfaces with an increase in the tidal volume (p < 0.01), end-inspiratory volume (p < 0.01), and electrical activity of the scalene and sternocleiomastoid muscles (p < 0.01) seen with using the nasal interface. 2) : During the application of inspiratory load, significant changes occurred in respiratory rate (p<0.04), inspiratory time (p<0.02), total time of respiratory cycle (p<0.02), minute volume (p<0.03), tidal volume (p<0.01) and scalene and sternocleidomastoid muscles activity (RMS values, p<0.01) when compared to quiet spontaneous breathing and recovery, regardless of load level or device applied. The application of inspiratory load using the FR device showed an more increase in the tidal volume (p<0.02) and end-inspiratory volume (p<0.02) when compared to PT. Conclusion: 1) The addition of an inspiratory load has a significant effect on the breathing pattern and respiratory muscle electrical activity, and the effects are greater when the nasal interface is applied. 2) The addition of inspiratory loads using a nasal interface has a positive effect on the breathing pattern and electrical activity of the inspiratory muscles, and the FR device is more effective for lung volume generation.

11
  • RAFAELA ANDRADE DO NASCIMENTO
  • COMPOSIÇÃO CORPORAL, BAIXA MASSA MUSCULAR E DESEMPENHO FÍSICO EM MULHERES DE MEIA-IDADE E IDOSAS: UM ESTUDO TRANSVERSAL

  • Orientador : ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • DIEGO DE SOUSA DANTAS
  • INGRID GUERRA AZEVEDO
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • Data: 26/09/2019

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Dentre as mudanças clinicamente mais significativas que ocorrem durante o envelhecimento feminino, destacam-se as hormonais, que culminam em importantes alterações na composição corporal, levando à diminuição da massa magra, da densidade óssea e também ao aumento da massa gorda, com modificações no padrão da sua distribuição. Essas alterações causam impactos no sistema musculoesquelético, com efeitos negativos sobre a capacidade funcional e saúde, predispondo as mulheres a sarcopenia em idades mais precoces. Objetivo: Analisar a relação entre composição corporal e sarcopenia em mulheres de meia-idade e idosas, residentes na comunidade.  Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo observacional, analítico, de caráter transversal e natureza epidemiológica. A população foi constituída por mulheres com idade entre 50 e 80 anos, residentes nos municípios de Parnamirim e Santa Cruz, estado do Rio Grande do Norte. Foram realizadas avaliações bioquímica, de composição corporal e da sarcopenia, além da coleta de dados sociodemográficos, socioeconômicos e sobre a prática regular de atividade física. Para as análises estatísticas, foram utilizadas medidas de tendência central e de dispersão, teste t de Student, Curva ROC, qui-quadrado e regressão logística.  Resultados e Discussão: A amostra foi composta por 88 mulheres, com média de idade de 59,13 (± 7,60) anos. Quanto à análise bivariada, observou-se diferenças estatisticamente significativas para a sarcopenia, apenas as medidas de relação cintura-altura (RCA), índice de adiposidade corporal (BAI) e produto de acumulação lipídica (LAP). O ponto de corte calculado para o LAP foi capaz de identificar a sarcopenia (Sensibilidade = 0,714, Especificidade = 0,453, p valor = 0,01) e esse índice foi o único considerado fator de risco para o desenvolvimento da sarcopenia (OR=1.01, 95% CI 1.01-1.02). Conclusões: As alterações na composição corporal durante o processo de envelhecimento estão relacionadas a sarcopenia em mulheres de meia-idade e idosas. Ainda, foi possível concluir que apenas o LAP se manteve associado após todos os testes realizados, evidenciando que incrementos no LAP aumentam a chance de desenvolver a sarcopenia. Os resultados apresentados possuem relevância clínica, uma vez que o melhor entendimento sobre essa temática é fundamental para fornecer subsídios científicos para o planejamento da atenção à saúde na área da Geriatria, Saúde da mulher e da Fisioterapia.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Among the most clinically significant changes that occur during female aging, hormonal ones stand out, which culminate in important changes in body composition, leading to decreased muscle mass, bone density and increased fat mass. with changes in the pattern of their distribution. These changes cause significant impacts on the musculoskeletal system, reducing muscle strength and impairing the physical performance, functional capacity and health of women from middle age. Objective: To analyze the relationship between body composition, low muscle mass and physical performance in middle-aged and elderly women living in the community. Materials and Methods: This is an observational, analytical, cross-sectional study with an epidemiological nature. The population consisted of women aged 40 to 80 years, residing in the municipalities of Parnamirim and Santa Cruz, state of Rio Grande do Norte. Samples were collected for biochemical dosage, body composition and physical performance evaluations were performed, as well as the collection of sociodemographic, socioeconomic data and information regarding gynecological history and regular practice of physical activity. For statistical analysis, measures of central tendency and dispersion, Student's t-test, ROC curve, chi-square, logistic regression, Pearson correlation and canonical correlation were used, this last one is a multivariate analysis technique that aims to analyze the influence of the independent variable set on the dependent variable set. Results: The anthropometric indexes cut-off points were able to identify the presence of low muscle, except for VAI (visceral adiposity index) (p <0.05). After regression analysis, BAI (body adiposity index), WC (waist circumference), WHR (waist-hip ratio) and RCA (waist-height ratio) were associated with a higher risk of low muscle mass (14.5, 6.2, 1.8 and 5.0 respectively). The first three canonical functions were statistically significant, accounting for 97.54% of the shared variance between the two sets of variables. The first function was the one that best estimated the shared variance, in addition to presenting the highest canonical correlation and redundancy index (% cumulative variance = 82.52, Wilks Lambda = 0.66, canonical correlation = 0.532, p value <0.001). In the first canonical function, an inverse correlation was observed between the CI (conicity index) (-0.59) and the handgrip strength (0.84) and the SPPB (Short Physical Performance Battery )(0.68). While in the second canonical charge it was possible to observe that VAI and CI correlated inversely only with SPPB (0.47). Finally, the third canonical function showed inverse correlations between BAI (0.63), BMI (0.84), WHR (0.67) and CI (0.43) with gait speed (-0.59 and with the SPPB (-0.45) and direct correlation only with the time to sit and stand (0.52). Conclusions: Changes in body composition during the female aging process are associated with low muscle mass and decreased physical performance in middle-aged and elderly women. The cutoff points of the anthropometric indices seem to be effective in identifying low muscle mass, showing that increases in these indices increase the chance of presenting low muscle mass. Moreover, it can be observed that physical performance is significantly influenced by body composition. The results presented have important clinical relevance, since a better understanding about this theme is fundamental to provide scientific support for health care planning in the area of Geriatrics, Women's Health and Physical Therapy 

2018
Dissertações
1
  • RAFAELLA SILVA DOS SANTOS
  • COMPARAÇÃO DOS CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS DA SARCOPENIA POR DIFERENTES CONSENSOS EM MULHERES RESIDENTES EM COMUNIDADE: UM ESTUDO TRANSVERSAL

  • Orientador : ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • DANIELE SIRINEU PEREIRA
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • Data: 15/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Mulheres tendem a ser mais vulneráveis do que homens no processo de envelhecimento, devido a fatores sociais, biológicos e hormonais, favorecendo o surgimento precoce de sarcopenia (redução da massa muscular com o avançar da idade, podendo estar associada a prejuízos na função e força). International Working Group on Sarcopenia (IWGS), European Working Group on Sarcopenia in Older People (EWGSOP) e Asian Working Group for Sarcopenia (AWGS) são os principais consensos referentes à sarcopenia no mundo, os quais elaboraram diferentes critérios para o seu diagnóstico. Objetivo: Comparar os critérios diagnósticos da sarcopenia por diferentes consensos em mulheres residentes em comunidade. Materiais e Métodos: Estudo observacional analítico, de caráter transversal, composto por 472 mulheres de 40 a 80 anos, divididas em três grupos (grupo 1: 40 a 50 anos; grupo 2: 51 a 60 anos; grupo 3: 61 a 80 anos). Foram coletados dados sociodemográficos e socioeconômicos, dados sobre prática regular de exercício físico e mensuração de medidas antropométricas. Foi realizada avaliação da massa muscular esquelética, velocidade da marcha e força de preensão manual. Seguindo a padronização estabelecida nos consensos, foram gerados pontos de corte para massa muscular, velocidade da marcha e força de preensão e, a partir desses pontos de corte, foram encontradas prevalências de sarcopenia por meio dos critérios diagnósticos dos três protocolos. Resultados: Os pontos de corte encontrados para massa muscular, velocidade da marcha e força de preensão foram de 5,92 kg/m², 0,78 m/s e 21,33 kgf, respectivamente. Nos três grupos de faixas etárias, a menor prevalência de sarcopenia foi observada pelos critérios diagnósticos do IWGS (grupo 1 - 3,00%; grupo 2 - 1,30%; grupo 3 - 15,70%). Já a maior prevalência de sarcopenia em todos os grupos foi observada pelo EWGSOP e AWGS igualmente (grupo 1 - 5,00%; grupo 2 - 6,00%; grupo 3 - 23,10%). Conclusão: Nas três faixas etárias, os resultados de prevalência da sarcopenia por meio dos critérios diagnósticos do EWGSOP foram exatamente iguais os do AWGS, sendo bem diferentes e mais elevados do que os resultados de prevalência por meio dos critérios diagnósticos do IWGS.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Women tend to be more vulnerable than men to aging due to social, biological and hormonal factors, favoring the onset of sarcopenia (muscle mass reduction with advancing age and may be associated to impairment in function and strength). The International Working Group on Sarcopenia (IWGS), the European Working Group on Sarcopenia in Older People (EWGSOP) and the Asian Working Group for Sarcopenia (AWGS) are the main consensuses in studying sarcopenia around the world; which has developed different diagnostic criteria for the sarcopenia. Objective: To compare the diagnostic criteria of sarcopenia by different consensuses in women living in community. Materials and Methods: This is a cross-sectional analytical study composed of 472 women between 40 to 80 years old, divided into three groups (40 to 50 years, 51 to 60 and 61 to 80). Socio-demographic and socioeconomic data, regular physical exercise and anthropometric measurements were collected. Muscle mass, handgrip strength and walking speed were evaluated. Following the standardization established in the consensuses, cutoff values were generated for muscle mass, walking speed and handgrip strength, and from these cutoff values, prevalence of sarcopenia were found using the diagnostic criteria of the three protocols. Results: The cutoff values found for muscle mass, walking speed and handgrip strength were 5.92 kg/m², 0.78 m/s and 21.33 kgf, respectively. The lowest prevalence of sarcopenia in all three age groups was observed in the IWGS diagnostic criteria (group 1 - 3.00%, group 2 - 1.30%, group 3 - 15.70%). The highest prevalence of sarcopenia was equally observed in both the EWGSOP and AWGS consensuses (group 1 - 5.00%, group 2 - 6.00%, group 3 - 23.10%). Conclusion: In all three age groups, the prevalence of sarcopenia using the EWGSOP diagnostic criteria was exactly the same as for the AWGS, being much different and higher than the prevalence results using the IWGS diagnostic criteria.

2
  • BARTOLOMEU FAGUNDES DE LIMA FILHO
  • CARGA DE FRAGILIDADE EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E FATORES RELACIONADOS

  • Orientador : JULIANA MARIA GAZZOLA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANIELE SIRINEU PEREIRA
  • JULIANA MARIA GAZZOLA
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • Data: 16/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: As Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) são as principais causadoras de perda da qualidade de vida em idosos e acarretam limitações funcionais importantes. Dentre elas destacam-se o Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2) e a Síndrome da Fragilidade (SF) pela alta prevalência e comorbidades associadas. A carga de fragilidade é uma medida elementar na mensuração desta condição e pode se associar com diversas variáveis. Objetivo: Determinar os fatores sociodemográficos, clínico-funcionais e sintomas depressivos relacionados à carga de fragilidade em idosos com Diabetes Mellitus tipo 2. Metodologia: Trata-se de um estudo observacional, analítico de caráter transversal realizado em Natal/RN. Participaram idosos com idade ≥ 60 anos diagnosticados com DM2, com deambulação independente e não amputados. Foram avaliados quanto aos dados sociodemográficos, clínico-funcionais, sintomas depressivos e ao fenótipo de fragilidade. Foi realizada a estatística descritiva e o teste do qui-quadrado, seguido de análise de regressão logística multivariada (p<0,05 e IC de 95%). Resultados: A amostra consistiu em 125 idosos, de maioria do sexo feminino (36,8%), com sobrepeso (62,4%), com cinco ou mais doenças (65,6%) e com sintomas depressivos (53,2%), alcançando média de 68,76 (±6,52) anos. Prevaleceu o grupo com menor carga de fragilidade (56,0%) e o baixo nível de atividade física foi o item do fenótipo mais citado (72,0%). O modelo final da regressão mostrou que a carga de fragilidade se associou significativamente com a idade (p=0,016; [1,316-8,794]), escolaridade (p=0,002; [1,680-10,623]), dor em membros inferiores (p<0,001; [1,935-11,766]) e TUGT (p=0,031; [1,145-15,659]) e esse modelo multivariado apresentou 80,9% de acurácia. Conclusão: o idoso com maior idade, menor escolaridade, mais dor em membros inferiores e pior mobilidade funcional apresentou risco 3,40, 4,22, 4,77 e 4,23 vezes maior de ter maior carga de fragilidade, respectivamente.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Chronic Non Transmissible Diseases (CNTD) are the main causes of loss of quality of life in the elderly and entail important functional limitations. Among them, type 2 Diabetes Mellitus (DM2) and Fragility Syndrome (FS) stand out due to the high prevalence and associated comorbidities. The fragility burden is an elementary measure in the measurement of this condition and can be associated with several variables. Objective: To determine the sociodemographic, clinical-functional and depressive symptoms related to the frailty burden in the elderly with type 2 Diabetes Mellitus. Methodology: This is an observational, analytical cross-sectional study conducted in Natal/RN. Elderly patients aged ≥ 60 years diagnosed with T2DM, with independent ambulation and not amputated participated. They were evaluated for socio-demographic data, clinical-functional, depressive symptoms and fragility phenotype. Descriptive statistics and the chi-square test were performed, followed by multivariate logistic regression analysis (p<0,05 and 95% CI). Results: The sample consisted of 125 elderly, mostly female (36,8%), overweight (62,4%), five or more diseases (65,6%) and depressive symptoms (53,2% ), reaching a mean of 68,76 (± 6,52) years old. The group with the lowest fragility burden prevailed (56,0%) and the low level of physical activity was the most cited phenotype item (72,0%). The final regression model showed that the fragility burden was significantly associated with age (p=0,016; [1,316-8,794]), schooling (p=0,002; [1,680-10,623]), lower limb pain (p<0.001; [1,935-11,766]) and TUGT (p=0.031; [1,145-15,659]) and this multivariate model presented 80,9% accuracy. Conclusion: the elderly with greater age, lower educational level, lower limb pain and worse functional mobility presented a 3,40, 4,22, 4,77 and 4,23 times greater risk of having a greater fragility load, respectively.

3
  • RAYSA VANESSA DE MEDEIROS FREITAS
  • VALIDADE E CONFIABILIDADE DAS VERSÕES ORIGINAL E CURTA DA ESCALA ACTIVITIES-SPECIFIC BALANCE CONFIDENCE (ABC-16 E ABC-6) EM IDOSOS BRASILEIROS RESIDENTES NA COMUNIDADE

  • Orientador : RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • DANIELE SIRINEU PEREIRA
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • Data: 16/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: a confiança no equilíbrio é definida como “a habilidade de um indivíduo de manter o equilíbrio durante a realização das atividades de vida diária” e é afetada pelas crenças pessoais. Portanto, um sujeito que relata uma baixa confiança no equilíbrio pode apresentar pior desempenho do equilíbrio postural. Uma das ferramentas mais utilizadas para quantificar a confiança no equilíbrio de indivíduos da comunidade é a escala Activities-specific Balance Confidence (ABC), tanto na versão original (ABC-16) quanto na versão curta (ABC-6). A escala ABC foi traduzida e adaptada para a população de idosos brasileiros. Entretanto, o estudo de suas propriedades psicométricas ainda se faz necessário, além da definição de pontos de corte capazes de diferenciar idosos com e sem déficits no equilíbrio postural. Objetivos: investigar as propriedades psicométricas das escalas ABC-16 e ABC-6 e determinar pontos de corte capazes de diferencias idosos comunitários com déficits no equilíbrio postural. Métodos: trata-se de um estudo psicométrico que seguiu as recomendações do Consensus-based Standards for the Selection of Health Measurement Instruments (COSMIN) realizado de abril a novembro de 2017. O nível de confiança no equilíbrio foi avaliado pela ABC-16 e ABC-6. Para mensurar a confiabilidade interobservador, duas avaliações foram realizadas por avaliadores distintos com 30 minutos de intervalo entre elas. Após uma semana, um dos avaliadores reaplicou a escala para verificar a confiabilidade intraobservador. A ordem dos avaliadores foi determinada aleatoriamente. Um terceiro avaliador aferiu o equilíbrio postural dos indivíduos por meio da Escala de Equilíbrio de Berg (EEB), o modified Clinical Test of Sensory Interaction and Balance (mCTSIB) e o teste de Apoio Unipodal (AU); o medo de cair por meio da Falls Efficacy Scale-International (FES-I), e a mobilidade por meio do teste de caminha de 4 metros (TC4m). Resultados: as escalas ABC-16 e ABC-6 mostraram uma correlação estatisticamente significativa com a maioria das medidas de equilíbrio postural, com a FES-I e o TC4m. A escala ABC-6 também apresentou correlação estatisticamente significativa com o padrão ouro para confiança no equilíbrio, a escala ABC-16 (r=0.958, p<0,001). A consistência interna pelo α de Cronbach da ABC-16 e da ABC-6 foi de 0.943 e 0.901, respectivamente. A curva Receiver Operating Characteristics (ROC) indicou um valor de ≤67% como o melhor ponto de corte para identificar idosos com déficits no equilíbrio na escala ABC-16 (sensibilidade: 81%; especificidade: 77.4%), e ≤44% (sensibilidade: 87.5%; especificidade: 82.1%) na escala ABC-6. Conclusão: tanto a escala ABC-16 quanto a ABC-6 apresentam, no geral, uma boa validade, e excelentes confiabilidades intra e interobservador e consistência interna. Portanto, estas escalas são adequadas para a avaliação da confiança no equilíbrio de idosos brasileiros residentes na comunidade.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Balance confidence is described as “a person’s ability to maintain balance while performing activities of daily living” and is affected by an individual’s beliefs. Therefore, an individual who report a low confidence in balance may present lower postural balance performances. One of the most used tools to quantify the balance confidence of the community-dwelling individual is the Activities-specific Balance Confidence (ABC) scale, in its original (ABC-16) and short (ABC-6) versions. The ABC scale was translated and adapted to the Brazilian older adults. However, the study of the psychometric properties is still required and also cut-off points for both scales have not been provided yet. Objectives: To investigate the psychometric properties of the ABC-16 and ABC-6, and to determine cut-off points capable to identity community-dwelling older adults with deficits in postural balance and higher risk of falling. Methods: This is a psychometric study that followed the Consensus-based Standards for the Selection of Health Measurement Instruments (COSMIN). This study took place from April 2017 to November 2017. The level of balance confidence was assessed by the ABC-16 and ABC-6. To assess the interrater reliability, two evaluations with a 30-minute interval was performed by distinct evaluators. After one week, one of the evaluators re-applied the ABC-16 to verify the intrarater reliability. The order of the evaluators was chosen randomly. A third examiner assessed the postural balance of the individuals through the Berg Balance Scale (BBS), the modified Clinical Test of Sensory Interaction on Balance (mCTSIB) and the Unilateral Stance (US), the fear of falling through the Falls Efficacy Scale-International (FES-I), and mobility through the 4-m walk test (4MWT). Results: The ABC-16 and ABC-6 showed a statistically significant correlation with most of the measures of postural balance, FES-I and 4MWT. The ABC-6 also presented statistically significant correlation with the gold standard, the ABC-16 (r=0.958, p<0,001). The internal consistency analysis of the ABC-16 and ABC-6 yielded a Cronbach’s α value 0.943 and 0.901, respectively. Both ABC-16 and ABC-6 presented excellent intra and interrater reliability. The Receiver Operating Characteristics (ROC) curve indicated a value of ≤67% as the best cut-off point to identify older adults with balance impairments in the ABC-16 (sensitivity: 81%; specificity: 77.4%), and ≤44% (sensitivity: 87.5%; specificity: 82.1%) in the ABC-6. Conclusion: Both ABC-16 and ABC-6 have an overall good validity, and excellent internal consistency, and intra and inter-rater reliability. Therefore, these scales are suitable tools for assessing balance confidence in the Brazilian community-dwelling elderly people.

4
  • THAYLA AMORIM SANTINO
  • TRADUÇÃO, ADAPTAÇÃO TRANSCULTURAL E AVALIAÇÃO PSICOMÉTRICA DO PEDIATRIC ASTHMA CONTROL AND COMMUNICATION INSTRUMENT – PACCI

  • Orientador : KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOAO CARLOS ALCHIERI
  • KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • SÉRGIO LEITE RODRIGUES
  • Data: 22/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Diante da necessidade de avaliar o controle clínico da asma em crianças e adolescentes, observa-se a importância da disponibilidade de questionários validados para o uso na população brasileira. Entretanto, poucos questionários específicos possuem versões culturalmente adaptadas e validadas para a língua portuguesa, considerando uma ampla faixa etária, além disso, há uma lacuna quanto a avaliação do controle clínico em crianças com idade inferior a 4 anos. Objetivo: Traduzir, adaptar transculturalmente e analisar as propriedades psicométricas do questionário Pediatric Asthma Control and Communication Instrument (PACCI) para o uso na população brasileira.  Materiais e métodos: Trata-se de um estudo metodológico exploratório e psicométrico, que envolve o processo de tradução, adaptação transcultural e análise das propriedades psicométricas. A tradução e adaptação transcultural ocorreu seguindo as recomendações internacionalmente descritas e utilizadas, envolvendo procedimentos de tradução, retrotradução, comitê multiprofissional de especialistas e pré-teste em uma amostra representante da nova população. As propriedades psicométricas foram avaliadas a partir da administração da versão adaptada do questionário em uma amostra de crianças e adolescentes com diagnóstico clínico de asma e seus pais/responsáveis. Foram realizadas avaliação da condição socioeconômica (Critério de Classificação Econômica Brasil); avaliação do controle clínico, por meio do Childhood Asthma Control Test (c-ACT), Asthma Control Test (ACT); avaliação da qualidade de vida do cuidador, por meio do Pediatric Asthma Caregivers Quality of Life Questionnaire (PACQLQ) e teste de função pulmonar (espirometria). Foram investigadas a validade de conteúdo, de construto, concorrente, confiabilidade (considerando a consistência interna) e o ponto de corte, por meio da análise da curva receiver operator characteristic (ROC). Resultados: O comitê multiprofissional de especialistas indicou que os itens do questionário se apresentaram claros e compressíveis, concordância variando entre 0,78 e 1,00. Considerando o procedimento de pré-teste, os pais/responsáveis não apresentaram dificuldades de compreensão (concordância acima de 0,90). A versão brasileira do PACCI apresentou consistência interna de 0,80. A estrutura interna do PACCI foi avaliada por meio da análise fatorial exploratória. A partir de índices de ajustamento aceitáveis (KMO= 0,81 e teste de esfericidade de Barlett, p=0,00), a análise fatorial exploratória foi realizada, com a extração de 4 fatores pré-determinados e rotação ortogonal (varimax). Considerando os itens agrupados em fatores, verificou-se que cada um destes fatores apresentou confiabilidade adequada. Foram identificados os seguintes fatores: controle clínico, riscos, percepção do estado da asma e severidade. O fator controle da asma apresentou, através de seu escore total e índice de problema, correlação significativa com o c-ACT/ACT e com o PACQLQ. Escores para o domínio controle superiores a 4 pontos (soma do escore) e acima de 1 ponto (índice de problema) foram indicativos de asma não controlada. Conclusão: O questionário PACCI encontra-se traduzido e transculturalmente adaptado para a população brasileira pediátrica. Além disso, a versão brasileira demonstrou ser capaz de fornecer medidas válidas e confiáveis na avaliação do controle clínico da asma de crianças e adolescentes.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Under the need to evaluate the clinical control of asthma in children and adolescents, the importance of the availability of validated instruments for use in the Brazilian population was observed. However, few specific instruments have culturally adapted and validated versions for Portuguese. Objectives: To perform a translation, cross-cultural adaptation and evaluation of psychometric properties of the Pediatric Asthma Control and Communication Instrument (PACCI) for use in the Brazilian population. Methods: An exploratory methodological and psychometric study, which involves the process of translation, cross-cultural adaptation and evaluation of psychometric properties. Transcultural translation and adaptation followed the recommendations internationally described and used, involving translation procedures, back translation, multiprofessional committee of experts and pre-test in a representative sample of the new population. The psychometric properties were analyzed through the application of the adapted questionnaire in a sample of children and adolescents with clinical diagnosis of asthma and their parents/caregivers. Socioeconomic assessments were performed (Brazil Economic Classification Criteria); evaluation of clinical control, with the Childhood Asthma Control Test (c-ACT), Asthma Control Test (ACT); evaluation of the caregiver’s quality of life with the Pediatric Asthma Caregivers Quality of Life Questionnaire (PACQLQ), and test of pulmonary function (spirometry). It was investigated the content validity, construct, concurrent, reliability (considering the internal consistency) and the cutoff, through receiver operator characteristic curve analysis. The instruments and pulmonary function test was correlated through Spearman correlation test, and their association was verified through ANOVA and Bonfferoni post-test. Results: The multiprofessional committee of experts indicated that the items of the questionnaire were clear and compreesible, with agreement ranging from 0.78 to 1.00. Considering the pre-test procedure, parents/caregivers did not present comprehension difficulties (agreement above 0.90). The Brazilian version of PACCI showed an internal consistency of 0.80. The internal structure of the PACCI was evaluated through exploratory factorial analysis. From the acceptable adjustment indexes (KMO=0.81 and Bartlett sphericicity test, p<0,001), the exploratory factorial analysis was performed with the extraction of 4 pre-determined factors and orthogonal rotation (varimax). Considering the items grouped into factors, it was verified that each of these factors presented adequate reliability. The following factors were identified: clinical control, risks, perception of asthma status and severity. The factor asthma control showed, through its total score and problem index, correlation with c-ACT/ACT, PACQLQ. Scores for the control domain greater than 4 points (sum of the score) and above 1 point (problem index) were indicative of uncontrolled asthma. Conclusion: The PACCI questionnaire is properly translated and cross-cultural adapted for Brazilian pediatric population. Furthermore, the Brazilian version showed to be able to provide valid and reliable measures to assess the clinical control of asthma in children and adolescents.

5
  • FABIELI PEREIRA FONTES
  • PROBABILIDADE DO RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2


  • Orientador : JULIANA MARIA GAZZOLA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JULIANA MARIA GAZZOLA
  • LIDIANE MARIA DE BRITO MACEDO FERREIRA
  • ALINE DO NASCIMENTO FALCAO FREIRE MONTE
  • Data: 23/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Objetivo:Avaliar a probabilidade do risco de quedas em idosos com DM2. Metodologia: Estudo observacional analítico de caráter transversal, com amostra constituída por 111 idosos com 60 anos ou mais, diagnóstico de DM2, de ambos os sexos, atendidos nos ambulatórios do hospital universitário da UFRN, em Natal -RN. Foram avaliados quanto aos dados sociodemográficos, clínico-funcionais, psico-cognitivos (Mini Mental State Exam-MEEM e Escala de Depressão Geriátrica-GDS), equilíbrio postural (Mini BEST test), desempenho funcional (WHODAS 2.0) e a avaliação do risco de quedas com o Quick Screen Clinical Falls Risk Assessment (Quick Screen). As análises inferenciais foram realizadas por meio dos testes Kruskall-Wallis e Qui-quadrado ou Teste Exato de Fisher, adotando-se um nível de significância de 5% (p<0,05). Resultados: A amostra apresentou média etária de 68,6 (± 6,5) anos, faixa etária de 60-69 anos (64,9%), maioria feminina (64%), com vida conjugal (68,5%), escolaridade até o “fundamental I completo ou pós fundamental” (64%), participantes das atividades comunitárias (58,6%), arranjo de moradia “com companhia” (96,4%), renda de “3 ou mais salários mínimos” (51,4%), não praticantes de atividade física (73,9%), percepção subjetiva da saúde geral (58,6%) e visão (55,0%) como “excelente, muito boa ou boa”, dor em MMII (48,6%).. Relataram entre uma a dez comorbidades, com predomínio de doença do aparelho circulatório (78,4%), cinco ou mais medicamentos utilizados (67,6%), sendo 91,0% medicação oral para DM2 e a minoria necessitava de insulina (30,6%). O tempo de diagnóstico do DM2 foi acima de cinco anos (61,3%). Não sofreram eventos de quedas no último ano (70,3%), com relato de medo de quedas (80,2%) e tendência (50,5%) a quedas. Prevaleceu a probabilidade de 13% com 2-3 fatores de risco para quedas (35,1%), sendo no mínimo 0 e no máximo 8 fatores (média de 3,45 ± 1,99 fatores) e a probabilidade mínima de 7% e máxima de 49% (média 21,64% ± 13,55%). Houve significância estatística entre a “probabilidade do risco de quedas” e as variáveis: escolaridade (p=0,005), percepção da saúde geral (p=0,001) e da visão (p=0,017), número de doenças (p<0,0001), número de medicamentos (p<0,0001), doença do aparelho circulatório (p=0,021), tempo de DM2 (p<0,0001), insulina (p=0,038), queixa de dor em MMII (p=0,005), sensibilidade cutâneo-protetora (p<0,0001), quedas no último ano (p<0,0001), tendência a quedas (p<0,0001), GDS (p<0,0001), TUGT (p=0,022), diminuição de força de preensão palmar (p<0,0001), WHODAS 2.0 (p<0,0001) e Mini Best (p<0,0001). Conclusão: Idosos com DM2 apresentam maior probabilidade do risco de quedas quando associados com menor escolaridade, pior percepção geral de saúde e visão, maior o número de doenças e medicamentos, maior tempo de diagnóstico do DM2, a presença de dor em MMII, sensibilidade cutâneo-protetora alterada, histórico de uma ou mais quedas no último ano, a percepção de tendência a quedas, presença de sintomas depressivos, diminuição de força de preensão palmar, pior desempenho no TUGT, pior desempenho funcional e pior equilíbrio postural.


  • Mostrar Abstract
  • Objective: to evaluate the probability of the risk of falls in the elderly with DM2. Methodology: a cross-sectional observational study with a sample of 111 elderly patients aged 60 years or older, diagnosed with T2DM, of both sexes, attended at the outpatient clinics of the University Hospital from UFRN, Natal, Brazil. They were evaluated for sociodemographic, clinical-functional, psycho-cognitive data (through the Mini Mental State Exam-MEEM and Geriatric Depression Scale-GDS), postural balance (through the Mini BEST test), functional performance (WHODAS 2.0) and the risk assessment for falls with the Quick Screen Clinical Falls Risk Assessment (QuickScreen). The inferential analyzes were performed using Kruskall-Wallis and Chi-square tests or Fisher's exact test, with a significance level of 5% (p<0,05).Results: The mean age of the sample was 68,6 (± 6,5) years, the age range was 60-69 years (64,9%), the majority were female (64%), married (68,5%), schooling up to the "fundamental I complete or fundamental post (64%), participants in community activities (58,6%), housing arrangement "with company" (96,4%), salary of "3 or more minimum wages" (51,4%), non-practitioners of physical activity (73,9%), subjective perception of general health (58,6%) and vision (55,0%) as "excellent, very good or good", pain in lower limbs (48,6%). There were between 1 and 10 comorbidities, with predominance of circulatory disease (78,4%), five or more medications used (67,6%), on what 91,0% were oral medications for DM2 and the minority required insulin (30,6%).The time of diagnosis of DM2 was over than five years (61,3%). They did not suffer fall events in the last year (70,3%), with reports of fear of falls (80,2%) and tendency (50,5%) to falls. Prevalence was 13% with 2-3 risk factors for falls (35,1%), with a minimum of 0 and a maximum of 8 factors (mean of 3.45 ± 1,99 factors) and a minimum probability of 7% and maximum of 49% (mean 21,64% ± 13,55%). There was statistical significance between "probability of risk of falls" and variables: schooling (p=0,005), general health (p=0,001), vision (p=0,017), number of diseases (p<0,0001), number of medications (p=0,0001), disease of the circulatory system (p=0,021), time of DM2 (p<0,0001), insulin (p=0,038), pain in lower limbs (p<0,0001),cutaneous-protective sensitivity (p<0,0001),  GDS (p<0,0001), TUGT (p=0,022), decreased palmar grip strength (p<0,0001), WHODAS 2.0 (p<0,0001) and Mini Best (p<0,0001).Conclusion: Elderly patients with DM2 are more likely to be at risk of falls when associated with lower education, worse general perception of health and vision, greater number of diseases and medications, longer diagnosis of DM2, presence of pain in lower limbs, cutaneous protection sensitivity altered, history of one or more falls in the last year, perception of falling tendency, presence of depressive symptoms, decrease in palmar grip strength, worse performance on TUGT, worse functional performance and worse postural balance.

6
  • DIEGO VILLAR TAVARES
  • RELAÇÃO ENTRE DOR E MEDO DE CAIR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: UM ESTUDO TRANSVERSAL

  • Orientador : ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • MAYLE ANDRADE MOREIRA
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • Data: 23/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O processo de envelhecimento acarreta diversos transtornos à saúde como o surgimento de doenças crônico-degenerativas, que se vinculam as grandes síndromes geriátricas e, consequentemente, exacerbam a dor no idoso. Sabe-se que a dor, em seus diferentes contextos, ocasiona diversas limitações e pode estar relacionada ao medo de cair, sobretudo em idosos residentes em Instituição de Longa Permanência (ILPI). Objetivo: Analisar a relação entre dor e medo de cair em idosos residentes em instituições de longa permanência. Metodologia: Foi realizado um estudo transversal com 108 idosos residentes em ILPI no Estado da Paraíba. Os instrumentos utilizados na coleta de dados foram o Geriatric Pain Measure (GPM), para avaliação multidimensional da dor, e a Falls Eficacy Scale Internacional (FES-I), para a avaliação do medo de cair. Para a análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS versão 20.0. O teste t e o teste de correlação de Spearman foram utilizados na análise bivariada. Por fim, foram construídos modelos de regressão linear múltipla. Em toda a análise estatística, foi considerado um intervalo de confiança (IC) de 95% e um p< 0,05. Resultados: A amostra foi caracterizada por uma média de idade de 78,8 (±7,19) anos, com predomínio do sexo feminino (64,8%), sendo (42,1%) dos participantes solteiros. Quanto à avaliação da dor, 44,8% dos idosos relataram dor crônica, enquanto que 18,1% relataram dor aguda. Na avaliação da dor, por meio do Pain Geriatric Measure (GPM) ajustado, a média de pontuação foi de 28,81 (±30,67) pontos. A intensidade da dor, na grande parte dos idosos, foi do tipo leve (43,6%). Ao correlacionar os valores ajustados da GPM com a FES-I, obteve-se uma correlação positiva moderada e estatisticamente significativa (ρ= 0,31: p < 0,001). Por fim, na análise multivariada, observou-se que, as variáveis sexo, uso de drogas psicotrópicas e pontuação da GDS exerceram influência na pontuação da FES-I. Ainda foi observado que no modelo ajustado pela presença de dor, o relato de dor implicava em um acréscimo de 5,47 pontos na FES-I. Conclusão: O presente estudo identificou alta prevalência de dor assim como elevada preocupação com o medo de cair nos idosos institucionalizados. Ao investigar a relação entre as medidas de dor e medo de cair foi observado uma correlação positiva e significativa entre essas variáveis.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: The aging process causes health problems such as the emergence of various chronic and degenerative diseases and geriatric syndromes, significantly increasing the presence of pain in the elderly. Pain, in its various contexts, causes several limitations and can be related to the fear of falls, especially in the elderly residing in homes for aged. Objective: To analyze the relationship between pain and fear of falls among residents of homes for aged. Methodology: A transversal survey was conducted involving 108 residents of homes for aged in the state of Paraíba, Brazil. The instruments utilized to collect data were the Geriatric Pain Measure form (GPM), to evaluate pain, and the Falls Efficacy Scale-International (FES-I), to evaluate the concern with falls. The statistical program SPSS version 20.0 was used to analyze the data, and the t-test and Spearman’s test were used in the bivariate analysis. Also, three multiple linear regression models were applied. In all the statistical tests, the confidence interval (CI) was 95%, or p < 0.05. Results: The average age of the respondents was 78.8 (±7.19) years, with predominance of women (64.8%), and 42.1% of the respondents were single. With respect to pain, chronic pain was reported by 44.8% of the respondents, while episodes of acute pain were reported by 18.1%. In the evaluation of pain by the adjusted Geriatric Pain Measure, the average score was 28.81 (±30.67) points. The pain intensity was slight (43,6%) in the large majority of the sample. A moderately positive and significant correlation was obtained between the adjusted values of the GPM and FES-I (ρ = 0.31: p < 0.001). The multivariate analysis indicated that in the three regression models applied, the variables sex, use of psychotropic drugs and GDS score had influence on the FES-I score. It was also observed that in the dichotomous model adjusted for pain, the report of pain implied 5.47 points on the FES-I. Conclusion: The present study identified a high prevalence of pain as well as great concern about the fear of falling among residents of homes for aged. When investigating the relationship between pain measures and fear of falling, a positive and significant correlation was observed between these variables.

7
  • CAROLINA BEZERRA COE
  • IMPACTO DE UM CURSO DE EDUCAÇÃO PRÉ-NATAL NO EMPODERAMENTO DE MULHERES GRÁVIDAS


  • Orientador : ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • LAIANE SANTOS EUFRASIO
  • VANESSA PATRICIA SOARES DE SOUSA
  • Data: 23/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A gravidez e o parto são eventos únicos na vida de uma mulher. Para que esses momentos sejam vividos em seus potenciais e tenham desfechos positivos, é importante que a gestante esteja empoderada do seu processo. Os programas multidisciplinares de educação pré-natal têm fundamental importância no fornecimento de informações acerca do ciclo gravídico-parto-puerperal, no fortalecimento da autonomia feminina e consequente empoderamento da mulher grávida. Objetivo: Analisar os impactos gerados por um programa de educação pré-natal no empoderamento de mulheres com relação a seus processos gestacionais e partos. Metodologia: Se trata de um estudo longitudinal, quase-experimental. As gestantes inscreveram-se voluntariamente no curso de educação pré-natal e foram avaliadas antes, após a intervenção e após o parto. Os dados foram coletados no Departamento de Fisioterapia da UFRN. Resultados: A amostra consistiu em 62 gestantes, com idade média de 30,39 ± 5,3 anos e idade gestacional 24,1 ± 5,8 semanas. Não houve resultados significantes com relação às variáveis empoderamento, medo do parto e medo da dor. Em situação de parto, 53,8% das puérperas relataram mal-estar e 100% das participantes relataram que o curso de educação pré-natal as ajudou a lidar com a dor do parto. Conclusão: O curso de educação pré-natal auxilia as gestantes a lidar melhor com a dor durante o processo de parturição.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Pregnancy and childbirth are unique in a woman’s life and for these moments to be lived integrally and have positive closures it is important that the pregnant woman is empowered about her process. Multidisciplinary antenatal educational programs have a fundamental task on the supply of information about the pregnancy-birth-postpartum cycle, on the strengthening of the female autonomy and consequent pregnant woman empowerment. Objective: Analyze the effects of an antenatal educational program on the empowerment of pregnant women related to their gestational process and childbirth. Methods: It is a quasi-experimental, longitudinal study. The pregnant women subscribed voluntarily on the educational program for pregnancy, childbirth and postpartum and passed through a series of evaluations before and after the intervention and after childbirth. Data was collected in the Physical Therapy Department of the Federal University of Rio Grande do Norte. Results: 62 pregnant women were included (mean age: 30,39 ± 5,3 years old and gestational age: 24,1 ± 5,8 weeks. There was no significant results on the empowerment, fear of childbirth and fear of pain. 53,8% felt discommodity during childbirth, and 100% of the participants who had been through labor related that the antenatal education has helped them to deal with pain in childbirth. Conclusion: Antenatal education helps pregnant women to cope better with pain during the parturition process.

8
  • TÁCITO ZAILDO DE MORAIS SANTOS
  • PARTICIPAÇÃO EM PROGRAMAS DE REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR: BARREIRAS PARA PACIENTES DE SERVIÇOS PÚBLICOS E PRIVADOS DE SAÚDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

  • Orientador : GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IVAN DANIEL BEZERRA NOGUEIRA
  • JOCELINE CASSIA FEREZINI DE SA
  • SÉRGIO LEITE RODRIGUES
  • Data: 23/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: o Brasil é um país de dimensões continentais, marcado por peculiaridades no sistema de saúde e iniquidades regionais no financiamento de serviços. Apesar de sólidas recomendações nacionais e internacionais para reabilitação cardiovascular (RCV), a disponibilidade de programas é díspar e as barreiras para participação são conhecidas de forma incipiente no cenário brasileiro. Portanto, faz-se necessário investigar essas barreiras em diferentes regiões, serviços de saúde e estágios de tratamento. Objetivos: descrever e comparar barreiras para a participação em RCV em serviços públicos e privados de saúde. Métodos: trata-se de um estudo observacional-analítico, de caráter transversal, realizado conforme o Strengthening the Reporting of Observational Studies in Epidemiology (STROBE) entre maio e dezembro de 2017. Neste estudo, participantes de RCV e pacientes elegíveis de enfermarias e ambulatórios foram pareados pelo tipo de serviço que utilizavam. O nível de barreiras para RCV foi avaliado pela Escala de Barreiras para Reabilitação Cardíaca (EBRC) e os testes U de Mann-Withney e Kruskal Wallis foram usados respectivamente nas comparações entre tipos de serviço e entre estágios de tratamento. Resultados: um total de 140 pacientes participou do estudo. O escore médio total de barreiras foi 1,98±0,48 e diferiu apenas entre pacientes internados e participantes de RCV (p<0,05). Algumas barreiras nos domínios acesso e necessidades percebidas foram maiores em serviços públicos do que nos privados (p<0,05). O domínio necessidades percebidas teve o maior escore da amostra (2.31±0.71). Não saber sobre RCV (3.75±1.66) e falta de referência médica (2.32±1.53) foram as maiores barreiras nesse domínio. Conclusão: Não houve diferenças nos escores gerais entre os serviços públicos e privados, bem como entre pacientes internados e ambulatoriais. Porém, algumas barreiras diferiram significativamente entre esses grupos. Logo, abordagens para disseminação de conhecimento em RCV e implementação de estratégias para referência de elegíveis devem ser encorajadas em ambos os serviços.


  • Mostrar Abstract
  • Background: Brazil is a country of continental dimensions marked by peculiarities in the health system and regional inequities in the financing of services. Despite strong national and international recommendations for cardiovascular rehabilitation (CVR), the availability of programs is uneven and the barriers to participation are known in an incipient way in the Brazilian scenario. Therefore, it is necessary to investigate these barriers in different regions, health services and treatment stages. Aims: describe and compare barriers to participation in RCV in public and private health services. Methods: it’s an observational-analytical cross-sectional study conducted according to Strengthening the Reporting of Observational Studies in Epidemiology (STROBE) between May and December 2017. In this study, CVR participants and eligible inpatient and outpatient were matched by type of service they used. The level of barriers to CVR was evaluated by the Barrier Scale for Cardiac Rehabilitation (CRBS) and U Mann-Withney and Kruskal Wallis tests were used in the comparisons between service types and treatment stages, respectively. Results: a total of 140 patients participated in the study. The mean total barrier score was 1.98 ± 0.48 and differed only between inpatients and CVR participants (p <0.05). Some barriers in access and perceived needs domains were higher in public than in private services (p <0.05). The domain perceived needs had the highest score of the sample (2.31 ± 0.71). Not knowing about CVR (3.75 ± 1.66) and lack of medical referral (2.32 ± 1.53) were the major barriers in this domain. Conclusion: there were no differences in the overall scores between public and private services, as well as between inpatients and outpatients. However, some barriers differed significantly between these groups. Therefore, approaches for dissemination of knowledge in RCV and implementation of strategies for reference of eligible should be encouraged in both services.

9
  • ISABELLE ANANDA OLIVEIRA REGO
  • ANÁLISE DA ATIVAÇÃO CORTICAL DURANTE TAREFAS MOTORAS REALIZADA EM AMBIENTE VIRTUAL: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE GÊNERO

  • Orientador : FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • KLIGER KISSINGER FERNANDES ROCHA
  • Data: 26/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Embora existam muitas semelhanças na estrutura e função cerebral, em homens e mulheres saudáveis, há diferenças importantes que distinguem o cérebro masculino do feminino, levando a distintas respostas cerebrais neuroelétricas. Na atualidade, uma das técnicas que tem permitido o monitoramento do cérebro em atividade é a eletroencefalografia, a partir de interfaces não-invasivas e wireless. Desse modo, torna-se possível compreender o processo de ativação cerebral, diante de uma tarefa motora baseada em realidade virtual, sendo esse um recurso terapêutico cada vez mais utilizado. Objetivo: Investigar a influência de uma tarefa motora, realizada em ambiente virtual, sobre a atividade cerebral de homens e mulheres, jovens saudáveis. Metodologia: Trata-se de um estudo comparativo, envolvendo 30 indivíduos, sendo 15 mulheres (A) e 15 homens (B). Após passarem por uma avaliação fisioterapêutica e do estado cognitivo, por meio do Mini Exame de Estado Mental, os grupos foram submetidos a uma sessão (20 minutos) com cinco jogos de equilíbrio, em realidade virtual (RV), durante a qual foi realizada a gravação da atividade eletroencefálica por meio do Emotiv Epoc, para avaliação da atividade cortical. Resultados: Nos jogos Penguim Slide, Soccer Heading e Table Tilt as médias do potencial de ativação, em todos os canais, foram maiores no grupo dos homens. No jogo Balance Bubble as mulheres apresentaram maior ativação. Já no jogo Tight Rope, homens e mulheres apresentaram padrão de ativação cerebral semelhante. Conclusão: verificou-se que a realidade virtual, em situações de exposição imediata, é capaz de levar a uma ativação cerebral diferente de acordo com o jogo escolhido.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Although there are many similarities in brain structure and function in healthy men and women, there are important differences that distinguish the male brain from the female brain, leading to distinct neuroelectric brain responses. Nowadays, one of the techniques that has allowed the monitoring of the brain in activity is the electroencephalography, from non-invasive interfaces and wireless. Thereby, it becomes possible to understand the process of brain activation in a motor task based on virtual reality, which is a therapeutic resource increasingly used. Objective: To investigate the influence of a motor task performed in a virtual environment on the brain activity of healthy young men and women. Methodology: This is a comparative study, involving 30 individuals who were divided into two groups: female (A) and male (B). After undergoing a physical therapy assessment and cognitive status, through the Mini Mental State Examination, they were submitted to a session (20 minutes) of balance training in virtual reality (VR) during which the electroencephalic activity was recorded by Emotiv Epoc for evaluation of cortical activity. Finally, they were asked about their experience with VR. Results: In the Penguim Slide, Soccer Heading and Table Tilt games the means of activation potential in all channels were higher in the men group. In the game Balance Bubble the women presented greater activation. Already in the game Tight Rope, men and women presented similar pattern of cerebral activation. Conclusion: it was verified that virtual reality, in situations of immediate exposure, is capable of leading to a different brain activation, according to the chosen game.

10
  • GENTIL GOMES DA FONSECA FILHO
  • Avaliação do desenvolvimento motor e movimentos generalizados em prematuros de baixo peso submetidos ao Método Canguru

  • Orientador : ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • CIBELLE KAYENNE MARTINS ROBERTO FORMIGA
  • CLAUDIA RODRIGUES SOUZA MAIA
  • Data: 27/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução:  O Método Canguru, implementado por muitos países em desenvolvimento, é uma estratégia de melhora na assistência neonatal. Este método busca a organização dos sistemas fisiológicos imaturos do prematuro de baixo peso, através da inserção dos pais no cuidado ao bebê e da posição canguru. Apesar dos benefícios já elencados desde do seu desenvolvimento, pouco se sabe sobre os padrões motores e os movimentos generalizados dos prematuros submetidos a este método. Objetivo: Avaliar o padrão motor e os movimentos generalizados dos prematuros de baixo peso submetidos ao Método Canguru. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal, realizado na Maternidade Escola Januário Cicco. Participaram do estudo recém-nascidos, com idade gestacional menor de 37 semanas, peso abaixo de 2500g, submetidos ao Método Canguru (MC) na primeira semana de vida. Foram coletadas informações clínicas sobre o bebê e a gestação da mãe, durante a internação; o tempo de posição canguru, durante a segunda etapa do MC. Na primeira consulta da terceira etapa do MC foram aplicados a avaliação dos movimentos generalizados e o Test Infant Motor Performance (TIMP). Para análise estatística, atribuiu-se o nível de significância de 5% e intervalo de confiança de 95% para todas as análises.  A análise descritiva foi apresentada em média e desvio padrão (DP). A normalidade das variáveis do estudo foi verificada através do teste Shapiro Wilk. Para comparar as médias entre os grupos foi usado o Mann-Whitney e para as variáveis categóricas foi utilizado o teste Qui-quadrado. Resultados: A amostra foi composta por de 30 bebês, para avaliação dos movimentos generalizados e 27 para avaliação do desenvolvimento motor. Da população estudada 50% (15) apresentou movimentação espontânea alterada e 22,22% (6) apresentou padrão motor atípico. Ao comparar as médias entre os grupos dos bebês com movimentos generalizados normais e alterados não houve diferença significativa entre as amostras quanto as variáveis clínicas e o tempo de posição canguru.  Enquanto, que os bebês com padrão motor típico e atípico, houve diferença significativa entre o número de gestações anteriores (p=0,04), o nível de bilirrubina total máxima (p=0,03) e a presença de hemorragia intraventricular grau I (p=0,05). Conclusão: Apesar das estratégias oferecidas pelo Método Canguru, a taxa de bebês com movimentos generalizados e padrão motor atípicos ainda é alta, demonstrando a importância deste tipo de avaliação no seguimento do prematuro de baixo peso. Somado a isso, foi observado que o número de gestações e o nível de bilirrubina influencia negativamente o padrão motor dos bebês e que a presença de hemorragia intraventricular grau I pode não influenciar no padrão motor atípico. Portanto, faz-se necessário estudos que acompanhem os movimentos generalizados e o padrão motor dos prematuros submetidos ao Método Canguru para avaliar as causas dessas alterações e o efeito desse método nesses desfechos.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: The Kangaroo Method, implemented by many developing countries, is a strategy for improving neonatal care. This method seeks an organization of the immature physiological systems of the low weight premature, through the insertion of the parents into the care to the baby and the kangaroo position. Despite the already existing benefits of its development, little is known about the motor patterns and the movements generated by the premature infants undergoing this method. Aim: To evaluate the motor patterns and the generalized movements of low birth weight preterm infants submitted to the Kangaroo Method. Methodology: This is a cross-sectional study, carried out at the Januário Cicco Maternity School. The study included newborns with gestational age of less than 37 weeks, weighing less than 2500g, who were submitted to the Kangaroo Method (KM) in the first week of life. Clinical information about the baby and the mother's gestation was collected during hospitalization; the time of kangaroo position, during the second stage of the KM. In the first consultation of the third stage of the KM, the evaluation of the generalized movements and the Test Infant Motor Performance (TIMP) were applied. For statistical analysis, the significance level of 5% and 95% confidence interval were assigned for all analyzes. The descriptive analysis was presented in mean and standard deviation (SD). The normality of the study variables was verified using Shapiro Wilk test. Mann-Whitney was used to compare the means between the groups and the chi-square test was used for the categorical variables. Results: The sample consisted of 30 babies, to evaluate the generalized movements and 27 to evaluate the motor development. Of the studied population, 50% (15) presented altered spontaneous movement and 22.22% (6) presented atypical motor pattern. When comparing the means between the groups of the babies with normal and altered generalized movements, there was no significant difference between the samples regarding clinical variables and time of kangaroo position. Among the babies with typical motor pattern and atypical, there was a significant difference between the number of previous pregnancies (p = 0.04), the maximum total bilirubin level (p = 0.03) and the presence of grade I intraventricular hemorrhage (p = 0.05). Conclusion: Despite the strategies offered by the Kangaroo Method, the rate of babies with generalized motor and atypical motor patterns is still high, demonstrating the importance of this type of evaluation in the follow-up of low-weight preterm infants. In addition, it was observed that the number of pregnancies and the level of bilirubin negatively influenced the motor pattern of the babies and that the presence of grade I intraventricular hemorrhage might not influence the atypical motor pattern. Therefore, it is necessary to study the generalized movements and the motor pattern of the premature babies submitted to the Kangaroo Method to evaluate the causes of these changes and the effect of this method on these outcomes.

11
  • LAYANA MARQUES DE OLIVEIRA
  • Efeitos agudos de diferentes posturas sobre o pico de fluxo de tosse e ativação eletromiográfica dos músculos respiratórios em indivíduos com distrofia muscular de Duchenne

  • Orientador : VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • MARIO EMILIO TEIXEIRA DOURADO JUNIOR
  • VERÔNICA FRANCO PARREIRA
  • Data: 27/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) é a forma mais comum de miopatia que acometem crianças do gênero masculino. Com o avançar da doença, o acometimento muscular respiratório leva à fraqueza muscular e redução da expansibilidade pulmonar e torácica, com retenção de secreções, devido à incapacidade de gerar uma tosse eficaz. Vários são os fatores que determinam a efetividade da tosse. Como a postura atua no pico de fluxo de tosse (PFT) e na atividade dos músculos respiratórios na DMD ainda não está estabelecido. Objetivo: Avaliar e comparar os efeitos agudos de diferentes posturas sobre as variações do PFT e ativação eletromiográfica dos músculos respiratórios em indivíduos com DMD versus saudáveis pareados. Métodos: Foi avaliado o PFT, o volume corrente (VC) dos compartimentos caixa torácica (caixa torácica pulmonar somada à caixa torácica abdominal) e abdome (AB), através da Pletismografia Optoeletrônica, e a ativação dos músculos respiratórios: esternocleidomastódeo (ECM), escaleno (ESC), reto abdominal (RA) e oblíquo externo (OE), através da Eletromiografia de superfície (EMGs). A avaliação foi realizada em três posições: supino, supino com a cabeceira elevada a 45o (45o)e supino com a cabeceira elevada a 80o (80o) em indivíduos com DMD, grupo Duchenne (GD), pareados com sujeitos saudáveis, grupo controle (GC). Resultados: Foram avaliados 35 indivíduos com DMD (23 excluídos), dos quais 12 sujeitos compuseram o GD sendo pareados com 12 sujeitos saudáveis, que compuseram o GC. Foi observado, um aumento significativo do PFT em 80o no GD quando comparado a posição supina (4,89 ± 2,11 vs 3,59 ± 1,59, p < 0,01), sem diferenças no GC. A análise intergrupo mostrou que o GD apresentou menores valores de PFT (p < 0,001) em comparação ao grupo controle, nas respectivas posições: supino (3,59 ± 1,91 vs 10,11 ± 4,63, p < 0,001); 45o (3,92 ± 1,59 vs 9,18 ± 4,36, p < 0,01); e 80o (4,89 ± 2,11 vs 10,35 ± 3,79, p < 0,01), respectivamente. Na fase inspiratória da tosse, foi observado um aumento do volume de ar inspirado da parede torácica (p < 0,05) na posição 80o em comparação a posição 45o do GC, sem diferenças significativas no GD. Na fase expiratória da tosse, foi observado um aumento do volume de ar inspirado (p < 0,05) em 80o comparado a posição em supino do GD, sem diferenças estatísticas no GC. Tanto o volume pulmonar inspirado e expirado da parede torácica foram maiores na posição 80o do GC (p < 0,05) em comparação a respectiva posição do GD. Durante a fase inspiratória da tosse, a análise intragrupo da EMGs demonstrou um aumento da ativação do ECM em 80o (p < 0,01) em relação à posição em supino, em ambos os grupos, e um aumento do ESC (p < 0,05) foi observado na posição 80o em relação à posição 45o, apenas no GD. A análise intergrupo mostrou uma maior ativação do ESC em 80o (p < 0,05) e do RA e o OE nas três posições (p < 0, 001) no GD em comparação as respectivas posições do GC, durante a fase inspiratória da tosse. Durante a fase expiratória, foi observada uma maior ativação do ECM na posição supino (p < 0,05) no GD em comparação a respectiva posição do GC, sem diferenças intergrupos. Nossos resultados mostram que a tosse é favorecida quanto mais ereto o posicionamento, com maior ativação dos músculos inspiratórios em indivíduos com DMD, na fase inspiratória. Enquanto nos saudáveis a postura não influenciou os valores de PFT, apenas a ativação dos músculos inspiratórios durante a fase inspiratória da tosse.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Duchenne Muscular Dystrophy (DMD) is the most common form of myopathy affecting children of the male gender. As the disease progresses, respiratory muscle involvement leads to muscle weakness and reduced lung and chest expansion, with retention of secretions, due to the inability to generate an effective cough. Several factors determine the effectiveness of coughing. Since posture acts on peak cough flow (CPF) and respiratory muscle activity in DMD is not yet established. Objective: To evaluate and compare the acute effects of different postures on CPF variations and electromyographic activation of respiratory muscles in subjects with DMD versus healthy paired subjects. Methods: CPF, tidal volume (VT) of the chest wall compartments (pulmonary thoracic cavity and the abdominal thoracic cavity) and abdomen (AB) were evaluated through Optoelectronic Plethysmography and respiratory muscle activation: sternocleidomastoid (SCM) scalene (ESC), abdominal rectus (RA) and external oblique (EO) through surface electromyography (EMGs). The evaluation was performed in three positions: supine, supine with head elevated at 45o (45o) and supine with head elevated at 80o (80o) in subjects with DMD, Duchenne group (DG), paired with healthy subjects, control group (CG). Results: 35 individuals with DMD were assessed (23 excluded), of whom 12 subjects composed the DG being paired with 12 healthy subjects, who composed the CG. It was observed a significant increase of the CPF in 80o in the DG when compared to the supine position (4.89 ± 2.11 vs 3.59 ± 1.59, p <0.01), without differences in the CG. The intergroup analysis showed that the DG presented lower CPF values (p <0.001) compared to the control group, in the respective positions: supine (3.59 ± 1.91 vs 10.11 ± 4.63, p <0.001); 45° (3.92 ± 1.59 vs 9.18 ± 4.36, p <0.01); and 80o (4.89 ± 2.11 vs 10.35 ± 3.79, p <0.01), respectively. In the inspiratory phase of cough, an increase in inspiratory air volume of the chest wall (p <0.05) at position 80o was observed compared to the 45o position of the CG, with no significant differences in the DG. In the expiratory phase of cough, an increase in inspiratory air volume (p <0.05) was observed in 80o compared to supine position of the DG, with no statistical differences in the CG. Both the inspiratory and expired chest wall volume were higher at the 80o position of the CG (p <0.05) compared to the respective DG position. During the inspiratory phase of cough, intragroup analysis of EMGs showed an increase in SCM activation by 80o (p <0.01) in relation to supine position in both groups, and an increase in ESC (p <0, 05) was observed at position 80o to position 45o, only in the GD. Intergroup analysis showed a greater activation of ESC at 80o (p <0.05) and RA and EO at the three positions (p <0.001) in the DG compared to the respective CG positions, during the inspiratory phase of the cough . During the expiratory phase, greater ECM activation was observed in the supine position (p <0.05) in the DG compared to the respective CG position, with no intergroup differences. Our results show that cough is favored the more erect the positioning, with greater activation of the inspiratory muscles in individuals with DMD in the inspiratory phase. While the healthy posture did not influence the PFT values, only the activation of the inspiratory muscles during the inspiratory phase of the cough.

12
  • ANA ALINE MARCELINO DA SILVA
  • VALORES DE REFERÊNCIA DA PRESSÃO INSPIRATÓRIA NASAL EM CRIANÇAS SAUDÁVEIS: UM ESTUDO MULTICÊNTRICO

  • Orientador : VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOCELINE CASSIA FEREZINI DE SA
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • VERÔNICA FRANCO PARREIRA
  • Data: 28/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A pressão inspiratória nasal sniff (SNIP) é um teste fácil de ser realizado, que estima a pressão esofágica e prediz a força dos músculos inspiratórios, sendo complementar às medidas das pressões máximas inspiratória e expiratória (PImáx e PEmáx, respectivamente). No Brasil, seus valores de referência para crianças ainda não foram propostos. Objetivo: Propor equações de predição da SNIP para crianças saudáveis brasileiras e determinar os valores de referência para essa população. Métodos: Estudo multicêntrico (Natal, Recife e Belo Horizonte), transversal observacional, onde foram avaliadas crianças saudáveis de 6 a 12 anos de idade incompletos, de ambos os sexos. Foram estratificadas em três subgrupos (6-7, 8-9, 10-11 anos) dentro de cada sexo. Todos realizaram após anamnese com avaliação sociodemográfica e antropométrica (percentil), a prova de espirometria, seguida da mensuração das forças dos músculos respiratórios, composta por PImáx (Capacidade Residual Funcional (CRF) e Volume Residual (VR)), PEmáx e SNIP. Por fim, dois testes de caminhada de 6 minutos (TC6M) foram feitos a fim de avaliar a capacidade de exercício funcional. Análise estatística: Utilizamos o teste de Kolmogorov-Smirnov para normalidade dos dados, e o teste t para testar as relações intergrupos e ANOVA one-way para análises intragrupos. A análise de regressão linear foi utilizada para a obtenção de equações preditivas para as variáveis independentes que se correlacionarem com a pressão inspiratória nasal. Resultados: Foram avaliadas 135 crianças no centro de Natal, das quais 118 foram incluídas no estudo. As meninas alcançaram valores da SNIP ligeiramente superiores  aos meninos (91,3 ± 21,2 cmH2O vs 89,4 ± 19,6 cmH2O), mas sem significância estatística. Enquanto que os valores de PImáxCRF, PImáxVR e PEmáx foram significantemente maiores no sexo masculino (p=0,03, p=0,009 e p=0,02, respectivamente). Em meninos, a SNIP correlacionou-se de forma positiva com altura (cm) (r=0,25), enquanto que em meninas, com peso e percentil (r=0,23; r=0,27)  respectivamente). Assim, foram geradas as seguintes equações para o sexo masculino e feminino, respectivamente: SNIP= 21,257 + 0,497 * alturacm; SNIP= 72,122 + 0,230 * pesokg + 0,167 * percentil. Conclusões: De acordo com o que foi encontrado a partir da regressão linear, as variáveis que influenciaram a SNIP em meninas foram peso e percentil, e nos meninos apenas a altura, resultados estes encontrados para crianças saudáveis brasileiras da cidade de Natal.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: The sniff nasal inspiratory pressure (SNIP) is an easy to perform test that estimates esophageal pressure and predicts inspiratory muscle strength, being complementary to maximal inspiratory and expiratory pressure measurements (MIP and MEP, respectively). In Brazil, its reference values for children have not yet been proposed. Objective: To propose SNIP prediction equations for healthy Brazilian children and determine the reference values for this population. Methods: A multicenter (Natal, Recife e Belo Horizonte), cross-sectional observational study was carried out to evaluate healthy children 6 to 12 years of age incomplete, of both sexes. They were stratified into three subgroups (6-7, 8-9, 10-11 years) within each sex. All performed after anamnesis with sociodemographic and anthropometric evaluation (percentile), the spirometry test, followed by the measurement of respiratory muscle strengths, composed of MIP (Functional Residual Capacity (FRC) and Residual Volume (RV)), MEP and SNIP. Finally, two 6-minute walk tests (6MWT) were performed to assess functional exercise capacity. Statistical analysis: We used the Kolmogorov-Smirnov test for normality of the data, and the t test to test the intergroup relations and one-way ANOVA for intragroup analyzes. Linear regression analysis was used to obtain predictive equations for the independent variables that correlate with nasal inspiratory pressure. Results: A total of 135 children were evaluated in the Natal center, of which 118 were included in the study. Girls achieved slightly higher SNIP values in boys (91.3 ± 21.2 vs 89.4 ± 19.6), but without statistical significance. While the values of MIPFRC, MIPVR and MEP were significantly higher in males (p = 0.039, p = 0.009 and p = 0.025, respectively). In boys, the SNIP correlated positively with height (cm) (r = 0.254)., while in girls, with weight and percentile (r = 0.233, r = 0.276) respectively. Thus, the following equations were generated for the male and female, respectively: SNIP = 21,257 + 0,497 * heightcm; SNIP = 72.12% + 0.230 * weightkg + 0.167 * percentile. Conclusions: According to what was found from linear regression, the variables that influenced SNIP in girls were weight and percentile, and in boys only height, results found for healthy Brazilian children in the city of Natal.

13
  • RONNIE PETERSON ANDRADE DE SOUSA
  • COMPARAÇÃO DA POSTURA CORPORAL NOS JOGOS DE DARDOS REAL E VIRTUAL EM PACIENTES PÓS ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

  • Orientador : TANIA FERNANDES CAMPOS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • TANIA FERNANDES CAMPOS
  • ALINE BRAGA GALVAO SILVEIRA FERNANDES
  • LUCIANA PROTASIO DE MELO
  • Data: 28/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O Acidente Vascular Cerebral (AVC) tem se apresentado com grande incidência, ocupando na atualidade o segundo lugar em mortalidade. Grande parte dos sobreviventes apresentam relevantes limitações funcionais nos membros superiores, mesmo após um programa de reabilitação intenso e prolongado.  Diante deste quadro, a realidade virtual vem sendo cada vez mais utilizada na Neurorreabilitação, porém as evidências sobre a influência desse treinamento sobre o padrão corporal dos pacientes acometidos pelo AVC ainda são escassas. Objetivo: Comparar o padrão corporal na preparação e execução dos jogos de dados real e virtual em pacientes com AVC. Metodologia: A amostra foi composta por 8 indivíduos hemiparéticos, com idade entre 42-62 anos e tempo de lesão de seis meses a três anos. O jogo de dardos virtual foi realizado no XBOX 360 Kinect e o real no jogo de dado profissional, onde os participantes realizaram 15 tentativas de cada jogo. Durante a preparação e execução dos jogos, os pacientes foram filmados e análise cinemática do membro superior e tronco foi realizada pelo Software Kinovea. A análise estatística foi realizada  através do teste Qui-quadrado, a fim de realizar a comparação da frequência percentual de pacientes que realizaram a posição neutra, anterior e posterior da cabeça, ombro e tronco nos jogos virtual e real. Resultados: Houve uma predominância da anteriorização da cabeça em indivíduos com comprometimento do lado direito, na preparação e execução, em ambos os jogos. Entre os indivíduos com comprometimento do lado esquerdo o jogo virtual apresentou maiores valores para anteriorização da cabeça (p<0,001) e a cabeça na posição neutra (p<0,001), na preparação. Já na execução, a anteriorização da cabeça no jogo real foi superior (p<0,001) e o jogo virtual proporcionou mais posteriorização da cabeça (p < 0,001) e na posição neutra (p < 0,001). Ambos os jogos apresentaram um padrão de posteriorização do tronco e do ombro, para os indivíduos com comprometimento do lado direito e esquerdo, na preparação e um padrão anteriorizado dos mesmos na execução. Os resultados serão discutidos levando-se em consideração a decisão de incluir jogos de dardos real e virtual na neurorreabilitação de pacientes com AVC.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Sroke has been presenting with great incidence, occupying the second place in mortality. Most survivors have significant functional limitations in the upper limbs, even after an intense and prolonged rehabilitation program. In view of this situation, virtual reality has been increasingly used in Neurorehabilitation, but the evidence on the influence of this training on the body pattern of patients affected by stroke is still scarce. Objective: To compare the body standard in the preparation and execution of real and virtual data games in stroke patients. Method: The sample consisted of 8 hemiparetic individuals, aged 42-62 years and injury time from six months to three years. The virtual darts game was held in the XBOX 360 Kinect and the actual in the professional darts game, where participants performed 15 attempts of each game. During the preparation and execution of the games, the patients were filmed and kinematic analysis of the head, shoulder and trunk was performed by Kinovea Software. Statistical analysis was performed using the chi-square test, in order to compare the percentage frequency of patients who performed the neutral, anterior and posterior position of the head, shoulder and trunk in the virtual and real games. Results: There was a predominance of head anteriorization in individuals with right-hand impairment, in the preparation and execution, in both games. Among individuals with left-sided impairment, the virtual play had higher values for head anteriority (p <0.001) and head in the neutral position (p <0.001) in the preparation. In the execution, head anteriority  in the real game was higher (p <0.001) and the virtual game provided more posterior position of the head (p <0.001) and in the neutral position (p <0.001). Both games presented a trunk and shoulder posteriorisation pattern for individuals with left and right impairment in the preparation and the same pattern in the execution. The results will be discussed taking into account the decision to include real and virtual darts in neurorehabilitation of stroke patients.

14
  • LÍVIA OLIVEIRA BEZERRA
  • AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA EFICÁCIA DO TREINAMENTO DA MUSCULATURA DO ASSOALHO PÉLVICO E DA GAMETERAPIA NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA MISTA: Ensaio clínico randomizado.

  • Orientador : MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA GOMES MAGALHAES
  • GABRIELA MARINI PRATA
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • Data: 26/03/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A incontinência urinária é definida como qualquer perda involuntária de urina, seu tratamento pode ser cirúrgico ou conservador. A abordagem cirúrgica envolve procedimentos invasivos e que podem acarretar em complicações. Desse modo, os tratamentos conservadores têm seu interesse aumentado e os programas de reabilitação dos músculos do assoalho pélvico são a primeira opção de intervenção. Objetivo: Comparar a eficácia do treinamento da musculatura do assoalho pélvico e da gameterapia no tratamento da incontinência urinária mista. Metodologia: Estudo do tipo ensaio clínico, randomizado e cego, realizado no Hospital Universitário Onofre Lopes. Participaram do estudo 32 mulheres com idade entre 45 até 70 anos, com diagnóstico de incontinência urinária mista, divididas de forma randomizada em dois grupos: Grupo Treinamento da Musculatura do Assoalho Pélvico (GTMAP–n=16) e Grupo Gameterapia (GG–n=16). As participantes foram avaliadas antes da intervenção e com oito semanas após, quanto à funcionalidade dos músculos do assoalho pélvico: força muscular (por meio da escala modificada de Oxford) e pressão muscular (por meio da manometria); quantidade e grau de perda urinária (por meio do pad-test); classificação da perda urinária (por meio do International Consultation on Incontinence Questionnaire - Short Form ICIQ-SF); e a avaliação da intervenção (por meio do Patient Global Impression of Improvement- PGI-I). Os dados da amostra foram analisados através do software estatístico SPSS (versão 20.0). O teste de Komolgorov-Smirnov foi utilizado para testar a normalidade dos dados, e o de Levene, para analisar a homogeneidade das variâncias. A estatística descritiva foi utilizada para apresentação das médias, desvio padrão e porcentagens dos dados. De acordo com a distribuição dos dados, foi realizada uma análise de variância mista (ANOVA Two-Way), seguido do post-hoc de Tukey. Foram analisadas a interação tempo-grupo e as diferenças inter e intragrupos para as variáveis estudadas. A esfericidade foi testada por meio do teste de Mauchly, e caso violada, a correção de Greenhouse-Geisser foi utilizada. Resultados: A média de idade da amostra foi de 50,12 (± 8,62) no GTMAP e 54,43 (± 9,96) no GG, a maior parte possuía o ensino fundamental completo. Todas as voluntárias tinham filhos, não apresentavam ciclo menstruais regulares, eram ativas sexualmente e apresentavam-se com sobrepeso. Não houve interação tempo-grupo nem diferença estatisticamente significativa intergrupo na manometria (p=0,871), pad-test 1h (p=0,740) e no ICIQ-SF (p=0,053) quando comparado os dois tratamentos. Foi observado diferenças intragrupo em todas essas variáveis citadas acima após o final da intervenção. Conclusão: Ambos os tratamentos se mostraram eficazes quanto à melhora da pressão dos músculos do assoalho pélvico, das perdas urinárias e do impacto da IU na qualidade de vida, demonstrando ser efetivo para a população estudada.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Urinary incontinence is defined as any involuntary loss of urine; your treatment may be surgical or conservative. The surgical approach involves invasive procedures that can lead to complications. Thus, conservative treatments are of increased interest, and pelvic floor muscle rehabilitation programs are the first intervention option. Objective: To compare the efficacy of pelvic floor muscle training and game therapy in the treatment of mixed urinary incontinence. Methods: A randomized, blind clinical trial, conducted at the Hospital Universitário Onofre Lopes. A total of 32 women aged 45 to 70 years with the diagnosis of mixed urinary incontinence were randomly divided into two groups: Pelvic Floor Muscle Training Group (PFMTG - n = 16) and Game Therapy Group (GG - n = 16). Participants were assessed before the intervention and eight weeks after, in relation to the functionality of the pelvic floor muscles: muscle strength (measured by modified Oxford scale) and muscle pressure (measured by manometry); amount and degree of urinary loss (measured by the Pad test); classification of urinary loss (measured by the International Consultation on Incontinence Questionnaire - ICIQ-SF Short Form); and the evaluation of the intervention (measured by the Patient Global Impression of Improvement - PGI-I). The sample data were analyzed using the statistical software SPSS (version 20.0). The Komolgorov-Smirnov test was used to test the normality of the data, and Levene Test, to analyze the variance homogeneity. The descriptive statistics were used to present the means, standard deviation and percentages of the data. According to the data distribution, a mixed-variance analysis (ANOVA Two-Way) was performed, followed by Tukey post-hoc. The time-group interaction and inter and intragroup differences were analyzed for the studied variables. Sphericity was tested using the Mauchly test, and if violated, the Greenhouse-Geisser correction was used. Results: The mean age of the sample was 50.12 (± 8.62) in the PFMTG and 54.43 (± 9.96) in the GG, most of whom had completed elementary education. All volunteers had children, had no regular menstrual cycles, were sexually active, and were overweight. There was no intergroup-time interaction or statistically significant intergroup difference in manometry (p = 0.871), pad-test 1h (p = 0.740) and ICIQ-SF (p = 0.053) when comparing the two treatments. Intragroup differences were observed in these variables mentioned above after the end of the intervention. Conclusion: Both treatments proved to be effective for the treatment of mixed urinary incontinence in the study population.

     

15
  • RONAN ROMENO VARELA DE MELO
  • Altas intensidades de alongamento aumentam a ADM sem alterar o desempenho funcional de atletas amadores de futebol.

  • Orientador : WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • TULIO OLIVEIRA DE SOUZA
  • JOSÉ JAMACY DE ALMEIDA FERREIRA
  • Data: 11/04/2018

  • Mostrar Resumo
  • Objetivos: Verificar os efeitos de diferentes intensidades de alongamento passivo estático (APE) na ADM, torque passivo e desempenho funcional em atletas amadores de futebol. Métodos: 41 sujeitos do sexo masculino, atletas de futebol, divididos aleatoriamente em 4 grupos: Grupo Controle (GC), Grupo Alongamento na zona de conforto (GAC), Grupo Desconforto (GDES) e Grupo Dor (GDOR). Foram realizadas 10 sessões, divididas em 3 sessões semanais, com 3 manobras de 30 s, com diferentes intensidades estabelecidas a partir da PERFLEX. Avaliações de ADM de extensão de joelho e flexão do quadril do membro inferior não dominante, de forma passiva e ativa (EAJ, EPJ, FAQ e FPQ), pico de torque passivo (TP), ADM de pico de TP (ADM TP), estresse de relaxamento viscoelástico (SRV) e shuttle run test, realizadas antes e imediatamente após a 1ª e 48h após a última sessão.. Resultados: GDOR e GDES apresentaram aumentos nas variáveis de EAJ (+8,17±1,8;+7,1±2,7%;p<0,001), EPJ (+8,6±2,1; +6,2±2,8%; p<0,001), FAQ (+10,3 ± 3,2; +10,8 ± 5,8%; p<0,001 e p=0,031) e FPQ (+11,7±3,6; +8,9±6,4%; p<0,0001) no momento 48 h após a 10ª sessão, porém, não apresentaram diferenças entre eles. Não houve diferenças nas variáveis de TP, ADM TP, SRV e shuttle run test em nenhum dos momentos avaliados. Conclusões: Dor e Desconforto melhoram a ADM sem interferir negativamente no desempenho funcional de atletas amadores de futebol. As melhorias na ADM podem está relacionadas ao aumento da tolerância ao alongamento em vez de modificações do TP.


  • Mostrar Abstract
  • Objectives: To verify the effects of different intensities of static passive stretching (SPS) on ROM, passive torque and functional performance in amateur soccer players. Methods:  41 male subjects, soccer players, randomly divided into 4 groups: Control Group (CG), Comfort Zone Stretching Group (GAC), Discomfort Group (GDES) and Pain Group (GDOR). Ten sessions were performed, divided in 3 weekly sessions, with 3 maneuvers of 30 s, with different intensities established from PERFLEX. ADM evaluations of knee extension andhip flexion of non-dominant  lower limbs, passive and active (KAE, KPE, HAF and HPF), passive peak torque (PT), PT peak ROM (ROM TP),  viscoelastic relaxation stress (SRV) and shuttle run test, performed before and immediately after the first session, and 48h after the last session. Results: GDOR and GDES presented increases in KAE variables (+ 8.17 ± 1.8, + 7.1 ± 2.7%, p <0.001), KPE (+ 8.6 ± 2.1, +6, (P <0.001, p <0.001), HAF (+10.3 ± 3.2, +10.8 ± 5.8%, p <0.001 and p = 0.031) and HPF (+ 11.7 ± 3, 6, + 8.9 ± 6.4%, p <0.0001) at the 48th hour after the 10th session, however, did not present any differences between them. There were no differences in the variables of TP, ROM TP, SRV and shuttle run test in any of the evaluated moments. Conclusions: Pain and discomfort improve ROM without negatively interfering with the functional performance of soccer amateur athletes. Improvements in ROM may be related to increased elongation tolerance rather than changes in PT.

16
  • BRUNO HENRIQUE FERREIRA DA SILVA
  • ANÁLISE DO PERFIL, ÍNDICES DE SONOLÊNCIA E QUALIDADE DE SONO EM PACIENTES COM CARDIOPATIAS
     


     


  • Orientador : SELMA SOUSA BRUNO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SELMA SOUSA BRUNO
  • ROSIANE VIANA ZUZA DINIZ
  • THALITA MEDEIROS FERNANDES DE MACEDO LINS
  • Data: 20/04/2018

  • Mostrar Resumo
  •  

    Fundamentos: As desordens e alterações do sono são consideradas por impactar negativamente no curso das doenças cardiovasculares, podendo contribuir para piora das arritmias cardíacas noturnas. Sua investigação é essencial no acompanhamento clínico das cardiopatias, entretanto, há poucos estudos documentando as alterações/desordens e analisando os fatores associados.

    Objetivos: Analisar o perfil e a qualidade do sono, sonolência excessiva e a gravidade de insônia em diferentes grupos de cardiopatias e relacionar aos fatores associados

    Métodos: Duzentos e sete pacientes (57,27±13,41 anos), de ambos os sexos, com cardiopatia diagnosticada e em tratamento nos Ambulatórios de Cardiologia-HUOL/UFRN, foram avaliados de abril a setembro de 2017. Foram analisados de acordo com os grupos de cardiopatias (Insuficiência Cardíaca, Arritmia, Coronariopatia e Combinadas) e Hipertensão Arterial Sistêmica, e avaliados subjetivamente por quatro questionários quanto à qualidade do sono pelo Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (PSQI), sonolência excessiva diurna (SED), índice de gravidade de insônia (IGI) e risco para desenvolvimento de síndrome da apneia obstrutiva do sono, além de dados sociodemográficos e fatores clínicos associados à doença cardíaca. Os dados dessa análise foram apresentados no formato de artigo a ser submetido aos Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Acrescido a esse manuscrito, resumos científicos foram desenvolvidos e expostos em congressos e, ainda, foi realizada educação em saúde por meio de orientações em cartilha estruturada sobre higiene do sono e melhora da qualidade do sono em cardiopatas para os participantes do estudo.

    Resultados: 106 mulheres e 101 homens foram avaliados, dos quais 65,7% dos pacientes eram pobres dormidores; o tempo médio de sono/noite foi 396 minutos. Entre os grupos, não houve diferenças significativas na PSQI (p=0,362), SED (p=0,644) e IGI (p=0,085). Há correlação entre o índice de massa corpórea e as variáveis PSQI (r=0,133; p=0,05), SED (r=0,160; p=0,02) e IGI (r=0,189; p=0,01). Um modelo de regressão logística mostrou associações significativas entre o PSQI e os fatores hipertensão, obesidade, dislipidemia, sedentarismo, tabagismo e etilismo, onde a obesidade (p=0,050; β=2,365; IC=1,00-5,61), o sedentarismo (p=0,038; β=1,938; IC=1,04-3,62) e o tabagismo (p=0,010; β=2,222; IC=1,21-4,08) determinam piores índices de qualidade de sono entre os pacientes. Além disso, os participantes do estudo foram orientados quanto à higiene do sono e à melhora da qualidade do sono voltada para as doenças cardíacas, sendo uma ação de promoção à saúde desses sujeitos.

    Conclusão: Pacientes com cardiopatia apresentam pobre qualidade de sono com sonolência excessiva e algum grau de insônia, independente da doença cardíaca e medidas de educação em saúde vinculadas ao sono de boa qualidade devam ser instigadas a fim de melhorar o seguimento e acompanhamento das cardiopatias.



  • Mostrar Abstract
  •  

    Background: Sleep disorders can be considered a negative impact on the cardiovascular diseases and could contribute for worsening nocturnal cardiac arrhytmias. Investigation about this, is essential in the heart diseases clinical follow-up, however, there are few studies documeting this disorders and analyzing the associated factors.

    Objectives: To analyze the profile and sleep quality, excessive sleepiness and insomnia gravity in diferente groups of heart disease and to associate with related factors.

    Methods: Two hundred seven patients (57,27±13,41 years), of both genders, with previous heart disease diagnosis and assisted by Cardiologia Ambulatory-HUOL/UFRN, were evaluated at 2017 April to September. They were analyzed according harte disease groups (Insuficiência Cardíaca, Arritmia, Coronariopatia, Combinadas),  and Hipertensão Arterial Sistêmica, and they were subjectively evaluated by four questionnaires for sleep quality by Pittsburgh Sleep Quality Index (PSQI), excessive daytime sleepiness (SED), Insomnia Severity Index (IGI) and risk for developing sleep obstructive apnoea syndrome, in addition to sociodemographic data and clinical factors associated with heart disease. Data analysis were structured in Arquivos Brasileiros de Cardiologia article format. Furthermore, cientific abstracts were developed and exposed in cientific congress and yet healthy orientations were given by structured guideline about sleep hygiene and sleep quality improvement in people with heart disease who participated in the study.

    Results: 106 women and 101 men were evaluated, of which 65,7% of the patients were poor sleepers; the mean sleep time/night was 396 minutes. Between the groups, there were no significant differences in PSQI (p=0,362), SED (p=0,644) and IGI (p=0,085). There were correlation between the body mass index and variables PSQI (r= 0,133; p=0,05), SED (r=0,160; p=0,02) and IGI (r=0,189; p=0,01). A logistic regression model showed significant association between PSQI and associated factors (hypertension, obesity, dyslipidemia, sedentary lifestyle, smoking e alcoholism), in which presence of obesity (p=0,050; β=2,365; IC=1,00-5,61), sedentary lifestyle (p=0,038; β=1,938; IC=1,04-3,62) and smoking (p=0,010; β=2,222; IC=1,21-4,08) determined worse sleep quality in this patients. In addiction, participants were oriented about sleep hygiene and sleep quality improvement in people with heart disease as an action to promote good health.

    Conclusion: Patiens with heart disease have poor sleep quality with excessive sleepiness and some degree of insomnia, indepedently of cardiac disease, and health education politics linked to good sleep quality should be instigated to improve the heart disease follow up.

     

     
     


17
  • ISAÍRA ALMEIDA PEREIRA DA SILVA NASCIMENTO
  • Efeitos do treinamento da prática mental associada à prática física na marcha em indivíduos com doença de Parkinson: protocolo para ensaio clínico randomizado

  • Orientador : ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA CARLA COSTA RIBEIRO CLEMENTINO
  • ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • CLECIO DE OLIVEIRA GODEIRO JUNIOR
  • Data: 07/06/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A prática mental (PM) é considerada uma estratégia cognitiva que possibilita o treino mental sequencial de uma dada tarefa motora, sem que haja sua execução física. Esta prática vem sendo usada na reabilitação de vários tipos de desordens neurológicas e tem mostrado efeitos positivos no planejamento e na aprendizagem motora. Indivíduos com Doença de Parkinson (DP), em geral, apresentam alterações neurofisiológicas, motoras e cognitivas, uma vez que, com a progressão da doença, necessitam de estratégias externas para auxiliar na organização neuronal e motora. A PM tem se mostrado como uma dessas estratégias, porém, ainda não há na literatura evidências claras sobre sua real aplicabilidade em indivíduos com DP. Com isso, tem surgido a necessidade de criar protocolos de treinamento eficazes e completos, a fim de direcionar e introduzir as melhores abordagens terapêuticas na prática clínica para otimizar o processo de reabilitação de indivíduos com DP. Objetivo: Elaborar um protocolo de treinamento de PM associada à PF na marcha e verificar sua adequação e aplicabilidade em indivíduos com DP. Métodos: Trata-se de um ensaio clínico controlado, randomizado, simples-cego, com 40 indivíduos com DP, entre 45 e 75 anos, sem déficit cognitivo, na fase leve a moderada da doença e com capacidade de gerar imagem mental. Todos os participantes serão avaliados quanto ao nível cognitivo, nível de incapacidade física, nitidez da imagem mental, mobilidade e variáveis cinemáticas da marcha (espaços temporais e angulares). Os participantes serão distribuídos aleatoriamente em grupo experimental (GE) e grupo controle (GC). O GE realizará a prática mental e a prática física da marcha, enquanto o GC realizará apenas a prática física da marcha. Serão realizadas 12 sessões de treinamento de, no máximo, 1 hora cada, 3 vezes por semana, durante 4 semanas. Os pacientes serão reavaliados um dia e sete dias após a última sessão de treinamento, no que diz respeito as variáveis cinemáticas da marcha e a mobilidade. A normalidade na distribuição dos dados será verificada por meio do teste Shapiro-Wilk. Uma ANOVA para medidas repetidas (2x3) verificará a interação entre os grupos nos momentos observados. Resultados: Nos achados preliminares não houve diferenças significativas entre os grupos. Foi observada diferença intragrupo (GE) com relação ao tempo total de apoio e balanço, tempo de duplo suporte, tempo de apoio e balanço do membro mais acometido. Conclusão: O protocolo inicial de PM associada à PF na marcha de indivíduos com DP não se mostrou viável.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: The mental practice (MP) is a cognitive strategy that enable serial mental training of a motor task without its physical implementation. This practice has been applied in a sort of neurological disorders rehabilitation and it has been revealed positive effects in planning and motor learning. Generally, individuals with Parkinson Disease (PD) show neurophysiological, motor and cognitive alterations since the disease progression makes necessary external strategies to assist the neuronal and motor organization. One of those strategies is the MP although there are no clear evidences in the literature about its applicability in PD patients yet. Therefore, the need arose to create protocols of effective and comprehensive trainings to direct and to introduce the best therapeutic approaches in clinical practice to optimize the PD patients’ rehabilitation process. Objective: To elaborate a MP training protocol associated with physical practice (PP) of gait on soil. In addition, to verify its appropriateness and applicability in PD individuals. Methods: It is a controlled, randomized and single blind clinic trial with 40 PD patients aged between 45 and 75 years, which have no cognitive deficit diagnosed, they are at a light to moderate stage of the disease and have the capacity to generate mental image. All participants will be evaluated by their cognitive level, physical disability level, mental image clarity, mobility and kinematic variables of gait on soil (spatiotemporal and angled). The individuals will be randomly distributed into experimental group (EG) and control group (CG). The EG will perform mental practice and physical practice of gate on soil. There will be held 12 training sessions of 1 hour in duration each, 3 times a week for 4 weeks. Then, one and seven days after the last training session, the patients will be revaluated by the kinematic variables of gait and mobility. Data analysis will be verified using Shapiro-Wilk. A ANOVA 2x3 repeated measures will analyse the interaction between the groups at some moments of observation. Results: The preliminary results reveal no significant differences between those groups. However, there is an intragroup (EG) difference about the support and swing total time of the most affected limb. Conclusion: The original protocol of MP associated with PP on PD individuals’ gait training demonstrated to be unfeasible.

18
  • IDALIANA FAGUNDES DE SOUZA
  • Ativação cortical e desempenho funcional de idosos saudáveis submetidos a uma dupla tarefa.

  • Orientador : FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • THAIZA TEIXEIRA XAVIER NOBRE
  • KLIGER KISSINGER FERNANDES ROCHA
  • Data: 15/06/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Nas atividades diárias, os indivíduos precisam realizar tarefas simultâneas, como andar e observar os obstáculos, prevenindo acidentes. No entanto, achados morfológicos em idosos apresentaram redução da substância cinzenta no lobo frontal, região esta, necessária durante a execução de tarefas que exigem a função executiva, primordial na atividade com Dupla Tarefa (DT). O eletroencefalograma (EEG) é utilizado para observação da dinâmica cerebral através da captura do fluxo elétrico. Este fluxo se relaciona à ativação de determinadas áreas cerebrais responsáveis por funções específicas. Tendo em mente tal relação, o treino com DT é uma importante ferramenta para ganhos motores e cognitivos em idosos. Contudo, estudos que demonstram os padrões cerebrais no desempenho DT são escassos. Deste modo, torna-se relevante a investigação de como a DT pode influenciar o padrão de ativação cerebral em idosos. Metodologia: Estudo observacional descritivo do tipo transversal, onde foram investigados 23 indivíduos entre 65 e 75 anos. Os sujeitos foram submetidos a uma atividade de DT por meio do Teste de Deambulação Funcional (TDF), fazendo uso do Emotiv EPOC para análise eletroencefalográfica, afim de observar a ativação cortical no desempenho da DT. Análise Estatística: Os dados foram tabulados através do pacote de dados SPSS-20. A análise foi realizada através dos valores de média, desvio padrão e frequência. Após a aplicação do teste de Shapiro-Wilk para análise da normalidade da amostra, os dados seguiram para análise estatística inferencial, do qual foi aplicado o teste t de Student e de Mann-Whitney, para abordagem paramétrica e não paramétrica, respectivamente. Enquanto que na análise de correlação utilizou-se o teste de Pearson e Spearman. Resultados: A média do tempo de duração do TDF1 foi de 106,11 seg +_72,88. Houve correlação significante do tempo TDF com a idade (p=<0,001; r= 0,49) e com MEEM (p<0,05; r=- 0,47). A análise comparativa entre os espectros de ondas alfa e beta evidenciou potenciais de magnitude discretamente maior na banda de frequência alfa (p=<0,001). Os canais das áreas corticais executivas foram os mais ativados. Conclusão: Os dados obtidos apontam que a DT ativou mais as áreas motoras que contribuem para as funções executivas em detrimento das demais áreas corticais. 


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: In daily tasks the individuals need to perform simultaneous tasks such as walking and watching for obstacles, preventing accidents. However, morphological findings in elderly demonstrated a reduction in the gray matter of the frontal lobe, an important region for the execution of tasks that requires the executive function, like dual task performance. The electroencephalogram is used in the observation of brain dynamics by the capture of electrical flux. This flux is related to the activation of specific brain areas, responsible for specific functions. Bearing in mind this relationship, it can be said that the dual task training is an important tool to obtain motor and cognitive gains in elderly. Nevertheless, studies that demonstrate the brain patterns during the dual task performance are scarce. Thus, it is relevant to deploy an investigation of how the dual task performance can influence the brain activation pattern in elderly. Methodology: descritive observational study of transversal type, where 23 individuals between 65 and 75 years old were investigated. The subjects were submitted to a dual task activity through the Functional Ambulation Test, using the Emotiv EPOC for electroencephalographical analysis to observe the cortical activation during the dual task. Statistical analysis: the data were prepared by the statistical software SPSS-20. The analysis was made by the calculation of average, standard deviation and frequency. After the application of Shapiro-Wilk test – to verify the data normality – the data was submitted into the inferential statistical analysis under the Student T-test and Mann-Whitney, for parametrical and non-parametrical approaches, respectively. In correlation analysis, it was used the Pearson and Spearman tests.

    Results: the duration of TDF1 test has average of 106.11±72.88 seconds. There was found a significant positive correlation between the TDF time and the age (p=<0,001; r= 0,49) and with MEEM (p<0,05; r=- 0,47). The comparative analysis between alpha and beta wave spectra highlighted slightly higher potentials in alpha frequency band (p=<0,001). The channels of cortical areas were the most activated ones. Conclusion: The obtained data points toward the fact that the dual task performance activated more the motor areas that contributes to executive functions to the detriment of the other cortical areas.

19
  • VINÍCIUS VIEIRA DE ALENCAR CALDAS
  • CRIOTERAPIA COMBINADA A ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA TRANSCUTÂNEA DE BAIXA FREQUÊNCIA (BURST) EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA NÃO ESPECÍFICA: ENSAIO CLÍNICO CONTROLADO, RANDOMIZADO E CEGO

  • Orientador : WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RICHARD ELOIN LIEBANO
  • TULIO OLIVEIRA DE SOUZA
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • Data: 18/06/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A dor lombar crônica (DLC) é definida por dor persistente ocorrendo na maioria dos dias e que permanece por mais de 3 meses. Muitas condições patológicas podem ocasionar o surgimento dessa dor, porém a grande maioria dos casos de DLC não apresentam alterações anatomopatológicas ou radiológicas. Dentre os recursos não farmacológicos para o tratamento deste distúrbio há os recursos eletrofísicos, como por exemplo, a Crioterapia e a Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea (TENS) no modo Burst. Objetivo: Observar a influência da combinação: Crioterapia e TENS Burst na sensação dolorosa, capacidade funcional e qualidade de vida de pacientes com dor lombar crônica não específica. Materiais e métodos: Trata-se de um ensaio clínico controlado, randomizado e cego, realizado no Hospital Universitário Onofre Lopes. Participaram do estudo 44 indivíduos de ambos os sexos, divididos aleatoriamente em quatro grupos: grupo controle-placebo (gCP), grupo Crioterapia (gCrio), grupo TENS-Burst (gTENSb) e Crioterapia + TENS Burst (gCrioTENSb). Todos os sujeitos foram submetidos às medidas de avaliação da: Dor por meio da Escala Visual Analógica (EVA) e limiar de dor por pressão pelo Algômetro; Capacidade funcional pelo questionário de Roland-Morris (RM) e o Teste de sentar e levantar; Qualidade de vida pelo questionário SF 36; além da sensação de prazer/desprazer da intervenção pela Felling Scale. A dor foi avaliada antes e imediatamente após a primeira sessão, após a semana 1,  Semana 2, semana 3 e após 48 h da semana 3 do protocolo.  A capacidade funcional e qualidade de vida foram avaliadas antes e 48h após o fim do protocolo, nesse ultimo dia de avaliação também foi avaliada a sensação prazer/desprazer. O protocolo de intervenção foi de 40 minutos, sendo 10 minutos de educação sobre a doença e 30 minutos de intervenção: Crioterapia, TENS placebo ou Burst, ou a combinação dos recursos dependendo do grupo alocado. Os dados foram analisados através do software estatístico SPSS 20.0 atribuindo-se o nível de significância de 5% e apresentado em média e desvio padrão. O teste de Kolmogorov-Smirnov foi utilizado para testar a normalidade dos dados. Como os dados apresentaram distribuição normal, foi realizado o teste ANOVA one-way para avaliação da linha de base entre os grupos (dados iniciais) e a feeling scale, ANOVA mista entre os quatro grupos estudados ANOVA (gCP, gCrio, gTENSb e gCrioTENSb) nas duas avaliações. A ANOVA de medidas repetidas para a sensação dolorosa, temperatura da pele e intensidade da estimulação elétrica. Resultados: Não houve diferença estatística entre os grupos na EVA, Limiar de dor por pressão, RM, teste sentar e levantar, SF-26 e Felling Scale (p>0,05). Conclusão: Este estudo mostrou que todos os grupos obtiveram melhora: da dor imediatamente após a primeira sessão e pós o protocolo de tratamento, da capacidade funcional, domínios da qualidade de vida e felling scale pós o protocolo de tratamento sem diferença entre os grupos em pacientes com DLC não específica.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Chronic low back pain (DLC) is defined by persistent pain occurring on most days and staying for more than 3 months. Many pathological conditions may lead to the onset of this pain, but the vast majority of DLC cases do not present anatomopathological or radiological alterations. Among the non-pharmacological resources for the treatment of this disorder are electrophysiological resources, such as Cryotherapy and Transcutaneous Electrical Nerve Stimulation (TENS) in Burst mode. Objective: To observe the influence of the combination: Cryotherapy and TENS Burst on the pain sensation, functional capacity and quality of life of patients with chronic nonspecific low back pain. Materials and methods: This is a randomized, blinded, controlled clinical trial conducted at Hospital Universitário Onofre Lopes. Fourty-four individuals of both sexes were randomly divided into four groups: control-placebo group (gCP), cryotherapy group (gCrio), TENS-Burst group (gTENSb) and cryotherapy + TENS Burst (gCrioTENSb). All the subjects were submitted to the measures of evaluation of: Pain through the Visual Analogue Scale (EVA) and pain threshold by pressure by the Algometer; Functional ability by the questionnaire  Roland-Morris and the sit-up test; Quality of life through questionnaire SF 36; besides the feeling of pleasure / displeasure of the intervention by Felling Scale. Pain was assessed before and immediately after the first session, after week 1, week 2, week 3 and after 48 h of week 3 of the protocol. The functional capacity and quality of life were evaluated before and 48h after the end of the protocol, on the last day of evaluation the pleasure / displeasure sensation was also evaluated. The intervention protocol was 40 minutes, being 10 minutes of education about the disease and 30 minutes of intervention: Cryotherapy, TENS, placebo or Burst, or the combination of resources depending on the group allocated. Data were analyzed using the statistical software SPSS 20.0, assigned the level of significance of 5% and presented in mean and standard deviation. The Kolmogorov-Smirnov test was used to test the normality of the data. As the data presented a normal distribution, the one-way ANOVA test was used to evaluate baseline between groups (initial data) and feeling scale, mixed ANOVA among the four groups studied ANOVA (gCP, gCrio, gTENSb and gCrioTENSb) in both evaluations. The ANOVA of repeated measures for pain sensation, skin temperature and intensity of electrical stimulation. Results: There was no statistical difference between the groups on VAS, pressure pain threshold, MRI, sit-up test, SF-26 and Felling Scale (p> 0.05). Conclusion: This study showed that all groups achieved improvement: pain immediately after the first session and post treatment protocol, functional capacity, quality of life domains and felling scale post treatment protocol without difference between groups in patients with non-specific.

20
  • MARIANA GALVAO DE MEDEIROS
  • Efeitos imediatos da VNI na função muscular periférica e desempenho aeróbico em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica.

  • Orientador : PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DIANA AMÉLIA DE FREITAS
  • MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
  • PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • Data: 24/08/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução:Objetivo: Avaliar o efeito agudo da VNI Bínivel, na função muscular periférica no exercício isocinético e desempenho aeróbico no TC6, na DPOC. Métodos: Amostra não probabilística, totalizando 14 indivíduos com DPOC moderada a muito grave, sem exacerbações. Procedimentos realizados em dois dias. Inicialmente todos preencheram a avaliação clínica, gravidade da doença, questionários para dispnéia e qualidade de vida, espirometria e manovacuometria. Secundariamente submetidos à coleta bioquímica, TC6, e avaliação isocinética do quadríceps, todos basais. Depois eram submetidos à intervenção com 30 minutos de VNI Binível/placebo, conforme randomização; após, submetidos a novo TC6 e protocolo teste no dinamômetro isocinético, finalizando com nova coleta bioquímica. Antes e após as avaliações foi quantificada a percepção subjetiva da dispnéia e fadiga em membros inferiores. Após wash-out de no mínimo sete dias, os participantes retornaram, desenvolvendo novamente todos os procedimentos, e modificação da VNI conforme randomização. Resultados: 14 participantes, 57% com DPOC grave e demais moderado, a VNI apresentou melhora significativa na percepção de esforço para membros inferiores e dispnéia, após exercício isocinético (p≤0,02* e p≤0,05*), melhora dos valores do pico de torque (p≤0,00*), trabalho total (p≤0,00*), índice de fadiga (p≤0,00*) e potência (p≤0,01*), o grupo VNI caminhou aproximadamente 16 metros a mais o TC6, e houve melhora nos níveis de lactato sanguíneo (p≤0,00*). Conclusão: A VNI melhora diretamente a percepção de dispnéia e escores avaliados no exercício isocinético. Apresenta relevância clínica na distância percorrida no TC6, e melhora do nível de lactato sanguíneo, nos pacientes com DPOC.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction:Objective: To evaluate the acute effect of BINV on peripheral muscle function without isokinetic exercise and non-TC6 aerobic performance in COPD. Methods: Non-probabilistic sample, totaling 14 individuals with moderate to very severe COPD, without exacerbations. Procedures carried out in two days. Initially all criteria preceded clinical evaluation, disease severity, questionnaires to explain and quality of life, spirometry and manovacuometry. Secondarily taken for collection biochemistry, 6MWT, and isokinetic evaluation of the quadriceps, all basal. Then they underwent the intervention with 30 minutes of NIV Binible / placebo, according to randomization; submitted to new TC6 and test protocol in the isokinetic dynamometer, ending with a new biochemical collection. Before and after the assessment was quantified to a relative perception of dyspnea and fatigue in After washing the nobility days, participants returned, re-developing all procedures, and altering NIV according to randomization. Results: 14 participants, 57% with severe COPD and moderate COPD, a NIV showed significant improvement in the performance of lower and lower actions, isokinetic post-exercise (p≤0.02 * and ≤0.05 *), improvement in values peak torque (p≤0.00 *), total work (p≤0.00 *), fatigue index (p≤0.00 *) and power (p≤0.01 *), the NIV group walked approximately 16 meters more than the 6MWT, and obtained better in blood lactate levels (p≤0.00 *). Conclusion: A NIV directly improves the perception of dyspnea and scores assessed in isokinetic exercise. It presents clinical results on non-TC6 sub-percolation, and improvement of the blood lactate level, in patients with COPD.

21
  • JACKSON CLAUDIO COSTA DE LIMA
  • Desenvolvimento e caracterização clínica de nova medida de avaliação de força muscular expiratória:pressão expiratória nasal (SNEP)

  • Orientador : GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANTONIO JOSÉ SARMENTO DA NÓBREGA
  • GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • SELMA SOUSA BRUNO
  • Data: 27/08/2018

  • Mostrar Resumo
  • Objetivos:
    Testar clinicamente a aplicabilidade do teste de pressão expiratória nasal (SNEP) como
    método de avaliação da força dos músculos expiratórios em adultos jovens saudáveis, descrevendo o
    padrão de ativação muscular e procedimentos técnicos para sua realização.
    Métodos:
    Após estudos pilotos com 6 indivíduos, foram definidas os procedimentos técnicos para a testar
    a medida de SNEP me indivíduos saudáveis. Posteriormente, foram avaliados 28 indivíduos, 4 foram
    excluídos por dificuldade técnica de avaliação. Todos os sujeitos realizaram prova de função pulmonar,
    pressões respiratórias máximas, pressão inspiratória nasal e pressão expiratoria nasal. A ordem das
    avaliações de força dos músculos respiratórios foi aleatorizada, entretanto foram seguidos procedimentos
    para garantir a qualidade técnica das avaliações. A amostra final foi de 24 sujeitos, 13 mulheres e 11
    homens.
    Resultados:
    A avaliação da pressão expiratoria nasal demonstrou ser viável e com um padrão de
    comportamento da curva de pressão e sinais eletromiográficos significativamente diferente da PEmax.
    Conclusão:
    O método de avaliação dos músculos expiratórios através da pressão expiratória nasal
    (SNEP) pode ser utilizado como um método complementar de avaliação deste grupo muscular.

  • Mostrar Abstract
  • Objectives:
    To test the applicability of the nasal expiratory pressure test (SNEP) as a method of assessing
    expiratory muscle strength in healthy young adults, describing the pattern of muscular activation and
    technical procedures for its performance.
    Methods:
    After pilot studies with 6 subjects, the technical procedures for the testing of the SNEP
    measurement for healthy individuals were defined. Subsequently, 28 individuals were evaluated, 4 were
    excluded due to technical difficulties of evaluation. All subjects underwent pulmonary function tests,
    maximal respiratory pressures, nasal inspiratory pressure and nasal expiratory pressure. The order of
    respiratory muscle strength assessments was randomized, however specific procedures were followed to
    ensure the technical quality of the evaluations. The final sample consisted of 24 subjects, 13 women and 11
    men.
    Results:
    The assessment of nasal expiratory pressure was shown to be viable and with a pattern of
    behavior of the pressure curve and electromyographic signals significantly different from PEmax.
    Conclusion:
    The method of evaluation of expiratory muscles through nasal expiratory pressure (SNEP)
    can be used as a complementary method of evaluation of this muscle group.
22
  • KAREN DE MEDEIROS PONDOFE
  • Teste de elevação do calcanhar bipodal cadenciado externamente: reprodutibilidade e valores de referência em adultos saudáveis 

  • Orientador : VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RENCIO BENTO FLORENCIO
  • TATIANA SOUZA RIBEIRO
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • Data: 10/12/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A resistência muscular é uma característica importante para a prevenção de lesões musculotendíneas e do sistema vascular periférico. O teste de elevação do calcanhar (TEC) atualmente auxilia nos achados clínicos de força e endurance muscular do tríceps sural, durante as repetições do movimento de flexão plantar. Entretanto, os protocolos do teste descritos na literatura possuem grande variabilidade, divergindo quanto à vários parâmetros como posição inicial, altura alcançada, cadência de execução, suporte de equilíbrio, tipo de apoio podal, posicionamento do joelho, critérios e medidas de resultado.  Acreditamos que a elaboração de um protocolo com cadência externa (TECCE) e apoio bipodal pode ser um instrumento sensível e seguro para identificar as limitações funcionais. Objetivos. O presente estudo teve como objetivo principal elaborar um protocolo para aplicação TECCE com apoio bipodal em adultos saudáveis e avaliar sua confiabilidade e reprodutibilidade intra-avaliador. Secundariamente, determinar os valores de referência do TECCE bipodal e propor equações de predição para essa população. Métodos. O estudo foi caracterizado como observacional e transversal, com adultos saudáveis de ambos os sexos, idades entre 20 e 59 anos, com IMC<30 Kg/m2. Para a coleta dos valores de referência, a aplicação foi multicêntrica (Natal/RN, Curitiba/PR e Belo Horizonte/MG). A análise das propriedades de medida do teste foram realizadas com os dados coletados em um subgrupo da região metropolitana de Natal/RN. Todos os sujeitos incluídos no estudo foram submetidos ao protocolo com cadência de 60 elevações/minuto, partindo de 10º de dorsoflexão, para avaliação do número de elevações, da percepção de dor antes e depois do teste, dor com 24 horas e 48 horas após o teste e da percepção de esforço inicial e final. O teste-reteste foi realizado com um intervalo de uma semana, para a análise de confiabilidade e reprodutibilidade do protocolo de TECCE.. Análise estatística. Utilizou-se os testes de Kolmogorov-Smirnov e Shapiro-Wilk para normalidade dos dados. O teste de Mann-Whitney e o Teste de Kruskall-Wallis com post-hoc de Dunn para comparações entre as variáveis. O Coeficiente de Correlação Intraclasse para análise de confiabilidade intra-avaliador. O método de comparação de Bland-Altman para análise de concordância e a correlação de Pearson para associação entre os testes. Resultados. Foram avaliados 140 adultos saudáveis da região metropolitana de Natal/RN, porém só foram analisados 112 (52 homens) voluntários, com idade de 25 (23-33) anos para homens e 25 (23,2-34) anos para mulheres e IMC < 25,0 Kg/m2. O teste demonstrou ser de fácil compreensão, seguro e simples para ser realizado na prática clínica. Nos desfechos de desempenho da amostra total, os homens apresentaram um melhor desempenho com maior nº de elevações (p<0,02), principalmente na faixa etária de 20 a 29 anos (p=0,03), comparados com as mulheres. Os principais sintomas relatados foram a sensação de queimação (54,5%) e de cansaço (22,3%). Os participantes relataram dor ao final do teste de intensidade moderada  4 (3-6) e de intensidade leve 2 (1-3) após 24 horas. Após 48 horas ainda se manteve leve, porém com relatos de aumento de intensidade para 3 (1-5), sendo mais incomoda. Para toda a amostra, a fadiga limitante do teste alcançou uma um nível moderado de intensidade 3 (2-4), com uma significância antes e após o teste de p<0,0001. Para análise de confiabilidade e reprodutibilidade, utilizamos uma amostra de 21 adultos e encontramos um CCI de 0,98, com excelente confiabilidade. A correlação de Pearson foi de r=0,98, com um coeficiente de determinação r2=0,96 (p<0,0001). O modelo de dispersão de Bland-Altman apresentou um viés de -0,76, estando 85% da amostra incluídos dentro dos limites de concordância. Conclusões. O TECCE com apoio bipodal foi considerado um método avaliativo de fácil realização, com prática clínica e padronização do posicionamento mais adequado e seguro para indivíduos adultos, e a cadência foi adequada para promover a frequência do movimento de flexão plantar e atingir a fadiga máxima. Além disso, o estudo evidenciou uma boa reprodutibilidade das variáveis analisadas, confirmando a confiabilidade do teste em apenas 1 realização. Não foi possível obter os valores de referência e equações de predição devido a pequena representatividade da amostra de 40 a 59 anos.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Muscle endurance is an important feature for the prevention of musculotendinous lesions and peripheral vascular system. The heel-rise test (HRT) currently aids in the clinical findings of strength and endurance of the triceps surae muscle during repetitions of the plantar flexion movement. However, the protocols of the test described in the literature have great variability, differing in several parameters such as initial position, achieved height, cadence of execution, balance support, type of foot support, knee positioning, criteria and outcome measures. We believe that the elaboration of a protocol with external cadence (HRTEC) and bilaterl support can be a sensitive and safe instrument to identify the functional limitations. Objectives. The present study had as main objective to elaborate a protocol for applying HRTEC with bilateral support in healthy adults and to evaluate its reliability and intra-rater reproducibility. Secondly, determine the reference values of the bilateral support HRTEC and propose prediction equations for this population. Methods. The study was characterized as observational and transversal, with healthy adults of both sexes, aged between 20 and 59 years, with BMI <30 kg / m2. For the collection of reference values, the application was multicentric (Natal / RN, Curitiba / PR and Belo Horizonte / MG). The analysis of the measurement properties of the test were performed with the data collected in a subgroup of the metropolitan region of Natal / RN. All subjects included in the study were submitted to the protocol with a rate of 60 elevations / minute, starting from 10º of dorsiflexion, to evaluate the number of elevations, the perception of pain before and after the test, pain with 24 hours and 48 hours after the test and the perception of initial and final effort. The test-retest was performed with an interval of one week, for the reliability and reproducibility analysis of the HRTEC protocol. Statistical analysis. The Kolmogorov-Smirnov and Shapiro-Wilk tests were used for data normality. The Mann-Whitney test and the Kruskall-Wallis test with Dunn post-hoc for comparisons between the variables. The Intraclass Correlation Coefficient for intra-rater reliability analysis. The Bland-Altman comparison method for agreement analysis and the Pearson correlation for association between the tests. Results. 140 healthy adults from the metropolitan region of Natal / RN were evaluated, but only 112 (52 men) volunteers, aged 25 (23-33) years for men and 25 (23.2-34) years for women and BMI <25.0 kg / m 2. The test proved to be easy to understand, safe and simple to perform in clinical practice. In the performance outcomes of the total sample, the men presented a better performance with a higher number of elevations (p <0.02), especially in the age group of 20 to 29 years (p = 0.03), compared with the women. The main symptoms reported were burning sensation (54.5%) and fatigue (22.3%). Participants related to the end of the test of moderate intensity 4 (3-6) and graduated with mild intensity 2 (1-3) after 24 hours. Despite this, interest rates increase to 3 (1-5), being more uncomfortable. For the entire sample, the limiting test fatigue had a moderate level of intensity 3 (2-4), with significance before and after the p <0.0001 test. For reliability and reproducibility analysis, we used a sample of 21 adults and found a ICC=0.98, with excellent reliability. Pearson's correlation was r = 0.98, with a coefficient of determination r2 = 0.96 (p <0.0001). The Bland-Altman dispersion model presented a bias of -0.76, with 85% of the sample included within the limits of agreement. Conclusions. HRTEC with bilateral support was considered an easy to perform evaluative method, with clinical practice and standardization of the most adequate and safe positioning for adults, the cadence was adequate to promote the frequency of the movement of plantar flexion and to reach maximum fatigue. In addition, the study showed a good reproducibility of the analyzed variables, confirming the reliability of the test. It was not possible to obtain the reference values and prediction equations due to the small representativeness of the sample from 40 to 59 years old.

23
  • CANDICE SIMOES PIMENTA DE MEDEIROS
  • VALIDAÇÃO DO JOGO SÉRIO VirtuAlter PARA REABILITAÇÃO DO EQUILÍBRIO POSTURAL DE IDOSOS POR MEIO DA REALIDADE VIRTUAL
  • Orientador : FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • THAIZA TEIXEIRA XAVIER NOBRE
  • DEBORA CARVALHO DE OLIVEIRA
  • Data: 17/12/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: As mudanças fisiológicas decorrentes do envelhecimento alteram o equilíbrio postural e várias abordagens têm sido cada vez mais utilizadas para sua manutenção ou melhora, destacando-se a Realidade Virtual (RV). A RV possibilita uma experiência interativa por meio da utilização de jogos com ambientes enriquecidos e complexos. A maioria dos jogos comerciais são usados como estratégia de tratamento, porém, não foram projetados para estimular domínios cognitivos e motores. Os jogos sérios surgem com um propósito que vai além do entretenimento. O seu desenvolvimento no ambiente da RV possibilita o treinamento sensorial, motor e cognitivo, além de proporcionar conteúdo e feedbacks com objetivos personalizados para as peculiaridades do usuário, fornecendo ajustes com finalidade terapêutica envolvendo aprendizagem, adesão e desafio. Objetivo: Realizar a validação de conteúdo do jogo sério VirtuAlter para reabilitação do equilíbrio postural de idosos por meio da realidade virtual. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo contemplando duas modalidades integradas: 1) Identificação dos valores de referência de alcance lateral dos membros superiores em idosos saudáveis – Análise do alcance lateral de 20 idosos saudáveis que realizaram uma avaliação com os instrumentos: Avaliação sócio-demográfica, Escala de Equilíbrio de Berg, Short Physical Performance Battery, Teste de alcance lateral (TAL); Análise do alcance lateral por meio do sistema de captura de movimento do Microsoft® Kinect (AL Kinect). 2) Validação de conteúdo do jogo sério VirtuAlter por meio da análise de onze juízes especialistas fisioterapeutas e profissionais da área de ciência e tecnologia ou áreas correlatas – Aplicação da técnica Delphi onde os juízes especialistas executaram o jogo e expressaram suas opiniões sobre o conteúdo, preenchendo os instrumentos de validação: Dimensões da validação de conteúdo do jogo sério VirtuAlter e System Usability Scale (SUS). Resultados: Na etapa 1, observou-se valores no TAL e AL Kinect de 23,2±4,77; 21,1±5,47
    no lado direito e 22,9±4,86; 22,7±6,42 no lado esquerdo, respectivamente. O modelo de dispersão de Bland-Altman apresentou viés de 0,19 para o lado esquerdo e 2,02 à direita. Na etapa 2, cinco fisioterapeutas e seis profissionais da área de ciência e tecnologia ou áreas correlatas participaram da validação. O valor total do IVC do jogo foi de 0,8 e o coeficiente de alpha de Cronbach foi de 0,924. Os itens de elementos técnicos, clareza da narrativa do jogo, qualidade da imagem e velocidade da captura de movimento necessitam de modificações e ajustes. Os juízes identificaram o jogo com índice de satisfação de 67,73 na escala SUS. Conclusões: Os valores das medidas de alcance lateral em idosos saudáveis serão adotados como parâmetros do jogo na sua aplicabilidade em idosos com déficit de equilíbrio. Torna-se necessário o aperfeiçoamento dos elementos técnicos antes da execução clínica. O conteúdo do VirtuAlter está validado e corresponde a uma ferramenta tecnológica adequada para o treinamento do equilíbrio postural de idosos, apresentando boa usabilidade.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Fisiologic changes resulting aging alter postural balance and various approaches have been increasingly used for its maintenance or improvement, highlighting Virtual Reality (VR). VR enables an interactive experience through using games with enriched and complex environments. Most commercial games are used as treatment strategies, however, they were not designed to stimulate motor and cognitive domains. Serious games emerge with a purpose that goes beyond entertainment. Their development in the VR environment enables sensory, motor and cognitive training, in addition to providing content and feedback with personalized goals for the user's specificities, providing adjustments with therapeutic purpose involving learning, adherence and challenges. Objective: To perform content validation of the VirtuAlter serious game for postural balance rehabilitation in elderly by virtual reality. Methodology: This is a descriptive study that contemplates two integrated modalities: 1) Identification of upper limb lateral reach reference values in healthy elderly subjects – Analysis of the lateral reach of 20 healthy elderly people who underwent an assessment with the instruments: Socio-demographic evaluation, Berg Balance Scale, Short Physical Performance Battery; Lateral Reach Test (TAL); Lateral reach analysis using the Microsoft® Kinect motion capture system (AL Kinect). 2) Content validation of the VirtuAlter serious game by the analysis of eleven expert judges physiotherapists and professionals in the area of science and technology or correlated areas – The Delphi technique will be implemented where judges will play the game as many times as needed and express their opinions about the game content and filling the tools: Dimensions of content validation of the serious game VirtuAlter and System Usability Scale (SUS). Results: In the stage 1, it was observed values in TAL and AL Kinect of 23.2±4.77; 21.1±5.47 on the right side and 22.9±4.86; 22.7±6.42 on the left side, respectively. The Balnd-Altman dispersion model showed bias of 0.19 for left side and 2.02 for the right side. In stage 2, five physiotherapists and six professionals in the area of science and technology participated of the validation. The total IVC value of the game was 0.8 and the Cronbach alpha coefficient was 0.924. The technical elements, clarity of the game narrative, image quality and speed of motion capture need modifications and adjustments. The judges identified the game with a satisfaction score of 67.73 on the SUS scale. Conclusion: The mean values of the lateral reach in healthy elderly will be adopted with the game parameters in its applicablity in elderly with balance impairment. It is necessary the technical elements improvement before clinical execution. The VirtuAlter content is validated and corresponds to a proper technological tool for the training of postural balance of elderly with good usability.

Teses
1
  • JULIANA FERNANDES DE SOUZA BARBOSA
  • Desempenho físico, composição corporal e incapacidade funcional em idosos de diferentes contextos epidemiológicos: resultados do estudo International Mobility in Aging Study (IMIAS)

  • Orientador : RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALINE DO NASCIMENTO FALCAO FREIRE MONTE
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • ANA CAROLINA PATRICIO DE ALBUQUERQUE SOUSA
  • DANIELE SIRINEU PEREIRA
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • Data: 15/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O envelhecimento é caracterizado por um acúmulo gradual e de longo prazo de danos moleculares e celulares que resultam em comprometimento progressivo e generalizado em muitas funções corporais. Dentre as mudanças mais clinicamente significativas destacam se o declínio na força e massa muscular (definido como sarcopenia) e aumento da adiposidade corporal que são relacionadas ao maior risco de incapacidades e deficiências, acarretando na perda da independência funcional do indivíduo. O estudo IMIAS, busca analisar as diferenças na mobilidade e fatores associados em idosos de diferentes contextos sociais, econômicos e culturais. Por conseguinte, fornece uma grande oportunidade de examinar os aspectos relacionados ao envelhecimento do sistema musculo esquelético, além de fatores relacionados a incapacidade funcional em populações de idosos tão distintas entre si. Objetivos: a) Estimar a capacidade de pontos de corte de força de preensão palmar em identificar a lentidão na velocidade da marcha em diferentes populações de idosos; b) Explorar quais das medidas de desempenho físico propostas pelo para identificação de Sarcopenia prediz melhor a massa muscular em idosos comunitários após 4 anos de seguimento; c) Explorar a relação longitudinal entre obesidade abdominal com a incapacidade na mobilidade e nas atividades de vidas diárias (AVDS) relacionadas à mobilidade, controlando por desempenho físico e depressão, em idosos inicialmente livres de incapacidade. Métodos:  Trata-se de um estudo analítico, observacional de caráter longitudinal, em que 2002 idosos foram seguidos durante 4 anos de seguimento. Os dados da linha de base foram coletados no ano de 2012. As reavaliações ocorreram com o intervalo de 2 anos entre si, nos anos de 2014 e 2016. As medidas de desempenho físico utilizadas foram a força de preensão palmar e velocidade da marcha. A massa muscular foi mensurada por meio da análise de bioimpedância elétrica. As medidas de incapacidade funcional foram realizadas a partir de auto relato das dificuldades em tarefas relacionadas a mobilidade e atividades de vida diária relacionadas a mobilidade, a medida de obesidade foi definida pela circunferência de cintura. Resultados:  Os pontos de corte de força de preensão palmar < 26kg para homens e < 16 kg para mulheres foram capazes de identificar lentidão na velocidade da marcha na amostra de idosos participantes do IMIAS. Além disso, a força de preensão palmar medida na linha de base foi significantemente relacionada a massa muscular mensurada 4 anos depois (β.=0,003; p-valor < 0,05). E por fim, a presença de obesidade abdominal foi um fator de risco para a incapacidade na mobilidade (OR=1.47, 95% CI 1.01-2.15) no decorrer de 4 anos de seguimento, mas não foi associada ao risco de desenvolver incapacidade nas AVDS (OR: 1.40, 95% CI 0.90-2.18). Conclusões: Os pontos de corte propostos para força de preensão podem ser considerados uma ferramenta útil para rastrear idosos com risco de problemas funcionais. Ainda, a força de preensão palmar pode ser utilizada como um método simples para rastreio de sarcopenia em idosos comunitários. Finalmente, a presença de obesidade abdominal é associada longitudinalmente e prediz o risco de incapacidade na mobilidade, mesmo em um curto período de tempo (4 anos) em idosos comunitários de distintos contextos epidemiológicos.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Aging is characterized by a gradual and long-term accumulation of molecular and cellular damage that results in progressive and widespread impairment in many body functions. Among the most clinically significant changes are the muscular strength and mass (defined as sarcopenia) and increase in body adiposity that are related to the greater risk of disabilities, leading to the loss of the i functional independence. The IMIAS study aimed to analyze the difference in mobility and associated factors in older adults from different social, economic and cultural contexts. Therefore, it offers a great opportunity to examine aspects related to the aging of the musculoskeletal system, as well as factors related to functional disability in older populations that differ widely. Objectives: a) To estimate the ability of handgrip strength cut points to identify slowness in different populations of older adults; b) To identify which physical performance measures proposed for Sarcopenia screening could predict most the muscle mass in community dwelling older adults after 4 years of follow up; c) to explore the longitudinal relationship between abdominal obesity with mobility and mobility-related ADL disability controlling for physical performance and depression in older adults free from disability.  Methods: This is an analytical, observational longitudinal study, where 2002 older adults were followed for 4 years of follow-up. Baseline data were collected in the year 2012. New evaluations occurred with the interval of 2 years between them, in the years 2014 and 2016. The measures of physical performance were handgrip strength and gait speed. The muscle mass was measured by of the bio impedance analysis. Functional disability measures were self-reported difficulties in tasks related to mobility and daily living activities related to mobility; the measure of obesity was defined by waist circumference. Results: The handgrip strength cut-off points of <26 kg for men and <16 kg for women were able to identify slowness in walking speed in older adults participants of the IMIAS. In addition, handgrip strength measured at baseline was significantly related to muscle mass measured 4 years later (β= 0.003, p-value <0.05). Finally, the presence of abdominal obesity, was a risk factor for disability in mobility (OR = 1.47, 95% CI 1.01-2.15) after 4 years of follow-up, however was not associated with the risk of the onset of ADL disability (OR: 1.40, 95% CI 0.90-2.18). Conclusions: The proposed cutoff points for handgrip strength can be designed to be a useful tool to screening the older adults at risk of functional problems. Further, handgrip strength can be used as a simple method for screening sarcopenia in the community dwelling older adults. Finally, the presence of abdominal obesity is associated longitudinally and predicts the risk of disability in mobility, even over a short period of time (4 years) in community dwelling older adults from different epidemiological contexts.

2
  • LIANE DE BRITO MACEDO
  • EFEITOS DO KINESIO TAPING® NA DOR LOMBAR CRÔNICA NÃO ESPECÍFICA

  • Orientador : JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • JOSÉ JAMACY DE ALMEIDA FERREIRA
  • KARYNA MYRELLY OLIVEIRA BEZERRA DE FIGUEIREDO RIBEIRO
  • NEY ARMANDO DE MELLO MEZIAT FILHO
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • Data: 19/02/2018

  • Mostrar Resumo
  •  

    Introdução: a dor lombar é um dos problemas mais comuns de saúde na população mundial, levando os indivíduos que sofrem desse sintoma à procura de diferentes recursos para alívio de suas dores, dentre eles o Kinesio Taping® (KT). Objetivo: analisar os efeitos do KinesioTaping®  na dor lombar crônica não específica. Métodos: trata-se de um ensaio controlado, randomizado, com um assessor cego, composto por 108 mulheres com dor lombar crônica (DLC) não específica. Todas foram inicialmente submetidas à uma avaliação da sensação dolorosa, incapacidade, amplitude de movimento do tronco e do desempenho neuromuscular. Após a avaliação inicial, foram aleatoriamente divididas em quatro grupos para a realização da intervenção: controle (não receberam intervenção), Kinesio Tapingcom tensão (aplicou o KT com tensão na região dos músculos eretores da coluna), Kinesio Tapingsem tensão (aplicou o KT sem tensão na região dos músculos eretores da coluna) e Micropore®(aplicou Micropore® na região dos músculos eretores da coluna). Três dias após a intervenção uma nova avaliação foi realizada, idêntica à primeira; logo após, o KT foi retirado e uma terceira avaliação foi realizada, dez dias após a intervenção. Resultados: Três dias após a intervenção, observou-se uma redução da dor no grupo Kinesio Taping com tensão (diferença média=1,963; IC 95%=0,501 - 3,425; p=0,003) e Kinesio Taping sem tensão (diferença média=1,926; IC 95%=0,464 - 3,388; p=0,004), comparados com o grupo controle. Para a variável incapacidade, foi encontrada uma melhora no grupo Kinesio Taping com tensão, comparado ao grupo controle, 3 dias (diferença média=3,481; IC 95%=0,825 – 6,138; p=0,004) e 10 dias (diferença média=3,185; IC 95%=0,395 - 5,975; p=0,016) após a intervenção. Para as demais variáveis não foi observada diferença entre os grupos. Conclusão: Kinesio Taping, com ou sem tensão, reduz dor e incapacidade em pacientes com DLC não específica.

  • Mostrar Abstract
  • Background:Low back pain is one of the most common health problems in the world population, leading individuals who suffer from this condition too seek for different treatments for their pain including the Kinesio Taping® (KT).  Objective: Investigate the effects of Kinesio Taping® on chronic nonspecific Low Back Pain (LBP). Methods: This is an assessor blinded prospective randomised controlled trial, composed by 108 women with chronic nonspecific low back pain. All the participants were initially submitted to an evaluation of the pain sensation, disability, trunk range of motion and neuromuscular performance. After the initial evaluation they were randomly allocated into four different groups for the intervention: control group (it will not apply any tape), KT with tension group (apply the Kinesio Taping® with tension in the erector spine muscles), KT without tension group (apply the Kinesio Taping® without tension in the erector spine muscles) and Micropore® group (apply Micropore® in the erector spine muscles). Three days after intervention a new evaluation was performed, similar to the first one; soon after, the KT was removed and a third evaluation was done, ten days after intervention. Results: Pain relief was observed for KTT group (mean difference=1,963; CI 95%=0,501 - 3,425; p=0,003) and KTNT group (mean difference=1,926; CI 95%=0,464 - 3,388; p=0,004) compared to control group at 3 days after intervention. For disability there was difference between control group and KTT group at 3 (mean difference=3,481; CI 95%=0,825 – 6,138; p=0,004) and 10 days (mean difference=3,185; CI 95%=0,395 - 5,975; p=0,016). For all the others variables, there was no differences between group. Conclusion: KT with or without tension reduces pain and disability in LBP patients.
3
  • ANTONIO JOSÉ SARMENTO DA NÓBREGA
  • NOVAS METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO EM PACIENTES COM ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA

  • Orientador : VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANDREA ALIVERTI
  • FERNANDO AUGUSTO LAVEZZO DIAS
  • GEORGE CARLOS DO NASCIMENTO
  • GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • Data: 23/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A avaliação e detecção precoce da fraqueza muscular respiratória resultante da esclerose lateral amiotrófica (ELA) têm ganhado mais interesse no campo da pesquisa nas últimas décadas. Com a progressão da doença, a diminuição da força muscular respiratória leva à redução do volume pulmonar e consequente insuficiência ventilatória, fazendo essencial o uso de técnicas de higiene brônquica e a detecção precoce de fraqueza muscular respiratória a fim de monitorar a progressão da doença e antecipar a introdução de intervenções.
    Objetivos1) Estimar a quantidade de compressão de gás (Vcomp) durante a aplicação da técnica de air stacking em sujeitos saudáveis e verificar se as medidas simultâneas de variação de volume da caixa torácica (ΔVCW) e as variações de volume pulmonar (ΔVao), combinado à variação de pressão das vias aéreas (ΔPao) durante a aplicação do air stacking, são capazes de fornecer dados confiáveis acerca dos volumes pulmonares absolutos; 2) Avaliar a assincronia toracoabdominal e a presença de movimento paradoxal em pacientes com ELA e suas relações com o VCW, padrão respiratório e pico de fluxo de tosse; 3) Analisar as taxas de relaxamento e as propriedades de contração dos músculos inspiratórios em pacientes com ELA e comparar com saudáveis pareados. Além disso, os pacientes com ELA foram divididos em três subgrupos a fim de determinar o melhor parâmetro relacionado a fraqueza muscular inspiratória.
    Materiais e Métodos1) Vinte sujeitos saudáveis foram estudados durante um protocolo que incluiu manobras de capacidade vital lenta e aplicação da técnica de air stacking. Vcomp foi calculado através da diferença entre a ΔVao (mensurado através do pneumotacógrafo) e ΔVCW (através da pletismografia optoeletrônica) durante air stacking e a capacidade pulmonar total foi estimada pela aplicação de Lei de Boyle-Mariote; 2) O ângulo de fase (θ) entre a caixa torácica pulmonar (CTp), caixa torácica abdominal (CTa) e o abdome (AB), bem como a porcentagem de tempo inspiratório (IP) em que a CTa e AB se movem em direções opostas, foram quantificados em 12 pacientes com ELA durante respiração espontânea e tosse, usando dados de 12 sujeitos saudáveis pareados como controle; 3) As taxas de relaxamento e as propriedades de contração dos músculos inspiratórios foram extraídas a partir da curva de pressão inspiratória nasal (SNIP), realizada de forma não invasiva em 39 pacientes com ELA e comparada com 39 sujeitos saudáveis pareados.
    Resultados1) Durante air stacking, 0,140±0,050 L de gás foi comprimido com uma ΔPao média de 21,78±6,18 cmH2O. Não foram encontradas diferenças significativas entre a capacidade pulmonar total estimada (−0,03±3,0% de diferença, p=0,6020), capacidade residual funcional estimada (−2,0±12,4% de diferença, p=0,5172), capacidade inspiratória mensurada (1,2±11,2% de diferença, p=0.7627) e valores preditos; 2) Durante a respiração espontânea, um maior θ da CTa e AB (p<0,05), IPRCa (p=0,001) e IPAB (p=0,02) foram encontrados nos pacientes com ELA assim como correlações entre o θ da CTp e AB com capacidade vital forçada (r= 0.773, p<0.01) e capacidade vital (r= 0.663, p<0.05), e entre o θ da CTa e CTp e o pico de fluxo de tosse (r= 0,601, p<0,05). Durante a tosse, correlações entre o θ do AB e CTp e pico de fluxo de tosse (r= 0,590, p<0,05), pico de fluxo expiratório (r= 0,727, p<0,01) e VCW (r= 0,608, p<0,05); assim como entre θ do CTa e AB e o pico de fluxo de tosse (r= 0,590, p=0,01) e pico de fluxo expiratório (r= 0,713, p=0,01) foram observados. Além disso, uma menor capacidade vital forçada (p<0.05) e maior velocidade de encurtamento tos músculos inspiratórios (p<0.05) foram encontrados no pacientes com movimento paradoxal da caixa torácica; 3) Quando comparado com sujeitos saudáveis, pacientes com ELA exibiram uma menor (p<0,0001) taxa máxima de relaxamento (MRR) e taxa máxima de desenvolvimento de pressão (MRPD), assim como um maior (p<0,0001) tempo de contração, tau (τ) e metade da curva de relaxamento (½RT). Os resultados da curva ROC mostraram que a ½RT (AUC 0,720, p=0,01), capacidade vital forçada (AUC 0,700, p=0,03), τ (AUC 0,824, p<0,0001) e MRPD (AUC 0,721, p=0,01) foram os parâmetros mais sensitivos em detectar uma queda de 3 pontos no subescore respiratório do questionário de capacidade funcional da ELA. Adicionalmente, a MRPD (AUC 0,781, p<0,001), τ (AUC 0,794, p=0,0001) e o pico de pressão gerado durante o teste de SNIP (AUC 0,769, p=0,002) foram os parâmetros capazes de detectar uma queda de 30% da capacidade vital forçada nos pacientes estudados. 
    Conclusões: Durante a aplicação da técnica de air stacking ocorre uma significante compressão de gás e os volumes pulmonares absolutos podem ser estimados através das mensurações simultâneas de ΔVCW, ΔVao e ΔPao. Além disso, a identificação da alteração de parâmetros, como assincronia toracoabdominal e presença de movimento paradoxal entre os compartimentos da parede torácica, τ, MRPD, e ½RT, representam um sinal precoce de fraqueza muscular inspiratória em sujeitos com ELA.

  • Mostrar Abstract
  • Introduction: The assessment and early detection of respiratory muscle weakness resulting from amyotrophic lateral sclerosis (ALS) have gained more interest in the field of research in the recent decades. As the disease progresses, the decrease in respiratory muscle strength leads to a reduction in lung volume and consequent ventilatory insufficiency, making essential the use of bronchial hygiene techniques and the early detection of respiratory muscle weakness in order to monitor the progression of the disease as well as to anticipate the introduction of interventions. 

    Objectives: 1) To estimate the amount of gas compression (Vcomp) during the application of the air stacking technique in healthy subjects and to verify if the simultaneous measurements of chest wall volume changes (ΔVCW) and changes in lung volume (ΔVao), combined with pressure variation at the airways opening (ΔPao) during air stacking are able to provide reliable data on absolute lung volumes; 2) To assess thoracoabdominal asynchrony and the presence of paradoxical movement in patients with ALS and its relations with VCW, respiratory pattern and peak cough flow; 3) To analyze the relaxation rates and contraction properties of the inspiratory muscles of patients with ALS and compare with healthy matched-paired subjects. In addition, patients with ALS were divided into three subgroups in order to determine the best parameter linked to inspiratory muscle weakness. 

    Materials and Methods: 1) Twenty healthy subjects were studied during a protocol that included slow vital capacity maneuvers and application of the air stacking technique. Vcomp was calculated by subtracting ΔVao(measured by pneumotachograph) and ΔVCW (measured by optoelectronic plethysmography) during air stacking and total lung capacity was estimated by applying Boyle-Mariote's law; 2) Phase angle (θ) between pulmonary ribcage (RCp), abdominal ribcage (RCa) and abdomen (AB), as well as the percentage of inspiratory time (IP) in which RCa and AB moved in opposite directions were quantified in 12 patients with ALS through optoelectronic plethysmography during quiet spontaneous breathing and cough using control data from 12 paired-matched healthy subjects to define the normal range of movement; 3) The relaxation rates and contraction properties of the inspiratory muscles were extracted from the sniff nasal inspiratory pressure (SNIP) curve, performed non-invasively in 39 patients with ALS and compared with 39 matched-paired healthy subjects. 

    Results: 1) During air stacking, 0.140±0.050 L of gas was compressed with an average ΔPao of 21.78±6.18 cmH2O. No significant differences between the estimated total lung capacity (−0.03±3.0% difference, p=0.6020), estimated functional residual capacity (−2.0±12.4% difference, p=0.5172), measured inspiratory capacity (1.2±11.2% difference, p=0.7627) and predicted values were found. 2) During quiet spontaneous breathing, a higher RCa and AB θ (p<0.05), IPRCa (p=0.001) and IPAB (p=0.02) were found in patients with ALS as well as correlations between RCp and AB θ with forced vital capacity (r = −0.773, p<0.01) and vital capacity (r = −0.663, p<0.05), and between RCa and RCp θ and peak cough flow (r = −0.601, p<0.05). During cough, correlations between AB and RCp θ and peak cough flow (r = −0.590, p<0.05), peak expiratory flow (r = −0.727, p<0.01) and VCW (r = −0.608, p<0.05); as well as between RCa and AB θ and peak cough flow (r = −0.590, p=0.01) and peak expiratory flow (r = −0.713, p=0.01) were observed. Moreover, a lower forced vital capacity (p<0.05) and a greater shortening velocity of the inspiratory muscles (p<0.05) were observed in patients with paradoxical movement of the rib cage; 3) When compared to healthy ix 

     

    subjects, patients with ALS had a significantly lower (p<0.0001) maximum relaxation rate (MRR) and maximum rate of pressure development (MRPD), as well as a greater (p<0.0001) contraction time, tau (τ) and half-relaxation time (½RT). The results of the ROC curves showed that ½RT (AUC 0.720, p=0.01), forced vital capacity (AUC 0.700, p=0.03), τ (AUC 0.824, p<0.0001) and MRPD (AUC 0.721, p=0.01) were the most sensitive parameters in detecting a 3-point fall in the respiratory subscale of the ALS functional capacity questionnaire. In addition, the MRPD (AUC 0.781, p<0.001), τ (AUC 0.794, p=0.0001) and the peak pressure generated during the SNIP test (AUC 0.769, p=0.002) were the parameters capable of detecting a 30% decrease in forced vital capacity of the patients studied. 

     

    Conclusions: During AS, a significant gas compression occurs and absolute lung volumes can be estimated by simultaneous measurements of ΔVCW, ΔVao and ΔPao. In addition, the identification of altered parameters, such as thoracoabdominal asynchrony and the presence of paradoxical movement between the chest wall compartments, τ, MRPD, and ½RT, represent an early sign of inspiratory muscle weakness in subjects with ALS. 

4
  • DEBORA CARVALHO DE OLIVEIRA
  • ACTIMETRIA DO PADRÃO SONO-VIGÍLIA DE PACIENTES COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

  • Orientador : TANIA FERNANDES CAMPOS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • TANIA FERNANDES CAMPOS
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • ALINE BRAGA GALVAO SILVEIRA FERNANDES
  • ANA AMÁLIA TORRES SOUZA GANDOUR DANTAS
  • LUCIANA PROTASIO DE MELO
  • Data: 28/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma patologia que acarreta diversos comprometimentos motores e funcionais. O objetivo do estudo foi de analisar o padrão sono-vigília dos pacientes com AVC. A amostra foi constituída por 10 pacientes (3 mulheres e 7 homens; idade média= 51±6 anos) e 10 indivíduos saudáveis (3 mulheres e 7 homens, idade 52±7 anos). Os participantes foram avaliados através de uma ficha de avaliação sociodemográfica e clínica, avaliação neurológica pela National Institute of Health Stroke Scale, avaliação funcional pela escala de Fugl-Meyer, avaliação da qualidade de sono pelo Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (IQSP) e avaliação objetiva do padrão sono-vigília pela Actimetria (Actiwatch 2, Philips Respironics®, Andover, MA, USA) durante 7 dias consecutivos. A análise dos dados foi realizada através do teste t’Student não-pareado e teste de correlação de Pearson. Os achados revelaram diferença significativa entre os pacientes e saudáveis no IQSP, com pacientes apresentando qualidade do sono ruim (pacientes = 6±4; saudáveis = 4±2; p = 0,044). A análise da actimetria demonstrou que os pacientes tiveram menor nível de atividade tanto durante a vigília (pacientes = 142315±64367; saudáveis = 304392±88192; p < 0,0001) quanto durante o sono (pacientes = 3874±3279; saudáveis = 7812±4732; p < 0,0001); maior duração do sono (pacientes = 480±101 minutos; saudáveis = 426±70 minutos, p = 0,020); menor tempo de vigília (pacientes = 896±91 minutos; saudáveis = 972±93 minutos; p = 0,002). Também foi verificado que em relação às variáveis de ritmicidade circadiana os pacientes apresentaram maior Establidade Interdiária (EI) (pacientes = 0,4±0,1; saudáveis = 0,3±0,2; p = 0,028), e maior Variabilidade Intradiária (VI) (pacientes = 0,7±0,1; saudáveis = 0,6±0,1, p < 0,001); valores menores de M10 (pacientes = 32,3±11,7; saudáveis = 62,6±14,9, p < 0,0001) e L5 (pacientes = 17,5±6,8; saudáveis = 41,2±12,6, p < 0,0001). Verificamos correlação significativa entre o IQSP e o nível de atividade durante a vigília (r = -0,32; p = 0,007) e IQSP e VI (r = 0,53; p = 0,017). Os resultados sugerem que o nível de atividade, a estabilidade e a fragmentação do ritmo de atividade podem alterar o padrão sono-vigília e causar problemas na qualidade do sono dos pacientes com AVC, o que pode ser um marcador temporal para planejamento da intervenção terapêutica durante o processo de reabilitação


  • Mostrar Abstract
  • Stroke is a pathology that causes several motor and functional impairments. The aim of the study was to evaluate the sleep-wake pattern in stroke patients. The sample consisted of 10 patients (3 women and 7 men, mean age = 51 ± 6 years) and 10 healthy subjects (3 women and 7 men, mean age 52 ± 7 years). Participants were assessed by a sociodemographic and clinical evaluation sheet, National Institute of Health Stroke Scale for neurologic evaluation, Fugl- Meyer scale for motor function evaluation, Pittsburgh Sleep Quality Index for sleep quality evaluation and sleep-wake pattern objective evaluation by Actigraphy (Actiwatch 2, Philips Respironics®, Andover, MA, USA) for 7 consecutive days. Data analysis was performed using the unpaired t'Student test and Pearson's correlation test. The findings revealed a significant difference between patients and healthy individuals in the IQSP, with patients presenting poor sleep quality (patients=6±4, healthy=4±2, p=0.044). Actigraphic analysis demonstrated that stroke patients showed lower level of activity both the wake phase (patients=142315±64367 counts, healthy=304392±88192 counts, p<0.0001) and the sleep phase (patients=3874±3279 counts, healthy=7812±4732; p<0.0001); longer sleep duration (patients=480±101 minutes, healthy=426±70 minutes, p=0.020); lower wake time (patients=896 ± 91 minutes, healthy=972±93 minutes, p=0.002). Additionally, it was verified that in relation to the variables of circadian rhythmicity that patients presented higher Interdaily Stability (IS) (patients=0.4±0.1, healthy=0.3±0.2, p=0.028), and higher Intradaily Variability (IV) (patients=0.7±0.1, healthy=0.6±0.1, p<0.001); lower values of M10 (patients=32.3±11.7, healthy=62.6±14.9, p<0.0001) and of L5 (patients=17.5±6.8, healthy=41.2±12.6, p<0.0001). We found a significant correlation between the IQSP and the activity level during wake phase (r=-0.32, p=0.007) and IQSP and IV (r=0.53, p=0.017). The results suggest that the activity level, stability and fragmentation of the activity rhythm may alter the sleep-wake pattern and cause problems on sleep quality in stroke patients, which may be a temporal marker for the planning of therapeutic intervention during neurorehabilitation.

5
  • NICOLE SOARES OLIVER CRUZ
  • Comparação do desempenho cardiopulmonar e metabólico, da cinética de oxigênio e ventilatória de mulheres obesas durante protocolos de teste de esforço cardiopulmonar em esteira e bicicleta ergométrica

  • Orientador : SELMA SOUSA BRUNO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANTONIO JOSÉ SARMENTO DA NÓBREGA
  • GERSON FONSECA DE SOUZA
  • SELMA SOUSA BRUNO
  • SHIRLEY LIMA CAMPOS
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • Data: 26/04/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Testes de esforço cardiopulmonar máximo (TECP) realizados em bicicleta ou esteira ergométrica medem de forma objetiva a capacidade funcional e quantificam a limitação ao exercício. Nestes testes, a análise do consumo de oxigênio no pico da atividade (VO2PICO) e do limiar ventilatório (LV), são medidas úteis para avaliar o desempenho cardiorrespiratório em diversas populações. Diversos protocolos de exercício utilizando bicicleta ou esteira ergométrica são usados para avaliação do desempenho, entretanto, para indivíduos obesos, não se sabe qual dos ergômetros promove um maior “stress” físico e aquele que melhor avalia a performance física destes sujeitos e possui maior aceitabilidade por esses indivíduos. Além disso, para esta população, pouco ainda é conhecido sobre o comportamento da cinética de oxigênio e da ventilação, ou seja sua taxa de incremento (ͲVO2 e ͲVE) e o entendimento dos sistemas de energia durante o exercício utilizando diferentes tipos de exercício (caminhada x ciclismo). Objetivos: comparar o desempenho cardiorrespiratório, metabólico, a cinética de oxigênio e da ventilação de mulheres obesas durante testes de esforço cardiopulmonar utilizando esteira convencional e bicicleta ergométrica por meio de protocolos incrementais de rampa e de testes de carga constante em duas diferentes intensidades de exercício. Materiais e Método: A amostra foi composta por 40 obesas voluntárias, baseado em cálculo amostral, randomizadas em dois grupos de 20 obesas cada que realizaram TECP em esteira ou bicicleta. Foi realizada avaliação clínica, antropométrica e de adiposidade (Peso, Altura, IMC-índice de massa corporal, IAC-índice de adiposidade corporal, RCQ-relação cintura-quadril, CQ-circunferência quadril, CC-circunferência cintura, CP-circunferência pescoço) e espirométrica (CVF-capacidade vital forçada, VEF1-volume expiratório forçado no 1° segundo, PFE-pico de fluxo expiratório, VVM-ventilação voluntária máxima). Em ambos os testes foram tomadas as medidas ventilatórias (VE-ventilação por minuto, VE/VO2-equivalente ventilatório de oxigênio, VE/VCO2-equivalente ventilatório de dióxido de carbono, RER-razão de troca gasosa) e metabólicas (VO2-consumo de oxigênio, VCO2-produção de dióxido de carbono) dos gases expirados (breath-by-breath) com sistema de análise de gases respiratórios (Cortex-Biophysik-Metamax3B), além das variáveis de percepção de esforço (fadiga e dispneia – Borg6-20), de FCmax (Frequência cardíaca máxima) e pressões arterial sistólica e diastólica. Prosseguindo com o protocolo de avaliação, em um segundo momento, 30 obesas realizaram dois testes de carga constante com intensidades distintas (25%< LV e 25% > LV), com descanso de 30 minutos entre os testes, para avaliação da cinética de oxigênio e da ventilação. Nestes, foram tomadas as medidas da cinética como o tempo de atraso(TA), taxa de incremento (Ͳ) do VO2 e VE e amplitude (A). Foi utilizado o software Sigma Plot 11.0 para análise da cinética e o software Statistic 10.0 para a análise estatística dos demais desfechos, sendo atribuído um nível de significância de 5% para testar as hipóteses. Resultados: a amostra estudada apresentou alto grau de obesidade (IMC= 43,5±6,6kg/m², porém sem distúrbios ventilatórios presentes. Ambos os grupos apresentaram homogeneidade com relação as suas características antropométricas e ventilatórias. Durante TECP incremental, foram as obesas do grupo esteira (GE) que possuíam maior resposta cardiopulmonar e metabólica vista pelo VO2pico (18,1±3,3ml/kg/min x 12,2±2,1 ml/kg/min) e VEpico (62,9±13,5Lx 42,1±8,3L) com p<0,05. Entretanto, foi este mesmo grupo que interrompeu o TECP mais precocemente (153,4s), e com uma menor reserva ventilatória (42,3±19,4L x 58,7±27,1L) quando comparado ao grupo bicicleta (GB). Correlações existentes entre as medidas antropométricas com as variáveis de desempenho entre os grupos, observou que apenas o GE teve o desempenho final do teste influenciado pelas medidas antropométricas como peso (r=-0,56, p=0,01) e IMC (r=-0,55, p=0,02). Analisando a cinética de oxigênio e da ventilação, em teste infra limiar, foi encontrada diferença (p<0.05) para o VO2 estado estável(VO2SS), onde o GE apresentou aumento do VO2SS em relação ao GB (GE=1.144L/min, GB=0.905L/min; p<0.05). Já no teste supra LV, observamos um maior componente lento da VE(CLVE) para as obesas do GE (GE=10.0L.min-1, GB=5,2L.min-1; p=0.02). Conclusão: em TECP ficou evidente em nossa amostra que a obesidade parece influenciar mais negativamente o teste realizado em esteira, fazendo com que as obesas interrompam este teste mais precocemente, necessitando de um maior consumo de oxigênio e resposta ventilatória para finalizar o exercício. Para a cinética de oxigênio e da ventilação, aparentemente o tipo de exercício realizado não influenciou a resposta da curva de VO2 e VE quando o exercício foi realizado infra LV. Entretanto, para o teste supra LV, um adicional componente ventilatório (CLVE) foi necessário para que as obesas conseguissem finalizar a atividade, sugerindo que esta atividade torna-se mais difícil para esta população.


  • Mostrar Abstract
  •  

    xii

     

    Introduction: Maximum cardiopulmonary exercise tests (CPX) performed on a bicycle or treadmill objectively measure functional capacity and quantify exercise limitation. In these tests, the analysis of peak oxygen consumption (VO2PICO) and ventilatory threshold (VT) are useful measures to evaluate cardiorespiratory performance in several populations. Several exercise protocols using a bicycle or treadmill are used for performance evaluation, however, for obese individuals, it is not known which ergometer promotes greater physical stress and the one that better evaluates the physical performance of these subjects and has greater acceptability for these individuals. Moreover, for this population, less is known about the behavior of oxygen kinetics and ventilation, i.e. its rate of increase (VO2 and VE kinetics) and the understanding of energy systems during an exercise using different types of exercise (cycling x pedaling). Objectives: To compare the cardiorespiratory, metabolic performance, oxygen kinetics and ventilation of obese women during cardiopulmonary exercise tests using a conventional treadmill and ergometric bicycle through incremental ramp protocols and constant load tests at two different exercise intensities. Materials and Methods: The sample consisted of 40 obese volunteers, based on sample calculations, randomized into two groups of 20 obese individuals, each of whom performed treadmill or bicycle CPX. We assessed the clinical, anthropometric and adiposity (weight, height, BMI-body mass index, BAI-body adiposity index, WBC-waist-hip ratio, HC-hip circumference, WC- waist circumference, NC- neck circumference) and spirometry (FVC-forced vital capacity, FEV1-forced expiratory volume in the 1st second, PEF-peak expiratory flow, MVV-maximum voluntary ventilation). In both tests, ventilatory measures (VE-ventilation per minute, VE/VO2-ventilatory equivalent of oxygen, VE/VCO2-ventilatory equivalent of carbon dioxide, RER-gas exchange ratio) and metabolic (VO2-consumption of oxygen, VCO2-carbon dioxide production) of breath-by-breaths with respiratory gases (Cortex-Biophysik-Metamax3B), in addition to the variables of effort perception (fatigue and dyspnea - Borg6-20 ), HRmax (maximum heart rate) and systolic and diastolic blood pressures. Continuing with the evaluation protocol, 30 obese performed two constant load tests with different intensities (25% <VT and 25%> VT), with a 30-minute rest between the tests, to evaluate oxygen kinetics and ventilation. In these, measurements of the kinetics were taken as the time delay (TD), rate of increase (τ) of VO2 and VT and amplitude (A). Sigma Plot 11.0 software for kinetic analysis and Statistic 10.0 software were used for the statistical analysis of the other outcomes, with a significance level of 5% being assigned to test the hypotheses. Results:The studied sample presented a high degree of obesity (BMI = 43.5± 6.6 kg/m², but without ventilatory disorders.) Both groups presented homogeneity in relation to their anthropometric and ventilatory characteristics.

    During incremental CPX, the obese women in the treadmill group (TG) had the highest cardiopulmonary and metabolic response seen by VO2peak (18.1±3.3 ml/kg/min x 12.2±2.1 ml/kg/min) and VEpeak (62.9±13.5L x 42.1±8.3L), with p <0.05. However, it was the same group that interrupted CPX earlier (153.4s), and with a lower ventilatory reserve (42.3±19.4L x 58.7±27.1L) when compared to the bicycle group (BG). Correlations between the anthropometric measurements and the performance variables between the groups, observed that only the TG had the final performance of the test influenced by the anthropometric measures as weight r= -0.56, p=0.01) and BMI (r= -0.55, p=0.02). Analyzing oxygen kinetics and ventilation, (p<0.05) for the VO2 stable state (VO2SS), where the TG presented an increase in VO2SS in relation to BG (TG= 1.144 L/min, BG= 0.905 L/min; p<0.05). In the above VT test, we observed an additional ventilatory component (SLVE) for the obese women of the TG (TG= 10.0 L.min-1, BG= 5.2L.min-1; p = 0.02). Conclusion: In our study, it was evident in our sample that obesity seems to influence the test performed on a treadmill more negatively, causing obese women to stop this test earlier, requiring a higher oxygen consumption and a ventilatory response to complete the exercise. For oxygen kinetics and ventilation, apparently the type of exercise performed did not influence the response of the VO2 and VE curve when exercise was performed below VT. However, for the above VT test, an additional ventilatory component (SLVE) was required so that the obese could finish the activity, suggesting that this activity becomes more difficult for this population.

6
  • RODRIGO MARCEL VALENTIM DA SILVA
  • EFEITOS DA TERAPIA POR ONDAS DE CHOQUE NA DOR MIOFASCIAL: ENSAIO CLÍNICO, RANDOMIZADOE CEGO

  • Orientador : JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CAIO ALANO DE ALMEIDA LINS
  • CIRO FRANCO DE MEDEIROS NETO
  • JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • KARYNA MYRELLY OLIVEIRA BEZERRA DE FIGUEIREDO RIBEIRO
  • PATRICIA FROES MEYER
  • Data: 22/05/2018

  • Mostrar Resumo
  • Objetivo:investigar os efeitos da Terapia de Ondas de Choque (TOC) nos pontos gatilhos miofasciais, na dor e no desempenho neuromuscular do músculo trapézio.  Materiais e métodos: ensaio clínico, randomizado e cego, composto por 60 mulheres (22,8±2,95 anos, peso médio de 55,68±7,35 kg, estatura de 1,61±0,59 cm e índice de massa corpórea de 21,37±2,39 kg/cm2) com presença de pontos gatilhos nas fibras superiores do músculo trapézio.  As mesmas foram submetidas a uma avaliação inicial (AV1), composta pelo relato subjetivo da dor (por meio da escala visual analógica), avaliação do limiar de dor (por meio da algometria), do número de pontos gatilhos ativos e latentes e da atividade eletromiográfica do músculo trapézio superior em repouso e durante a contração.Em seguida as voluntárias foram alocadas randomicamente em três grupos: Controle (n=20), sem intervenção; placebo (n=20), simulação da aplicação da terapia por ondas de choque e grupo terapia por ondas de choque (n=20). Para os grupos placebo e TOC foi utilizado o equipamento Master Plus 200® Storz Medical. No grupo TOC foi usada emissão de 2000 pulsos, modo radial, frequência de 15 Hz, pressão de 2 Bar e ponteira de 6 mm2. Todas as voluntárias foram reavaliadas imediatamente e 48 horas após o protocolo de intervenção (avaliação 48 horas). Uma ANOVA mista foi usada para comparação intragrupos e intergrupos, seguida pelo post hoc de Tukey. Adotou-se um nível de significância de 5%. Resultados: verificou-se uma redução da dor pela EVA nos grupos placebo e TOC; o nível de dor após 48 h foi menor em ambos os grupos quando comparados ao grupo controle, sem diferenças entre eles. Na variável quantidade de pontos gatilhos totais, observou-se uma redução entre os grupos TOC e placebo, imediatamente e na avaliação 48 h, quando comparados ao momento inicial. Não foi observada diferença significativa nas análises do limiar de dor, da amplitude eletromiográfica ativa nem durante o repouso.  Conclusão: a terapia por ondas de choque no tratamento da dor miofascial de mulheres apresentou o mesmo resultado do tratamento placebo.


  • Mostrar Abstract
  • Objective: To investigate the effects of extracorporal shock wave therapy (ESWT) on on triggers point myofascial, pain and performance neuromuscular of upper trapezius muscle fibers.  Materials and methods: A randomized, blinded clinical trial of 60 women (22.8 ± 2.95 years, mean weight of 55.68 ± 7.35 kg, height of 1.61 ± 0.59 cm and mass index body weight of 21.37 ± 2.39 kg / cm2) with presence of trigger points in the upper fibers of the trapezius muscle. They were submitted to an initial evaluation (AV1), composed of the subjective report of pain (through the visual analogue scale), evaluation of pain threshold (through algometry), number of active and latent trigger points and activity electromyography of the upper trapezius muscle at rest and during contraction.Instead, volunteers were allocated randomly into three groups: Control (n = 20), without intervention; placebo (n = 20), simulation of the application of ESWT and ESWT (n = 20). The ESWT was performed with the Master Plus 200® Storz Medical equipment, radial emission of 2000 pulses, frequency of 15 Hz and pressure of 2 Bar, tip of 6 mm2. All volunteers were reassessed immediately and 48 hours after the intervention protocol (evaluation 48 hours).A mixed ANOVA of repeated measures and used for intragroup and intergroup comparisons, by Tukey post hoc. Significance was set at 5%. Results: There was a reduction of pain due to VAS in the placebo group and ESWT, the after 48 h was lower in all groups when compared to control. In the variable number of total trigger points, we observed a difference between the ESWT and placebo groups, also in the 48 h evaluation. No significant difference was observed in pain threshold, electromyographic amplitude and peak torque analyzes. Conclusion: A ESWT in the treatment of myofascial pain in women has the same result as the placebo treatment.

7
  • CRISTIANO DOS SANTOS GOMES
  • PREVALÊNCIA DE FRAGILIDADE EM IDOSOS E FATORES ASSOCIADOS SOB A PERSPECTIVA DO CURSO DA VIDA: ANÁLISES DO INTERNATIONAL MOBILITY IN AGING STUDY – IMIAS

  • Orientador : RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA CAROLINA PATRICIO DE ALBUQUERQUE SOUSA
  • ETIENE OLIVEIRA DA SILVA FITTIPALDI
  • LILIAN LIRA LISBOA
  • MARIA DAS GRAÇAS RODRIGUES DE ARAÚJO
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • Data: 20/07/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A síndrome de Fragilidade, um estado de vulnerabilidade e de respostas homeostáticas deficientes após um evento estressor que ocorre como consequência do declínio cumulativo de múltiplos sistemas fisiológicos ao longo da vida, é uma das expressões mais problemáticas do envelhecimento populacional. Essa síndrome constitui um tópico importante a partir de uma perspectiva social, pois identifica grupos de pessoas com necessidade de atenção médica adicional e em alto risco de se tornarem dependentes. Nesse contexto, a epidemiologia do curso da vida estuda os efeitos na saúde em longo prazo de experiências biológicas, comportamentais e psicossociais no decorrer da vida. O estudo “International Mobility in Aging Study – IMIAS” utiliza a abordagem da Epidemiologia do Curso da Vida para contribuir com o conhecimento acerca dos desfechos relacionados à saúde e funcionalidade de idosos em quatro países com distintos perfis epidemiológicos. Objetivos: Estimar a prevalência de fragilidade nos idosos participantes do estudo; analisar a relação entre adversidades ao longo do curso da vida, entre estas, a violência doméstica e aspectos relacionados à história reprodutiva, e a síndrome de fragilidade;  e identificar possíveis preditores da transição para diferentes quadros de fragilidade. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal aninhado a um estudo de coorte (Estudo IMIAS) do qual participaram na primeira avaliação (n= 2002) idosos de ambos os sexos com faixa etária entre 65 e 74 anos residentes na comunidade em localidades distintas (Kingston e Saint-Hyancinthe, Canadá; Tirana, Albânia; Manizales, Colômbia e Natal, Brasil). Foram coletadas informações referentes a variáveis sociodemográficas, econômicas e de saúde experienciadas ao longo do curso da vida. A síndrome de fragilidade foi operacionalizada de acordo com os critérios propostos por Linda Fried para o fenótipo físico de fragilidade. Medidas de dispersão e de tendência central foram utilizadas para caracterização da amostra, análises bivariadas, multivariadas e de mediação. Resultados: A prevalência de fragilidade variou de acordo com os locais de estudo sendo menor no Canadá e maior no Brasil. Em Tirana e Natal as mulheres foram mais frágeis que os homens. Após análise multivariada ajustada por covariáveis, os idosos que reportaram ter sofrido abuso físico na infância apresentaram maior prevalência de fragilidade na velhice (OR=1.68; 95% CI: 1.01; 2.78) e o mesmo foi observado entre aqueles expostos a violência psicológica perpetrada pelo parceiro íntimo (OR= 2.07; 95% CI: 1.37; 3.12). Os efeitos da violência física na infância foram totalmente mediados pela presença de condições crônicas e sintomatologia depressiva enquanto que os efeitos da violência perpetrada pelo parceiro íntimo foi parcialmente mediada por estas mesmas variáveis. Entre as mulheres, ter filho antes dos 20 anos foi associado com maior prevalência de fragilidade (OR 2.15, 95%CI: 1.24-3.72), aquelas que tiveram 1-2 filhos apresentaram menores índices de pré-fragilidade status (OR 0.54, 95%CI 0.36-0.82)  e fragilidade (OR 0.43 95%CI 0.22-0.86) e ter realizado histerectomia foi considerado um fator que contribui de forma independente para uma maior prevalência de fragilidade em todos os modelos. Após ajustes (idade, sexo e local do estudo) a insuficiência de renda (RR 1.40; 95%IC 1.00-1.96) e ter apoio do parceiro (RR 0.80; 95%IC 0.64-1.01) foram considerados preditores de pior evolução do quadro de fragilidade. Conclusões: Abuso físico na infância, experiências de violência psicológica na vida adulta deixam marcas na trajetória de vida levando a desfechos adversos a saúde na velhice. Idade do primeiro filho, paridade e histerectomia são fatores que devem ser considerados como indicadores de saúde da mulher e parecem contribuir para a maior prevalência de fragilidade em mulheres quando comparada aos homens. Medidas que visem a redução das desigualdades sociais e econômicas são necessárias pois podem ter impacto sobre a saúde da população em especial dos idosos.


  • Mostrar Abstract
  • The growth of the elderly population is a global reality that brings direct repercussions to society. Although the aging process is not necessarily related to diseases and disabilities, many pathological processes also occur as part of it. Frailty syndrome, a state of vulnerability and deficient homeostatic responses after a stressful event that occurs as a consequence of the cumulative decline of multiple physiological systems throughout life, is one of the most problematic expressions of population aging. This syndrome is an important topic from a social perspective because it identifies groups of people in need of additional medical attention and at high risk of becoming dependent. In this context, life-course epidemiology studies the long-term health effects of biological, behavioral, and psychosocial experiences throughout life. The International Mobility In Aging Study (IMIAS) draws on the lifelong approach to contribute to knowledge about health outcomes in the elderly in four countries with different epidemiological profiles. Objectives: To estimate the prevalence of frailty in the elderly participants of the study; To analyze the relationship between adversities throughout the life course and the fragility syndrome in old age. Methods: These are cross-sectional studies associated with a larger cohort study (IMIAS) in which the elderly (65%) aged 65-74 years in the community participated in the first evaluation (n = 2002) in 5 different locations (Kingston and Saint-Hyancinthe, Canada, Tirana, Albania, Manizales, Colombia and Natal, Brazil). Information was collected on sociodemographic, economic and health variables experienced during the lifecourse. The frailty syndrome was operationalized according to the criteria proposed by Linda Fried for the physical phenotype of frailty. Dispersion and central tendency measures were used to characterize the sample, bivariate, multivariate and mediation analyzes were used when appropriate in order to achieve the proposed objectives. Results: The prevalence of frailty varied according to the study sites being lower in Canada and higher in Brazil. In Tirana and Natal women were more frail than men. After multivariate analysis adjusted by covariables, the elderly who reported having suffered childhood physical abuse had a higher prevalence of frailty in old age (OR = 1.68, 95% CI: 1.01, 2.78) and the same was observed among those exposed to psychological violence perpetrated by intimate partner (OR = 2.07, 95% CI: 1.37, 3.12). The effects of childhood physical abuse were fully mediated by the presence of chronic conditions and depressive symptomatology, while the effects of psychological intimate partner violence were partially mediated by these same variables. Among women, give birth before 20 years old was associated with higher prevalence of frailty (OR 2.15, 95% CI: 1.24-3.72), those with 1-2 children had lower pre-frailty status (OR 0.54, 95 (CI 0.36-0.82) and frailty (OR 0.43 95% CI 0.22-0.86) and having performed hysterectomy was considered a factor contributing independently to higher prevalence of frailty in all models. Conclusions: Childhood physical abuse and experiences of psychological violence in adult life leave marks on the path of life leading to adverse health outcomes in old age. Age at first birth, parity and hysterectomy are factors that should be considered as indicators of women's health and seem to contribute to the greater prevalence of frailty in women when compared to men.

8
  • RAQUEL EMANUELE DE FRANCA MENDES ALVES
  • PEDSQLTM ASTHMA MODULE – SHORT FORM 22: tradução, adaptação transcultural e avaliação de indicadores psicométricos da versão brasileira.


  • Orientador : KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • JOAO CARLOS ALCHIERI
  • BRENDA NAZARÉ GOMES ANDRIOLO
  • HELOISA KARMELINA CARVALHO DE SOUSA
  • Data: 26/07/2018

  • Mostrar Resumo
  • Objetivo: Traduzir, adaptar transculturalmente e avaliar os indicadores psicométricos da versão brasileira do PedsQLTM Asthma Module – Short Form 22. Materiais e métodos: Estudo metodológico exploratório realizado em duas etapas: validação linguística (tradução, tradução reversa, revisão pelo comitê multiprofissional de especialistas e pré-teste) e avaliação dos indicadores psicométricos do instrumento (confiabilidade, reprodutibilidade, validade de conteúdo, de validade de construto e validade concorrente). Foram avaliados: condição socioeconômica (ABEP); do controle clínico (Childhood Asthma Control Test (c-ACT) e Asthma Control Test (ACT)); qualidade de vida (Pediatric Asthma Quality of Life Questionnaire (PAQLQ)) e espirometria. A viabilidade, confiabilidade e reprodutibilidade das medidas obtidas com a versão brasileira do instrumento foram avaliadas através do efeito piso e teto, coeficiente Alfa de Cronbach e teste-reteste (subgrupos “com mudança” e“ sem mudança”), respectivamente. A validade de construto foi avaliada pela análise fatorial exploratória (AFE) e a validade concorrente pela correlação entre a versão brasileira do PedsQLTM Asthma Module SF 22 e o PedsQLTM Asthma Module, PAQLQ, c-ACT/ACT e VEF1 e VEF1/CVF. Resultados: A primeira etapa incluiu 57 participantes (26 pacientes com idade entre 5 e 18 anos e 31 pais/responsáveis). Na segunda etapa participaram 234 indivíduos, dos quais 117 eram pacientes entre 2 a 18 anos e 117 pais/responsáveis. Todos os itens do questionário se apresentaram claros e compressíveis (concordância variando entre 0,78 e 1,00). No pré-teste (n=57), nenhum participante apresentou dificuldade de compreensão (concordância acima de 0,90). A versão brasileira do instrumento apresentou consistência interna de 0,83 e 0.77 para a versão das crianças/adolescentes e pais/responsáveis, respectivamente. O teste-reteste indicou correlações moderadas/fortes entre as medidas, nos grupos com e sem mudança. A estrutura interna da versão brasileira do PedsQLTM Asthma Module SF 22 foi avaliada por meio da análise fatorial exploratória (AFE). A partir de índices de ajustamento aceitáveis, a AFE foi realizada. Foram pré-determinados 03 fatores seguidos de rotação ortogonal (varimax) para cada domínio (sintomas da asma e problemas de tratamento) nas versões crianças/adolescentes e pais/responsáveis às quais explicaram variância total acumulada adequadas.

    Os principais indicadores de QVRS de crianças e adolescentes com asma foram os relacionados à falta de ar, função emocional e dificuldades de adesão ao tratamento. Conclusão: O questionário PedsQLTM Asthma Module SF22 encontra-se traduzido e transculturalmente adaptado para a população brasileira. Além disso, a versão brasileira demonstrou ser capaz de fornecer medidas válidas e confiáveis na avaliação da QVRS de crianças e adolescentes com asma


  • Mostrar Abstract
  • Objectives: To translate, transculturally adapt and evaluate the psychometric indicators of the Brazilian version of the PedsQLTM Asthma Module - Short Form 22. Materials and methods: An exploratory methodological study carried out in two stages: linguistic validation (translation, back translation, multiprofessional committee review and pre-test) and and evaluation of the psychometric indicators of the instrument (reliability, reproducibility, content validity, construct validity, and concurrent validity). Socioeconomic status (Brazil Economic Classification Criteria); clinical control (Childhood Asthma Control Test (c-ACT) and Asthma Control Test (ACT)); health-related quality of life (HRQOL) (Pediatric Asthma Quality of Life Questionnaire (PAQLQ) e PedsQLTM Asthma Module) and spirometry were used for evaluation. The feasibility, reliability, and reproducibility of the measurements obtained with the Brazilian version of the instrument were evaluated through the floor and ceiling effect, Cronbach's alpha coefficient and test-retest (subgroups "with change" and "without change"), respectively. The construct validity was evaluated by the exploratory factorial analysis (EFA) and the concurrent validity by the correlation between the Brazilian version of PedsQLTM Asthma Module SF 22 and PedsQLTM Asthma Module, PAQLQ, c-ACT/ACT and FEV1 and FEV1/FVC. Results: The first step included 57 participants (26 patients between 5 to 18 years and 31 parents/guardians). In the second step participated 234 individuals, of which 117 were patients between 2 to 18 years and 117 parents/guardians. All items of the questionnaire were clear and understandable (agreement ranging from 0.78 to 1.00). In the pre-test (n = 57), no participants had difficulty understanding (agreement above 0.90). The Brazilian version of the instrument had an internal consistency of 0.83 and 0.77 for the version of children/adolescents and parents/guardians, respectively. The test-retest indicated moderate/strong correlations between measures, in the groups with and without change. The internal structure of the Brazilian version of PedsQLTM Asthma Module SF 22 was evaluated through exploratory factorial analysis (EFA). From the acceptable adjustment indexes, the EFA was performed. Pre-determined 03 factors of orthogonal rotation (varimax) were identified for each domain (asthma symptoms and treatment problems) in the children/adolescents and parents/guardians versions to which they explained an adequate cumulative total variance. The main HRQOL indicators of children and adolescents with asthma were those related to shortness of breath, emotional function and difficulties in adhering to treatment. Conclusion: The PedsQLTM Asthma Module SF22 is translated and transculturally adapted for the Brazilian population. In addition, the Brazilian version was able to provide valid and reliable measures for the assessment of the HRQOL of children and adolescents with asthma.

9
  • CATHARINNE ANGELICA CARVALHO DE FARIAS
  • Efeitos do treinamento muscular respiratório em diferentes modalidades associado a reabilitação respiratória em pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) – Ensaio clínico aleatório e controlado

  • Orientador : GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • GERSON FONSECA DE SOUZA
  • ANTONIO JOSÉ SARMENTO DA NÓBREGA
  • SHIRLEY LIMA CAMPOS
  • Data: 31/08/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O Treinamento Muscular Respiratório (TMR) em pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), ainda não apresenta consenso sobre os efeitos que poderiam adicionar à Reabilitação Pulmonar (RP). Objetivo: Diante disso, nosso objetivo foi propor um protocolo de RP associado à diferentes modalidades de TMR e avaliar seus efeitos adicionais nos desfechos primários da capacidade de exercício e dispneia em indivíduos com DPOC. Métodos: Tratou-se de um ensaio clínico aleatório controlado cego, composto por pacientes com diagnóstico de DPOC, distribuídos aleatoriamente em 3 grupos: Reabilitação Pulmonar  (RP), RP associado ao treinamento muscular inspiratório com carga de resistência ao fluxo cônico (RP+ TMRRFC) e RP associado ao TMR modalidade de endurance por hiperpneia normocapnica (RP+ TMRHN). O protocolo teve duração de 10 semanas, com frequência de 3 dias semanais supervisionados e dois dias sem supervisão, composto de educação em saúde, técnicas de conservação de energia, treinamento aeróbico individualizado em esteira com carga de 70% da velocidade máxima alcançada no teste incremental e fortalecimento muscular periférico para todos os grupos. O grupo RP+TMRRFC realizou treinamento com carga inicial de 35% da pressão inspiratória maxima (PImáx) obtida na avaliação inicial com progressões de 5% a cada semana, até um limite de 80% da PImáx, reavaliada e ajustada semanalmente. O grupo RP+TMRHN realizou treinamento com uma bolsa de reinalação equivalente a 50% da capacidade vital, uma frequência respiratória de 35 vezes o valor do volume expiratório forçado no primeiro segundo, com incrementos de 2 a 3 minutos por semana, até atingir, o tempo máximo de 20 minutos. Foram avaliadas as características antropométricas, função pulmonar, força e resistência muscular respiratória (PImáx, SPImáx, SNIP, PEmáx e VVM), capacidade de exercício (6MWT e ISWT), volumes da parede torácica no teste de endurance, força muscular periférica, sensação de dispneia e fadiga (BORG0-10), estado de saúde (CAT), risco de exacerbação e de mortalidade dos sujeitos (BODE), antes e após o período de intervenção. A análise estatística foi realizada pelo teste de Shapiro-Wilk, Anova One-way, Chi quadrado e Anova Two-way com Pos hoc de Bonferroni, de acordo com a distribuição dos dados. Foi considerado um p < 0,05 e utilizado o software GraphPad Prism, 6.0 . Resultados: Foram avaliados 34 sujeitos e treinados 33 pacientes, sendo 17 (51,5%) do gênero feminino, 66,2(±4,9) anos e IMC 28,0(±4,3) kg/m2. Nos desfechos primários, encontramos após as 10 semanas, aumento na capacidade do exercício nos grupos RP+TMRRFC e RP+TMRHN (p˂0,0001), sendo que, na análise intergrupos, o grupo RP+TMRHN foi superior no ISWT ao grupo RP (Pos hoc de p<0,005). Encontramos ainda, redução nas sensações de dispneia e fadiga após o 6MWT e ISWT, nos três grupos (p<0,001), sem diferença entre eles. Além disso, houve aumento na PImax em todos os grupos (p<0,0001), na SPImáx apenas no grupo RP+TMRRFC (p<0,0001) e melhora na SNIP nos grupos que realizaram RP + TRM, com p<0,0001. No grupo RP+TMRHN observamos melhora na PEmáx (p<0,0001) com Pos hoc de 0,004 em relação ao grupo RP, e na força de preensão manual (p˂0,0001). Verificou-se ainda que nos três grupos, houve redução do risco de mortalidade (p˂0,0001), com melhora no estado de saúde no RP+ TMRRFC  (p<0,001). O grupo RP+ TMRRFC apresentou uma redução no risco de exacerbação (p=0,0006) e uma melhora no CAT (p=0,0001). Conclusões: A associação do TMR aos programas de RP proporcionou ganhos adicionais sobre a capacidade de exercício, o estado de saúde, a força muscular respiratória e periférica, além dos benefícios encontrados em todos os grupos com redução do risco de exacerbação, mortalidade, dispneia e fadiga. Apesar de não conseguirmos diferenciar qual modalidade de TMR foi superior, acreditamos que a RP deve ser enfatizada e o TMR adicionado à RP em programas futuros para essa população.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Respiratory Muscular Training (RMT) in patients with Chronic Obstructive Pulmonary Disease (COPD), does not yet have consensus about the effects that could add to Pulmonary Rehabilitation (PR). Objective: Our objective was to propose a PR protocol associated with different RMT modalities and to evaluate its additional effects on primary endpoints of exercise capacity and dyspnea in individuals with COPD. Methods: This was a blinded randomized clinical trial composed of patients diagnosed with COPD randomly assigned to three groups: Pulmonary Rehabilitation (PR), PR associated with inspiratory muscle training with conical flow resistance load (PR+RMTCFR) and PR associated with RMT endurance modality by normocapnic hyperpnea (PR+RMTNH). The protocol lasted 10 weeks, with a frequency of 3 supervised weekly and 2 days without supervision, composed of health education, energy conservation techniques, individual aerobic training on treadmill with a load of 70% of the maximum speed reached in the incremental test and peripheral muscle strengthening for all groups. The PR+RMTCFR group underwent training with an initial load of 35% of maximal inspiratory pressure (MIP) obtained in the initial evaluation with 5% progressions each week, up to a limit of 80% of MIP, reassessed and adjusted weekly. The PR+RMTNH group underwent training with a rehousing pocket equivalent to 50% of vital capacity, a respiratory rate of 35 times the value of forced expiratory volume in the first second, with increments of 2 to 3 minutes per week, until the maximum time of 20 minutes. The anthropometric characteristics, pulmonary function, respiratory muscle strength and endurance (MIP, SMIP, SNIP, MEP and MVV), exercise capacity (6MWT and ISWT), thoracic wall volumes in the endurance test, peripheral muscle strength, dyspnea and fatigue (BORG0-10), health status (CAT), risk of exacerbation and mortality of the subjects (BODE), before and after the intervention period. Statistical analysis was performed using the Shapiro-Wilk test, Anova One-way, Chi square and Anova Two-way with Bonferroni Pos hoc, according to the data distribution. A p <0.05 was considered and GraphPad Prism, 6.0 software was used. Results: A total of 34 subjects were evaluated and 33 patients (51.5%), 66.2 (± 4.9) years and BMI 28.0 (± 4.3) kg / m2 were evaluated. In the primary outcomes, we found, after 10 weeks, increased exercise capacity in the PR+RMTCFR and PR+RMTNH (p˂0.0001) groups, and in the intergroup analysis, the PR+RMTNH group was higher in the ISWT group RP (Pos hoc of p <0.005). We also found a reduction in the sensations of dyspnea and fatigue after 6MWT and ISWT, in all three groups (p <0.001), with no difference between them. In addition, there was an increase in PImax in all groups (p <0.0001), in SPImax only in the PR+RMTCFR group (p <0.0001) and improvement in SNIP in the groups that performed PR+RMT, with p<0.0001. In the PR+RMTNH group we observed an improvement in MEP (p<0.0001) with Pos hoc of 0.004 in relation to the PR group, and in the manual grip strength (p˂0.0001). It was also verified that in all three groups, there was a reduction in the risk of mortality (p˂0.0001), with an improvement in the health status in PR+RMTNH (p<0.001). The PR+RMTCFRgroup presented a reduction in the risk of exacerbation (p=0.0006) and an improvement in CAT (p=0.0001). Conclusions: The association of RMT to PR programs provided additional gains on exercise capacity, health status, respiratory and peripheral muscle strength, and the benefits found in all groups with reduced risk of exacerbation, mortality, dyspnea and fatigue. Although we can´t differentiate which RMT modality was superior, we believe that PR should be emphasized and RMT added to PR in future programs for this population.

10
  • HELOISA MARIA JACOME DE SOUSA BRITTO
  • ASPECTOS CONTEXTUAIS ASSOCIADOS À MOBILIDADE E ESPAÇO DE VIDA EM IDOSOS COMUNITÁRIOS: REVISÃO SISTEMÁTICA E RESULTADOS DO ESTUDO IMIAS (The International Mobility in Aging Study)


  • Orientador : RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • JULIANA MARIA GAZZOLA
  • TANIA FERNANDES CAMPOS
  • ARMELE DE FATIMA DORNELAS DE ANDRADE
  • ETIENE OLIVEIRA DA SILVA FITTIPALDI
  • Data: 14/12/2018

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Mobilidade em idosos é a capacidade de mover-se desde ambientes domiciliares até além da comunidade onde vivem. A preservação da mobilidade é considerada fundamental para o envelhecimento ativo, sendo intimamente ligada ao estado de saúde e à qualidade de vida. A restrição de Mobilidade no Espaço de Vida (MEV) de idosos comunitários pode predizer a necessidade de cuidados de saúde no futuro. Fatores contextuais como, história de vida, aspectos sociais, ambientais e pessoais, são considerados determinantes para a manutenção do espaço de vida em idosos.
    Objetivos: Conhecer por meio de uma revisão sistemática os aspectos contextuais que interferem ou modificam a MEV, e identificar as associações entre Life-Space Assessment (LSA) e as adversidades do curso da vida de idosos em cinco populações com diferentes contextos epidemiológicos.
    Métodos: Uma revisão sistemática foi realizada de acordo com o protocolo PROSPERO, publicado anteriormente. Um estudo transversal aninhado a uma coorte, foi realizado com uma amostra de 1995 idosos residentes em 5 locais distintos (Kingston e Saint Hyacinthe no Canadá, Tirana na Albânia, Manizales na Colômbia e Natal-RN no Brasil). A avaliação da mobilidade no espaço de vida (LSA) foi analisada por meio de análise multivariada (regressão linear múltipla), sendo ajustadas por variáveis de saúde física, mental, suporte social e adversidades no curso da vida.
    Resultados: A revisão sistemática identificou 3484 estudos, apenas 41 foram considerados pelos critérios de inclusão, e classificados com melhor qualidade metodológica. A literatura destaca associações entre mobilidade no espaço de vida e fatores contextuais ambientais (produtos/ tecnologia e características físicas do ambiente) e pessoais (características sociodemográficas, experiencia de vida, características psicológicas individuais, percepção de saúde e qualidade de vida e índice de mortalidade). O estudo transversal identificou que a mobilidade no espaço de vida foi significantemente relacionada a aspectos contextuais, como: suporte social (β.= 0,041; p= 0,035), barreiras comunitárias (β.= -0,128; p= 0,0001), percepção de segurança (β.= 0,093; p= 0,0001) e capital social (β.= 0,045; p = 0,026). Além disso, destacamos que o escore total do LSA está inversamente relacionado a adversidades na vida adulta (β.= -0,114; p= 0,0001) e diretamente relacionada a adversidades na velhice  (β.= 0,073; p= 0,001), mas não houve associação com adversidades na infância (adversidade econômica: p= 0,607 e adversidade social: p= 0,899).
    Conclusão: Baixos índices de mobilidade no espaço de vida estão relacionados com fatores contextuais ambientais e pessoais. Identificamos que a mobilidade no espaço de vida é influenciada por adversidades na vida adulta e velhice, mas não por adversidades na infância. Fatores contextuais positivos como suporte social e ambiente favorável, assim como adversidades na velhice (renda insuficiente e viver sozinho), podem ser aspectos motivadores de melhor mobilidade no espaço de vida. As adversidades no curso da vida adulta como baixa escolaridade e ocupação manual semiqualificada são preditores de restrição de mobilidade em idosos.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Mobility in the elderly is the ability to move from home environment to beyond the community where they live. Preservation of mobility is considered essential for active aging, being closely linked to health status and quality of life. The Life-space Mobility (LSM) restriction of community-dwelling elderly can predict the need for future health care. Contextual factors such as life history, social, environmental and personal aspects are considered determinants for the maintenance of the living space in the elderly.
    Objectives: To know through a systematic review about contextual aspects that interfere or modify the LSM, and to identify the associations between Life-Space Assessment (LSA) and Life course adversities in old age in five populations with different epidemiological contexts.
    Methods: A systematic review was performed according to PROSPERO protocol, previously published. A cross-sectional study, lined up to cohort, was conducted with a sample of 1995 elderly individuals living in 5 distinct sites (Kingston and Saint Hyacinthe in Canada, Tirana in Albania, Manizales in Colombia and Natal-RN in Brazil). The Life Space Assessment (LSA) were analyzed through multivariate analysis (multiple linear regression), adjusted for variables of physical health, mental health, social support and adversities in the course of life.
    Results: The systematic review identified 3484 studies, only 41 were considered by inclusion criteria, and classified with better methodological quality. The literature highlights associations between life space mobility and environmental contextual factors (products / technology and physical characteristics of the environment) and personal (sociodemographic characteristics, life experience, individual psychological characteristics, health and quality of life perception, and mortality index). The cross-sectional study identified that life-space mobility was significantly related to contextual aspects, such as: social support (β = 0.041, p-value = 0.035), community barriers (β = -0,128, p-value = 0.000), perception of safety (β = 0.093, p-value = 0.000) and social capital (β = 0.045, p-value = 0.026). In addition, we highlight that the total LSA score is inversely related to adulthood adversities (β = -0.114, p-value= 0.000) and directly related to old age adversities (β = 0.073, p-value= 0.001), but there was no association with childhood adversities (economic adversities: p-value = 0.607 and social adversities: p-value = 0.899).
    Conclusion: Low life space mobility rates are related to environmental and personal contextual factors. We identified that life space mobility is influenced by adulthood and old age adversities, but not by childhood adversities. Positive contextual factors such as social support and a favorable environment, as well as old age adversities (insufficient income and living alone) can be motivating aspects of better life space mobility. The adversities in adulthood as low schooling and semi-skilled manual occupation are predictors of mobility restriction in older people.

11
  • ELIS EMMANUELLE CABRAL DA NÓBREGA
  • AVALIAÇÃO RESPIRATÓRIA: EVIDENCIA EM ELETROMIOGRAFIA E PERPECTIVAS SOBRE NOVOS DIPOSITIVOS DE TREINAMENTO MUSCULAR INSPRIATÓRIO E SEUS EFEITOS SOBRE OS VOLUMES DA PAREDE TORÁCICA

  • Orientador : GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • ILLIA NADINNE DANTAS FLORENTINO LIMA
  • CATHARINNE ANGELICA CARVALHO DE FARIAS
  • RENCIO BENTO FLORENCIO
  • Data: 19/12/2018

  • Mostrar Resumo
  • Há varias décadas a avaliação da atividade elétrica dos músculos respiratórios vem sendo
    utilizada em estudos clínicos e de Fisiologia. Por outro lado recentemente novas
    dispositivos para Treinamento de Músculos inspiratórios foram introduzidos
    comercialmente como as válvulas eletrônicas cinéticas. Esta tese incluiu em seu
    desenvolvimento um estudo de Avaliação de Tecnologias da Saúde, revisão sistemática, e
    um estudo clínico. O objetivo desta tese foi sintetizar e sistematizar a através de revisão
    sistemáticas metodologias utilizadas na avaliação da eletromiografia de superfície de
    músculos inspiratórios extradiafragmaticos durante a utilização aplicação de sobrecargas
    respiratórias e avaliar o padrão de modificações nos volumes da parede torácica durante
    o uso de duas formas de carga muscular inspiratória: limiar de carga pressórica (válvula
    mecânica-VM)
    versus
    carga resistiva ao fluxo cônico (válvula eletrônica-VE). Em ambas
    as válvulas foram avaliadas os efeitos agudos de com cargas de intensidade leve,
    moderada e alta sobre os volumes da parede torácica de indivíduos saudáveis. Foi
    realizado uma revisão sistemática sobre a utilização de EMG para avaliação dos
    músculos inspiratórios extradiafragmaticos durante a aplicação de cargas musculares
    respiratórias que foi publicado no Journal of Electromyography and Kinesiology. O estudo
    clínico foi realizado 2 dias onde o uso das válvulas foi aleatorizado assim como a
    intensidade das cargas. Foram testadas resistencia de que ofereceram cargas 30%; 50%
    e 70% da Pressão Inspiratória Maxima - PImáx. Em ambas as válvulas os sujeitos
    inspiravam contra as resistências durante 3 minutos em cada uma das etapas: respiração
    tranquila, respiração contra a carga e recuperação. Entre cada intensidade de carga
    houve um período de descanso de 15 minutos. Durante o protocolo foi realizado a
    avaliação dos volumes da parede torácica através da Pletismografia Opetoeletrônica
    concomitante a avaliação de fluxo e pressão ao nível da boca. Quinze voluntários foram
    incluídos no estudo. Foi observado um aumento dos volumes da caixa toráxica pulmonar
    na comparação entre as cargas com respiração tranquila e recuperação, porém esse
    aumento foi maior quando utilizado a VE. O ciclo respiratório também foi influenciado
    durante a utilização das duas válvulas e em todas cargas com maiores incrementos
    observados durante o uso da VE. Em ambas as válvulas o compartimento que mais
    aumentou o volume foi o caixa torácica pulmonar, porém esse aumento não foi
    estatisticamente significativo. A aplicação da carga muscular inspiratória influência tanto
    nas variável volumétricas como as variáveis de de tempos da respiração. A válvula
    eletrônica tende a otimizar melhor os efeitos sobre os volumes da parede torácica e tornar
    a respiração mais eficiente.

  • Mostrar Abstract
  • For several decades the evaluation of the electrical activity of respiratory muscles has
    been used in clinical and physiological studies. On the other hand recently, new inspiratory
    muscle training devices have been introduced in the commercially like electronic kinetic
    valves. This thesis includes in its development a study of Health Technology Assessment,
    systematic review and a clinical study. The aim of this thesis was to synthesize and
    systematize a through systematic review methodologies used in the evaluation of surface
    electromyography of extradiaphragm inspiratory muscles during the use of inspiratory
    overloads and to evaluate the pattern of changes in thoracic wall volumes during use of
    two forms of inspiratory muscle load: pressure-loading threshold (mechanical valve-MV)
    versus resistive load to conical flow (electronic valve-EV) with loads (light, moderate and
    high) in healthy individuals. A systematic review was conducted on the use of EMG for the
    evaluation of extradiaphragm inspiratory muscles during the application of respiratory
    muscle load, which was published in the Journal of Electromyography and Kinesiology.
    The clinical study was performed 2 days where the use of the valves was randomized as
    well as the loads with resistance that offered loads 30%; 50% and 70% of MIP. In both
    valves the subjects breathed against the resistances for 3 minutes in each of the steps:
    quiet breathing, loading and recovery. Among each load there was a rest period of 15
    minutes. During the protocol, the evaluation of chest wall volumes through Optoelectronic
    Plethysmography was performed concomitantly with evaluation of flow and pressure at the
    mouth level. Fifteen volunteers were included in the study. An increase in chest wall
    volumes was observed in the comparison between the loads with calm breathing and
    recovery, but this increase was higher when using EV. The respiratory cycle was also
    influenced during the use of both valves and in all loads with higher increments observed
    during the use of the EV. In both valves the compartment that increased the most volume
    was the pulmonary rib cage, but this increase was not statistically significant. The
    application of inspiratory muscle load influences both the volumetric variables and the time
    variables of the breath. The electronic valve tends to better optimize the effects on thoracic
    wall volumes and make breathing more efficient.
12
  • CAMILA ROCHA SIMÃO
  •  

    Atividade eletromiográfica como ferramenta para identificar preservação de vias aferentes e eferentes em indivíduos com lesão medular completa e crônica


  • Orientador : ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • ANGELO RAIMUNDO DA SILVA NETO
  • LÍRIA AKIE OKAI DE ALBUQUERQUE NÓBREGA
  • SUELLEN MARY MARINHO DOS SANTOS ANDRADE
  • TATIANA SOUZA RIBEIRO
  • Data: 20/12/2018

  • Mostrar Resumo
  •  

    Introdução: Sabe-se que mesmo após uma lesão medular completa (LMC) podem haver vias axonais preservadas abaixo do nível da lesão, o que pode ser demonstrado pela eletromiografia de superfície (EMGs). Entretanto, pouco se sabe sobre o comportamento transversal e longitudinal do sinal e suas propriedades espectrais em resposta à aferência sensorial pela carga associada aos comandos descendentes supraespinais durante tentativa de dar passos. Objetivos: 1) Investigar a presença de vias axonais eferentes preservadas em indivíduo com LMC por meio da análise do comportamento temporal e espectral do sinal EMGs de músculos abaixo do nível da lesão durante tentativa de movimentação voluntária em ortostatismo; 2) Analisar o comportamento das propriedades temporais e espectrais do sinal EMGs de músculos abaixo da lesão em indivíduos com LMC e a presença de modulação aferente e eferente durante a execução de tarefas locomotoras Métodos: Trata-se de um estudo observacional analítico, no qual participaram 3 indivíduos com LMC e crônica (mais de 1 ano após lesão). O sinal EMGs de músculos localizados abaixo da lesão foi registrado por meio de medidas repetidas durante duas etapas. Na primeira etapa, o sinal EMGs foi registrado na postura ortostática assistida concomitante à tentativa de dar passos de acordo com 4 dicas verbais (RÁPIDO, LENTO, ALTO e LARGO). Na segunda etapa, o sinal EMGs dos mesmos grupos musculares, foi registrado durante treino de marcha assistida por órtese robótica Lokomat® concomitante à tentativa de dar passos de acordo com 2 comandos verbais (ALTO e LARGO). Foi analisado o comportamento do sinal EMGs para os músculos reto femoral, bíceps femoral, tibial anterior e gastrocnêmio medial bilateralmente. O sinal EMGs rebatido e filtrado e o envoltório linear foram apresentados graficamente. A representação das características espectrais ao longo do tempo foi determinada pelo espectrograma. A partir da identificação da contrações musculares e da atividade mioelétrica em cada ciclo de marcha assistida, foram determinados: duração, RMS, pico da amplitude, integral matemática e a frequência mediana do sinal EMGs para cada condição experimental. Teste Friedman foi utilizado para comparar as variáveis dependentes entre os diferentes comandos, entre as medidas repetidas em ortostatismo, ao longo do tempo durante treino de marcha assistida e entre as condições de marcha com e sem comando verbal. A significância estatística foi estabelecida em 5%. Resultados: 1) Foi observada modulação eferente do sinal EMGs dos músculos reto femoral esquerdo (RFE) e bíceps femoral direito (BFD) coincidentes com início da tentativa de movimentação voluntária. Foram identificadas contrações musculares no sinal EMGs, mesmo na ausência de contração muscular visível, e a amplitude e frequência mediana do sinal se comportaram de forma diferente de acordo com o comando verbal utilizado; 2) Foi observado que a modulação eferente do sinal EMGs do RFE e BFD durante tentativa de movimentação voluntária dos MMII do participante 1 foi um achado sistemático na análise longitudinal dos dados demonstrando um aumento na amplitude (integral matemática) e concomitante diminuição da frequência mediana ao longo do tempo; 3) Foi identificada a modulação aferente do sinal EMGs nos três participantes do estudo durante o treino de marcha assistida. Músculos que não apresentaram modulação durante ortostatismo com tentativa de movimentação voluntária, apresentaram modulação pela aferência sensorial rítmica ofertada pelo treino de marcha assistida; 4) A integral matemática e a frequência mediana se comportaram como propriedades que variam em acordo com as modulações de origem aferente ou eferente do sinal EMGs; 5) A inspeção visual gráfica do sinal EMGs bem como a análise estatística permitiram identificar a presença de modulação aferente e eferente em participantes com LMC se confirmando a importância dessa ferramenta para avaliação desta população. Conclusão: A presença de modulação aferente e eferente do sinal EMGs sugere a preservação de vias supraespinais e espinais íntegras as quais interferem no output motor de indivíduos com LMC. Tais achados direcionam para um novo paradigma no processo de avaliação e reabilitação desta população o qual estabelece possíveis perspectivas de neuroplasticidade abaixo na lesão. Desta forma, considera-se importante a análise do sinal EMGs e de suas propriedades espectrais e temporais para desenvolvimento de recursos que possam otimizar o processo de neuroplasticidade nesta população.



  • Mostrar Abstract
  • Introduction: It is known that even after a complete spinal cord injury (cSCI) there may be preserved axonal pathways below the lesion level, which can be demonstrated by surface electromyography (sEMG). However, little is known about the transverse and longitudinal behavior of the signal and its spectral properties in response to sensory afferent due to the load associated with the supraspinal descending commands during attempted steps. Objectives: 1) To investigate the presence of preserved efferent axonal pathways in individuals with cSCI by analyzing the temporal and spectral behavior of the EMG signal of muscles below the level of the lesion during attempted voluntary movement in orthostatism; 2) To analyze the behavior of the temporal and spectral properties of the signal sEMG of muscles below the lesion in individuals with cSCI and the presence of afferent and efferent modulation during execution of locomotor tasks. Methods: It is an observational analytical study in which 3 individuals with cSCI and chronic (more than 1 year after injury) participated. The sEMG signal of muscles located below the lesion was recorded by repeated measurements during two steps. In the first stage, the EMG signal was recorded in the assisted orthostatic posture concomitant with the attempt to take steps according to 4 verbal cues (FAST, SLOW, HIGH, and LONG). In the second stage, the EMG signal of the same muscle groups was recorded during the Lokomat® robotic orthosis-assisted gait training without commands, concomitant to the attempt to take steps according to 2 verbal commands (HIGH and LONG). It was analyzed the behavior of the EMG signal of the following muscles rectus femoris (RF), biceps femoral (BF), tibialis anterior (TA) and medial gastrocnemius (MG) bilaterally. The collapsed and filtered EMGs signal and the linear envelope were plotted. The representation of the spectral characteristics over time was determined by the spectrogram. From the identification of muscle contractions and myoelectric activity in each cycle of assisted gait, it was determined: duration, RMS, amplitude peak, mathematical integral and median frequency of the EMG signal for each experimental condition. Friedman test was used to compare the dependent variables between the different commands, between measures repeated in orthostatism, over time during assisted walking training and between gait conditions with and without a verbal command. The statistical significance was set at 5 %. Results: 1) It was observed efferent modulation of the left RF and right BF signal EMGs coinciding with the commencement of the voluntary movement attempt was observed. It was identified muscle contractions in the EMG signal, even in the absence of visible muscle contraction, and the amplitude and median frequency of the signal behaved differently according to the verbal command used; 2) It was observed that the efferent modulation of the EMG signal of the left RF and right BF during attempt of voluntary movement of the participant 1 was systematic finding in the longitudinal analysis of the data demonstrating an increase in amplitude (mathematical integral) concomitant to decrease of the median frequency over time; 3) It was identified the afferent modulation of the EMG signal in the three study participants during the assisted gait training. Muscles that did not show modulation during orthostatism with attempt of voluntary movement, presented modulation by the rhythmic sensorial afferent offered by the assisted gait training; 4) The mathematical integral and the median frequency behaved as properties that vary according to the modulations of afferent or efferent origin of the signal sEMG; 5) The graphic visual inspection of the sEMG signal as well as the statistical analysis allowed to identify the presence of afferent and efferent modulation in participants with cSCI confirming the importance of this tool for the evaluation of this population. Conclusion: The presence of afferent and efferent modulation of the sEMG signal suggests the preservation of intact supraspinal and spinal pathways which interfere in the motor output of individuals with cSCI. Such findings direct towards a new paradigm in the process of evaluation and rehabilitation of this population which establishes possible perspectives of neuroplasticity below in the lesion. Therefore, it is considered important the analysis of the EMG signal and its spectral and temporal properties for the development of resources that can optimize the neuroplasticity process in this population.

2017
Dissertações
1
  • NATHÁLIA STÉPHANY ARAÚJO TAVARES
  • Análise da atividade cerebral nos lobos frontais de adultos 
    jovens e idosos durante a imersão em ambiente virtual.
    
  • Orientador : FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • JULIO CESAR PAULINO DE MELO
  • KLIGER KISSINGER FERNANDES ROCHA
  • Data: 17/02/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Durante o processo de envelhecimento, ocorrem alterações fisiológicas que promovem uma menor eficiência no processamento cerebral e planejamento motor, especialmente quando comparado a indivíduos jovens. Nos últimos anos a realidade virtual (RV), vem se popularizando e sendo cada vez mais aplicada nos centros de reabilitação, sendo mais uma ferramenta de atenção à saúde, inclusive na terceira idade. Por ser considerada um recurso motivador e que promove maior adesão ao tratamento, a RV se disseminou rapidamente. No entanto, pouco se sabe como a utilização da terapia baseada em jogos influencia na ativação cerebral de diferentes grupos submetidos a este tipo de estímulo. Frente às diferentes demandas cognitivas e motoras proporcionadas por tal recurso, mecanismos alternativos, como os equipamentos de eletroencefalografia portáteis, se fazem necessário para mensurar como a atividade cerebral se comporta frente a tal exposição. Objetivo: Este estudo tem por objetivo, investigar os resultados imediatos de uma exposição a um jogo de equilíbrio, realizado em ambiente virtual, na ativação cerebral dos lobos frontais de adultos jovens e idosos, Metodologia: Estudo comparativo, envolvendo 20 indivíduos divididos nos grupos: jovem (GJ) e idoso (GI). Após passarem por uma avaliação do estado geral, do suporte necessário para a marcha e do estado cognitivo, os participantes realizaram durante 4 minutos, o jogo penguim slide da categoria de equilíbrio do Nintendo Wii, cujos efeitos sobre a atividade cortical foram observados por meio da coleta realizada pelo Emotiv EPOC. Resultados: A frequência de onda alfa apresentou um maior poder de ativação em ambos os grupos. Para comparação do poder de ativação entre os grupos foi realizado o teste Mann-Whitney, o qual não mostrou diferenças estatística entre as bandas de frequência alfa (p=0,58) e beta (p=0,92). Descritivamente é possível verificar uma tendência do GI ativar mais os canais do hemisfério direito, enquanto o contrário é observado no GJ. Conclusão: A ativação das ondas alfa e beta nos canais frontais, para indivíduos jovens e idosos não difere quando os mesmos são submetidos a uma experiência com RV.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: During the aging process, there are physiological changes that promote a less efficient brain processing and motor planning, especially when compared to young individuals. In recent years, virtual reality (VR) has become more popular and has been increasingly utilized in rehabilitation centers as an additional health care tool, including for elderly. Because it is considered a motivating resource that promotes greater adhesion to treatment, RV has quickly spread. Nevertheless, there is little knowledge about how the use of game therapy influences the brain activation of different groups subjected to such stimulation. Faced with the diverse cognitive and motor demands provided by this type of resource, alternate mechanisms, such as portable electroencephalography equipment, are essential to measure how brain activity behaves in response to such exposure. Objective: The aim of this study is to investigate the immediate outcomes of performing a balance game, in virtual environment, in brain activation of frontal lobes of young adults. Methodology: comparative study, involving 20 individuals divided into two groups: young (YG) and elderly (EG). After being submitted to an evaluation of general condition, the necessary support for gait task, and cognitive status, the participants, during 4 minutes, practiced the penguin slide game of the Nintendo Wii balance category, whose effects on the cortex activity were observed through Emotiv EPOC’s acquired data. Results: The alpha wave frequency presented a greater activation power in both groups. To compare the activation power between the groups, the Mann-Whitney test was performed which did not show statistical differences between the alpha (p = 0.58) and beta (p = 0.92) frequency bands. Descriptively, it is possible to verify a tendency of GI to activate the right hemisphere channels more, while the opposite is observed in the GJ. Conclusion: Activation of alpha and beta waves in the frontal canals for young and elderly individuals does not differ when they undergo an RV experience.

2
  • KIM MANSUR YANO
  • ANÁLISE DE COERÊNCIA DE ATIVAÇÃO CORTICAL DE INDIVÍDUOS JOVENS E IDOSOS SUBMETIDOS A UMA EXPOSIÇÃO À REALIDADE VIRTUAL

  • Orientador : FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • JULIO CESAR PAULINO DE MELO
  • KLIGER KISSINGER FERNANDES ROCHA
  • Data: 17/02/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução – Durante o processo de envelhecimento, ocorrem alterações fisiológicas que levam uma diminuição na velocidade de processamento cerebral. Nos últimos anos a realidade virtual (RV), vem se ampliando cada vez mais aplicada nos centros de reabilitação, portanto conhecer a influência da RV sob a atividade cerebral, nessas populações se faz necessário. Dentro desse contexto, a Eletroencefalografia é considerada como um dos principais meios de captação da atividade cerebral. Através da obtenção da atividade cerebral, podemos estudá-la de diversas formas, uma delas é o estudo de coerência entre pares de eletrodos, permitindo analisar as relações de diferentes áreas cerebrais e como estas trocam informações. Objetivo: Este estudo tem por objetivo, investigar a influência imediata da exposição a uma sessão de treino de equilíbrio em ambiente virtual sobre a coerência entre os lobos frontais de adultos jovens e idosos, mensurada através do Emotiv EPOC. Metodologia: Estudo comparativo, envolvendo 20 indivíduos divididos nos grupos: jovem (GJ) e idoso (GI). Após passarem por uma avaliação do estado geral, do suporte necessário para a marcha (FAC) e do estado cognitivo (MEEM), os participantes realizaram durante 4 minutos, o jogo penguin slide da categoria de equilíbrio do Nintendo Wii, cujos efeitos sobre a atividade cortical foram observados por meio da coleta realizada pelo EPOC. Resultados: O GJ apresentou valores de coerência inter-hemisférica semelhantes na banda alfa e na banda beta em comparação ao GI.  Quanto a coerência de fase o GI apresentou uma antecipação do hemisfério direito enquanto, o GJ apresentou do hemisfério esquerdo. Conclusão: A realidade virtual parece estimular igualmente o GJ e o GI. Entretanto o GJ, apresentou padrões de ativação e de coerência de fase, que sugerem compatibilidade com aprendizado prévio à RV, justificando as diferenças encontradas na coerência de fase entre os grupos.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: During the aging process, physiological changes occur that lead to a decrease in brain processing speed. In recent years virtual reality (VR) has been increasingly applied in rehabilitation centers, so knowing the influence of VR under brain activity, in these populations is necessary. Within this context, Electroencephalography is considered as one of the main means of capturing brain activity. By obtaining the brain activity, we can study it in several ways, one of them is the study of coherence between pairs of electrodes, allowing to analyze the relations of different brain areas and how they exchange information. Objective: This study aims to investigate the immediate influence of exposure to a balance session in a virtual environment on the coherence between the frontal lobes of young and old adults, measured using Emotiv EPOC. Methodology: A comparative study involving 20 individuals divided into the groups: young (GJ) and elderly (GI). After undergoing an evaluation of the general condition, the necessary support for the gait (FAC) and the cognitive state (MEEM), the participants performed during 4 minutes, the penguin slide game of the balancing category of Nintendo Wii, whose effects on the activity Were collected through COPD. Results: The GJ presented similar inter-hemispheric coherence values in the alpha band and in the beta band in comparison to the GI. Regarding phase coherence, the GI presented an anticipation of the right hemisphere while, the GJ presented of the left hemisphere. Conclusion: Virtual reality seems to stimulate both GJ and GI. However, the GJ presented patterns of activation and phase coherence, which suggest compatibility with prior learning to VR, justifying the differences found in phase coherence between the groups.

3
  • MARIA CLARA EUGENIA DE OLIVEIRA
  • AVALIAÇÃO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES COM SOBREPESO E OBESIDADE ANTES E APÓS TRATAMENTO COM CINESIOTERAPIA E REEDUCAÇÃO ALIMENTAR: Ensaio clínico randomizado.

  • Orientador : MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • ANA PAULA TRUSSARDI FAYH
  • VANESSA PATRICIA SOARES DE SOUSA
  • Data: 22/02/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O excesso de peso é o principal fator de risco para uma série de doenças crônicas como diabetes, doenças cardiovasculares e câncer. Entre as patologias afetadas pelo excesso de peso, está também as disfunções no assoalho pélvico (AP) como a presença de incontinência urinária (IU). Objetivo: Comparar a eficácia de um tratamento fisioterapêutico para mulheres com incontinência urinária através da cinesioterapia do assoalho pélvico e da cinesioterapia associada à reeducação alimentar. Metodologia: Estudo do tipo ensaio clínico, randomizado e simples-cego, realizado no Hospital Universitário Onofre Lopes. Participaram do estudo, 26 mulheres com IMC entre 25 e 40kg/m2, divididas em 2 grupos: Grupo Cinesioterapia e Reeducação alimentar (GCRA – n= 13) e Grupo Cinecioterapia (GC – n=13). A coleta de dados aconteceu em três etapas: Avaliação, com aplicação da ficha de avaliação, dos questionários e exame físico; Intervenção, com aplicação do protocolo da cinesioterapia ou protocolo da reeducação alimentar associado à cinesioterapia; e Reavaliação, Aplicação da ficha de avaliação, dos questionários e exame físico ao final do tratamento, com 2 meses. Foram realizados dois atendimentos por semana, totalizando 16 atendimentos em ambos os grupos, com duração de 30 minutos por atendimento. Os dados foram analisados através do software estatístico SPSS 20.0 atribuindo-se o nível de significância de 5%. O teste de Shapiro-Wilk foi utilizado para testar a normalidade dos dados. De acordo com a distribuição dos dados, foi utilizado o teste t’Student ou Mann-Whitney para comparar as médias intergrupos, e teste t pareado ou Wilcoxon para verificar diferenças intragrupos.  Resultados: A perineometria apresentou diferença estatisticamente significante, quando comparado antes e após o tratamento, nos dois grupos (GCRA P=0,045; GC P=0,028). O impacto da incontinência urinária na qualidade de vida, analisado pelo ICIQ-SF, ambos os grupos apresentaram diferenças estatisticamente significativas do seu momento inicial para o final (GCRA P= 0,001; GC P= 0,000). Com relação à qualidade de vida o GCRA apresentou aumento no final do tratamento, no que se refere a satisfação da saúde (P=0,026). Conclusão: Almeja-se que o fisioterapeuta possa usufruir de um protocolo verdadeiramente confiável no tratamento das pacientes. Além disso, observa-se a importância do trabalho interdisciplinar, que favorece uma melhoria de vários sistemas corporais como também na melhoria da qualidade de vida.


  • Mostrar Abstract
  • Background: Being overweight is the main risk factor for a number of chronic diseases like diabetes, cardiovascular disease and cancer. Among the pathologies affected by excess of weight, there are also pelvic floor (PF) dysfunctions such as urinary incontinence (UI). Purpose: To compare the efficacy of a physiotherapeutic treatment for women with urinary incontinence through pelvic floor kinesiotherapy and kinesiotherapy associated with nutritional education. Materials and Methods: A clinical trial, randomized and simple-blind trial, carried out at the University Hospital Onofre Lopes. Twenty - six women with BMI between 25 and 40 kg / m2 were divided into two groups: Kinesiotherapy Group and Food Reeducation (GCRA - n = 13) and Kinesiotherapy Group (GC - n = 13). The data collection took place in three stages: Evaluation, with application of the evaluation form, of the questionnaires and physical examination; Intervention, with application of the kinesiotherapy protocol or nutritional education associated with kinesiotherapy protocol; And Reevaluation, Application of evaluation form, questionnaires and physical examination at the end of treatment, with 2 months. Two visits were performed per week, totaling 16 visits in both groups, with a duration of 30 minutes per service. The data were analyzed using the statistical software SPSS 20.0, assigning the significance level of 5%. The Shapiro-Wilk test was used to test the normality of the data. According to the data distribution, the t'Student or Mann-Whitney test was used to compare the intergroup means, and the paired t-test or Wilcoxon test to verify intragroup differences. Results: The perineometry presented a statistically significant difference, when compared before and after treatment, in both groups (GCRA P = 0.045; GC P = 0.028). The impact of urinary incontinence on quality of life, analyzed by the ICIQ-SF, both groups presented statistically significant differences from their initial moment to the final (GCRA P = 0.001, GC P = 0.000). Regarding quality of life, the GCRA showed an increase at the end of the treatment, regarding health satisfaction (P = 0.026). Conclusions: It is hoped that the physiotherapist will be able to enjoy a truly reliable protocol in the treatment of patients. In addition, we note the importance of interdisciplinary work, which favors an improvement of several body systems as well as improvement of the quality of life.

4
  • HERTA JANINE BATISTA COSTA
  • ANÁLISE CINEMÁTICA DE PACIENTES COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL DURANTE JOGO DE DARDOS EM AMBIENTES VIRTUAL E REAL

  • Orientador : TANIA FERNANDES CAMPOS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • TANIA FERNANDES CAMPOS
  • JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • DAMIAO ERNANE DE SOUZA
  • Data: 23/02/2017

  • Mostrar Resumo
  • O AVC é a principal causa de incapacidade a longo prazo resultando em deficiências sensoriomotoras que comprometem a funcionalidade nas AVD’s dos indivíduos. Assim, tecnologias de
    realidade virtual vêm sendo cada vez mais usadas visando à reabilitação motora. No entanto, há poucas evidências de que os movimentos realizados em ambientes virtuais se assemelhem aos
    realizados em ambientes físicos. OBJETIVO: Analisar os componentes cinemáticos do membro superior em pacientes com AVC durante um jogo de dardos em ambientes virtual e real. METODOLOGIA: Estudo tranversal comparativo, com amostra de 11 hemiparéticos crônicos. O ambiente virtual foi apresentado no _XBOX _360 Kinect® e o ambiente real usou um jogo de dardo profissional. Os participantes realizaram 15 tentativas de cada jogo e a cinemática do membro superior foi registrada em vídeo para análise no S_oftware_ Kinovea. Os ambientes foram comparados usando o teste t-Student pareado. RESULTADOS: Houve diferenças significativas entre os ambientes virtual e real. O jogo real apresentou maior ângulo de extensão de cotovelo (p=0,008), maior flexão de ombro (p=0,008) e maior velocidade média da trajetória do ombro (p=0,001), cotovelo (p=0,0001) e punho (p=0,001). Quantos aos picos de velocidade e aceleração, valores máximos foram encontrados no jogo real para velocidade de ombro (p=0,04), cotovelo
    (p=0,002) e punho (p=0,002) e aceleração de cotovelo (p=0,004) e punho (p=0,028). As velocidades de flexão e extensão foram maiores no jogo real para ombro (p=0,021), cotovelo (p=0,004; p=0,005) e punho (p=0,009; p=0,039). O jogo virtual obteve maior tempo de flexão
    (p=0,0001) e extensão (p=0,021) e maior desempenho (p<0,0001).
    CONCLUSÕES: O jogo de dardo pode ser empregado na reabilitação do membro superior após AVC de acordo com os objetivos que a terapia quer atingir. Se as principais metas são precisão do movimento, controle dos graus de liberdade e ajustes posturais o jogo virtual se mostra mais eficaz. Se o objetivo é melhora da coordenação interarticular e refinar o controle motor, então o jogo real representa uma boa opção.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Stroke is the leading cause of long-term disability resulting in sensorimotor impairments that compromise functionality in the individuals' ADLs. Thus, virtual reality technologies have been used increasingly aimed at motor rehabilitation. However, there is little evidence that the movements performed in virtual environments are similar to those made in physical environments. Objective: Analyze kinematics components of the upper limb in stroke patients during a game of darts in virtual and real environment. Methodology: The comparative transversal study with a sample of 11 chronic hemiparesis. The virtual environment was presented at the XBOX 360 Kinect® and the real environment used a professional dart game.Participants performed 15 trials of each game and the kinematics of the upper limb was recorded on video for analysis in Kinovea Software.The environments were compared using the t-Student test. Results: There were significant differences between the virtual and real environments.The real game showed higher elbow extension angle (p = 0.008), greater shoulder flexion (p = 0.008) and a higher mean speed of the shoulder (p = 0.001), elbow (p = 0.0001) and wrist (p = 0.001) path. As to velocity and acceleration peaks, maximum values were found in the real game shoulder (p = 0.04), elbow (p = 0.002) and wrist (p = 0.002) velocity, and elbow (p = 0.004) and wrist (p = 0.028) acceleration. The flexion and extension speeds were higher in the real game shoulder (p = 0.021), elbow (p = 0.004; p = 0.005) and wrist (p = 0.009; p = 0.039). The virtual game got longer flexion (p = 0.0001) and extension (p = 0.021) and a higher performance (p <0.0001).Conclusions: The dart game can be used in the rehabilitation of the upper limb after stroke according to the objectives that therapy wants to achieve. If the main goal is precision of movement, control of degrees of freedom and postural adjustments the virtual game shows to be more effective. If the goals is to improved coordination interarticular and refine the motor control, then the real game is a good option.

5
  • JÉSSICA DINIZ CAVALCANTI
  • Análise do desempenho e da atividade elétrica muscular em asmáticos durante diferentes testes de exercício


  • Orientador : VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LUCIEN PERONI GUALDI
  • RUBENS ALEXANDRE DA SILVA JUNIOR
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • Data: 24/02/2017

  • Mostrar Resumo
  • Os indivíduos asmáticos diminuem suas atividades funcionais principalmente por sintomas como dispnéia e fadiga. Os sintomas levam a prejuízos tanto da função muscular respiratória quanto periférica devido a alteração metabólica e redução da capacidade oxidativa, além de possível modificação da ativação muscular durante essas atividades. Como esses músculos são ativados durante atividades cotidianas nessa população ainda foi pouco estudado. Dessa forma, esse trabalho teve como objetivo analisar o desempenho e o comportamento da atividade elétrica dos músculos respiratórios e periféricos, durante dois testes de exercício: Incremental Shuttle Walking Test (ISWT) e o Glittre-AVD, em indivíduos asmáticos comparando com indivíduos não asmáticos.

    Trata-se de um estudo observacional e analítico onde foram incluídos pacientes com diagnóstico clínico de Asma, de ambos os sexos, com idade entre 20 e 50 anos, doença controlada, índice de massa corporal (IMC) abaixo de 30 kg/m², não-fumantes e indivíduos não asmáticos pareados por idade, sexo e IMC. Após avaliação dos dados antropométricos e função pulmonar, todos os participantes foram submetidos a dois testes de exercício: ISWT e o teste Glittre-AVD. Durante ambos os testes, foi avaliado a atividade elétrica através da eletromiografia de superfície (EMGs) nos músculos esternocleidomastóide (ECOM), escaleno (ESC), reto abdominal (RA) e reto femoral (RF) para o ISWT e ESC, RA, RF e o músculo deltoide médio (DM) para Glittre-AVD. O registro do sinal eletromiográfico em ambos os testes ocorreu nos momentos: basal, durante a execução do teste, pós-imediato e fase de recuperação. Para o processamento da  root means square (RMS) foi aplicado o filtro passa-alta de 20Hz, smoothing, com algorítimo da RMS, retificação do tipo fullwave e filtro para redução dos sinais cardíacos. A análise do espectro de frequência foi calculado a partir da frequência mediana A análise estatística foi feita pelo programa estatístico GraphPad Prism versão 6.0, para p<0,05. Foi utilizado o teste Shapiro-Wilk para normalidade das variáveis estudadas e Mann-Whitney para análise intergrupo das variáveis cardiovasculares, respiratórias e Borg (dispnéia e fadiga), ao final de cada teste. Para análise intergrupo da atividade elétrica dos músculos estudados, em cada teste, foi utilizado o teste “t” não – pareado para o  ISWT e teste Mann-Whitney  para o teste Glittre-AVD.

    Dezesseis pacientes asmáticos compuseram o Grupo Asma (GA) e 10 sujeitos não-asmáticos o Grupo Controle (GC). A amostra do GA vs GC apresentaram: idadeanos: 35,31± 11,31 vs 34,70±15,61, IMCkg/m2: 24,49±4,15 vs 22,34±1,797, VEF1%: 78,74±17,41 vs 90,84±7,74 (p<0,01), VEF1/CVF%predito: 84,46±12,53 vs 100,6±8,43(p<0,01),  respectivamente. Não houve diferença na sintomatologia relatada de dispnéia e fadiga em membros inferiores, variáveis cardiorrespiratórias e capacidade inspiratória, entre os grupos, ao final de cada teste. Em relação ao desempenho no ISWT, o GA percorreu uma distância menor que o GC (p<0,05). Para o teste Glittre-AVD, o GA executou o teste com quase 1 minuto a mais comparada ao GC (p<0,05). A análise EMGs durante o ISWT demonstrou aumento da atividade elétrica dos músculos avaliados de maneira coordenada e similar, em ambos os grupos, com diferença significativamente maior apenas para ECOM do GC em 100% do teste (p<0,05). No Glittre-AVD, o GA ao comparar com GC, não houve diferença de ativação para os músculos ESC e DM. Os músculos RA e RF exibiram uma maior ativação no GC, porém sem diferença significativa. Não houve diferença significativa na análise do slope da frequência mediana entre os grupo, em ambos os testes.

    Nossos resultados sugerem que durante os testes de exercício ISWT e Glittre-AVD, os pacientes asmáticos apresentam atividade eletromiográfica coordenada e similar aos indivíduos saudáveis, entretanto com menor desempenho em ambos os testes.


  • Mostrar Abstract
  • Asthmatic individuals show decreased functional activities due to symptoms as dyspnea and fatigue, mainly. Symptoms lead to impairment of respiratory and peripheral muscular function due to metabolic change, oxidative capacity reduction and a possible modification of muscle activation during activities. As these muscles are activated during daily activities in this population there are still a small number of studies. Thus, the aim of this study was to analyze the performance and behavior of electrical activity of respiratory and peripheral muscles in two exercise tests: Incremental Shuttle Walking Test (ISWT) and Glitter-ADL test in asthmatic subjects comparing with non asthmatic individuals.

    This is an observational, analytical study that included patients with clinical diagnosis of Asthma, of both gender, aged between 20 and 50 years, with controlled disease, body mass index (BMI) below 30 kg / m². Non smokers and non asthmatic subjects matched for age, gender and BMI were also enrolled. After anthropometric and pulmonary function assessment, all participants were submitted to two exercise tests: ISWT and Glitter-ADL test. During the tests, electrical activity was evaluated through surface electromyography (EMGs) of sternocleidomastoid (SCM), scalene (ESC), rectus abdominis (RA) and rectus femoris (RF) muscles for ISWT and ESC, RA, RF and the middle deltoid (DM) muscle for Glitter-ADL test. Electromyographic signal was recorded in both tests at the moments: baseline, during the test, immediately post test and recovery. For root mean square processing (RMS) was applied a high pass filter of 20Hz, smoothing, with RMS algorithm, fullwave rectification type and a filter to reduce cardiac signals. Frequency spectrum analysis was calculated through the median frequency. Statistical analysis was performed using the statistical program GraphPad Prism version 6.0, a p value <0.05was set. Shapiro-Wilk test was used to test data normality. Intergroup analysis of cardiovascular, respiratory and Borg variables (dyspnea and fatigue) at the end of each test used Mann-Whitney test. For intergroup analysis of muscles electrical activity it was performed the unpaired T test for the ISWT and Mann-Whitney test for the Glitter-ADL test.

    Sixteen asthmatic subjects were enrolled in the Asthma Group (AG) and ten non-asthmatic subjects in Control Group (CG). AG vs CG comparison  showed: age: 35.31 ± 11.31 vs 34.70 ± 15.61, BMI  kg / m2: 24.49 ± 4.15 vs 22.34 ± 1.797, FEV1%: 78.74 ± 17.41 vs 90.84 ± 7.74 (p <0.01), FEV 1 / FVC% predicted: 84.46 ± 12.53 vs. 100.6 ± 8.43 (p <0.01), respectively . There was no significant difference in reported symptomatology of dyspnea and lower limbs fatigue, cardiorespiratory variables and inspiratory capacity when the groups were compared at the end of each test. Regarding ISWT performance, AG walked a significant shorter distance compared to CG (p <0.05). For the Glitter-ADL test, AG took  almost 1 minute more to complete the test compared to CG (p <0.05). EMG analysis during ISWT showed an increase of electrical activity of the muscles evaluated in a coordinated and similar way, in both groups, with a significant difference only for SCM of CG in 100% of the test (p <0.05). In Glitter-ADL test there was no significant difference in the activation of ESC and DM muscles when AG was compared to CG. RA and RF muscles showed greater activation in the CG, however without significant difference. There was no significant difference in the slope analysis of the median frequency between the groups in both tests.

    Our results suggest that during the ISWT and Glitter-ADL exercise tests, asthmatic patients show coordinated electromyographic activity similar to healthy individuals, however with lower performance in both tests.

6
  • AMANDA CELLY DE ANDRADE MOURA MELO
  • Influência das alterações do padrão de sono no equilíbrio postural de mulheres no segundo e terceiro trimestre gestacional


  • Orientador : ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA GOMES MAGALHAES
  • ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • LARISSA COUTINHO DE LUCENA
  • Data: 24/02/2017

  • Mostrar Resumo
  • Durante a gravidez, ocorrem alterações hemodinâmicas, hormonais e biomecânicas no corpo feminino que resultam em modificações nos sistemas corporais materno. As alterações no padrão e privação do sono, características desse período, podem afetar a estabilidade postural dessas mulheres. O objetivo desse estudo foi comparar as variáveis do equilíbrio postural (estático e dinâmico) entre gestantes, com e sem alteração do padrão de sono (sonolência excessiva, horas dormidas por noite e latência), de acordo com os trimestres gestacionais. Participaram do estudo 236 grávidas, com idade gestacional compreendida entre 16 e 32 semanas (M= 25,03; DP= ±4,49). Dessas, 124 (52,4%) estavam no segundo e 112 (47,5%) no terceiro trimestre gestacional. As voluntárias foram avaliadas quanto ao padrão de sono, por meio do Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh e da Escala de Sonolência de Epworth. Para avaliação do equilíbrio postural, foi utilizado o Balance Master®. Os dados foram analisados pelo Teste t de Student para amostras independentes. Foi adotado um nível de significância de p<0,05. Os resultados mostraram que 56 gestantes (27,7%) consideraram como boa e que 171 (72,5%) classificaram como ruim a qualidade do sono. Foi verificado ainda que 132 grávidas (55,9%) não apresentaram sonolência excessiva, contrapondo-se a 93 voluntárias (39,4%) que demonstraram tal condição. No que concerne a relação entre as variáveis do sono e do equilíbrio postural, observou-se que não houve diferenças estatisticamente significativas, entre o equilíbrio postural de gestantes, com e sem alteração dos aspectos relativos ao sono, em ambos os trimestres.



  • Mostrar Abstract
  • During pregnancy, hemodynamic, hormonal, and biomechanical changes occur in the female body that result in changes in maternal body systems. Changes in sleep pattern and deprivation, characteristics of this period, can affect the postural stability of these women. The aim of this study was to compare the variables of postural balance (static and dynamic) among pregnant women, with and without alteration of the sleep pattern (excessive sleepiness, hours of sleep per night and latency) according to the gestational trimesters. A total of 236 pregnant women with a gestational age ranging from 16 to 32 weeks (M = 25.03; SD = ± 4.49) participated in the study. Of these, 124 (52.4%) were in the second and 112 (47.5%) in the third gestational trimester. The volunteers were assessed for sleep pattern using the Pittsburgh Sleep Quality Index and the Epworth Sleepiness Scale. Balance Master was used to evaluate postural balance. Data were analyzed by Student's t-test for independent samples. A significance level of p <0.05 was adopted. The results showed that 56 pregnant women (27.7%) considered it as good and 171 (72.5%) rated sleep quality as poor. It was also verified that 132 pregnant women (55.9%) did not present excessive drowsiness, as opposed to 93 volunteers (39.4%) who demonstrated such condition. Regarding the relationship between sleep variables and postural balance, it was observed that there were no statistically significant differences between the postural balance of pregnant women, with and without alterations in the aspects related to sleep, in both quarters.

7
  • ALETHEA CURY RABELO LEITÃO
  • ANÁLISE DA ATIVIDADE ELETROMIOGRÁFICA DOS MÚSCULOS ABDOMINAIS E DO ASSOALHO PÉLVICO NOS EXERCÍCIOS SHOULDER BRIDGE E TEASER DO MÉTODO PILATES EM MULHERES CLIMATÉRICAS

  • Orientador : ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA GOMES MAGALHAES
  • ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • LARISSA COUTINHO DE LUCENA
  • Data: 24/02/2017

  • Mostrar Resumo
  • O método Pilates (MP) consiste em um conjunto de exercícios sistematizados, com evidências na literatura,sobre efeitos no condicionamento físico e na reabilitação. Entretanto, até o momento da elaboração deste estudo, não foram encontradas pesquisas que analisassem, do ponto de vista da atividade eletromiográfica, a correlação da ativação dos músculos abdominais (MA) e dos músculos do assoalho pélvico (MAP), durante a execução dos exercícios do MP em mulheres climatéricas. O estudo caracteriza-se como analítico, observacional e transversal. Foram avaliadas 28 mulheres climatéricas (média de idade 54,14 ±6,14 anos; com média de 4 anos de prática de Pilates, sendo a maioria com frequência de 2 vezes na semana (85,7%). A amostra foi do tipo por conveniência. Todas as voluntárias submeteram-se a avaliação funcional dos MAP pela palpação manual bidigital. A atividade eletromiográfica foi investigada pelo aparelho Miotool®. A captura dos sinais eletromiográficos,para os MAP,foi realizada com sondaendovaginal (Chatanooga®)e, para os músculos abdominais, comeletrodos de superfície Al/AgCl (Meditrace®). A análise estatística dos dados foi realizada por meio do programa SPSS (versão 20.0).A apresentação dos dados categóricos deu-se por frequências relativas. O teste de normalidade utilizado foi o de Shapiro-Wilk, utilizando-se média e desvio padrão para avaliação dos dados quantitativos. Para os dados eletromiográficos, usou-se a correlação de Spearman. Os resultados demonstraram não haver relação da ativação eletromiográfica, simultaneamente, entre os MAP e MA.

     


  • Mostrar Abstract
  •  

    Introduction: The Pilates method (PM) consists of a set of systematized exercises, with evidence with effects on physical conditioning and rehabilitation. Objective: Until the moment of the elaboration of this study, no studies were found to analyze the correlation between the activation of the abdominal muscles (AM) and the pelvic floor muscles (PFM) during the execution of the electromyographic activity of PM exercises in climacteric women. For this study we selected the Shoulder Bridge and Teaser exercises with variations. Methods: The study is characterized as analytical, observational and cross-sectional. 28 climacteric women were evaluated (mean age 54.14 ± 6.14 years), with an average of 4 years of Pilates practice, most of them doing it twice a week (85.7%). The sample was for convenience. All the volunteers underwent the functional evaluation of PFM by bidigital palpation. The electromyographic activity was investigated by the Miotool® device. The capture of electromyographic signals for the PFM was performed with endovaginal catheter (Chatanooga®) and, for the abdominal muscles, with Al / AgCl (Meditrace®) surface electrodes. Statistical analysis of the data was performed using the SPSS program (version 20.0). The normality test used was the Shapiro-Wilk test, using mean and standard deviation for quantitative data evaluation. The presentation of categorical data was given by relative frequencies. For the analysis of the electromyographic data, the Spearman correlation was used. Results and Conclusion: The results showed that there was no relation between electromyographic activation, simultaneously, between PFM and AM, in the selected exercises.

8
  • DANIEL GERMANO MACIEL
  • Efeito de um programa de exercício funcional associado à Terapia Laser de Baixa Intensidade na dor, desempenho funcional e qualidade de vida em indivíduos com fibromialgia: ensaio clínico randomizado duplo-cego


  • Orientador : WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • RODRIGO PEGADO DE ABREU FREITAS
  • DANILO DE ALMEIDA VASCONCELOS
  • Data: 02/03/2017

  • Mostrar Resumo
  • A fibromialgia é uma doença que apresenta dor musculoesquelética crônica e difusa associada a fadiga, distúrbio do sono, problemas cognitivos e baixos níveis de condicionamento físico. Trabalhos recentes mostram bons resultados tanto com a prática de exercícios funcionais quanto com a utilização da terapia laser de baixa intensidade (TLBI) para reduzir os sintomas dessa população. Porém, não foram encontradas evidências que associem as duas formas de terapia no tratamento da fibromialgia. Objetivo: Investigar os efeitos de um programa de exercícios funcionais associado à TLBI na dor, desempenho funcional e qualidade de vida de indivíduos com fibromialgia. Métodos: Trata-se de um ensaio clínico randomizado e duplo-cego composto por 22 mulheres divididas em dois grupos de forma aleatória em blocos: grupo placebo (n=11) que foi submetido a um programa de exercícios funcionais associado a TLBI placebo; e o grupo laser (n=11) que foi submetido ao mesmo programa de exercícios associado a TLBI ativa. O programa de exercício teve duração de dois meses e frequência de três vezes semanais. A TLBI (808nm; 100mW; 4J e 142,85 J/cm2 por ponto) foi aplicada imediatamente após cada sessão de exercício em diferentes pontos dos músculos quadríceps (8), isquiotibiais (6) e tríceps sural (3), bilateralmente. Todos os indivíduos foram submetidos a avaliações pré e pós intervenção quanto a: dor (locais, intensidade e limiar), desempenho funcional (equilíbrio, testes funcionais), desempenho muscular (flexibilidade e variáveis isocinéticas), depressão e qualidade de vida. A análise estatística foi realizada por meio do SPSS 20.0 adotando um intervalo de confiança de 95%. Resultados: Pode-se observar que houve uma redução da dor e melhora do desempenho funcional e muscular, da depressão e qualidade de vida em ambos os grupos (p<0,05), porém, sem diferenças significativas entre eles (p>0,05). Conclusão: O programa de exercício funcional foi eficaz na melhora da dor, desempenho funcional e qualidade de vida de indivíduos com fibromialgia. No entanto, a TLBI não promoveu um incremento nos efeitos positivos proporcionados pelo exercício.


  • Mostrar Abstract
  • Background: Fibromyalgia is a disease that presents chronic and diffuse musculoskeletal pain associated with fatigue, sleep disturbance, cognitive problems and low levels of physical conditioning. Recent studies have shown good results both with the practice of functional exercises or with the use of low-level laser therapy (LLLT) to reduce the symptoms of this population. However, no evidence was found associating both forms of therapy in the treatment of fibromyalgia. Objective: To investigate the effects of a LLLT associated with an exercise program on pain, functional capacity and quality of life of individuals with fibromyalgia. Methods: It was performed a randomized, double-blind clinical trial with 22 women randomly divided into two blocked groups:  placebo group (n = 11) who went through a functional exercise program associated with placebo LLLT and the laser group (n = 11), who underwent the same functional exercise program associated with active TLBI. The exercise program occurred in two months and three times a week. The LLLT (808nm; 100mW; 4J e 142,85 J/cm2 per point) was applied right after each exercise program session in different points of quadriceps (8), hamstrings (6) and sural tríceps (3), bilaterally.  Both groups were submitted to an evaluation of pain (sites, intensity and threshold), functional capacity (balance, functional tests), muscle performance (flexibility and isokinetic variables), depression and quality of life, before and after the intervention. Statistical analysis was performed using SPSS 20.0 adopting a 95% confidence interval. Results: It was observed that there was a reduction of pain and depression levels and an improvement of functional capacity, muscular performance and quality of life in both groups (p<0.05), but with no significant differences among them (p>0.05). Conclusion: The functional exercise program was effective on pain relief, better functional capacity and quality of life of individuals with fibromyalgia. However, LLLT did not promote an increase on the positive effects caused by the exercise.

9
  • NATHALIE CORTEZ BEZERRA DE MEDEIROS
  • Análise da ativação e desempenho muscular de membros inferiores em indivíduos com insuficiência venosa crônica durante teste de elevação do calcanhar

  • Orientador : VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • DANIELLE APARECIDA GOMES PEREIRA
  • Data: 28/03/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A falha na função da bomba muscular da panturrilha é considerada a principal causa da insuficiência venosa (IVC) e a hipertensão venosa prolongada, leva ao enfraquecimento da musculatura da panturrilha. A avaliação específica dessa musculatura pode ser feita de diferentes formas, entre elas a utilização do teste de elevação do calcanhar (TEC). Atualmente, vários protocolos foram desenvolvidos para a realização do TEC em diferentes populações, sem uma padronização bem detalhada.

    Objetivos: Primeiramente avaliar a confiabilidade e reprodutibilidade tanto intra quanto inter-avaliadores do TEC em adultos saudáveis, de dois diferentes protocolos com diferentes estímulos: auto-cadenciado (TECAC) e externamente cadenciado(TECEC); Secundariamente, avaliar o desempenho e a atividade elétrica dos músculos dos membros inferiores durante a realização do TECEC em sujeitos com IVC comparando com indivíduos saudáveis pareados.

    Métodos: Dois estudos foram realizados e ambos foram do tipo observacional, de caráter transversal. Para o Estudo 1, dois protocolos do TECAC e TECEC foram realizados em sujeitos jovens e saudáveis. Para o Estudo 2, foram recrutados sujeitos com idade entre 35 e 65 anos, com diagnóstico clínico de IVC para realização do TECEC associado à Eletromiografia de Superfície (EMGs).

    Resultados: No estudo 1, 33 indivíduos foram recrutados (16H), com idade de 23,03 anos (±2,71). Observamos que o TECAC obteve um melhor resultado tanto no que diz respeito ao desempenho (53,01 elevações) quanto à reprodutibilidade relativa inter-avaliador (CCI=0,77) e, o TECEC obteve melhor reprodutibilidade intra-avaliador (CCI=0,69). Foi observado que ao final da realização de ambos os testes houve aumento dos sintomas de fadiga (p<0,01), entretanto com manutenção do desempenho de elevações de calcanhar nos três TECAC (p=0,76) e diminuição do desempenho no TECEC quando comparados T1, T2 e T3 (p<0,01). No Estudo 2, foram recrutados 44 sujeitos com IVC, dos quais 17 compuseram a amostra do Grupo IVC, versus 17 sujeitos do Grupo Controle. Houve diferença significante na comparação intergrupo do desempenho do TECEC (p<0,01) e também na comparação intergrupo do tempo gasto para realização do TECEC (p<0,05). A plantiflexão no membro inferior direito foi significativamente menor (p<0,05) no Grupo IVC. Na avaliação da atividade elétrica muscular durante o teste, foram encontradas diferenças significantes nos momentos 50% e 75% (p<0,05) do músculo tibial anterior direito e nos momentos 25% e 50% (p<0,05) do músculo tibial anterior esquerdo.

    Conclusão: Nossos resultados demonstram que ambos podem ser utilizados para fornecer resultados de desempenho muscular. Entretanto, a presença ou não de estimulo externo induz a diferentes comportamentos de desempenho durante as duas modalidades estudadas. Já os indivíduos com IVC apresentam um desempenho inferior no TECEC comparados a sujeitos saudáveis, com maior atividade elétrica muscular em tibial anterior bilateralmente.


  • Mostrar Abstract
  • Background: Failure of calf muscle pump function is considered a major cause of venous insufficiency (CVI) and prolonged venous hypertension leads to weakening of the calf muscles. The evaluation can be done from different forms, from a heel lift test (TEC). Currently, several protocols have been developed for an ECT test in different populations, without a very detailed standardization.

    Objectives: Firstly to evaluate the reliability and reproducibility of intra-r inter-raters in healthy adults, from two different protocols with different stimuli: self-paced (TECAC) and externally cadenced (TECCE); Secondarily, to evaluate the performance and electrical activity of lower limb muscles during an TECCE in subjects with CVI compared with healthy paired subjects.

    Methods: Two studies were performed and both were of the observational type, with a transversal character. For Study 1, two TECAC and TECCE protocols were performed on healthy young subjects. For Study 2, subjects with ages between 35 and 65 years old were recruited, with a clinical diagnosis of CVI to perform TECEC associated with Surface Electromyography (EMGs).

    Results: In study 1, 33 subjects were recruited (16H), aged 23.03 years (± 2.71). We observed that the TECAC obtained a better result both in terms of performance (53.01 elevations) and relative inter-rater reproducibility (ICC = 0.77), and TECCE obtained better intra-rater reproducibility (ICC = 0, 69). It was observed that at the end of both tests there was an increase in the fatigue symptoms (p <0.01), however, with maintenance of heel elevations in the three TECAC (p = 0.76) and decreased performance in the TECCE when compared T1, T2 and T3 (p <0.01). In Study 2, 44 subjects with CVI were recruited, of whom 17 comprised the sample from Group IVC, versus 17 subjects from the Control Group. There was a significant difference in the intergroup comparison of the TECCE performance (p <0.01) and also in the intergroup comparison of the time spent to perform TECCE (p <0.05). The flexure in the right lower limb was significantly lower (p <0.05) in Group IVC. In the evaluation of the muscular electrical activity during the test, significant differences were found in the moments 50% and 75% (p <0.05) of the right anterior tibial muscle and in moments 25% and 50% (p <0.05) of the muscle anterior tibialis.

    Conclusion: Our results demonstrate that both can be used to provide muscle performance results. However, the presence or absence of external stimuli induces different performance behaviors during the two modalities studied. On the other hand, the individuals with CVI present inferior performance in the TECEC compared to healthy subjects, with greater muscular electric activity in the anterior tibial bilaterally.

     

     

10
  • GLAUKO ANDRE DE FIGUEIREDO DANTAS
  • Crioimersão na recuperação do dano muscular de corredores de rua de 10 km: ensaio clínico randomizado e cego


  • Orientador : WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • EDUARDO CALDAS COSTA
  • JOSÉ JAMACY DE ALMEIDA FERREIRA
  • Data: 31/03/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A corrida de rua, modalidade do atletismo que vem crescendo de maneira exponencial, principalmente por ser acessível a toda população, exige amplo envolvimento físico e psicológico do praticante durante treinamentos e competições. Uma adequada recuperação da condição física do praticante torna-se um aspecto importante, principalmente pelos danos causados a estrutura muscular. A crioterapia por imersão tem sido utilizada com esse propósito. Objetivo: Analisar o efeito da crioimersão (CI) na recuperação de marcadores clínicos, bioquímicos, funcionais e neuromusculares do dano muscular em praticantes de corrida de rua de 10 km. Materiais e método: Ensaio clínico randomizado e cego, no qual 30 sujeitos, praticantes de corrida de rua de 10 km, foram aleatoriamente divididos, após a corrida, em 3 grupos de recuperação (grupo controle, grupo imersão e grupo crioimersão). Os corredores foram avaliados quanto a indicadores clínico (percepção subjetiva da dor), bioquímicos (concentração sanguínea de CK), funcionais (distância do salto triplo unipodal e tempo do shuttle run test) e neuromusculares por meio de variáveis isocinéticas (pico de torque, trabalho total, potência, índice de fadiga). Os voluntários realizaram avaliações pré corrida, pós corrida, pós intervenção e 24h pós intervenção. Os dados foram expressos por meio de média e desvio padrão, analisados no pacote estatístico SPSS 20.0. Foi considerado um nível de significância de 5% e intervalo de confiança de 95% para todas as medidas. Resultados: A corrida de 10 km foi suficiente para alterar negativamente o desempenho do ponto de vista bioquímico, funcional e neuromuscular (p<0,05) porém não houve diferenças intergrupos para nenhuma das variáveis analisadas após as devidas intervenções (P>0,05). Conclusão: A CI por 10 minutos à 10 °C não foi eficaz na recuperação de marcadores do dano muscular após corrida de 10 km.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Street racing, a mode of athletics that has been growing exponentially, mainly because it is accessible to the entire population, requires a wide physical and psychological involvement of the practitioner during training and competitions. An adequate recovery of the practitioner's physical condition becomes an important aspect, mainly due to the damages caused to the muscular structure. Immersion cryotherapy has been used for this purpose. Objective: To analyze the effect of cold water immersion (CWI) on the recovery of clinical, biochemical and neuromuscular markers of muscle damage in 10 km street runners. Randomized and blinded clinical trial in which 30 subjects, 10 km street runners, were randomly divided, after running, into 3 recovery groups (control group, immersion group and cryoimersion group). The runners were evaluated for clinical (subjective pain perception), biochemical (CK blood concentration), functional (unipodal triple jump distance and shuttle run test time) and neuromuscular variables (peak torque, total work, power, fatigue index). The volunteers performed pre-race, post-race, post-intervention and 24-hour post-intervention evaluations. The data were expressed by mean and standard deviation, analyzed in the statistical package SPSS 20.0. A significance level of 5% and a 95% confidence interval were considered for all measures. Results: The 10 km race was enough to negatively alter performance from a biochemical, functional and neuromuscular variables (p <0.05), but there were no intergroup differences for any of the variables analyzed after the appropriate interventions (P> 0.05 ). Conclusion: CWI for 10 minutes at 10 ° C was not effective in recovering muscle damage markers after a 10-km run.

11
  • NATÉRCIA FERREIRA DE QUEIROZ
  • RESPOSTAS NEUROMUSCULARES E BIOQUÍMICAS ENTRE INDIVÍDUOS COM DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC) E SAUDÁVEIS


  • Orientador : PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • ROBERTA AZOUBEL
  • THAIZA TEIXEIRA XAVIER NOBRE
  • Data: 01/06/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) produz consequências sistêmicas significativas, como a disfunção muscular esquelética, a qual predispõe ao dano e/ou fadiga muscular precoce. Essas alterações podem ser um dos principais motivos da incapacidade nos pacientes com DPOC, diminuindo o desempenho nas atividades de vida diária, no trabalho e na qualidade de vida relacionada à saúde. Objetivo: Comparar as respostas neuromusculares e bioquímicas do dano e fadiga muscular do quadríceps femoral entre indivíduos com DPOC e saudáveis. Metodologia: Trata-se de um estudo observacional, transversal e comparativo.  A amostra foi composta por 18 indivíduos alocados em dois grupos distintos: Grupo DPOC (GD) e Grupo Saudáveis (GS). Foram avaliados através da espirometria; do desempenho neuromuscular do quadríceps; os marcadores bioquímicos do dano e fadiga muscular; fatigabilidade e dor muscular. Os dados foram analisados com o software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) versão 20.0 com nível de significância de 5%. Resultados: Observou-se diferença estatisticamente significante na potência (p=0,02) e uma tendência à diferença no trabalho total (p=0,06) entre os grupos. Na análise do marcador bioquímico, o LDH, para fadiga muscular foi observado diferença significativa entre os grupos imediatamente após o teste isocinético no quadríceps (p=0,03). Conclusões: As respostas neuromusculares, bioquímicas do dano e fadiga muscular do quadríceps femoral no DPOC apresentam-se diminuída na população estudada.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Chronic obstructive pulmonary disease (COPD) produces significant systemic consequences, such as skeletal muscle dysfunction, which predisposes to early muscle damage and / or fatigue. These changes may be a major reason for disability in COPD patients, decreasing performance in activities of daily living, work, and health-related quality of life. Objective: To compare neuromuscular and biochemical responses of femoral quadriceps muscle damage and fatigue among COPD and healthy individuals. Methodology: This is an observational, cross-sectional and comparative study. The sample consisted of 18 individuals allocated in two distinct groups: COPD Group (GD) and Healthy Group (GS). They were evaluated through spirometry; Of the neuromuscular performance of the quadriceps; The biochemical markers of muscle damage and fatigue; Fatigue and muscle pain. Data were analyzed using Statistical Package for Social Sciences (SPSS) version 20.0 with significance level of 5%. Results: There was a statistically significant difference in power (p = 0.02) and a tendency to the difference in total work (p = 0.06) between the groups. In the analysis of the biochemical marker, LDH, for muscle fatigue, a significant difference between the groups was observed immediately after the isokinetic test in the quadriceps (p = 0.03). CONCLUSIONS: The neuromuscular, biochemical responses of muscle quadriceps muscle damage and fatigue in COPD are decreased in the study population.

12
  • RUDOLFO HUMMEL GURGEL VIEIRA
  • FORÇA MUSCULAR PERIFÉRICA E RESPIRATÓRIA NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

  • Orientador : PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IVANIZIA SOARES DA SILVA
  • PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • ROBERTA AZOUBEL
  • Data: 02/06/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A história natural da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica está associada a numerosas manifestações sistêmicas e comorbidades que complicam sua evolução. Dessas, a disfunção dos músculos esqueléticos e respiratórios destacam-se por acarretar um comprometimento na capacidade funcional. Objetivo: Avaliar e comparar a força muscular respiratória e periférica em pacientes com DPOC e indivíduos saudáveis. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal, analítico e observacional, no qual foram avaliados 18 indivíduos, sendo nove com DPOC e nove saudáveis. Foram avaliados quanto ao desempenho neuromuscular do quadríceps femoral (avaliado por meio da dinamometria isocinética), força de preensão manual (dinamômetro manual) e pressões respiratórias máximas (manovacuometria). Os dados foram expressos por meio de média e desvio padrão, analisados no pacote estatístico SPSS 20.0. Foi considerado um nível de significância de 5% e intervalo de confiança de 95% para todas as medidas. Resultados: Os indivíduos com DPOC apresentam desempenho neuromuscular de quadríceps femoral e pressões respiratórias máximas inferiores aos sujeitos saudáveis, no entanto houve diferença estatisticamente significante apenas para potência muscular e PImáx (p<0,05). Já a força de preensão manual foi maior em indivíduos com DPOC (p<0,05). Conclusão: Os sujeitos com DPOC possuem alterações neuromusculares em músculos periféricos e respiratórios que possivelmente podem causar redução do desempenho funcional.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: The natural history of Chronic Obstructive Pulmonary Disease is associated with numerous systemic manifestations and comorbidities that complicate its evolution. Of these, dysfunction of the skeletal and respiratory muscles are characterized by a compromised functional capacity. Objective: To evaluate and compare respiratory and peripheral muscle strength in patients with COPD and healthy individuals. Methodology: This is a cross-sectional, analytical and observational study, in which 18 individuals were evaluated, nine of them with COPD and nine healthy. The femoral quadriceps neuromuscular performance (assessed by means of isokinetic dynamometry), hand grip strength (manual dynamometer) and maximum respiratory pressure (manovacuometry) were evaluated. The data were expressed by mean and standard deviation, analyzed in the statistical package SPSS 20.0. A significance level of 5% and a 95% confidence interval for all measures were considered. Results: Individuals with COPD had lower quadriceps femoral neuromuscular performance and lower respiratory pressures than healthy subjects; however, there was a statistically significant difference only for muscle power and MIP (p <0.05). Hand grip strength was higher in individuals with COPD (p <0.05). Conclusion: COPD subjects have neuromuscular changes in peripheral and respiratory muscles that may possibly cause reduced functional performance.

13
  • ANA CLÁUDIA MAURÍCIO DE CARVALHO
  • Efeitos da hospitalização sobre a força de preensão em idosos

  • Orientador : RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARIA DAS GRAÇAS RODRIGUES DE ARAÚJO
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • Data: 09/06/2017

  • Mostrar Resumo
  • Objetivo: Avaliar os efeitos da hospitalização na força de preensão palmar em idosos internados em um hospital universitário, bem como comparar as médias de força de preensão palmar na admissão e na alta de homens e mulheres; identificar fatores relacionados ao pior desempenho e definir pontos de corte específicos para homens e mulheres. Métodos: um estudo do tipo observacional analítico do tipo coorte foi realizado no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), Natal-RN. Foram avaliados o estado cognitivo (Prova Cognitiva de Leganés), o estado funcional (Índice de Katz, Escala de Lawton, Limitação funcional de Nagi), de desempenho físico (Teste de força de preensãopalmar e velocidade da marcha) e presença de sintomatologia depressiva (GDS-15) aplicados na internação e na alta hospitalar, assim como informações sobre o estado de saúde e funcionalidade prévias à hospitalização. Resultados: Foram avaliados 1070 idosos, entretanto houve 75 óbitos. Em relação a força de preensão palmar observou-se diminuição significativa nas médias de força entre admissão e alta em homens (26,66±9,68 internação e 19,11±13,42 na alta, p<0,0001) e mulheres (17,93±7,43 internação e  14,24±9,41 alta, p<0,0001). Os homens apresentaram maior perda de força de preensão palmar em relação às mulheres (-8,10±13,51homens e -4,33±9,14mulheres, p<0,0001). Permaneceram significantes no modelo de regressão linear múltipla final as variáveis força máxima de preensão palmar na admissão, realizar cirurgia para ambos os grupos e apenas em mulheres ser dependente 15 dias antes e na admissão nas ABVD. Foram definidos os pontes de corte para força de preensão palmar de 22,0 Kgf para homens e 15 Kgf para mulheres. Conclusão: Os resultados do presente estudo sugerem que, existe uma diferença na força de preensão palmar nos dois momentos de avaliação e que homens perderam mais força que mulheres. Realizar cirurgia durante a hospitalização diminui a força muscular de homens e mulheres idosos, ser dependente nas ABVD 15 dias antes e na admissão também foram apenas em mulheres. Por fim, definimos os pontos de corte para força de preensão palmar em idosos hospitalizados específicos entre os sexos.


  • Mostrar Abstract
  • Aim: To evaluate the effects of hospitalization on handgrip strength of hospitalized older adults in a university hospital; as well as compare means of handgrip strength at admission and discharge; to identify factors related to the worst performance in the test and to define specific cutoff points to handgrip strength in men and women older adults. Methods: An analytical observational type of the cohort type study was carried out at University Hospital Onofre Lopes (HUOL), Natal-RN. Were evaluated cognitive status (Leganés Cognitive Test), functional status (Katz Index, Lawton Scale and Functional limitation Nagi), physical performance (handgrip strength and gait speed) and presence of depressive symptomatology (GDS-15) at admission and discharge, as well information on the state of the health and functionality prior to hospitalization were collected. Results: a total of 1070 hospitalized older adults were evaluated, however 75 deaths occurred. It was observed a significant decrease in means of handgrip strength between admission and discharge for men (26,66±9,68 admission and 19,11±13,42 discharge, p<0,0001) and for women (17,93±7,43 admission and  14,24±9,41 discharge, p<0,0001). Men presented greatest decline in handgrip strength compared to women (-8,10±13,51 men and -4,33±9,14 women, p<0,0001). Remained significant in our final multiple linear regression the variables maximum handgrip strength at admission, perform surgery for both groups and be dependent 15 days before and on admission in BADL in women only. Were defined the cutoff points for handgrip strength of 22,0 Kgf for men and 15 Kgf for women. Conclusion: Our results suggest that there is a difference in handgrip strength at both moments of assessment and men have lost more strength than women. Performing surgery in both men and women decreases muscle strength. Beside this, only in women being dependent on BADL 15 days before and at moment of admission decreased muscle strength on discharge. Finally, we defined the cutoff points for handgrip strength in specific hospitalized elderly between the sexes.

14
  • DAVI FIALHO SILVA LIMA
  • Análise da cinética de oxigênio e da frequência cardíaca de recuperação e após teste de esforço cardiopulmonar em obesas.


  • Orientador : SELMA SOUSA BRUNO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOCELINE CASSIA FEREZINI DE SA
  • SELMA SOUSA BRUNO
  • SHIRLEY LIMA CAMPOS
  • Data: 19/06/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A capacidade funcional é prejudicada pela obesidade e pode ser avaliada por testes físicos que examinam a ação sincronizada dos sistemas cardiovascular, respiratório e musculoesquelético. O comportamento cardiovascular e respiratório, medido por FC (frequência cardíaca) e cinética de oxigênio, por exemplo, no período de recuperação do exercício tem mostrado ser um bom indicador de saúde cardiovascular, reestabelecimento de reservas energéticas e equilíbrio autonômico em saudáveis e cardiopatas. Entretanto, não se conhece o comportamento da cinética de oxigênio e da FCR (FC de recuperação) em obesos sem doença cardíaca diagnosticada. Objetivo: Analisar o comportamento da cinética de oxigênio e FCR e após teste de esforço cardiopulmonar em obesas. Materiais e Métodos: Estudo observacional, transversal com 32 obesas voluntárias, analisadas no teste de esforço cardiopulmonar (TECP), alocadas por conveniência nos grupos obesidade (GO, N=16) e não obesas (GOB, N=16). Realizadas avaliações clínica, antropométrica e de adiposidade e espirométrica inicial. O TECP clínico padrão foi realizado usando protocolo de rampa individualizado, sendo tomadas as medidas ventilatórias e metabólicas (breath-by-breath), com registro das variáveis de interesse no repouso (2’) e 5’ iniciais de recuperação (3 minutos-recuperação ativa, 2 minutos-recuperação passiva). A cinética de recuperação foi calculada por modelo de regressão linear da curva de declínio do VO2 durante o primeiro minuto de recuperação em função do tempo (T½ e  VO2/t) e a frequência FCR obtida pela diferença da FC no pico do teste e a FC no primeiro minuto de recuperação. Resultados: os grupos foram homogêneos quanto à idade, altura e medidas espirométricas. Diferenças significativas foram encontradas na FCR (p=0,041) e VO2pico (p=0,000) entre os grupos. A cinética do VO2 apresentou diferença significativa no T½ de VO2 (p=0,003) e VO2/t (p=0,041). Observou-se que o VO2pico (0,59), IMC (-0,16) e CQ (0,18) justificam a variância do VO2/t em 72%. Foi atestada uma colinearidade negativa entre as medidas de adiposidade de CQ e IMC. Conclusão:  Obesos jovens tem resposta lentificadas da cinética de recuperação do VO2 e FC em relação a não obesas sugerindo que obesos têm prejuízo na restauração dos estoques energéticos ou circulatórios no músculos periféricos e que tais alterações podem contribuir para a instalação de doenças cardiovasculares e o aumento da taxa de morbi-mortalidade nesta população.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Functional capacity is impaired by obesity and can be assessed by physical tests that examine a synchronized action of the cardiovascular, respiratory and musculoskeletal systems. Cardiovascular and respiratory behavior, measured by HR (heart rate) and oxygen kinetics, for example, during the period of exercise recovery has been considered as indicator of cardiovascular health, reestablishment of energy reserves and autonomic balance in healthy and patients with heart disease. However, the behavior of oxygen kinetics and HRR (recovery HR) in obese patients without diagnosed heart disease is not known. Aim: To analyze the pattern of oxygen kinetics and HRR after cardiopulmonary exercise test in obese women. Materials and Methods: a cross-sectional study with 32 volunteer obese women, analyzed in the cardiopulmonary exercise test (CPX), allocated for convenience into obesity (GO, N=16) and non-obese (GNO, N=16) group. We performed a clinical, anthropometric and adiposity and spirometry evaluation. The standard clinical CPX was assessed, (individualized ramp protocol), being done as ventilatory and metabolic measures (breath-by-breath), with a recording of interest variables at the rest (2’) and 5 initial (3' active recovery, 2'passive recovery). Oxygen kinetic after exercise was calculated by linear regression model of the decline slope of VO2 over time during the first minute of recovery (T½,VO2/t), and the HRR obtained by the difference between HR at the peak of the test and the HR at the first minute of recovery. Results: groups were homogeneous  regarding age, height and spirometric measurements .Significant differences were found in the HRR (p=0,041) and VO2peak (p=0,000) between the groups. The oxygen kinetics presented a significant difference in the T½ of VO2 (p=0,003) and VO2/t (p=0,041). It was observed that VO2peak (0,59), BMI (-0,16) and HC (0,18) justified the variance of VO2/t in 72%. A negative colinearity between the HC and BMI adiposity measures was attested. Conclusion: young obese has delayed response of VO2 recovery kinetics and HRR regards no obese it suggests that obese has circulatory or reestablishment of energy reserves impairment on peripheral muscles and it’s may contribute to the establishment of cardiovascular diseases, and increased morbidity and mortality rate in this population.

15
  • MARIA CLARA RODRIGUES DE GÓES
  •  

    EFEITOS DA CONTRAÇÃO TIXOTRÓPICA DOS MÚSCULOS INSPIRATÓRIOS NOS VOLUMES PULMONARES EM INDIVÍDUOS COM DOENÇA DE PARKINSON

     

     

  • Orientador : GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • LUCIEN PERONI GUALDI
  • WALTER ARAUJO ZIN
  • Data: 24/06/2017

  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: A Doença de Parkinson (DP) é uma doença neurodegenerativa que afeta o sistema nervoso central, caracterizada pela perda de neurônios dopaminérgicos no tronco encefálico, principalmente na região da substância negra. Seus principais sinais clínicos são rigidez, bradicinesia, tremor em repouso e instabilidade postural. Adicionalmente, devido a progressão da doença, sintomas e complicações respiratórias merecem atenção especial por apresentar um elevado índice de mortalidade. OBJETIVO: Avaliar os efeitos agudos de manobras de contrações na modalidade tixotrópica dos músculos inspiratórios sobre os volumes da parede torácica em pacientes com DP. Trata-se de um estudo aleatório do tipo cruzado. MÉTODOS: Foram avaliados para participar do estudo 18 pacientes com DP. Foram incluídos no estudo 14 pacientes com DP (9H, 5M). Todos foram avaliados em relação a função pulmonar, força muscular respiratória, variação de volumes da parede torácica antes e após as contrações na modalidade tixotrópica dos músculos inspiratórios, ao nível de volume residual (VR) e da capacidade pulmonar total (CPT). Como controle foi utilizada a mesma manobra substituindo a contração dos músculos inspiratórios por apneia. A ordem de realização das manobras foram aleatorizadas e foram realizadas com um período de washout de 7 dias. RESULTADOS: Nossos resultados mostraram que no grupo apneia houve aumento significativo  nos valores do VEF, nos compartimentos PT (p=0,0010) e CTp (p=0,0002), como também os valores do VIF aumentaram nos compartimentos PT (p=0,0179) e CTa (p=0,0486) após a realização das manobras partindo da CPT. Após as manobras partindo do VR, o grupo apneia apresentou diminuição significativa do VEF apenas no compartimento da CTp (p=0,0431) e o grupo contração não apresentou resposta significativas a esse tipo de manobra. CONCLUSÃO: Nossos resultados sugerem uma tendência do aumento dos volumes da caixa torácica após a realização das manobras tixotrópicas partindo da CPT especialmente na caixa torácica pulmonar e abdominal na apneia, e caixa torácica pulmonar na contração inspiratória. Em contrapartida, uma diminuição do VEF após a realização das manobras partindo de VR, para a parede torácica na manobra de apneia.


  • Mostrar Abstract
  • Abstract:

    INTRODUCTION: Parkinson's disease (PD) is a neurodegenerative disease that affects the central nervous system, characterized by the loss of dopaminergic neurons in the brainstem, mainly in the substantia nigra region. Its main clinical signs are stiffness, bradykinesia, tremor at rest and postural instability. In addition, due to disease progression, respiratory symptoms and complications deserve special attention because they present a high mortality rate. OBJECTIVE: To evaluate the acute effects of contraction maneuvers in thixotropic modality of inspiratory muscles on thoracic wall volumes in patients with PD. In a randomized cross-sectional study. METHODS: 18 patients with PD were evaluated to participate in the study. 14 patients with PD (9H, 5M) were included in the study. All were evaluated for pulmonary function, respiratory muscle strength, chest wall volume variation before and after contractions in the thixotropic modality of inspiratory muscles, residual volume novel (RV) and total lung capacity (TLC). As a control, the same maneuver was used, replacing the contraction of the inspiratory muscles with apnea. The order of accomplishment of the maneuvers were randomized and were carried out with a washout period of 7 days. RESULTS: Our results showed that in the apnea group there was a significant increase in end expiratory volume EEV values in the CW (p = 0.0010) and RCp (p = 0.0002) compartments, as well as end inspiratory volume (EIV) values increased in the CW compartments (p = 0, 0179) and RCa (p = 0.0486) after performing the maneuvers starting from TLC. After the maneuvers starting from the RV, the apnea group presented a significant decrease in EEV only in the RCp compartment (p = 0.0431) and the contraction group did not present a significant response to this type of maneuver. CONCLUSION: Our results suggest a tendency of increased chest wall volumes after thixotropic maneuvers from TLC, especially in the pulmonary rib cage and abdominal in apnea, and pulmonary rib cage in the inspiratory contraction. On the other hand, a decrease in EEV after performing the maneuvers starting from VR, to the chest wall in the apnea maneuver.

     

     

16
  • PRISCYLLA HELOUYSE MELO ANGELO
  • Classificação dos valores perineométricos: uma proposta de escala

  • Orientador : MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • KARLA VERUSKA MARQUES CAVALCANTE DA COSTA
  • Data: 26/06/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Os músculos do assoalho pélvico (MAP) correspondem a um conjunto de músculos esqueléticos que estão localizados na base da cavidade pélvica. Estes músculos são ativados em diferentes situações em que há o aumento da pressão intra-abdominal. Sua integridade e bom funcionamento são fundamentais na manutenção da continência urinária e fecal e na sustentação aos órgãos pélvicos. Existem diversas técnicas de avaliação da MAP respaldadas pela literatura, dentre elas a perineometria. Os perineômetros tem por objetivo medir as alterações de pressão na vagina em resposta à contração voluntária dos MAP. Os equipamentos de perineometria são simples, minimamente invasivo e de baixo custo. Apesar de ser uma medida objetiva do grau de pressão desempenhado pela contração voluntária dos MAP, a perineometria não possui valores que guiem a interpretação dos seus resultados. Objetivo: Desenvolver uma escala de classificação da perineometria. Metodologia: Estudo de caráter observacional, transversal. A amostra foi resultante de um processo de amostragem do tipo não probalístico, que incluiu 288 voluntárias. As mulheres foram recrutadas por demanda espontânea. Foi realizada uma avaliação perineométrica e o teste de força manual dos MAP, por meio do toque bidigital, categorizando-se a força pela Escala Modificada de Oxford. Os dados coletados foram tabulados e analisados no programa IMB Statistical Package for the Social Sciences versão 20.0. Para determinar os valores de classificação da perineometria foi realizada uma regressão linear simples, tendo como variável explicativa a Escala Modificada de Oxford e como variável resposta a média aritmética das três medidas da perineometria. A regressão linear foi realizada no programa estatístico R versão 3.2.4. Resultados: As 259 mulheres incluídas na análise apresentaram média de idade de 52,80 (± 8,78) anos. A perineometria apresentou uma média de 35,1± 22,7 (IC: 32,1 – 38,0) cmH2O. A mediana do grau de força dos MAP foi 3 (Q25: 2; Q75: 3). Houve uma correlação forte, positiva e significativa entre o grau de força pela escala modificada de Oxford e a perineometria (r = 0,846, p < 0,01). A estratificação das medidas perineométricas foi realizada em uma escala de cinco pontos, que varia de uma pressão muito fraca a uma forte pressão. Conclusão: Os valores de perineometria foram estratificados em uma escala de cinco pontos. Quanto maior a estratificação, melhor é a pressão e força dos MAP. Pela observação dos resultados alcançados, a partir dessa escala é possível estabelecer os faixas de pressão desempenhada pela contração voluntária dos MAP. O resultado alcançado neste trabalho possui implicações na prática clínica, uma vez que guiará os especialistas e as pacientes do grau de gravidade da força muscular. Para a literatura, os resultados encontrados promovem, pela primeira vez, a apresentação de uma escala com valores padrões da perineometria.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Pelvic floor muscles (PFM) correspond to a group of skeletal muscles that are located at the basis of the pelvic cavity. These muscles are activated in different situations in wich there is an increase in intra-abdominal pressure. Its integrity and good functioning are fundamental in maintaining urinary and fecal continence and in sustaining the pelvic organs. There are several PFM evaluation techniques supported by the literature, such as the perineometry. Perineometers are aimed to measure pressure changes in the vagina in response to voluntary contraction of PFM. Perineometry equipments are simple, minimally invasive and inexpensive. Althought it is an objective measure of the degree of pressure performed by the PFM voluntary contraction, perineometry does not have values that guide the interpretation of its results. Objective: To develop a classification scale for perineometry. Methodology: A cross-sectional observational study. The sample was the result of a non-probalistc type sampling process, that included 288 volunteers. Women were recruted on spontaneous demand. A perineometric evaluation and the manual strength test of the PFM were performed by means of the bidigital touch, and the force was categorized by the Oxford Modified Scale. The collected data were tabulated and analyzed in the program IMB Statistical Package for the Social Sciences version 20.0. To determine the classification values of perineometry, a simple linear regression was performed, using as an explanatory variable the Oxford Modified Scale and as a response variable the arithmetic mean of the three measurements of perineometry. The linear regression was performed in the statistical program R version 3.2.4. Results: The 259 women included in the analysis had a mean age of 52.80 (± 8.78) years. Perineometry presented an average of 35.1 ± 22.7 (CI: 32.1 - 38.0) cmH2O. The median PFM strength level was 3 (Q25: 2; Q75: 3). There was a strong, positive and significant correlation between the degree of strength by the Oxford Modified Scale and perineometry (r = 0.846, p <0.01). The stratification of the perineometric measurements was performed on a five-point scale, ranging from very weak pressure to strong pressure. Conclusion: Perineometric values were stratified on a five-point scale. The greater the stratification, the better the pressure and the strength of the PFM. By observing the results achieved, from this scale it is possible to establish the ranges of pressure exerted by the voluntary contraction of the PFM. The achieved result in this work has implications in clinical practice, since it will guide the specialists and the patients about the degree of severity of muscular strength. For the literature, the results found favor the existence of perineometry classification standards.

17
  • LAILANE SATURNINO DA SILVA
  • EFEITOS AGUDOS DA PRESSÃO EXPIRATÓRIA POSITIVA SOBRE A HIPERINSUFLAÇÃO DINÂMICA EM PACIENTES COM DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

  • Orientador : GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • PALOMMA RUSSELLY SALDANHA DE ARAÚJO OLIVEIRA
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • Data: 27/11/2017

  • Mostrar Resumo
  • A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é uma doença comum, prevenível e tratável, caracterizada por sintomas respiratórios persistentes e limitação ao fluxo aéreo, devido a alterações nas vias aéreas e nos alvéolos causadas por exposições significativas a partículas e gases nocivos. A limitação ao fluxo aéreo pode reduzir a capacidade de expiração do paciente, tendo como consequência a hiperinsuflação pulmonar, que quando na existência de uma demanda ventilatória e metabólica elevada, denomina-se hiperinsuflação dinâmica (HD). A Pressão Positiva Expiratória (EPAP – Expiratory Positive Airway Pressure) poderia ter potencial para minimizar ou prevenir a HD. Atualmente é possível mensurar com maior precisão o efeito da EPAP sobre a HD por meio da Pletismografia Optoeletrônica (POE). Objetivos: O objetivo do estudo é avaliar os efeitos agudos da EPAP sobre a HD em pacientes com DPOC submetidos ao exercício físico. Metodologia: Foram recrutados 18 pacientes, sendo excluídos 4, totalizando uma amostra final de 14 pacientes (7 homens e 7 mulheres). Trata-se de um estudo analítico do tipo observacional, cross-over de caráter transversal com pacientes com diagnóstico clínico de DPOC e obstrução ao fluxo aéreo de moderada a grave.  Os pacientes foram avaliados em três momentos; momento 1: função pulmonar, força muscular respiratória, Perfil de atividade humana (PAH), Escala Medical research council (MRC), Teste de capacidade de exercício – Incremental Shuttle Walking Test (ISWT); e nos momentos 2 e 3: volumes da parede torácica (POE) durante o protocolo de exercício com carga constante com e sem o uso da EPAP, com resistência graduada em 7,5 cmH2O, com ordem de execução aleatória. Resultados: Nas analises intragrupos foi observado aumento significativo dos volumes de todos os compartimentos da parede torácica no grupo EPAP, e apenas dos compartimentos Caixa Torácica Abdominal (Rib cage abdominal - Rca) e Abdome (Abdomen - Ab) no grupo placebo, durante o exercício. Houve diminuição estatisticamente significante nos tempos inspiratório (Ti), expiratório (Te) e tempo total (Ttot) durante o exercício no grupo placebo, e aumento significativo da velocidade de encurtamento dos músculos inspiratórios e expiratórios tanto no grupo EPAP quanto no placebo, durante o exercício. Nas análises intergrupos observamos a diminuição significativa dos tempos (Ti, Te e Ttot) no grupo placebo, adicionalmente a diminuição significativa da velocidade de encurtamento (ΔVab/Ti) no grupo EPAP. Foram observados um menor tempo total de exercício e um maior relato de dispneia (BORG) ao final do exercício no grupo EPAP. Conclusão: O uso da EPAP durante o exercício não promoveu redução no desenvolvimento da HD.


  • Mostrar Abstract
  • Chronic Obstructive Pulmonary Disease (COPD) is a common, preventable and treatable disease characterized by persistent respiratory symptoms and airflow limitation due to changes in the airways and alveoli caused by significant exposures to harmful particles and gases. Airflow limitation can reduce the patient's expiratory capacity, resulting in pulmonary hyperinflation, which, when there is a high ventilatory and metabolic demand, is called dynamic hyperinflation (HD). Expiratory Positive Airway Pressure (EPAP) could have the potential to minimize or prevent HD. It is now possible to more accurately measure the effect of EPAP on HD through Optoelectronic Plethysmography (POE). Objectives: The aim of this study is to evaluate the acute effects of EPAP on HD in patients with COPD who underwent physical exercise. Methodology: 18 patients were recruited, 4 were excluded, totaling a final sample of 14 patients (7 men and 7 women). This is an observational cross-over, cross-over study with patients with clinical diagnosis of COPD and moderate to severe airflow obstruction. The patients were evaluated in three moments; moment 1: pulmonary function, respiratory muscle strength, Human Activity Profile (PAH), Medical Research Council (MRC) Scale, Incremental Shuttle Walking Test (ISWT); and at moments 2 and 3: chest wall volumes (POE) during the exercise protocol with constant load with and without the use of EPAP, with resistance graded at 7.5 cmH2O in  a random order. Results: In intragroup analyzes, a significant increase in the volumes of all chest wall compartments was observed in the EPAP group, and only in the abdominal compartment (Rib cage abdominal - Rca) and Abdomen (Abdomen - Ab) compartments in the placebo group during exercise . There was a statistically significant decrease in inspiratory (Ti), expiratory (Te) and total time (Ttot) times during exercise in the placebo group, and a significant increase in index of  shortening velocity of inspiratory and expiratory muscles in both the EPAP and placebo groups during exercise. In the intergroup analyzes we observed a significant decrease in the times (Ti, Te and Ttot) in the placebo group, in addition to the significant decrease in diaphragm index of shortening velocity (ΔVab / Ti) in the EPAP group. Additionally, we obtained a lower total exercise time and a higher dyspnea (BORG) at the end of the exercise in the EPAP group. Conclusion: The use of EPAP during exercise did not promote reduction in the development of HD.

18
  • LIDIANE CRISTINA CORREIA BULHOES
  • EFEITOS IMEDIATOS DA PLATAFORMA VIBRATÓRIA NO DESEMPENHO NEUROMUSCULAR DOS MEMBROS INFERIORES EM IDOSOS: ENSAIO CONTROLADO, RANDOMIZADO E CEGO

  • Orientador : JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • JOSÉ JAMACY DE ALMEIDA FERREIRA
  • Data: 15/12/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Os idosos tendem a apresentar redução no trofismo, na amplitude de ativação muscular e na força, o que pode impactar negativamente na sua funcionalidade. Estudos têm sido realizados com exercícios na plataforma vibratória, porém, existe uma escassez na literatura no que se refere aos possíveis efeitos neurofisiológicos agudos desta técnica em sujeitos idosos. Objetivo: Analisar os efeitos imediatos de uma sessão de exercício na plataforma vibratória sobre o desempenho neuromuscular dos membros inferiores em idosos. Métodos: Trata-se de um ensaio controlado, randomizado e cego, no qual 44 voluntários, de ambos os sexos, com idade média de 68,5 ± 2,67 anos, foram submetidos a uma avaliação do controle postural (baropodometria), do desempenho isocinético e da atividade eletromiográfica dos músculos vasto lateral (VL) e sóleo, do membro dominante. Em seguida, foram distribuídos aleatoriamente em dois grupos, com 22 participantes cada: grupo placebo (GP) – executou um protocolo de exercício com a plataforma desligada; e grupo experimental (GE) – realizou um protocolo de exercício com a plataforma ligada, numa frequência de 40 Hz e amplitude pico a pico de 4 mm. Ambos os grupos realizaram o mesmo protocolo de exercícios na plataforma, composto por 4 séries de 90 segundos de duração e intervalo de repouso de 1 minuto, em semi-agachamento bipodal estático, a 400 de flexão de joelho.  Ao final das intervenções os voluntários foram submetidos a uma reavaliação idêntica a realizada antes do protocolo de exercícios. Os dados foram analisados no software SPSS 21.0, atribuindo-se nível de significância de 5% (p ≤ 0,05). Para análise da normalidade dos dados foi usado o teste de Kolmogorov-Smirnov e para atestar a homogeneidade entre os grupos foi utilizado um teste “t” para medidas independentes. Para comparação intra e intergrupo foi utilizada uma ANOVA modelo misto. Resultados: Houve aumento significativo intergrupo no valor do RMS para o VL e intragrupo no RMS do sóleo, após o protocolo de intervenção no GE. Na avaliação do desempenho isocinético, o pico de torque dos extensores do joelho apresentou aumento intragrupo no GE e nos flexores plantares foi observado aumentointragrupo para o GP e GE; para a variável potência houve aumento intragrupo, em ambos os grupos. Não foi observada diferença significativa na oscilação postural. Conclusão: O protocolo de exercício na plataforma vibratória promove um maior recrutamento neuromuscular dos músculos VL e sóleo, em idosos. Entretanto, de maneira imediata, não foram observadas alterações na oscilação postural, nem no desempenho isocinético desses sujeitos, salvo para o pico de torque do grupo extensor do joelho.


  • Mostrar Abstract
  • Background: Elderly people tend to present a decrease of the trophism, amplitude of muscular activation and strength, which causes significant negative implications in their functionality. Studies about exercise on vibratory platform have been performed, however, there is a lack in the literature regarding the possible neurophysiological acute effects of this technique in elderly people. Objective: To analyze the immediate effects of an exercise session on the vibratory platform on the lower limb neuromuscular performance in elderly. Methods: This is a ramdomized, blind, controlled trial, where 44 volunteers, from both genders, mean age of 68,5 ± 2,67 years, were submitted to an evaluation of the postural oscillation (baropodometry), isocinetic performance and electromyographic activity of the vastus lateralis and soleus muscle of the dominant limb. After, they were randomly assigned to two groups, with 22 participants each: placebo group - underwent a series of exercises with the vibrating platform off; and experimental group - underwent a series of exercises with the vibrating platform on, configured at frequency of 40 Hz and a displacement amplitude of 4 mm. Both groups executed the same exercise protocol in the platform, composed of a bipodal isometric squat at 400 of knee flexion, being 4 series of 90 seconds of duration, with interval of 1 minute. At the end of the intervention, the volunteers were submitted to a re-evaluation identical to the previous one, performed before the exercise protocol. Data were analyzed using SPSS 21.0 software, assigning a level of significance of 5% (p ≤ 0,05). To the analysis of normality of data it was used the Kolmogorov-Smirnov test and to attest the homogeneity between groups, a paired-sample test t. To compare the differences within and between group, it was used a mixed model ANOVA. Results: There was a significant between-group increase in RMS for the VL and within group in the soleus RMS after the intervention protocol in the GE. In the evaluation of the isokinetic performance, the torque peak of the knee extensors showed within group increase for GE and in the plantar flexors, an increase in within group was observed for the GP and GE; for the power variable there was an within group increase in both groups. There was no significant differences in postural oscillation. Conclusions: The protocol of exercise in the whole-body vibration produced a greater neuromuscular recruitment of the VL and soleus muscles in the elderly adults. However, immediately, there were no changes in postural oscillation or in isokinetic performance of these subjects, except for the peak torque of the knee extensor group.

19
  • LORENA PASSOS VIGOLVINO
  • ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DO GIRD NA BIOMECÂNICA E NO DESEMPENHO NEUROMUSCULAR DO COMPLEXO DO OMBRO EM ATLETAS DE ARREMESSO

  • Orientador : CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CAIO ALANO DE ALMEIDA LINS
  • CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • MICHELE FORGIARINI SACCOL
  • Data: 18/12/2017

  • Mostrar Resumo
  • O movimento de arremesso impõe um estresse excessivo na articulação glenoumeral (GU), uma vez que durante esses movimentos é gerada uma velocidade angular muito alta, fazendo essa articulação sofrer com grandes forças de tração. A realização repetida de tais movimentos gera algumas adaptações ósseas, de cápsula articular e musculares que culminam com o desenvolvimento da rigidez posterior do ombro e do Déficit de Rotação Interna da Glenoumeral, conhecido como GIRD. Como consequência desses déficits, tem-se a associação de um quadro de diminuição de amplitude movimento (ADM), desequilíbrio de força muscular entre rotadores mediais e laterais e de propriocepção do ombro, o que aumenta o risco de lesões osteomioarticulares. O objetivo deste estudo foi analisar a influência do GIRD na biomecânica e no desempenho neuromuscular do complexo do ombro de atletas de arremessadores. Tratou-se de um estudo observacional, de corte transversal, participaram deste estudo 61 indivíduos atletas praticantes de handebol de quadra e/ou praia (34 homens e 27 mulheres; 27,03±5,99 anos; IMC 25,58±3,84) e 23 indivíduos não atletas (11 homens e 12 mulheres; 26,26±4,32 anos; IMC 23,61±2,78). Foram avaliados: ADM para rotações medial (RM) e lateral (RL) e adução horizontal do ombro (AH); senso de posição articular do ombro durante a RM e RL, utilizando um inclinômetro digital Accumar® e força isométrica de RM e RL, utilizando um dinamômetro manual Lafayette® para os dois grupos (atletas e não atletas). Partindo da avaliação da ADM de RM, os indivíduos atletas com diferença entre ombros menor que 10º foram alocados no grupo sem GIRD (44 indivíduos) e os com diferença maior que 10º no grupo com GIRD (17 indivíduos). A análise estatística utilizada foi ANOVA one-way para todas as variáveis demográficas, comparação das diferenças entre grupos (GCG E GSG) e diferença entre o ombro dominante e ombro não dominante para as ADM’s (RM, RL e AH). E ANOVA two-way para comparação entre grupos (GCG e GSG) e membros (OD e OND), para as variáveis ADM de RM, RL, total e AH, SPA, força de RL e RM e razão de força RL/RM. E quando necessário os testes post hoc de Tukey foi empregado. Considerou-se p<0,05. Como resultado foi verificada interação entre grupos e membros para a variável ADM de RM (p<0,01), diferença entre grupos na ADM de RL (p = 0,03) e diferença entre membros para ADM de AH (p = 0,005). Para a variável SPA não houve diferença entre membros nem entre grupos. Na avaliação de força nos três grupos (GCG, GSG e não atletas) houve diferença entre os grupos na força de RM e RL e na Razão de força RL/RM (p≤0,01). Os atletas de arremesso por submeterem a articulação glenoumeral a grandes cargas movimentos repetitivos, ocorrem alterações na ADM e força, as quais podem gerar um maior risco de lesões.


  • Mostrar Abstract
  • The throwing movement imposes an excessive stress on the glenohumeral joint (GU), since during these movements a very high angular velocity is generated, leading this joint to suffer with great traction forces. Repeated performance of such movements generates some bone, joint capsule and muscle adaptations that culminate in the development of the posterior stiffness of the shoulder and the Glenoumeral Internal Rotation Deficit, known as GIRD. As a consequence of these deficits, there is an association of a decreased range of motion (ROM), imbalance of muscle strength between medial and lateral rotators and shoulder proprioception, which increases the risk of osteomyoarticular lesions. The objective of this study was to analyze the influence of GIRD on biomechanics and neuromuscular performance of the shoulder complex of thrower athletes. It was an observational cross-sectional study of 61 athletes practicing handball and beach handball (34 males and 27 females, 27.03 ± 5.99 years, BMI 25.58 ± 3.84) and 23 non-athletes (11 men and 12 women, 26.26 ± 4.32 years, BMI 23.61 ± 2.78). There were evaluated: ROM for medial (MR) and lateral (LR) rotations and horizontal shoulder adduction (HA); sense of joint position of shoulder during ROM of LR using an Accumar® digital inclinometer; and isometric ROM of LR and MR strength using a Lafayette® manual dynamometer for both groups (athletes and non-athletes). Based on the ROM for MR evaluation, athletes with shoulder differences between limbs of less than 10º were allocated to the group without GIRD (44 individuals) and those with a difference greater than 10º in the group with GIRD (17 individuals). The statistical analysis used was one-way ANOVA for all demographic variables, comparison of differences between groups and difference between dominant shoulder (DS) and nondominant shoulder (NDS) for ADM's (MR, LR and HA). And two-way ANOVA for comparison between groups and limbs, for the MR, LR, total, and HA ROMs, sense of joint position, LR and MR strength variables and LR/MR force ratio. And, when necessary, the post hoc tests of Tukey were employed. P <0.05 was considered. As a result, group-to-limb interaction was observed for the MR variable MR (p <0.01), difference between groups in LR ROM (p = 0.03) and limb difference for ROM of HA (p = 0.005). For the sense of joint position there was no difference between members or groups. In the evaluation of strength in the three groups there was difference between the groups in the strength of LR and in the LR/MR force ratio (p≤0.01). Throwing athletes are subjected to large loads and repetitive movements, and from this, shoulder ROM and strength suffer alterations which can lead to an increased risk of injury.

Teses
1
  • TATIANA ONOFRE GAMA
  • EFEITOS DA CIRURGIA BARIÁTRICA E DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO NA APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA E FUNÇÃO PULMONAR EM MULHERES OBESAS

  • Orientador : SELMA SOUSA BRUNO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANIELLA CUNHA BRANDÃO
  • SELMA SOUSA BRUNO
  • SERVULO AZEVEDO DIAS JUNIOR
  • SHIRLEY LIMA CAMPOS
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • Data: 17/02/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O número de indicações para cirurgia bariátrica (CB) tem crescido mundialmente, demonstrando ser uma medida útil no tratamento da obesidade severa, promovendo redução da morbimortalidade, melhora das alterações cardiorrespiratórias/metabólicas e maior qualidade de vida. Programas de reabilitação após a CB têm sido estimulados, sendo importante especialmente no controle das comorbidades e do reganho de peso corporal a longo prazo. Apesar disto, existem poucas evidências relacionadas aos efeitos da CB, com ou sem reabilitação, na aptidão cardiorrespiratória (ACR), medida esta que impacta fortemente na mortalidade e no controle do peso. Nesse contexto, se faz necessário o acompanhamento da capacidade funcional e a implementação de programas de reabilitação no pós-operatório (PO) de CB, visto que a perda de peso isolada parece não aumentar a ACR em indivíduos que permanecem sedentários após a cirurgia. Objetivos: Avaliar os efeitos da CB e de um programa estruturado de reabilitação cardiopulmonar e metabólica (aplicado no PO) na ACR e função pulmonar em mulheres obesas, e compará-las a um grupo controle. Métodos: A pesquisa foi dividida em duas etapas. Inicialmente, foi realizado um estudo de follow-up constando de avaliação antropométrica, espirométrica e cardiorrespiratória/funcional (Teste de Esforço Cardiopulmonar-TECP) em 34 obesas antes e após a CB, dos quais resultaram dois artigos. Na segunda etapa, realizamos um ensaio clínico não randomizado e simples cego, envolvendo 12 mulheres adultas obesas (grau II e III) candidatas à CB, que foram divididas em grupo controle-GC (n=6) e grupo intervenção-GI (n=6). Todas as pacientes foram avaliadas no pré-operatório, terceiro (3MPO) e sexto mês de PO (6MPO), quanto aos mesmos parâmetros da primeira etapa. O GI participou de um programa específico de reabilitação supervisionada, que constou de exercícios aeróbios e resistidos durante 12 semanas e com início no 3MPO. Já o GC recebeu apenas orientações gerais. Assim, foram produzidos no total três artigos científicos, onde a estratégia estatística variou conforme a metodologia de cada estudo. Foi considerado um nível de significância estabelecido em p<0,05. Resultados: Após a CB, todas as pacientes avaliadas apresentaram redução significativa (p<0,001) nas comorbidades (hipertensão e diabetes) e medidas antropométricas, além de melhora na função pulmonar (p<0,05). Porém, apenas as obesas que participaram do protocolo de treinamento físico evoluíram com aumento significativo (p<0,05) no VO2pico e na duração total do TECP, de 5,9 ml/kg/min (23,8%) e 4,9 minutos (42,9%), respectivamente. Após um período de 9,4±2,7 meses de PO, houve uma redução de 0,398 L/min do VO2pico absoluto (p<0,001) nas pacientes que permaneceram sedentárias após a CB (n=34), sem diferenças no VO2pico relativo ao peso corporal (p=0,06). Observamos ainda moderada correlação (r= -0,52, p<0,05) entre ΔVO2pico e ΔCP-circunferência do pescoço. Conclusões: A aplicação de um programa estruturado de reabilitação em um grupo de mulheres obesas após três meses de CB, foi capaz de promover aumento significativo na ACR apenas no grupo treinado, apontando que a tolerância ao exercício e a capacidade aeróbia podem não aumentar nas mulheres que permanecem inativas após a cirurgia. No entanto, independente da prática de exercícios, a perda de peso corporal induzida cirurgicamente melhorou a função pulmonar e reduziu comorbidades importantes.



  • Mostrar Abstract
  • Introduction: The number of indications for bariatric surgery (BS) has increased worldwide, proving to be a useful measure in the treatment of severe obesity, promoting reduction of morbimortality, improvement of cardiorespiratory / metabolic alterations and higher quality of life. Rehabilitation programs after BS have been stimulated, being especially important in controlling comorbidities and regaining body weight in the long term. Despite this, there is little evidence related to the effects of BS, with or without rehabilitation, on cardiorespiratory fitness (CRF), a measure that strongly impacts mortality and weight control. In this context, it is necessary to follow the functional capacity and the implementation of rehabilitation programs in the postoperative period (PO) of BS, since isolated weight loss does not seem to increase the CRF in individuals who remain sedentary after surgery. Objectives: To evaluate the effects of BS and a structured program of cardiopulmonary and metabolic rehabilitation (applied in the PO) on CRF and pulmonary function in obese women, and to compare them to a control group. Methods: The research was divided into two stages. Initially, a follow-up study consisting of anthropometric, spirometric and cardiorespiratory / functional evaluation (Cardiopulmonary Exercise Testing-CPX) was performed in 34 obese women before and after BS, of which two articles resulted. In the second stage, we performed a non-randomized, simple blind trial involving 12 obese adult women (grade II and III) candidates for BS, who were divided into control-CG group (n = 6) and intervention group-IG (n = 6). All patients were evaluated in the preoperative, third (3MPO) and sixth month of PO (6MPO), regarding the same parameters of the first stage. The IG participated in a specific rehabilitation program which consisted of aerobic and resistance exercises for 12 weeks and starting at 3MPO. The CG received only general guidelines. Thus, a total of three scientific articles were produced, where the statistical strategy varied according to the methodology of each study. A significance level was set at p <0.05. Results: After BS, all the patients evaluated had a significant reduction (p <0.001) in comorbidities (hypertension and diabetes) and anthropometric measurements, in addition to an improvement in pulmonary function (p <0.05). However, only those obese who participated in the physical training protocol presented a significant increase (p <0.05) in VO2peak and in the total duration of CPX, of 5.9 ml / kg / min (23.8%) and 4.9 minutes (42.9%), respectively. After a period of 9.4 ± 2.7 months of PO, there was a reduction of absolute VO2peak (p <0.001) in patients who remained sedentary after BS (n = 34), with no differences in relative VO2peak to body weight (p = 0.06). We also observed a moderate correlation (r = -0.52, p <0.05) between ΔVO2peak and ΔNC-neck circumference. Conclusions: The application of a structured rehabilitation program in a group of obese women after three months of BS was able to promote a significant increase in CRF in the trained group only, indicating that exercise tolerance and aerobic capacity may not increase in women who remain inactive after surgery. However, regardless of exercise practice, weight loss induced surgically improved pulmonary function and reduced major comorbidities.

2
  • IVANIZIA SOARES DA SILVA
  •  

    EFETIVIDADE E SEGURANÇA DO TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO NA ASMA: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO


  • Orientador : GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • BALDOMERO ANTONIO KATO DA SILVA
  • BRENDA NAZARÉ GOMES ANDRIOLO
  • Data: 29/03/2017

  • Mostrar Resumo
  • Resumo: Introdução: É importante identificar tratamentos de baixo custo que auxiliem a melhora da qualidade de vida e do controle da asma destes indivíduos. O treinamento muscular inspiratório (TMI) pode ser uma boa alternativa para complementar a tradicional terapia medicamentosa. Estudos prévios mostraram um aumento significativo da força dos músculos inspiratórios, além da redução da percepção de dispneia e do consumo de β2 agonista. Para que tais ganhos ocorram, a prescrição do TMI deve considerar os princípios do treinamento, incluindo os princípios básicos de sobrecarga, especificidade e reversibilidade. Objetivo: Investigar os princípios de sobrecarga, especificidade e reversibilidade do TMI sobre a força dos músculos respiratórios, controle da asma, qualidade de vida, nível de dispneia, capacidade funcional, eletromiografia dos músculos inspiratórios e função pulmonar em asmáticos. Métodos: Trata-se de ensaio clínico randomizado, duplo-cego. A amostra foi composta por 29 indivíduos asmáticos divididos em dois grupos: 14 participantes do grupo com carga leve (C15%) e 15 no grupo de treinamento com carga moderada (C50%). O TMI foi realizado 5 dias por semana, durante 6 semanas, com aparelho POWERbreathe®. As sessões consistiram de 30 repetições duas vezes por dia. Os indivíduos do G15% treinaram com carga de 15% da pressão inspiratória máxima (PImáx), enquanto o G50% treinou com 50% da PImáx. Inicialmente, os participantes foram submetidos a avaliações da função pulmonar. Em seguida, foram aplicados o Asthma Quality of Life Questionnaire (AQLQ) e Asthma Control Questionnaire (ACQ). A eletromiografia de superfície dos músculos inspiratórios foi registrada durante respiração tranquila em repouso e durante inspirações profundas. A força muscular respiratória foi obtida pela PImáx e pela pressão expiratória máxima (PEmáx). Por fim, a escala de Borg CR10 e a distância percorrida no teste da caminhada de seis minutos (DP6) foram utilizadas para avaliar o nível de dispneia e a capacidade funcional, respectivamente. As avaliações foram realizadas no início do estudo, após 6 semanas de treinamento e seis semanas após a cessação do treinamento. Paralelamente ao estudo experimental, foi desenvolvida uma revisão sistemática em parceria com a Colaboração Cochrane sobre treinamento muscular respiratório (TMR) em pessoas com doenças neuromusculares. Resultados: A PImáx aumentou cerca de 20 cmH2O (24%) no grupo C15%, enquanto o grupo C50% apresentou um ganho de

    aproximadamente 33 cmH2O (35%). Além disso, o grupo C50% mostrou um incremento na PEmáx de 10 cmH2O (10%) e no grupo C15%, houve uma melhora de 8,1 cmH2O (9%) após o treinamento. Ambas as intensidades de treinamento promoveram uma melhora clinicamente relevante na qualidade de vida. Essa melhoria foi observada nos domínios limitação de atividade e função emocional no grupo C15% e em todos os domínios do AQLQ no grupo C50%. O treinamento com carga moderada reduziu ainda o nível de dispneia. Foram observadas pequenas mudanças após o treinamento no controle da asma, capacidade funcional e função pulmonar, após o TMI. Na revisão sistemática, foram incluídos 7 estudos, envolvendo 151 participantes com DNM. No entanto, os estudos incluídos na meta-análise não conseguiram demonstrar um aumento da FMR após treinamento. Os estudos incluídos nesta revisão não avaliaram o número de hospitalizações não programadas para exacerbações agudas de insuficiência respiratória crônica ou outros eventos adversos relacionados com TMR. Conclusões: Em indivíduos com asma, o TMI com cargas leve e moderada aumenta a força dos músculos respiratórios e melhora a qualidade de vida. Além disso, o treinamento com carga moderada reduz o nível de dispneia. A revisão sistemática concluiu que nas pessoas com doenças neuromusculares, há muito baixa qualidade de evidência que o treinamento muscular respiratório melhora força muscular respiratória e qualidade de vida.


  • Mostrar Abstract
  • Background: It is important to identify the low-cost complementary treatments that help improve the asthma control and quality of life of these individuals. Inspiratory muscle training (IMT) may be a good alternative to complement traditional drug therapy. Previous studies have shown a significant increase in inspiratory muscle strength, as well as a reduction in the degree of dyspnea and β2 agonist consumption. For such gains to occur, IMT prescribing should consider the principles of training, including the basic principles of overload, specificity and reversibility. Objective: To investigate the principles of intensity, specificity and reversibility of IMT on respiratory muscle strength, asthma control, quality of life, degree of dyspnea, functional capacity, inspiratory muscle electromyography and lung function in people with asthma. Methods: This was a double-blind randomized controlled trial. The sample consisted of 29 people with asthma divided into two groups: 14 participants in the low load group (L15%) and 15 in the moderate load group (L50%). IMT was performed 5 days a week for 6 weeks with POWERbreathe® device. The sessions consisted of 30 repetitions twice a day. The L15% group trained with a load of 15% of maximal inspiratory pressure (MIP), while L50% group trained with 50% of MIP. Initially, the participants were submitted to lung function assessments. Then, the Asthma Quality of Life Questionnaire (AQLQ) and Asthma Control Questionnaire (ACQ) were applied. Surface electromyography of inspiratory muscles was recorded during quiet breathing and during deep inspirations. Respiratory muscle strength was obtained by MIP and by maximal expiratory pressure (MEP). Finally, the Borg CR10 scale and the distance walked in six-minute walk test (6MWD) were used to assess degree of dyspnea and functional capacity, respectively. Assessments were performed at baseline, after 6 weeks of training and six weeks after cessation of training. Parallel to the experimental study, a systematic review was developed in partnership with the Cochrane Collaboration on Respiratory Muscle Training (TMR) in people with neuromuscular diseases (NMD). Results: MIP increased about 20 cmH2O (24%) in the L15% group, while the L50% group showed a gain of approximately 33 cmH2O (35%). In addition, the L50% group exhibited an increase in the MEP of 10 cmH2O (10%) and there was an improvement of 8.1 cmH2O (9%) in the L15% group after the training. Both groups promoted a clinically relevant improvement in quality of life. This improvement was observed in the activity limitation and emotional function domains in the L15% group and in all AQLQ domains in the L50% group. Moderate-load training also reduced the degree of dyspnea. Small changes were observed after the training in the control of asthma, functional capacity and pulmonary function, after IMT. In the systematic review, 7 studies involving 151 participants with DNM were included. However, the studies included in the meta-analysis failed to demonstrate an enhancement after RMT. The trials included in this review did not report the number of unscheduled hospitalisations for acute exacerbations of chronic respiratory failure or other adverse events related to RMT. Conclusions: In people with asthma, IMT with low and moderate loads increases the strength of respiratory muscles and improves quality of life. In addition, moderate-load training reduces the degree of dyspnea. The systematic review concluded that in people with neuromuscular diseases, there is a very low quality of evidence that respiratory muscle training improves respiratory muscle strength and quality of life.
3
  • LAIANE SANTOS EUFRASIO
  • PREVALÊNCIA E FATORES ASSOCIADOS AO PARTO CESÁREO NO CONTEXTO REGIONAL BRASILEIRO

  • Orientador : ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA GOMES MAGALHAES
  • ALINE MEDEIROS CAVALCANTI DA FONSECA
  • DAMIAO ERNANE DE SOUZA
  • ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • PALLOMA RODRIGUES DE ANDRADE
  • Data: 26/05/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A operação cesariana atualmente vem se tornando cada dia mais frequente em todo o mundo. Ela, se indicada de forma correta, é efetiva na redução da mortalidade materna e perinatal. No entanto, vem sendo realizada sem reais indicações, aumentando a sua prevalência e podendo levar a riscos desnecessários, tanto para a mãe quanto para o bebê. Vários são os fatores que podem estar associados a essa crescente taxa, mas estes são pouco explorados sobre a ótica das regiões brasileiras. Objetivo: Estimar a prevalência e fatores associados às cesáreas no contexto das regiões brasileiras. Metodologia: Foi realizado um recorte do banco de dados da Pesquisa Nacional de Saúde – PNS, um estudo de base domiciliar, de âmbito nacional, realizada pelo IBGE em parceria com o Ministério da Saúde em 2013. Foram incluídos dados de mulheres com idade entre 18 a 49 anos, totalizando 16.175 registros de mulheres que estiveram grávidas e pariram em alguma vez na vida. Foi realizada a análise descritiva das variáveis de interesse, análise bivariada por meio do teste de Qui-Quadrado, e a regressão logística. Foi adotado um nível de significância ou p valor < 0,05.  Resultados: A prevalência no Brasil de mulheres que tiveram parto cesárea foi de 53,03%. Com o passar dos anos (desde 1974 até 2013), houve aumento de chances de ter esse tipo de parto principalmente nas regiões Nordeste (121%, IC95: 1.42 – 3.46) e Sul (175%, IC95: 1.44 – 5.23), em brasileiras que tem plano de saúde (3 vezes mais chances, IC95: 1.69 – 5.38), com diagnóstico de hipertensão arterial (2,77 vezes, IC95: 1.58 – 4.85), com problema crônico de coluna (2 vezes, IC95:1.01 – 4.05) e idade avançada na primeira gravidez (2 vezes mais chances, IC95: 1.20 – 3.35). Além disso, mulheres com maiores níveis de escolaridade tem 2,05 vezes (IC95%: 1.27 – 3.30) mais chances de ter um parto cesárea, destacando as das regiões Norte e Sul, enquanto que no Nordeste, esta probabilidade aumentou, independentemente do nível de escolaridade. Conclusão: A taxa de cesáreas no Brasil permanece alta, sendo o parto vaginal o mais prevalente nas regiões Norte (52,74%) e Nordeste (51,06%), enquanto o parto cesáreo é mais nas regiões Sudeste (59,32%), Sul (56,96%) e Centro Oeste (61,48%). Os fatores associados como o tempo, o grau de escolaridade, a idade materna e o fato de ter plano de saúde privado, parecem contribuir para o aumento dessa prevalência, comportando-se distintamente entre as regiões do país, por serem influenciados pelas características peculiares de cada uma.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Caesarean section is becoming more and more frequent all over the world. If indicated correctly, it is effective in reducing maternal and perinatal mortality. However, it has been performed without real indications, increasing its prevalence and may lead to unnecessary risks, both for the mother and the baby. There are several factors that may be associated with this increasing rate, but these are little explored on the optics of the Brazilian regions. Objective: To estimate the prevalence and factors associated with cesarean sections in the Brazilian regions context. Methodology: A recort of national database of the National Health Survey (PNS), a national domiciliary study conducted by the IBGE in partnership with the Ministry of Health in 2013, was performed. Data from women aged 18 To 49 years, totaling 16,175 records of women who were pregnant and gave birth at some time in life. Descriptive analysis of the variables of interest, bivariate analysis using the chi-square test, and logistic regression were performed. A level of significance was adopted or p value <0.05. Results: The prevalence in Brazil of women who had cesarean delivery was 53.03%. Over the years (from 1974 to 2013), there was an increase in the chances of having this type of delivery, mainly in the Northeast (121%, IC95: 1.42 - 3.46) and South (175%, IC95: 1.44 - 5.23), in brazilians women that have health plan (3 times more chances, IC95: 1.69 - 5.38), with a diagnosis of arterial hypertension (2.77 times, IC95: 1.58 - 4.85), with a chronic spine problem (2 times, IC95: 1.01 - 4.05) and advanced age in the first pregnancy (2 times more chances, IC95: 1.20 - 3.35). In addition, women with hight education levels were 2.05 times more likely (95% CI: 1.27 - 3.30) to have a cesarean birth, especially in the North and South regions, while in the Northeast, this probability increased, regardless of the level of schooling. Conclusion: The rate of cesarean delivery in Brazil remains high, with vaginal delivery being the most prevalent in the North (52.74%) and Northeast (51.06%) regions, while cesarean delivery is more prevalent in the Southeast regions (59.32% ), South (56.96%) and Central West (61.48%). Associated factors such as time, educational level, maternal age and the fact of having a private health plan seem to contribute to the increase of this prevalence, behaving distinctly among the regions of the country, because they are influenced by the peculiar characteristics of each one.

4
  • IVAN DANIEL BEZERRA NOGUEIRA
  • INSUFICIÊNCIA CARDÍACA, SAÚDE AUTORREFERIDA E PRÁTICA DE EXERCÍCIO FÍSICO NO BRASIL: ESTUDO DE PREVALÊNCIA COM DADOS DA PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE, 2013

     

  • Orientador : GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALINE MEDEIROS CAVALCANTI DA FONSECA
  • DAMIAO ERNANE DE SOUZA
  • GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • MILENA CARLOS VIDOTTO
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • Data: 01/09/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução:A insuficiência cardíaca (IC) é um dos mais importantes desafios clínicos atuais na área da saúde mundial, com perfil epidêmico em progressão. Nesse sentido, a saúde autorreferida (SAR) amplamente utilizada nos inquéritos de saúde, apresenta-se como ferramenta para monitorar o estado de saúde das doenças crônicas não transmissíveis e assim,melhor planejar a assistência e efetividade das políticas de saúde. A SAR é categorizada em saúde autorreferida boa (SAR B) e precária (SAR P), a qual por sua vez é um preditor de morbimortalidade. Objetivo: Estimar a prevalência da IC e associação com a SAR no Brasil. Métodos: Estudo transversal que utilizou dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) realizada em 2013, com dados válidos para 59.655 adultos (≥ 18 anos). A prevalência de insuficiência cardíaca, avaliada pela pergunta “Algum médico já lhe deu o diagnóstico de insuficiência cardíaca?”, relacionou-se às características sociodemográficas, percepção do estado de saúde (SAR, percepções de saúde física e mental), diagnóstico de depressão e prática de exercício físico. Foram realizadas as análises descritiva, bivariada e multivariada. O modelo final da associação principal foi testado pela regressão de Poisson com variância robusta. Resultados: O diagnóstico de IC foi referido por 1,1% dos entrevistados. Observou-se que ter o diagnóstico médico de IC aumenta em quatro vezes a chance de ter pior percepção de saúde (OR = 4,17; IC95% 3,65 – 4,76), contudo essa medida de ponto reduz para menos da metade, quando ajustado por faixa etária e percepção da saúde física (OR = 1,78; IC95% 1,52 – 2,08). Conclusão: A associação entre IC e SAR precária revela a forma como essa doença influencia a qualidade de vida dos brasileiros com tal moléstia. Além disso, as informações da PNS, por ser representativa da população brasileira, são úteis para subsidiar a formulação das políticas públicas nas áreas de promoção, vigilância e atenção à saúde do Sistema Único de Saúde em indivíduos com IC.


  • Mostrar Abstract
  • Background: Heart failure (HF) is one of the most important clinical challenges in the world health area, with an epidemic profile in progression. In this sense, self-rated health (SRH), widely used in health surveys, is presented as a tool to monitor the health status of chronic non-communicable diseases and, therefore, better plan the assistance and effectiveness of health policies. SRH is categorized into good self-rated health (SRH G) and poor (SRH P), which in turn is a predictor of morbidity and mortality. Objective: To estimate the prevalence of HF and association with SRH in Brazil. Methods: A cross-sectional study using data from the National Health Survey (NHS) conducted in 2013, with data valid for 59,655 adults (≥ 18 years). The prevalence of heart failure assessed by the question "Have any doctors ever diagnosed heart failure?" Was related to sociodemographic characteristics, health status perception (SRH, perceptions of physical and mental health), diagnosis of depression and practice of physical exercise. Descriptive, bivariate and multivariate analyzes were performed. The final model of the main association was tested by Poisson regression with robust variance. Results: The diagnosis of HF was reported by 1.1% of the interviewees. It was observed that having a medical diagnosis of HF increased four times the chance of having a worse health perception (OR = 4.17, 95% CI 3.65-4.76), but this point measure reduces to less than half, when adjusted for age and physical health perception (OR = 1.78, 95% CI 1.52-2.08). Conclusion: The association between precarious HF and SRH reveals how this disease influences the quality of life of Brazilians with such disease. In addition, the information from the NHS, being representative of the Brazilian population, is useful to subsidize the formulation of public policies in the areas of promotion, surveillance and health care of the Unified Health System in individuals with HF.

5
  • INGRID GUERRA AZEVEDO
  • RELAÇÃO ENTRE HISTÓRIA REPRODUTIVA E PROLAPSO DE ÓRGÃOS PÉLVICOS COM FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM MULHERES DE MEIA-IDADE E IDOSAS RESIDENTES NA COMUNIDADE


  • Orientador : ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • LILIAN LIRA LISBOA
  • SAIONARA MARIA AIRES DA CAMARA
  • ANA TEREZA DO NASCIMENTO SALES FIGUEIREDO FERNANDES
  • SILVANA LOANA DE OLIVEIRA SOUZA
  • Data: 19/10/2017

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A história reprodutiva feminina e disfunções do assoalho pélvico, em conjunto com os efeitos da menopausa, tem contribuído para as alterações físicas que aparecem com o envelhecimento, como as alterações precoces na capacidade funcional de mulheres. Desta forma, investigar a história reprodutiva feminina e disfunções do assoalho pélvico, e sua relação coma força muscular respiratória se torna de grande necessidade. Objetivo: Avaliar a relação da força muscular respiratória com variáveis da história reprodutiva e disfunções do assoalho pélvico, em mulheres de meia idade e idosas residentes na comunidade. Métodos: Foram estudadas 208 mulheres entre 41-80 anos, nas cidades de Santa Cruz - RN. Os sujeitos foram recrutados por conveniência e após consentimento, a avaliação foi realizada. Foram coletados dados sociodemográficos, medidas antropométricas, hábitos de vida, história reprodutiva, alterações de assoalho pélvico, avaliação do desempenho físico, avaliação da força muscular respiratória (manovacuometria), avaliação da composição corporal (análise de bioimpedância elétrica). Resultados: Aproximadamente 44,1% da amostra tiveram 3 gestações ou menos, 30,4% tiveram 4-6 gestações e 25,5% tiveram mais que 7 gestações. Houve uma diferença significativa considerando a paridade quando comparada entre as duas categorias de idade (41-60 versus 61-80 anos de idade). Os valores de PImáx foram diferentes ao considerar a escolaridade, tabagismo, tempo sentada por dia e paridade. Ao considerar os valores de PEmáx, houve diferenças quanto à escolaridade e paridade. Quanto à PImáx, aqueles que tiveram três ou menos gestações tinham mais de 20 cmH2O do que aqueles que tiveram sete gestações ou mais. Considerando a PEmáx, a diferença entre grupos educacionais foi de 12 cmH2O, mas na mesma direção. Com relação às disfunções do assoalho pélvico, 14,7% das mulheres apresentaram prolapso de órgão pélvico (POP) sintomático. O POP sintomático não foi associado à PImáx. As variáveis idade, escolaridade, IMC, tabagismo e paridade foram associadas à PImáx na análise univariada, mas apenas idade, IMC e tabagismo são determinantes de PImáx no modelo multivariado. No modelo univariado, POP sintomático, idade, escolaridde, IMC e paridade foram associados à PEmáx. As mulheres com POP sintomático apresentaram PEmáx mais baixa quando comparadas às mulheres sem esta condição (β = -14,78; p = 0,014). As mulheres com maior idade e maior número de crianças (≥ 5 crianças) obtiveram piores valores de PEmáx, e aquelas com maior IMC e mais anos de estudos (> 7 anos), valores mais elevados, na análise univariada. No modelo multivariado, apenas idade, IMC e POP sintomático são determinantes para a PEmáx. Conclusão: Este estudo traz evidências de que as múltiplas gestações e disfunções do assoalho pélvico influenciam a força muscular respiratória, uma vez que mulheres com maior número de gestações e com POP sintomático têm valores mais baixos de pressões respiratórias máximas. Ainda, outras variáveis, como o IMC e o tempo gasto em sedentarismo ao longo do dia possuem relação com a capacidade de gerar pressões respiratórias.


  • Mostrar Abstract
  • Background: Female reproductive history and pelvic floor dysfunction, along with the effects of menopause, have contributed to physical changes that appear with aging, such as early changes in women functional capacity. In this way, investigating the female reproductive history and pelvic floor dysfunctions, and its relationship with respiratory muscle strength becomes of great necessity. Objective: To assess the relationship of respiratory muscle strength with variables of reproductive history and pelvic floor dysfunction in middle-aged women and elderly women living in the community.Methods:  A total of 208 women aged 41-80 years residents in the community of Santa Cruz – RN composed the sample. Subjects were recruited for convenience and after contentment, the evaluation was performed. Sociodemographic, anthropometric measures, life habits, reproductive history, pelvic floor disorders, physical performance evaluation, respiratory muscle strength assessment (manovacuometry) and body composition assessment (bioimpedance analysis) data were collected. Results: Approximately 44.1% of the sample had 3 pregnancies or less, 30.4% had 4-6 pregnancies and 25.5% had more than 7 pregnancies. There was a significant difference considering parity when compared between the two age categories (41-60 versus 61-80 years old). MIP values were different when considering schooling, smoking, sitting time per day and parity. When considering MEP values, there were differences in schooling and parity. As for MIP, those who had three or fewer pregnancies had more than 20 cmH2O than those who had seven or more pregnancies. Considering MEP, the difference between educational groups was 12 cmH2O, but in the same direction. Considering pelvic floor dysfunctions, 14.7% of the women presented symptomatic pelvic organ prolapse (POP). It was not associated with MIP. The variables age, schooling, BMI, smoking and parity were associated with MIP in the univariate analysis, but only age, BMI and smoking are determinants of MIP in the multivariate model. In the univariate model, symptomatic POP, age, schooling, BMI and parity were associated with MEP. Women with symptomatic POP presented lower MEP when compared to women without this condition (β = -14.78; p = 0.014). Older women and with more children (≥ 5 children) had worse values of MEP, and those with higher BMI and more years of studies (> 7 years), higher values, in the univariate analysis. In the multivariate model, only age, BMI and symptomatic POP are determinants for MEP. Conclusion: This study provides evidence that multiple pregnancies and pelvic floor dysfunctions influence respiratory muscle strength, since women with more gestations and with symptomatic POP have lower values of maximum respiratory pressures. Still other variables, such as BMI and time spent in day-to-day sedentarism, are related to the capacity to generate respiratory pressures.

6
  • RENATA CARLOS FELIPE NOGUEIRA
  •  

    Análise da cinética do consumo de oxigênio em obesas e eutróficas considerando diferentes ergometros e intensidades de exercício.


  • Orientador : SELMA SOUSA BRUNO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SELMA SOUSA BRUNO
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • GERSON FONSECA DE SOUZA
  • DANIELLA CUNHA BRANDÃO
  • MICHEL SILVA REIS
  • Data: 17/11/2017

  • Mostrar Resumo
  •  

     

     

    viii

     

    Contextualização: A avaliação da cinética do consumo de oxigênio (VO2) pode elucidar questões relacionadas a baixa aptidão física em obesos. A maior parte das atividades do dia-a-dia e laborais são realizadas em cargas submáximas de exercício e necessitam de diversas transições energéticas, onde os indivíduos saem de uma condição de repouso para uma atividade moderada a vigorosa em curtos e repetidos momentos do dia, utilizando os diferentes substratos energéticos. A capacidade de lidar com a transição repouso-atividade envolve uma elevada coordenação entre o sistema cardiovascular, respiratório e neuromuscular. A análise da cinética de oxigênio fornece uma aproximação adequada dos processos de transporte e utilização O2 no músculo. Assim, foi levantado o questionamento se existe lentificação na cinética de oxigênio em obesos, considerando que não existem estudos publicados abordando o comportamento temporal do VO2 em obesos adultos. Objetivo: Analisar e comparar a cinética do VO2 em mulheres eutróficas e obesas em diferentes ergômetros e intensidades de exercício. Materiais e Métodos: Estudo observacional transversal, onde foram avaliadas mulheres obesas e eutróficas. As voluntárias foram submetidas à avaliação clínico-física, prova de função pulmonar, avaliação de distúrbios do sono (Escala de Epworth, Escala de Sonolencia de Stanford, Escala de Ronco de Stanford), sensação de fadiga autopercebida (Escala de Severidade da Fadiga), medida de Força de Preensão Manual pelo dinamômetro de Jamar®, avaliação da capacidade de exercício e cinética de VO2 através de Teste de Esforço Cardiopulmonar (TECP) e Teste Carga Constante (TCC), com medidas de análise de gases expirados pelo aparelho Cortex Metamax 3B em esteira ou bicicleta. A distribuição do grupo por ergômetro foi realizada por randomização, sendo formados quatro grupos: eutróficas avaliadas em esteira (EE), eutróficas em bicicleta (EB), obesas em esteira (OE) e obesas em bicicleta (OB). Resultados: Foram avaliados 142 voluntários, sendo 100 obesos e 42 eutróficos. Desse total, 72 voluntários não atenderam aos critérios de inclusão, resultando em uma amostra final constituída de 60 mulheres (15 EE, 15 EB, 15 OE, 15 OB). A amostra foi homogênea quanto a idade, altura e função pulmonar. O TECP foi realizado por todas as voluntárias, tendo as obesas apresentado menor VO2/KgPICO e FCMÀX nos dois ergômetros estudados. A análise da cinética de oxigênio, identificou que não existe diferença na constante temporal (τ) entre os grupos de obesas e não obesas nos testes com intensidade abaixo (EE=42,7s, EB=36,4s, OE=37,6s, OB=34,1s, p>0,05) e acima (EE=41,8s, OE=55,8s, p>0,05) do limiar ventilatório (LV). O componente lento do oxigênio (VO2CL) no grupo de obesas avaliado em esteira, foi significativamente superior ao grupo de eutróficas (EE=0,162L/min, OE=0,283L/min, p<0,05). Conclusão: Nossos achados sugerem que não existe limitação no transporte de O2 durante o exercício com intensidade abaixo do LV. Entretanto, comportamento diferente é encontrado nos exercícios supra-LV, onde o aumento na amplitude do VO2CL no grupo de obesas indica uma maior ineficiência metabólica em ajustar o metabolismo oxidativo a demanda energética, o que pode estar relacionado a baixa tolerância ao exercício. Dessa forma, sugerimos que a prescrição de exercício deve ser baseada no LV, e não no VO2MAX, priorizando exercícios de endurance nos programas de reabilitação e treinamento físico, visando a melhora na capacidade de exercício dos obesos.


  • Mostrar Abstract
  •  

     

     

    x

     

    Contextualization: Evaluation of oxygen uptake (VO2) kinetics can elucidate issues related to low physical fitness in obese patients. Most day-to-day and work activities are performed on sub-maximal exercise intensity, and require various energy transitions, going from a resting condition to a moderate or vigorous activity at short and repeated time, requiring metabolism of different energy substrates. The ability to deal with a rest-activity transition involves a high coordination between the cardiovascular, respiratory and neuromuscular systems. An examination of the oxygen kinetics provides an adequate approximation of the oxygen transport and utilization processes in the muscle. Thus, it was raised the questioning if there is a slowing in oxygen kinetics in obese individuals, considering that there are no published studies addressing the temporal behavior of VO2 in obese adults. Objective: To analyze and compare the VO2 kinetics in eutrophic and obese women in different ergometers and test intensities. Materials and Methods: Cross-sectional observational study where obese and eutrophic women were evaluated. Volunteer were submitted to  physical clinical evaluation, pulmonary function testing, sleep disturbance assessment (Epworth Scale, Stanford Sleepiness Scale, Stanford Snoring Scale), self-perceived fatigue sensation (Fatigue Severity Scale), manual dynamometer (Jamar® Dynamometer), evaluation of exercise capacity and VO2 kinetics through the Cardiopulmonary Exercise Test (CPX) and Square-wave Exercise Test (SWET) on a treadmill or cycle ergometer, with measurements of breath-by-breathy gas expired by the Cortex Metamax 3B. Group distribution for ergometer was performed by randomization, and four groups were formed: eutrophic evaluated on treadmill (ET), eutrophic on cycle ergometer (EC), obese on treadmill (OT) and obese on cycle ergometer (OC). Results: 142 volunteers were evaluated, 100 obese and 42 eutrophic. Of this total, 72 volunteers did not meet the inclusion criteria, resulting in a final sample of 60 women (15 ET, 15 EC, 15 OT, 15 OC). The sample was homogeneous in terms of age, height, and pulmonary function. CPX was performed by all volunteers, with obese subjects presenting lower VO2/KgPeak and HRMAX in the two ergometers studies. Analysis of oxygen kinetics showed that there is no difference between groups of obese and eutrouphic in time constant(τ) in the tests with intensity below (ET=42,7s, EC=36,4s, OT=37,6s, OC=34,1s, p>0,05) and above (ET=41,8s, OT=55,8s, p>0,05) the gas exchange threshold (GET). The slow oxygen component (VO2SL) was higher to obese group evaluated on treadmill compared to eutrophics (ET=0,162L/min, OT=0,283L/min, p<0,05). Conclusion: Our findings suggest that there is no limitation on transport of O2 during exercise with intensity below GET. However, the increase in VO2SL amplitude in OT, suggests a greater metabolic inefficiency in adjusting oxidative metabolism to energy demand in exercise supra-GET, which may be related to low exercise tolerance. Thus, we suggest that exercise prescription must be done considering GET, not VO2MAX, prioritizing endurance training in rehabilitation programs and physical training, aiming to improve the exercise capacity of the obese.

2016
Dissertações
1
  • ISABELLY CRISTINA RODRIGUES REGALADO MOURA
  •  RELAÇÃO ENTRE SEXO E SINTOMAS MOTORES EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE DOENÇA DE PARKINSON: UM ESTUDO TRANSVERSAL

  • Orientador : ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • MARIA ELISA PIMENTEL PIEMONTE
  • Data: 12/01/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A Doença de Parkinson (DP) é uma patologia neurodegenerativa crônica, que comete preferencialmente o sexo masculino, e atinge com maior frequência pessoas idosas. Entre as características clínicas da doença estão o tremor, rigidez, bradicinesia e alteração postural, além de diminuição da mobilidade funcional, risco de quedas e distúrbios cognitivos. Existe a possibilidade de haver diferenças na apresentação desses sintomas entre homens e mulheres, devido a presença do hormônio estrogênio, que é um hormônio neuroprotetor, presente somente no sexo feminino. Objetivo: Analisar a influência do gênero sobre os sintomas motores em sujeitos com DP na cidade de Natal-RN. Metodologia A pesquisa consistiu de um desenho epidemiológico observacional, do tipo analítico, de caráter transversal. Os sujeitos foram recrutados em centros de saúde, ambulatórios, clínicas das instituições envolvidas e na comunidade em geral da cidade de Natal- RN. Foi analisado o perfil neurológico e socioeconômico dos sujeitos por meio de questionário sócio demográfico; o estágio de incapacidade dos sujeitos foi analisado através da Escala de Estadiamento de Hoenh e Yahr (HY); análise clínico-funcional avaliada pelo Unified Parkinson´s Disease Rate Scale (UPDRS); distúrbios relacionados a equilíbrio e marcha  foram avaliados através do instrumento Balance Evaluation Systems Test (Mini BESTest ); mobilidade funcional e risco de quedas foram analizados através do o Timed “up and go” (TUG) e teste de sentar e levantar 5 vezes (ST-DP5X). O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFRN. Resultados: Encontrou-se uma população predominantemente masculina, com baixa escolaridade, e maior percentual de casados. Todos os sujeitos avaliados em ambos os grupos apresentaram homogeneidade na escala de HY, sendo observada incapacidade de leve à moderada da DP. Na análise bivariada entre os sexos houve diferença somente para o equilíbrio. Na análise ajustada, porém, não houve diferença entre os sexos considerando os sintomas motores. As variáveis moduladoras dos sintomas motores foram a idade, estágio da doença, cognição e atividade física. Conclusão: Os achados sugerem que o sexo não influencia os sintomas motores, pois ambos os grupos apresentaram sintomatologia motora semelhante nesse estudo. No entanto, os resultados mostraram a idade, estágio da doença, cognição e atividade física são capazes de modificar a apresentação da doença. Esses achados podem nortear a prática clínica do fisioterapeuta, dando subsídios para o planejamento do tratamento e metas a serem alcançadas. Sabendo quais sintomas estarão mais presentes em cada estágio, e idade, e que a cognição baixa também afeta a sintomatologia motora, ficará mais claro para o terapeuta quais exercícios enfatizar durante a terapia.


  • Mostrar Abstract
  • Introdução: A Doença de Parkinson (DP) é uma patologia neurodegenerativa crônica, que comete preferencialmente o sexo masculino, e atinge com maior frequência pessoas idosas. Entre as características clínicas da doença estão o tremor, rigidez, bradicinesia e alteração postural, além de diminuição da mobilidade funcional, risco de quedas e distúrbios cognitivos. Existe a possibilidade de haver diferenças na apresentação desses sintomas entre homens e mulheres, devido a presença do hormônio estrogênio, que é um hormônio neuroprotetor, presente somente no sexo feminino. Objetivo: Analisar a influência do gênero sobre os sintomas motores em sujeitos com DP na cidade de Natal-RN. Metodologia A pesquisa consistiu de um desenho epidemiológico observacional, do tipo analítico, de caráter transversal. Os sujeitos foram recrutados em centros de saúde, ambulatórios, clínicas das instituições envolvidas e na comunidade em geral da cidade de Natal- RN. Foi analisado o perfil neurológico e socioeconômico dos sujeitos por meio de questionário sócio demográfico; o estágio de incapacidade dos sujeitos foi analisado através da Escala de Estadiamento de Hoenh e Yahr (HY); análise clínico-funcional avaliada pelo Unified Parkinson´s Disease Rate Scale (UPDRS); distúrbios relacionados a equilíbrio e marcha  foram avaliados através do instrumento Balance Evaluation Systems Test (Mini BESTest ); mobilidade funcional e risco de quedas foram analizados através do o Timed “up and go” (TUG) e teste de sentar e levantar 5 vezes (ST-DP5X). O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFRN. Resultados: Encontrou-se uma população predominantemente masculina, com baixa escolaridade, e maior percentual de casados. Todos os sujeitos avaliados em ambos os grupos apresentaram homogeneidade na escala de HY, sendo observada incapacidade de leve à moderada da DP. Na análise bivariada entre os sexos houve diferença somente para o equilíbrio. Na análise ajustada, porém, não houve diferença entre os sexos considerando os sintomas motores. As variáveis moduladoras dos sintomas motores foram a idade, estágio da doença, cognição e atividade física. Conclusão: Os achados sugerem que o sexo não influencia os sintomas motores, pois ambos os grupos apresentaram sintomatologia motora semelhante nesse estudo. No entanto, os resultados mostraram a idade, estágio da doença, cognição e atividade física são capazes de modificar a apresentação da doença. Esses achados podem nortear a prática clínica do fisioterapeuta, dando subsídios para o planejamento do tratamento e metas a serem alcançadas. Sabendo quais sintomas estarão mais presentes em cada estágio, e idade, e que a cognição baixa também afeta a sintomatologia motora, ficará mais claro para o terapeuta quais exercícios enfatizar durante a terapia.

2
  • VICTOR HUGO BRITO DE OLIVEIRA
  • Repercussões do treinamento muscular inspiratório na tolerância ao exercício avaliada através do teste do degrau de seis minutos.

  • Orientador : GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • SHIRLEY LIMA CAMPOS
  • Data: 18/01/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O treinamento muscular inspiratório (TMI) é uma opção para o aumento da força muscular respiratória, com vários efeitos positivos em diversas populações. Objetivo:Verificar a tolerância ao exercício, força muscular respiratória e espessura e mobilidade diafragmática antes e após o protocolo de TMI de 9 semanasMetodologia: Em um ensaio clínico controlado, randomizado e duplo-cego, 24 participantes foram divididos em dois grupos: Treinamento (G55%) e Controle (G10%). Foram realizados o teste do degrau de seis minutos (TD6), manovacuometria, espirometria e ultrassonografia do músculo diafragma. O grupo treinamento (G55%) realizou o protocolo com carga de 55% da PImáx e o grupo controle (G10%) com 10%. Todos treinaram 2x por dia, 6x por semana, durante 9 semanas com reavaliação da PImáx a cada duas semanas para reajuste de carga. Os dados foram analisados através do programa SPSS 20.0 com nível de significância de 5%. Resultados: Houve diferença significativa na quantidade de degraus subidos (G55%: p=0,03; G10% p=0,001*) força muscular inspiratória (G55%: p=0,02; G10%: p=0,01), variação da frequência cardíaca (G10%:  p=0,025) e percepção de dispneia (G10%: p=0,032). Não foi verificada diferença significativa na força muscular expiratória (G55%: p=0,089; G10%: p=0,242), espessura em CRF (G55%: p=0,070; G10% p= 0,857), espessura em CPT (G55%: p=0,480; G10%: p=0,551) e mobilidade (G55%: p=0,317; G10%: p=0,057).  Conclusão: Protocolos com cargas leve e moderada promovem melhora na tolerância ao exercício e na pressão inspiratória máxima, porém não são suficientes para promover alterações morfológicas no diafragma de indivíduos saudáveis.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction and objective:  The inspiratory muscle training (IMT) is utilized to increase the muscular respiratory strength with various positive effects for diverse population. The objective of the present study was to verify the tolerance to exercise, respiratory muscular strength, and diaphragmatic thickness and mobility before and after 9 weeks of IMT.

    Subjects: 24 healthy individuals of both genders randomized in two groups.

    Methodology: It is an experimental clinical trial study, controlled, randomized, and double-blind. The IMT was performed with two loads of the MIP: 10% (G10%) and 55% (G55%), twice a day, six times per week, for 9 weeks.  The 6-minutes step test (6MST), manovacuometry, spirometry, and ultrasonography of the diaphragm muscle were performed before and after the training.

    Results: There was a significant difference between the number of steps moved up, and inspiratory muscular strength for both groups. A difference on cardiac frequency, and dyspnoea perception for the G10% was also perceived. There was an intergroup difference on the MIP at the post training moment.

    Conclusion: Protocols with low and moderated loads promote increase on muscular strength and 6-minutes step test results. However, there was no difference intergroup. The utilized protocol was not capable of promoting morphological changes on the diaphragm.

3
  • SILVIA OLIVEIRA RIBEIRO LIRA
  • CINEMETRIA E EQUILÍBRIO POSTURAL DA ATIVIDADE DO SENTAR-LEVANTAR EM MULHERES GRÁVIDAS APÓS PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS BASEADO EM REALIDADE VIRTUAL: ENSAIO CLÍNICO CONTROLADO RANDOMIZADO

  • Orientador : ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • VALÉRIA CONCEIÇÃO PASSOS DE CARVALHO
  • Data: 26/01/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A gravidez é um período no qual ocorrem diversas modificações hormonais, físicas e emocionais, capazes de desencadear alterações no equilíbrio, controle postural e realização de atividades funcionais. 
    Objetivo: Investigar a influência de um protocolo de exercícios com o Nintendo Wii Fit Plus® sobre o equilíbrio postural e variáveis cinemáticas no sentar-levantar em mulheres no período gestacional. 
    Metodologia: Foi realizado um Ensaio Clínico Controlado Randomizado com 44 mulheres grávidas divididas em Grupo Controle e Grupo Experimental, avaliadas através do Balance Master System® e Sistema de Análise do Movimento Qualisys®Após o protocolo de estudo, as participantes foram reavaliadas. O protocolo de intervenção teve duração um mês (3 vezes por semana), com os jogos para equilíbrio do Nintendo Wii Fit Plus®. Para análise estatística dos dados, foi utilizado o software Statistical Package for Social Sciencies for  Personal Computer- SPSS (versão 20.0). 
    Resultados: A media da idade cronológica para as gestantes do segundo e terceiro trimestre gestacionais foram, respectivamente 28,5 (±3,83) e 29,4 (±3,23)Foram encontradas diferenças estatisticamente significativas no fator tempo apenas para a variável VFOA (P=0,04) do equilíbrio postural. Para as variáveis da cinemetria, não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas no fator tempo (P= 0,54) e tempo*grupo (P>0,059). 
    Conclusão:  Os dados obtidos sugerem que o uso do Nintendo Wii Fit Plus® não influencia no equilíbrio postural e cinemetria do sentar-levantar de mulheres no segundo e terceiro trimestre gestacional.

  • Mostrar Abstract
  • Introdução: A gravidez é um período no qual ocorrem diversas modificações hormonais, físicas e emocionais, capazes de desencadear alterações no equilíbrio, controle postural e realização de atividades funcionais. 
    Objetivo: Investigar a influência de um protocolo de exercícios com o Nintendo Wii Fit Plus® sobre o equilíbrio postural e variáveis cinemáticas no sentar-levantar em mulheres no período gestacional. 
    Metodologia: Foi realizado um Ensaio Clínico Controlado Randomizado com 44 mulheres grávidas divididas em Grupo Controle e Grupo Experimental, avaliadas através do Balance Master System® e Sistema de Análise do Movimento Qualisys®Após o protocolo de estudo, as participantes foram reavaliadas. O protocolo de intervenção teve duração um mês (3 vezes por semana), com os jogos para equilíbrio do Nintendo Wii Fit Plus®. Para análise estatística dos dados, foi utilizado o software Statistical Package for Social Sciencies for  Personal Computer- SPSS (versão 20.0). 
    Resultados: A media da idade cronológica para as gestantes do segundo e terceiro trimestre gestacionais foram, respectivamente 28,5 (±3,83) e 29,4 (±3,23)Foram encontradas diferenças estatisticamente significativas no fator tempo apenas para a variável VFOA (P=0,04) do equilíbrio postural. Para as variáveis da cinemetria, não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas no fator tempo (P= 0,54) e tempo*grupo (P>0,059). 
    Conclusão:  Os dados obtidos sugerem que o uso do Nintendo Wii Fit Plus® não influencia no equilíbrio postural e cinemetria do sentar-levantar de mulheres no segundo e terceiro trimestre gestacional.
4
  • MARIANA CARMEM APOLINÁRIO VIEIRA
  • RELAÇÃO ENTRE INCONTINÊNCIA URINÁRIA, PROLAPSO DE ÓRGÃOS PÉLVICOS E DESEMPENHO FÍSICO EM MULHERES DE MEIA IDADE: UM ESTUDO TRANSVERSAL.

  • Orientador : ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • VALÉRIA CONCEIÇÃO PASSOS DE CARVALHO
  • Data: 26/01/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: As mulheres apresentam maior declínio físico e incapacidade durante o envelhecimento em relação aos homens. Com isso, diversas explicações biológicas vêm sendo propostas para explicar a razão pela qual as mulheres apresentam piores resultados de saúde. Dentre elas, sabe-se que a história reprodutiva e possíveis alterações gineco-obstetricias vem sendo associada a limitações na função física. Entretanto, sabe-se pouco sobre a relação entre a incontinência urinária, o prolapso de órgãos pélvicos e o desempenho físico. Objetivo: Verificar a relação entre incontinência urinária, prolapso de órgãos pélvicos e desempenho físico em mulheres de meia-idade.Metodologia: Trata-se de um estudo observacional analítico, de caráter transversal, realizado com mulheres (40 a 65 anos), residentes em Parnamirim/RN. Todas as participantes foram avaliadas através de um questionário estruturado, sendo coletados dados socioeconômicos, demográficos, alterações ginecológicas e desempenho físico. Na análise estatística, a normalidade dos dados foi verificada utilizando o teste Kolmogorov-Smirnov. Para avaliar a relação entre as variáveis independentes e as de desempenho físico foram utilizados o test t e a ANOVA. Análises de regressão linear foram realizadas para observar a relação entre incontinência urinária, prolapso de órgãos pélvicos e o desempenho, ajustadas pelas covariáveis. Resultados: Foram avaliadas 361 mulheres, com média de idade 53,0 (±5,6) anos. As mulheres que apresentavam incontinência urinária mostraram pior desempenho no teste de sentar e levantar (p=0,04) e aquelas com prolapso de órgãos pélvicos, pior equilíbrio de olhos abertos (p=0,04). Após as análises de regressão linear múltipla, as alterações ginecológicas permaneceram relacionadas ao teste sentar e levantar (incontinência urinária: β = 0,923; IC: 0,016 : 1,830) e ao equilíbrio de olhos abertos (prolapso pélvico: β = -2,467; IC: -4,706 : -0,228). Conclusão: As mulheres com incontinência urinária apresentaram pior desempenho físico no teste de sentar e levantar da cadeira e aquelas com prolapso de órgãos pélvicos apresentaram pior desempenho físico no teste de equilíbrio com olhos abertos.



  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Women have presented higher charge of physical decline and disability during aging compared to men. Consequently, several biological explanations have been proposed to explain the reason why women have worse health outcomes. Among them, has knowledge that the reproductive history and possible urogynecological changes has been associated with limitations in physical function. However, little is known about the relationship between urinary incontinence, pelvic organ prolapse and physical performance. Objective: To verify the relationship between urinary incontinence, pelvic organ prolapse and physical performance in middle-aged women. Methodology: A cross-sectional study, accomplished with women (40-65 years), living in Parnamirim-RN, between September of 2014 and July of 2015, with a sample of 361 women. All participants were assessed using a structured questionnaire, being collected socioeconomic and demographic data, urogynecological changes and physical performance. In the statistical analysis, the normality of the data was verified using the Kolmogorov-Smirnov test. To evaluate the relationship between independent variables and physical performance variables were used test t and ANOVA. Linear regression analysis was performed to observe the relationship between urinary incontinence, pelvic organ prolapse and physical performance, adjusted for covariates. Results: A total of 361 women were assessed with mean of age 52.0 (± 5.6) years. Women who had urinary incontinence showed worse performance in the chair stand test (p = 0.04) and those with pelvic organ prolapse, worse balance with open eyes (p = 0.04). After multiple linear regression analysis, urogynecological changes related to the test remained related chair stand test (urinary incontinence: β = 0.923; CI: 0.016 : 1.830) and balance with open eyes (pelvic prolapse: β = -2.467; CI: -4.706 : -0.228). Conclusion: Women who had urinary incontinence showed worse performance in the chair stand test and those with pelvic organ prolapse, worse balance with open eyes.

5
  • LORENNA RAQUEL DANTAS DE MACEDO BORGES
  • Observação da ação para reabilitação do membro superior de pacientes com Acidente Vascular Cerebral: uma revisão sistemática com metanálise.

  • Orientador : TANIA FERNANDES CAMPOS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • TANIA FERNANDES CAMPOS
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • DAMIAO ERNANE DE SOUZA
  • Data: 28/01/2016

  • Mostrar Resumo
  • O Acidente Vascular Cerebral (AVC) causa comprometimentos motores principalmente no membro superior (MS). A Observação da Ação (OA) tem sido utilizada para a reabilitação do MS desses pacientes. É uma terapia multissensorial que consiste na observação de um sujeito saudável realizando uma tarefa motora, seguida de prática física. O objetivo do estudo foi verificar se a OA melhora a função motora do MS e a dependência para as atividades da vida diária (AVD´s) dos pacientes com AVC e se tem relação com algum efeito adverso. Uma estratégia de busca de palavras e termos foi utilizada para a identificação dos artigos, nas seguintes bases científicas: Cochrane; MEDLINE; PsycINFO; CINAHL e LILACS. Além de busca manual nas referências dos artigos e busca de teses e dissertações no Portal da Capes e LILACS. Foram selecionados estudos do tipo ensaio clínico randomizado (ECR) com pacientes de AVC, com comprometimento do MS e que utilizou a OA como intervenção. Os dados extraídos dos estudos foram utilizados para análise do risco de viés, do efeito do tratamento e da qualidade do corpo da evidência. Foram incluídos 6 estudos, totalizando 270 pacientes e foram realizadas as metanálises. Em relação à função motora do braço, o efeito estimado em favor da terapia não foi significativo. Entretanto, quando considerada a função da mão a estimativa do efeito foi favorável ao grupo que realizou a AO, em curto (diferença de média=6,93; 95% IC 1,48 a 12,39; p=0,01) e em longo prazo (diferença de média=7,57; 95% IC 1,34 a 13,80; p=0,02). Não foi possível a análise para a dependência funcional. Os estudos apresentaram um baixo ou incerto risco de viés, porém a qualidade do corpo da evidência foi considerada de baixa e muito baixa qualidade. A OA foi efetiva em melhorar a função da mão dos pacientes com AVC. Apesar da baixa qualidade dessa evidência o uso da OA na prática clínica não deve ser desencorajado. Novos estudos de ECR devem ser realizados com maior rigor metodológico e maiores amostras, contemplando desfechos importantes como dependência funcional para as AVD´s.


  • Mostrar Abstract
  • O Acidente Vascular Cerebral (AVC) causa comprometimentos motores principalmente no membro superior (MS). A Observação da Ação (OA) tem sido utilizada para a reabilitação do MS desses pacientes. É uma terapia multissensorial que consiste na observação de um sujeito saudável realizando uma tarefa motora, seguida de prática física. O objetivo do estudo foi verificar se a OA melhora a função motora do MS e a dependência para as atividades da vida diária (AVD´s) dos pacientes com AVC e se tem relação com algum efeito adverso. Uma estratégia de busca de palavras e termos foi utilizada para a identificação dos artigos, nas seguintes bases científicas: Cochrane; MEDLINE; PsycINFO; CINAHL e LILACS. Além de busca manual nas referências dos artigos e busca de teses e dissertações no Portal da Capes e LILACS. Foram selecionados estudos do tipo ensaio clínico randomizado (ECR) com pacientes de AVC, com comprometimento do MS e que utilizou a OA como intervenção. Os dados extraídos dos estudos foram utilizados para análise do risco de viés, do efeito do tratamento e da qualidade do corpo da evidência. Foram incluídos 6 estudos, totalizando 270 pacientes e foram realizadas as metanálises. Em relação à função motora do braço, o efeito estimado em favor da terapia não foi significativo. Entretanto, quando considerada a função da mão a estimativa do efeito foi favorável ao grupo que realizou a AO, em curto (diferença de média=6,93; 95% IC 1,48 a 12,39; p=0,01) e em longo prazo (diferença de média=7,57; 95% IC 1,34 a 13,80; p=0,02). Não foi possível a análise para a dependência funcional. Os estudos apresentaram um baixo ou incerto risco de viés, porém a qualidade do corpo da evidência foi considerada de baixa e muito baixa qualidade. A OA foi efetiva em melhorar a função da mão dos pacientes com AVC. Apesar da baixa qualidade dessa evidência o uso da OA na prática clínica não deve ser desencorajado. Novos estudos de ECR devem ser realizados com maior rigor metodológico e maiores amostras, contemplando desfechos importantes como dependência funcional para as AVD´s.

6
  • GERMANNA DE MEDEIROS BARBOSA
  • EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS DO ALONGAMENTO MUSCULAR ESTÁTICO E DINÂMICO NA FLEXIBILIDADE E DESEMPENHO NEUROMUSCULAR E FUNCIONAL EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO E CEGO.

  • Orientador : WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GABRIEL SIQUEIRA TRAJANO
  • TULIO OLIVEIRA DE SOUZA
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • Data: 28/01/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Exercícios de alongamento muscular são frequentemente empregados em rotinas de preparação para o exercício ou como forma de desaquecimento. Dentre estes, o alongamento estático e dinâmico destacam-se por promoverem diferentes desfechos sobre a flexibilidade e desempenho neuromuscular. Objetivo: Verificar os efeitos agudos e crônicos do alongamento estático e dinâmico na flexibilidade e desempenho neuromuscular e funcional em indivíduos ativos e saudáveis. Materiais e métodos: Trata-se de um ensaio clínico randomizado e cego, composto por 45 voluntários do sexo masculino, ativos e saudáveis (22,07±3,16 anos; 71,5±8,8 kg; 1,74±0,1 m; 23,1±2,1 kg/m2), aleatoriamente distribuídos em três grupos: controle (gC – sem intervenção; n=15), alongamento estático (gAE; n=15) e alongamento dinâmico (gAD; n=15). Todos foram submetidos às medidas de avaliação de amplitude de movimento (ADM), desempenho neuromuscular (eletromiografia e dinamometria isocinética) e funcional (testes funcionais) do membro inferior não dominante (MND), realizadas nos seguintes momentos: 48h antes do início dos protocolos de alongamento (Av1), imediatamente após a 1ª (Av2) e a 10ª (Av3) intervenções e 48h após esta última (Av4). Os protocolos experimentais foram compostos por 10 sessões de alongamento estático (gAE: 3x30 segundos) ou dinâmico (gAD: 3x30 repetições), dos músculos isquiotibiais em ambos os membros. Durante todas as intervenções, os voluntários foram avaliados quanto à sensação dolorosa e, ao final dos protocolos, quanto à valência afetiva. Na análise dos dados, foi atribuído um nível de significância de 5%. Resultados: O gAE apresentou redução aguda e crônica no pico de torque (PTEXC; p=0,014) e trabalho total excêntrico (TTEXC; p=0,036). O gAD obteve aumento da flexibilidade (p=0,011); redução do índice de fadiga extensor (IFEXT; p=0,047) e aumento do TT flexor (TTFLEX; p=0,029) na contração concêntrica e aumento da distância no salto horizontal triplo consecutivo (SHTC; p=0,026) - todos após as 10 sessões do protocolo de alongamento. Conclusão: O alongamento estático promoveu redução aguda e crônica no desempenho muscular excêntrico, enquanto o dinâmico aumentou a flexibilidade e o desempenho muscular e funcional após o programa de alongamento, sendo este tipo de alongamento recomendado para indivíduos ativos ou atletas que almejam melhora na flexibilidade e desempenho.


  • Mostrar Abstract
  • Introdução: Exercícios de alongamento muscular são frequentemente empregados em rotinas de preparação para o exercício ou como forma de desaquecimento. Dentre estes, o alongamento estático e dinâmico destacam-se por promoverem diferentes desfechos sobre a flexibilidade e desempenho neuromuscular. Objetivo: Verificar os efeitos agudos e crônicos do alongamento estático e dinâmico na flexibilidade e desempenho neuromuscular e funcional em indivíduos ativos e saudáveis. Materiais e métodos: Trata-se de um ensaio clínico randomizado e cego, composto por 45 voluntários do sexo masculino, ativos e saudáveis (22,07±3,16 anos; 71,5±8,8 kg; 1,74±0,1 m; 23,1±2,1 kg/m2), aleatoriamente distribuídos em três grupos: controle (gC – sem intervenção; n=15), alongamento estático (gAE; n=15) e alongamento dinâmico (gAD; n=15). Todos foram submetidos às medidas de avaliação de amplitude de movimento (ADM), desempenho neuromuscular (eletromiografia e dinamometria isocinética) e funcional (testes funcionais) do membro inferior não dominante (MND), realizadas nos seguintes momentos: 48h antes do início dos protocolos de alongamento (Av1), imediatamente após a 1ª (Av2) e a 10ª (Av3) intervenções e 48h após esta última (Av4). Os protocolos experimentais foram compostos por 10 sessões de alongamento estático (gAE: 3x30 segundos) ou dinâmico (gAD: 3x30 repetições), dos músculos isquiotibiais em ambos os membros. Durante todas as intervenções, os voluntários foram avaliados quanto à sensação dolorosa e, ao final dos protocolos, quanto à valência afetiva. Na análise dos dados, foi atribuído um nível de significância de 5%. Resultados: O gAE apresentou redução aguda e crônica no pico de torque (PTEXC; p=0,014) e trabalho total excêntrico (TTEXC; p=0,036). O gAD obteve aumento da flexibilidade (p=0,011); redução do índice de fadiga extensor (IFEXT; p=0,047) e aumento do TT flexor (TTFLEX; p=0,029) na contração concêntrica e aumento da distância no salto horizontal triplo consecutivo (SHTC; p=0,026) - todos após as 10 sessões do protocolo de alongamento. Conclusão: O alongamento estático promoveu redução aguda e crônica no desempenho muscular excêntrico, enquanto o dinâmico aumentou a flexibilidade e o desempenho muscular e funcional após o programa de alongamento, sendo este tipo de alongamento recomendado para indivíduos ativos ou atletas que almejam melhora na flexibilidade e desempenho.

7
  • MONALISE DANTAS SOARES
  • Efeitos de um programa de treinamento de equilíbrio com Realidade Virtual sobre o equilíbrio e ativação cortical de idosos.

  • Orientador : FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • JULIANA MARIA GAZZOLA
  • KLIGER KISSINGER FERNANDES ROCHA
  • Data: 29/01/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A população brasileira observa atualmente um aumento nos índices de envelhecimento, processo este que desencadeia alterações fisiológicas que modificam a estrutura e função do organismo, inclusive no Sistema Nervoso. Estas modificações podem interferir na manutenção do controle postural tornando-se responsáveis por desequilíbrio, dificuldade  de locomoção e, consequentemente, a possibilidade de quedas, o que reforça a necessidade de oferecer tratamentos comprovadamente eficazes e que garantam a adesão destes indivíduos. Nesse sentido, a Realidade Virtual (RV) tem se destacado por fornecer benefícios físicos, ser motivadora e estimulante. Estudos tem sugerido ainda que o treino com RV produziria maiores efeitos na neuroplasticidade e transferência de aprendizagem, repercutindo positivamente sobre o controle postural. Apesar disso, são poucos os estudos de imagem cerebral e EEG que buscaram investigar essa relação. Nesse sentido, considerando a ampla utilização da RV em reabilitação e o número limitado de estudos que investigaram a repercussão desse tipo de treinamento no Córtex Cerebral, esse estudo questiona se seria a RV capaz de melhorar o equilíbrio e modificar o padrão de ativação cortical de indivíduos idosos. Objetivo: Analisar os efeitos de um treinamento de equilíbrio com RV sobre o equilíbrio e a ativação cortical de idosos. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo de caso no qual participaram 03 idosas, que foram submetidas à avaliação do equilíbrio por meio do Short Physical Performance Battery (SPPB), independência funcional, mensurada por meio da Medida de Independência Funcional (MIF) e da ativação cortical por meio do Emotiv Epoc®. Posteriormente, estas foram submetidas a 10 sessões de treinamento de equilíbrio utilizando RV com Nintendo wii®, as quais tiveram duração aproximada de 50 minutos cada, com frequência de duas vezes por semana. Ao término de toda a intervenção, as participantes foram reavaliadas com os mesmos instrumentos iniciais. Resultados e discussão: 03 idosas com média de 67,33 anos, escolaridade em torno de 9 anos e bom estado cognitivo participaram do estudo. Verificou-se após a intervenção melhoria no desempenho no SPPB, caracterizando-as com desempenho entre moderado e bom. No que se refere à ativação cortical, constatou-se que antes da intervenção houve maior ativação do hemisfério direito, principalmente das áreas frontal e temporal, nas frequências de 22, 10 e 40 Hz. Após a intervenção, além da ativação dessas áreas, regiões parietais posteriores passaram a estar mais ativas e aquelas predominantemente ativadas na avaliação inicial tiveram uma redução de sua ativação. Isso implicou em uma ativação cortical menos intensa e mais distribuída no Córtex Cerebral. Conclusão: O treinamento de equilíbrio com RV incrementou positivamente o equilíbrio das idosas participantes e modificou seus padrões de ativação cortical, o que parece ter induzido modificações corticais favoráveis à aprendizagem motora, mediante a prática orientada e direcionada a objetivos específicos.


  • Mostrar Abstract
  • Introdução: A população brasileira observa atualmente um aumento nos índices de envelhecimento, processo este que desencadeia alterações fisiológicas que modificam a estrutura e função do organismo, inclusive no Sistema Nervoso. Estas modificações podem interferir na manutenção do controle postural tornando-se responsáveis por desequilíbrio, dificuldade  de locomoção e, consequentemente, a possibilidade de quedas, o que reforça a necessidade de oferecer tratamentos comprovadamente eficazes e que garantam a adesão destes indivíduos. Nesse sentido, a Realidade Virtual (RV) tem se destacado por fornecer benefícios físicos, ser motivadora e estimulante. Estudos tem sugerido ainda que o treino com RV produziria maiores efeitos na neuroplasticidade e transferência de aprendizagem, repercutindo positivamente sobre o controle postural. Apesar disso, são poucos os estudos de imagem cerebral e EEG que buscaram investigar essa relação. Nesse sentido, considerando a ampla utilização da RV em reabilitação e o número limitado de estudos que investigaram a repercussão desse tipo de treinamento no Córtex Cerebral, esse estudo questiona se seria a RV capaz de melhorar o equilíbrio e modificar o padrão de ativação cortical de indivíduos idosos. Objetivo: Analisar os efeitos de um treinamento de equilíbrio com RV sobre o equilíbrio e a ativação cortical de idosos. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo de caso no qual participaram 03 idosas, que foram submetidas à avaliação do equilíbrio por meio do Short Physical Performance Battery (SPPB), independência funcional, mensurada por meio da Medida de Independência Funcional (MIF) e da ativação cortical por meio do Emotiv Epoc®. Posteriormente, estas foram submetidas a 10 sessões de treinamento de equilíbrio utilizando RV com Nintendo wii®, as quais tiveram duração aproximada de 50 minutos cada, com frequência de duas vezes por semana. Ao término de toda a intervenção, as participantes foram reavaliadas com os mesmos instrumentos iniciais. Resultados e discussão: 03 idosas com média de 67,33 anos, escolaridade em torno de 9 anos e bom estado cognitivo participaram do estudo. Verificou-se após a intervenção melhoria no desempenho no SPPB, caracterizando-as com desempenho entre moderado e bom. No que se refere à ativação cortical, constatou-se que antes da intervenção houve maior ativação do hemisfério direito, principalmente das áreas frontal e temporal, nas frequências de 22, 10 e 40 Hz. Após a intervenção, além da ativação dessas áreas, regiões parietais posteriores passaram a estar mais ativas e aquelas predominantemente ativadas na avaliação inicial tiveram uma redução de sua ativação. Isso implicou em uma ativação cortical menos intensa e mais distribuída no Córtex Cerebral. Conclusão: O treinamento de equilíbrio com RV incrementou positivamente o equilíbrio das idosas participantes e modificou seus padrões de ativação cortical, o que parece ter induzido modificações corticais favoráveis à aprendizagem motora, mediante a prática orientada e direcionada a objetivos específicos.

8
  • THAIANA BARBOSA FERREIRA PACHECO
  • AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE CORTICAL DURANTE TAREFA FUNCIONAL DE MEMBROS INFERIORES EM AMBIENTE VIRTUAL E REAL.

  • Orientador : FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • KLIGER KISSINGER FERNANDES ROCHA
  • TANIA FERNANDES CAMPOS
  • Data: 29/01/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A ativação cerebral é caracterizada como a propagação de impulsos elétricos que promovem integração funcional do cérebro.  Na atualidade, uma das técnicas que tem permitido o monitoramento da atividade cerebral é a eletroencefalografia a partir de interfaces não-invasivas e wireless. Estudos envolvendo EEG têm investigado a relação entre alterações nos padrões de ativação cerebral e mudanças no comportamento do indivíduo. No entanto, pouco se sabe acerca do comportamento da ativação cerebral durante tarefas motoras e de que forma esta ativação é caracterizada em ambientes virtuais ou reais.Objetivo: Investigar o comportamento do potencial de ativação das ondas theta, alpha, beta e gamma de adultos jovens saudáveis durante uma tarefa motora para membros inferiores em um ambiente virtual e em um ambiente real. Metodologia: Estudo cross-over, no qual 10 jovens saudáveis foram submetidos a uma avaliação eletroencefalográfica durante a execução de tarefa de subir e descer um degrau no ambiente virtual (jogo basic step do Nintendo Wii) e em ambiente real, ambas com duração de 1 minuto. Os dados foram analisados através dos testes de Wilcoxon e o teste t’Student de amostras dependentes.Resultados: Descritivamente, a atividade de theta e alpha foi maior em ambiente real e a atividade de beta e gamma foi maior em ambiente virtual. O ambiente virtual promoveu maior ativação do hemisfério direito e de canais ântero-frontais bilateralmente. Além disso, na frequência theta, a região occipital direita foi mais ativada em ambiente real do que virtual (p<0,05). Conclusão: O comportamento do potencial de ativação das ondas theta, alpha, beta e gamma observado durante a execução de uma tarefa motora apresenta-se de forma variável em função do ambiente que o indivíduo está sendo exposto - real ou virtual. Dessa forma, ressalta-se a implementação de estudos futuros que promovam embasamento para tomada de decisão clínica de forma que a escolha do ambiente terapêutico (real ou virtual) seja de acordo com as áreas cerebrais que se objetiva ativar.


  • Mostrar Abstract
  • Introdução: A ativação cerebral é caracterizada como a propagação de impulsos elétricos que promovem integração funcional do cérebro.  Na atualidade, uma das técnicas que tem permitido o monitoramento da atividade cerebral é a eletroencefalografia a partir de interfaces não-invasivas e wireless. Estudos envolvendo EEG têm investigado a relação entre alterações nos padrões de ativação cerebral e mudanças no comportamento do indivíduo. No entanto, pouco se sabe acerca do comportamento da ativação cerebral durante tarefas motoras e de que forma esta ativação é caracterizada em ambientes virtuais ou reais.Objetivo: Investigar o comportamento do potencial de ativação das ondas theta, alpha, beta e gamma de adultos jovens saudáveis durante uma tarefa motora para membros inferiores em um ambiente virtual e em um ambiente real. Metodologia: Estudo cross-over, no qual 10 jovens saudáveis foram submetidos a uma avaliação eletroencefalográfica durante a execução de tarefa de subir e descer um degrau no ambiente virtual (jogo basic step do Nintendo Wii) e em ambiente real, ambas com duração de 1 minuto. Os dados foram analisados através dos testes de Wilcoxon e o teste t’Student de amostras dependentes.Resultados: Descritivamente, a atividade de theta e alpha foi maior em ambiente real e a atividade de beta e gamma foi maior em ambiente virtual. O ambiente virtual promoveu maior ativação do hemisfério direito e de canais ântero-frontais bilateralmente. Além disso, na frequência theta, a região occipital direita foi mais ativada em ambiente real do que virtual (p<0,05). Conclusão: O comportamento do potencial de ativação das ondas theta, alpha, beta e gamma observado durante a execução de uma tarefa motora apresenta-se de forma variável em função do ambiente que o indivíduo está sendo exposto - real ou virtual. Dessa forma, ressalta-se a implementação de estudos futuros que promovam embasamento para tomada de decisão clínica de forma que a escolha do ambiente terapêutico (real ou virtual) seja de acordo com as áreas cerebrais que se objetiva ativar.

9
  • EMILIA MARCIA GOMES DE SOUZA E SILVA
  • Efeitos do treino em esteira com carga sobre a mobilidade funcional e equilíbrio postural de indivíduos com acidente vascular cerebral: Ensaio clínico randomizado.

  • Orientador : ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • CHRISTINA DANIELLI COELHO DE MORAIS FARIA
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • Data: 04/02/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução Indivíduos acometidos pelo Acidente Vascular Cerebral (AVC) apresentam severas alterações motoras, com prejuízo na marcha e em atividades funcionais, dificultando a participação desse indivíduo na sociedade. A utilização de carga como restrição ao movimento do membro inferior não-parético (MINP) parece ser uma abordagem promissora para melhora da marcha; porém, não se sabe os efeitos dessa prática sobre o equilíbrio postural e sobre a mobilidade funcional. Objetivo Avaliar os efeitos da adição de carga ao MINP sobre a mobilidade funcional e equilíbrio postural de pacientes com AVC na fase subaguda. Metodologia Trata-se de um ensaio clínico controlado randomizado e cego, onde 38 indivíduos foram distribuídos aleatoriamente em grupo controle (GC), que realizou treino de marcha em esteira, e em grupo experimental (GE), que realizou treino em esteira associado à adição de carga no MINP. Ambos os grupos treinaram 30 minutos todos os dias, por 9 sessões, sendo estimulados também à prática de exercícios domiciliares utilizando o membro parético. Os sujeitos foram avaliados quanto ao equilíbrio postural pela Escala de Equilíbrio de Berg (EEB), e quanto à mobilidade funcional pelo teste Timed Up and Go (TUG) e pelos parâmetros cinemáticos do movimento do giro, antes dos treinamentos, na metade dos treinamentos, após o término dos treinamentos e após um período de seguimento. Resultados Houve melhora no equilíbrio postural no decorrer do tempo (P<0,001, F=39,391), mas sem diferença entre os grupos (P = 0,513, F = 0,437), da mobilidade funcional (P<0,001, F=18,326), também sem alteração entre grupos (P=0,297, F=1,121), além de melhora dos parâmetros cinemáticos do giro, como velocidade do giro (P<0,001, F=35,129), comprimento da passada (P<0,0001, F=29,709), tempo da passada (P<0,0001, F=13,419) e tempo de duplo suporte (P<0,0001, F=17,476), em ambos os grupos, entretanto sem diferença estatística entre eles. Todas as alterações foram mantidas após o período de seguimento. Conclusão A melhora das variáveis apresentada por ambos os grupos sugere que o treino intensivo de marcha em esteira associado à prática de exercícios domiciliares é eficaz na melhora do equilíbrio postural e mobilidade funcional na fase subaguda após AVC. A adição de carga ao MINP, no entanto, não se mostrou um fator importante na intervenção, uma vez que não foram encontradas diferenças entre os grupos.


  • Mostrar Abstract
  • Introdução Indivíduos acometidos pelo Acidente Vascular Cerebral (AVC) apresentam severas alterações motoras, com prejuízo na marcha e em atividades funcionais, dificultando a participação desse indivíduo na sociedade. A utilização de carga como restrição ao movimento do membro inferior não-parético (MINP) parece ser uma abordagem promissora para melhora da marcha; porém, não se sabe os efeitos dessa prática sobre o equilíbrio postural e sobre a mobilidade funcional. Objetivo Avaliar os efeitos da adição de carga ao MINP sobre a mobilidade funcional e equilíbrio postural de pacientes com AVC na fase subaguda. Metodologia Trata-se de um ensaio clínico controlado randomizado e cego, onde 38 indivíduos foram distribuídos aleatoriamente em grupo controle (GC), que realizou treino de marcha em esteira, e em grupo experimental (GE), que realizou treino em esteira associado à adição de carga no MINP. Ambos os grupos treinaram 30 minutos todos os dias, por 9 sessões, sendo estimulados também à prática de exercícios domiciliares utilizando o membro parético. Os sujeitos foram avaliados quanto ao equilíbrio postural pela Escala de Equilíbrio de Berg (EEB), e quanto à mobilidade funcional pelo teste Timed Up and Go (TUG) e pelos parâmetros cinemáticos do movimento do giro, antes dos treinamentos, na metade dos treinamentos, após o término dos treinamentos e após um período de seguimento. Resultados Houve melhora no equilíbrio postural no decorrer do tempo (P<0,001, F=39,391), mas sem diferença entre os grupos (P = 0,513, F = 0,437), da mobilidade funcional (P<0,001, F=18,326), também sem alteração entre grupos (P=0,297, F=1,121), além de melhora dos parâmetros cinemáticos do giro, como velocidade do giro (P<0,001, F=35,129), comprimento da passada (P<0,0001, F=29,709), tempo da passada (P<0,0001, F=13,419) e tempo de duplo suporte (P<0,0001, F=17,476), em ambos os grupos, entretanto sem diferença estatística entre eles. Todas as alterações foram mantidas após o período de seguimento. Conclusão A melhora das variáveis apresentada por ambos os grupos sugere que o treino intensivo de marcha em esteira associado à prática de exercícios domiciliares é eficaz na melhora do equilíbrio postural e mobilidade funcional na fase subaguda após AVC. A adição de carga ao MINP, no entanto, não se mostrou um fator importante na intervenção, uma vez que não foram encontradas diferenças entre os grupos.

10
  • JESSICA DANIELLE MEDEIROS DA FONSECA
  • COMPARAÇÃO DE DIFERENTES INTERFACES E CARGAS INSPIRATÓRIAS SOBRE A CINEMÁTICA DA PAREDE TORÁCICA E ATIVIDADE ELÉTRICA DOS MÚSCULOS RESPIRATÓRIOS EM CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS.

  • Orientador : GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • ILLIA NADINNE DANTAS FLORENTINO LIMA
  • RAQUEL RODRIGUES BRITTO
  • Data: 15/02/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A síndrome da respiração oral (SRO) é uma desordem respiratória na qual se adota padrão respiratório oral suplementar ou substituto da respiração nasal fisiológica. Devido as modificações na fisiológica da respiração, observa-se nas crianças com SRO um desequilíbrio do sistema estomatognático, alterações musculoesqueléticas e estruturais nas mandíbulas, na postura, fala, deglutição e sono. Objetivo: Avaliar as respostas agudas da sobrecarga inspiratória com diferentes dispositivos resistivos,mecânico de carga limiar pressórica -LP e eletrônico de carga resistiva a fluxo cônico - RF), através de interface nasal e oral, sobre os volumes da parede torácica e atividade elétrica dos músculos respiratórios em crianças com SRO. Materiais e métodos: Foram avaliadas 51 crianças com SRO cujo 23 foram incluídas no estudo. A amostra foi aleatorizada e alocada em dois grupos: 12 crianças no Grupo carga 20% da PImáx (PImáx20%) e 11 crianças Grupo carga 40% PImáx (PImáx40%). Após exclusões, a amostra final foi de 20 crianças, 10 em cada grupo. Os pacientes foram avaliados em 2 momentos, momento 1: variáveis clínicas, antropométricas, espirometria e força dos músculos respiratórios e momento 2: Pletismografia Optoeletrônica (POE) e eletromiografia de superfície (sEMG) dos músculos reto abdominal (RA), escaleno (ESC), esternocleidomastoideo (ECOM) e porção paraesternal do intercostal interno (2EIC). As avaliações com a POE e sEMG ocorreram durante a utilização de cargas inspiratórias, 20% ou 40% da PImáx, duas interfaces (nasal e oral) e dois dispositivos LP e RF. Resultados: Na comparação entre os momentos respiração em repouso (QB), carga e respiração espontânea (REC), em ambas as cargas e dispositivos foram observados aumento da atividade elétrica dos músculos ECOM e ESC. Os músculos RA e o 2EIC tiveram comportamentos diversos em relação aos momentos e as diferentes cargas. No grupo PImax20% foi observada maior atividade elétrica na interface nasal vs. oral no músculo ESC com ambos os dispositivos e ECOM com dispositivo de LP. No grupo PImax40% em ambos os dispositivos, os músculos ESC e ECOM, demonstraram maior atividade durante uso da interface nasal vs. oral. Em relação às variáveis do padrão respiratório no grupo PImax20% foi observada aumento do tempo total (Ttot), tempo inspiratório (Ti) e redução da frequência respiratória (FR), em ambos os dispositivos na comparação entre os momentos QB, carga e REC; no grupo PImax40% apenas não a houve aumento do Ttot e do Ti durante o uso do dispositivo de RF com interface oral; adicionalmente houve diminuição da FR na interface oral em ambos os dispositivos. Foi observado ainda aumento do volume corrente (Vt) em ambos as cargas e dispositivos na comparação entre os momentos QB, carga e REC. Foi observado aumento do Vt ao utilizar a interface nasal vs. oral no momento da QB, em ambas as cargas e dispositivos houve aumento do VT. O dispositivo RF determinou um aumento no Vt no momento carga ao utilizar a interfaces nasal vs. oral no grupo PImax40%. Na comparação entre os momentos respiração QB, carga e REC, com a carga PImax20% foi observado aumento do volume pulmonar inspiratório final (EIV), em ambos os dispositivos e interfaces; com a carga de PImax40% este aumento só não foi evidenciado ao utilizar a interface oral no dispositivo LP. A utilização do dispositivo LP com carga PImax20% promoveu aumento no EIV na interface nasal vs. oral, nos momentos QB e carga; no grupo carga PImax40% houve aumento do EIV na interface nasal vs. oral, no momento carga na utilização de ambos os dispositivos, no momento QB este aumento só foi evidenciado no dispositivo RF. Conclusão: A utilização de carga inspiratória de forma aguda nas crianças com SRO promoveu acréscimo no Vt e EIV e maior atividade muscular inspiratória (ESC e ECOM), independendo da carga, interface e dispositivo utilizado. Adicionalmente, na utilização da carga com interface nasal houve uma maior atividade muscular inspiratória (ESC e ECOM), aumento no Vt e EIV quando comparada a utilização da interface oral.


  • Mostrar Abstract
  • *

11
  • ANTONIO JOSÉ SARMENTO DA NÓBREGA
  • Benefícios da técnica de Air Stacking em sujeitos com Esclerose Lateral Amiotrófica.

  • Orientador : ARMELE DE FATIMA DORNELAS DE ANDRADE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ARMELE DE FATIMA DORNELAS DE ANDRADE
  • LUCIEN PERONI GUALDI
  • RAQUEL RODRIGUES BRITTO
  • Data: 16/02/2016

  • Mostrar Resumo
  • ResumoINTRODUÇÃO: A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa caracterizada por fraqueza muscular progressiva da musculatura periférica e respiratória. O acometimento muscular respiratório gera fraqueza, reduzindo a expansibilidade pulmonar e diminuindo a capacidade de produzir tosse, favorecendo aumento da morbidade e mortalidade associadas a infecções respiratórias agudas. A técnica de Air Stacking (AS) favorece a insuflação pulmonar que pode resultar na expansão do pulmão, otimização da pressão de retração pulmonar, aumento do pico de fluxo de tosse (PFT) e eliminação de secreção.OBJETIVOS: Os objetivos foram divididos entre dois estudos: Estudo 1) Realizar um protocolo prévio para análise e descrição das variações no PFT, distribuição dos volumes na parede torácica (PT) e seus compartimentos (Caixa torácica pulmonar - CTp, Caixa torácica abdominal - CTa e abdômen - AB), padrão respiratório e índice de velocidade de encurtamento dos músculos respiratórios antes e após a técnica de AS em sujeitos jovens saudáveis adotando a postura de 45o de inclinação de tronco; Estudo 2) Avaliar e comparar os efeitos agudos da aplicação da técnica de AS nas variações do PFT e volumes da PT em sujeitos com ELA versussaudáveis pareados  por meio da Pletismografia Optoeletrônica (POE) e observar a segurança da utilização da técnica utilizando a postura de 45o de inclinação de tronco. METODOLOGIA: Para estudo 1 foram avaliados indivíduos saudáveis alocados em um único grupo. Para o estudo 2, sujeitos com ELA foram alocados no grupo experimental (GE) e sujeitos saudáveis pareados quanto a idade, gênero e índice de massa corpórea foram alocados no grupo controle (GC). Em ambos estudos, os sujeitos foram avaliados quando a função pulmonar, força muscular respiratória, PFT, volumes da PT, padrão respiratório e índice de velocidade de encurtamento dos músculos respiratórios e distribuição em seus compartimentos antes (PreAS) durante (AS) e após (PósAS) a técnica de AS. RESULTADOS: No estudo 1 foram avaliados 20 sujeitos saudáveis e observados aumentos (média ± desvio padrão) significantes no PFT (1,76 ± 0,08 L/s, p < 0,05), nos momentos AS e PósAS comparado com PreAS; Capacidade inspiratória (CI) (~600 ± 0,15 ml), sendo maior entre os momentos CIM e CIpre; Variação de volume da PT e volume inspiratório final (ΔVif) (p < 0,0001), sendo maiores nos compartimentos da CTp e CTa; Volume minuto (VE) (p < 0,0001) e índice de velocidade dos músculos inspiratórios (p < 0,0001), expiratórios (p < 0,0001) e diafragma (p < 0,0005). No Estudo 2 foram avaliados 18 sujeitos (9 com ELA). Na análise intragrupo foram observados aumentos significativos (p < 0.0005) no PFT (4,4 ± 2,2L vs 7 ± 4,1L/s; 7,6 ± 3,1L vs 11,6 ± 4,5L/s) e CI (1,7 ± 0,4L vs 2,2 ± 0,6L; 3,1 ± 0,6L vs 3,6 ± 0,9L) entre os momentos AS e PreAS dos grupos GE e GC, respectivamente. Análise intergrupo mostrou que este aumento do PFT e da CI (59% e 29,4%, respectivamente) foi significantemente maior (p < 0,0001) no GE. A contribuição em volume dos compartimentos da PT para a CI ocorreu de formas diferentes em ambos os grupos. Durante a realização da técnica, foi observado que o compartimento AB obteve uma maior contribuição (0,69 ± 0,2 vs 0,92 ± 0,4L) para o aumento da CI no GE (p < 0,005); diferentemente do GC, onde a maior contribuição (1,8 ± 0,5 vs 2,2 ± 0,5L) foi observada no compartimento CT (p = 0.004).  Com relação a capacidade vital, somente o GE obteve aumentos após a realização da técnica (1,8 ± 0,5 vs 2,2 ± 0,7, p < 0,05). CONCLUSÃO: Nos presentes estudos a técnica de AS mostrou ser segura e eficaz no aumento do PFT e volumes pulmonares. Nos sujeitos saudáveis a técnica talvez atue aumentando a complacência pulmonar, diferentemente dos sujeitos com ELA que provavelmente atue no recrutamento alveolar ventilando as áreas pulmonares mais distais, antes hipoventiladas.


  • Mostrar Abstract
  • INTRODUCTION: Amyotrophic Lateral Sclerosis (ALS) is a neurodegenerative disease characterized by progressive weakness of peripheral and respiratory muscles. The respiratory muscle impairment generates weakness, reducing lung expansion and reducing the capacity to produce cough, favoring increase in morbidity and mortality associated with acute respiratory infections. The Air Stacking technique (AS) improves lung inflation that could lead to the expansion, optimization of lung recoil pressure, increased peak cough flow (PCF) and elimination of secretion. OBJECTIVES: The objectives were divided in two studies: Study 1) Conduct a previous protocol for analysis and description of changes in PCF, distribution of volumes in the chest wall (CW) and its compartments (pulmonary rib cage – RCp, abdominal rib cage – RCa and abdomen - Ab), breathing pattern and shortening velocity index of respiratory muscles before and after AS technique in healthy subjects adopting the posture of 45° inclined position; Study 2) To evaluate and compare the acute effects of AS on PCF and CW volumes in subjects with ALS versus matched healthy by Optoelectronic Plethysmography (OEP) using the posture of 45° inclined position. METHODOLOGY: For Study 1 were evaluated healthy individuals allocated into one group. For Study 2, subjects with ALS were allocated to the experimental group (GE) and matched healthy subjects as age, gender and body mass index were allocated to the control group (GC). In both studies, subjects were evaluated for lung function, respiratory muscle strength, PCF, CW volumes, breathing pattern and shortening velocity index of respiratory muscles and distribution in their magazines before (PreAS), during (AS) and after AS (PostAS). RESULTS: In study 1 were evaluated 20 healthy subjects and observed significant increases (mean ± standard deviation) in PFT (1.76 ± 0.08 L/s, p < 0.05), in AS and PostAS moments compared to PreAS; Inspiratory capacity (IC) (~600 ± 0.15 ml), being higher among MIC and IC moments; CW volumes and end inspiratory volume (ΔEIV) (p < 0.0001), being higher among RCp and RCa compartments; Minute volume (VE) (p < 0.0001) and shortening velocity index of inspiratory muscles (p < 0.0001), expiratory (p <0.0001) and diaphragm (p < 0.001). In Study 2 were evaluated 18 subjects (9 with ALS). In intragroup analysis were observed significant increases (p < 0.001) in PCF (4.4 ± 2.2L vs 7 ± 4.1L/s; ± 7.6 vs 11.6 ± 4.5L 3.1L/s) and IC (± 1.7 vs 2.2 ± 0.6L 0.4L; 3.1 ± 0.6 L vs 3.6 ± 0.9L) between AS and PreAS moments of GE and GC groups, respectively. Intergroup analysis showed that this increase in the PCF and the IC was significantly higher in GE (59%, 29.4%, respectively) (p < 0.0001). The contribution in volume of PT compartments for CI occurred differently in both groups. While performing the technique, it was observed that the AB compartment obtained a greater contribution (0.69 ± 0.2 vs 0.92 ± 0.4 L) for the increase in IC in GE group (p <0.005); unlike the GC, where the largest contribution (1.8 ± 0.5 vs 2.2 ± 0.5 L) was observed in the CT compartment (p = 0.004). Regarding the vital capacity, only GE increases were obtained after performing the technique (1.8 ± 0.5 vs 2.2 ± 0.7, p < 0.05). CONCLUSION: The present study shows that AS is safe and effective in increasing PCF and CW volumes. In healthy subjects the technique probably works in a way to increase lung compliance,unlike subjects with ALS who may act in alveolar recruitment ventilating the most distal pulmonary areas, prior hypoventilated

12
  • ADA CRISTINA JÁCOME SARMENTO SILVA
  • CORRELAÇÃO ENTRE FUNÇÃO PULMONAR E ÂNGULOS POSTURAIS DE CRIANÇAS ASMÁTICAS RESPIRADORES BUCAIS

  • Orientador : KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • SANDRA CRISTINA DE ANDRADE
  • SHIRLEY LIMA CAMPOS
  • Data: 26/02/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Pacientes asmáticos apresentam maior tendência a desenvolverem um padrão respiratório predominantemente bucal e a alteração do padrão respiratório pela síndrome do respirador bucal (SRB) impli­ca em necessidades posturais adaptativas. Objetivo: O propósito do presente estudo foi avaliar a correlação entre a função pulmonar e os ângulos posturais de crianças asmáticas respiradores bucais. Método: Trata-se de um estudo transversal de caráter analítico, conduzido de acordo com as recomendações do STROBE. Foram avaliadas 31 crianças asmáticas respiradores bucais com idade compreendida entre 7 e 12 anos. Foi realizada avaliação fonoaudiológica compreendida em: teste do espelho de Glatzel; confirmação de respiração predominantemente bucal durante os últimos seis meses, além de pelo menos um dos seguintes achados: mordida cruzada esquelética, palato ogival, mordida aberta anterior, lábio superior encurtado e inferior evertido e falta de vedamento labial. A confirmação diagnostica do padrão de respiração bucal foi verificada através de otoscopia, rinoscopia anterior, orofaringoscopia e fibronasofaringolaringoscopia. A avaliação fisioterapêutica constituiu de coleta de dados antropométricos, espirometria e avaliação do padrão postural realizada através do Sistema de Análise do Movimento Qualisys Motion Capture Systems. Os dados foram analisados através do software SPSS versão 17.0 e nível de significância de 5%. A normalidade de distribuição dos dados foi testada com o teste de Kolmogorov-Smirnov (KS). A ANOVA one way seguida do Post Hoc Tukey foram utilizados para verificar diferenças nas angulações posturais e variáveis espirométricas nos grupos etários entre 7-8; 9-10 e 11-12 anos. A análise de regressão linear múltipla foi realizada para identificar as variáveis preditoras da função pulmonar de crianças asmáticas com padrão de respiração bucal. Resultados: As variáveis protrusão de ombro esquerdo, CVF, VEF1 e PFE apresentaram diferenças significativas entre os grupos etários: 7-8 e 11-12 anos e 9-10 e 11-12 anos. Os modelos de regressão linear múltipla identificaram que: 1) as variáveis altura, peso, acrômio direito, acrômio esquerdo, protrusão de ombro direito e protrusão de ombro esquerdo são preditores da CVF nas faixas etárias de 7-8 anos e 9-10 anos; 2) a protrusão ombro direito, protrusão ombro esquerdo, acrômio direito e acrômio esquerdo são preditores do VEF1 na faixa etária de 9-10 anos; 3) a altura, peso, acrômio direito, acrômio esquerdo e protrusão de ombro esquerdo são preditores do PFE na faixa etária de 9-10 anos. Conclusão: A protrusão de ombro esquerdo, CVF, VEF1, FEF25-75 e PFE podem ser influenciadas pela idade. O peso, altura e ângulos posturais cervicais e de cintura escapular são preditores da função pulmonar de crianças asmáticas respiradores bucais com idade entre 7 e 10 anos.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Asthmatic patients can develop mouth breathing syndrome, implicating the need for posture adaptations.

    Objective: To verify the relationship between lung functioning and the postural angles of the cervical column and the scapular waist in oral breathing asthmatic children.

    Method: To evaluate anthropometric data, lung functioning and postural angles of the cervical column and the scapular waist of 31 mouth breathing asthmatic children, ages 7 to 12 years. ANOVA one way following the Post Hoc Tukey identified differences in the postural angles and spirometric variables, among groups (ages 7-8, 9-10 and 11-12 years). The Pearson correlation test evaluated the association between spirometric variables (dependent) and height, weight and postural angles. The multiple linear regression analysis identified lung function predictors in the children evaluated.

    Results: Multiple linear regression models identify that the variables: 1) right and left acromion alignment were predictors of the forced vital capacity (FVC) in children ages 7-8 years; 2) alignment of the left and right acromion, and left and right shoulder protrusion were predictors of FVC in children ages 9-10 years; 3) left acromion alignment, and right and left shoulder protrusion were predictors of forced expiratory volume (FEV1) in children ages 9-10 years; 4) height, right and left acromion alignment and left shoulder protrusion were predictors of the Peak Expiratory Flow (PEF) in children ages 9-10 years.

    Conclusion: Weight, height and cervical posture angles and scapular waist are predictors of lung function in oral breathing asthmatic children ages 7-10 years.

13
  • KARINNA SONÁLYA AIRES DA COSTA
  • EFEITOS IMEDIATOS DA PLATAFORMA VIBRATÓRIA NO DESEMPENHO NEUROMUSCULAR DO QUADRÍCEPS FEMORAL, APÓS RECONSTRUÇÃO DO LCA: ENSAIO CONTROLADO, RANDOMIZADO E CEGO.

  • Orientador : JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • RINALDO ROBERTO DE JESUS GUIRRO
  • Data: 17/03/2016

  • Mostrar Resumo
  • Objetivo: investigar os efeitos imediatos da plataforma vibratória no desempenho neuromuscular do quadríceps femoral e na oscilação postural de sujeitos submetidos à reconstrução do ligamento cruzado anterior (LCA).Materiais e métodos: trata-se de um ensaio clínico, randomizado e cego. Quarenta e quatro voluntários do gênero masculino (idade média de 27,4±6,2 anos, IMC de 26,8± 3,8 Kg/m² e tempo de pós operatório 17± 1,4 semanas) foram randomizados em 2 grupos:  plataforma OFF (n=22, protocolo sobre a plataforma vibratória desligada) e plataforma ON (n=22, protocolo sobre a plataforma vibratória ligada, numa frequência de 50 Hz e amplitude de 4 mm).  Todos os voluntários foram submetidos à avaliação do senso de posição articular do joelho (SPA), da avaliação dinamométrica do quadríceps femoral (isométrica e concêntrica a 60°/s) e da atividade eletromiográfica dos músculos VL e VM, além da oscilação do centro de pressão (baropodometria) em dois momentos distintos: antes e imediatamente após o protocolo de intervenção. Os dados foram analisados por meio dosoftware SPSS 20.0, atribuindo-se nível de significância de 5%. A estatística descritiva é apresentada pela média (medida de tendência central) e desvio padrão (medida de dispersão). Para verificar a homogeneidade dos grupos foi usada uma ANOVA one way, e para a comparação intra e intergrupos, uma ANOVA mixed modelResultados:  foram observadas diferenças entre as avaliações pré e pós para as variáveis velocidade latero lateral, pico de torque isométrico e trabalho total, na comparação intragrupos. Entretanto, não foi verificada diferença significativa na comparação intergrupos após a aplicação do protocolo, sobre a plataforma vibratória. Conclusão: o uso da plataforma vibratória não modifica de maneira imediata o desempenho do quadríceps femoral, a atividade eletromiográfica do VL e VM, bem como não interfere na oscilação do centro de pressão de indivíduos submetidos à reconstrução do LCA.


  • Mostrar Abstract
  • Objetivo: investigar os efeitos imediatos da plataforma vibratória no desempenho neuromuscular do quadríceps femoral e na oscilação postural de sujeitos submetidos à reconstrução do ligamento cruzado anterior (LCA).Materiais e métodos: trata-se de um ensaio clínico, randomizado e cego. Quarenta e quatro voluntários do gênero masculino (idade média de 27,4±6,2 anos, IMC de 26,8± 3,8 Kg/m² e tempo de pós operatório 17± 1,4 semanas) foram randomizados em 2 grupos:  plataforma OFF (n=22, protocolo sobre a plataforma vibratória desligada) e plataforma ON (n=22, protocolo sobre a plataforma vibratória ligada, numa frequência de 50 Hz e amplitude de 4 mm).  Todos os voluntários foram submetidos à avaliação do senso de posição articular do joelho (SPA), da avaliação dinamométrica do quadríceps femoral (isométrica e concêntrica a 60°/s) e da atividade eletromiográfica dos músculos VL e VM, além da oscilação do centro de pressão (baropodometria) em dois momentos distintos: antes e imediatamente após o protocolo de intervenção. Os dados foram analisados por meio dosoftware SPSS 20.0, atribuindo-se nível de significância de 5%. A estatística descritiva é apresentada pela média (medida de tendência central) e desvio padrão (medida de dispersão). Para verificar a homogeneidade dos grupos foi usada uma ANOVA one way, e para a comparação intra e intergrupos, uma ANOVA mixed modelResultados:  foram observadas diferenças entre as avaliações pré e pós para as variáveis velocidade latero lateral, pico de torque isométrico e trabalho total, na comparação intragrupos. Entretanto, não foi verificada diferença significativa na comparação intergrupos após a aplicação do protocolo, sobre a plataforma vibratória. Conclusão: o uso da plataforma vibratória não modifica de maneira imediata o desempenho do quadríceps femoral, a atividade eletromiográfica do VL e VM, bem como não interfere na oscilação do centro de pressão de indivíduos submetidos à reconstrução do LCA.

14
  • ANDERSON RODRIGUES DE OLIVEIRA
  • Efeito da terapia laser de baixa intensidade associada ao exercício aeróbio no reparo de tenotomia do calcâneo de ratos diabéticos.

  • Orientador : WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA AUGUSTO DE REZENDE
  • NIVALDO ANTONIO PARIZOTTO
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • Data: 18/03/2016

  • Mostrar Resumo
  •        

    Diabetes Mellitus (DM) é um grupo de doenças caracterizada por anormalidades metabólicas e complicações crônicas. A hiperglicemia característica dessa doença produz glicosilação de proteínas e consequente acúmulo de produtos finais da glicosilação em vários tecidos humanos, entre eles, o tendão. O exercício aeróbio (EA) e a terapia laser de baixa intensidade (TLBI) têm sido utilizados no manejo de tendinopatias em indivíduos com ou sem DM. Objetivo: O objetivo desse estudo é observar o efeito da TLBI e o EA, associados, no processo de reparo tecidual do tendão de Aquiles (TA) de ratos diabéticos. Métodos: Foram utilizados 91 animais divididos nos seguintes grupos: grupo controle (GC), grupo controle lesionado (GCL), grupo diabético (GD), grupo diabétido laser (GDL), grupo diabético treinado (GDT) e grupo diabético treinado laser (GDTL). De acordo com o grupo, os ratos foram submetidos intervenção do EA, TLBI ou associação dos dois recursos. Foram analisadas as características morfológicas, biomecânicas e moleculares. Resultados: O peso final dos animais diabéticos foi estatisticamente menor quando comparado com os animiais controles (p <0,01). A glicemia dos animais diabéticos foi estatisticamente maior quando comparado aos grupos controles (p<0,01). Os testes biomecânicos indicaram melhoras significativas nos animais dos grupos GC e GDTL quando comparados aos grupos diabéticos nas variáveis de carga máxima, distensão, energia absorvida, stress, área de secção transversa, módulo elástico e densidade de energia (p<0,05). A análise por meio de biologia molecular indicou que a associação do exercício aeróbio e Laser promoveu aumento da expressão gênica de colágeno I e modulou a expressão das MMP2 e MMP9. Não foi observada melhora significativa nas variáveis morfológicas estudadas. Conclusão: a TLBI associada ao exercício aeróbio promove melhora nas propriedades mecânicas e no controle da expressão gênica do colágeno I e da MMP2 e MMP9 de ratos diabéticos. Palavras-chave Diabetes Mellitus. Fototerapia. Exercício. Tendão de Aquiles. Cicatrização


  • Mostrar Abstract
  •        

    Diabetes Mellitus (DM) é um grupo de doenças caracterizada por anormalidades metabólicas e complicações crônicas. A hiperglicemia característica dessa doença produz glicosilação de proteínas e consequente acúmulo de produtos finais da glicosilação em vários tecidos humanos, entre eles, o tendão. O exercício aeróbio (EA) e a terapia laser de baixa intensidade (TLBI) têm sido utilizados no manejo de tendinopatias em indivíduos com ou sem DM. Objetivo: O objetivo desse estudo é observar o efeito da TLBI e o EA, associados, no processo de reparo tecidual do tendão de Aquiles (TA) de ratos diabéticos. Métodos: Foram utilizados 91 animais divididos nos seguintes grupos: grupo controle (GC), grupo controle lesionado (GCL), grupo diabético (GD), grupo diabétido laser (GDL), grupo diabético treinado (GDT) e grupo diabético treinado laser (GDTL). De acordo com o grupo, os ratos foram submetidos intervenção do EA, TLBI ou associação dos dois recursos. Foram analisadas as características morfológicas, biomecânicas e moleculares. Resultados: O peso final dos animais diabéticos foi estatisticamente menor quando comparado com os animiais controles (p <0,01). A glicemia dos animais diabéticos foi estatisticamente maior quando comparado aos grupos controles (p<0,01). Os testes biomecânicos indicaram melhoras significativas nos animais dos grupos GC e GDTL quando comparados aos grupos diabéticos nas variáveis de carga máxima, distensão, energia absorvida, stress, área de secção transversa, módulo elástico e densidade de energia (p<0,05). A análise por meio de biologia molecular indicou que a associação do exercício aeróbio e Laser promoveu aumento da expressão gênica de colágeno I e modulou a expressão das MMP2 e MMP9. Não foi observada melhora significativa nas variáveis morfológicas estudadas. Conclusão: a TLBI associada ao exercício aeróbio promove melhora nas propriedades mecânicas e no controle da expressão gênica do colágeno I e da MMP2 e MMP9 de ratos diabéticos. Palavras-chave Diabetes Mellitus. Fototerapia. Exercício. Tendão de Aquiles. Cicatrização

15
  • FLAVIO EMANOEL SOUZA DE MELO
  • EFEITOS DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NOS MODOS CPAP E BI-NÍVEL SOBRE A TOLERÂNCIA AO EXERCÍCO NA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA



  • Orientador : PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MICHEL SILVA REIS
  • PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • Data: 30/06/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A insuficiência cardíaca (IC) é um importante problema de saúde pública em todo o mundo, apresentando a dispneia e a fadiga como principais sintomas clínicos e principais responsáveis pela intolerância ao exercício. No manejo desta síndrome, o exercício físico regular e a Ventilação Não Invasiva (VNI) estão relacionados à redução dos sintomas e melhora da capacidade funcional. O uso da VNI associada ao exercício é recente, e ainda são escassos estudos controlados e randomizados sobre o tema. Nesse contexto, sabe-se que a utilização de VNI no modo CPAP, aplicado antes do exercício, aumenta a tolerância ao exercício em pessoas com IC; contudo, ainda não é conhecido se o modo Bi-nível, aplicado nas mesmas condições, é capaz de gerar resultados semelhantes ou até melhores, pelo acréscimo de pressão de suporte ventilatório presente nessa modalidade. Objetivo: Portanto, este estudo tem por objetivo testar se há diferença entre os efeitos agudos da VNI na tolerância ao exercício de indivíduos com IC, quando aplicado modo CPAP ou modo Bi-nível. Metodologia: Trata-se de um ensaio clínico controlado, randomizado, duplo-cego e cross-over, composto por 14 voluntários (idade de 63+9 anos), portadores de IC crônica, classe funcional II e III (New York Heart Association), em situação de estabilidade clínica. O experimento ocorreu em três dias distintos, com intervalo de 48 horas entre eles. Cada voluntário fez um teste graduado da caminhada (TGC) por dia, a saber: um TGC sem intervenção prévia (T-Co), outro após 30 minutos de VNI no modo CPAP (T-CP), e outro após 30 minutos de VNI no modo Bi-nível (T-Bi), obedecendo sequência randomizada. Durante os testes, foram analisados a distância caminhada (DC), níveis percebidos de fadiga e dispnéia, resposta afetiva, bem como outras variáveis fisiológicas. Para a análise estatística foi utilizado o teste ANOVA para medidas repetidas, seguido do pós-teste de Bonferroni, considerando-se o p-valor menor ou igual a 0,05 como estatisticamente significante. Resultados: Não foi encontrada diferença entre a DC obtida no T-CP (440,4+72,4m) e no T-Bi (441,6+79,4m) (p=1,00). Contudo, a DC foi maior após o uso da VNI, tanto no T-CP, quanto no T-Bi, em relação àquela observada no T-Co (381,2+79,8m) (p=0,004 e p=0,007, respectivamente). Conclusão: O uso de um suporte ventilatório não invasivo, independente do modo, promove melhora na tolerância ao exercício em pessoas com IC, o que pode permitir que essa população alcance, de forma mais abrangente, os benefícios oriundos do exercício físico sobre a sua funcionalidade e qualidade de vida.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Heart failure (HF) is a major public health problem worldwide. Dyspnea and fatigue are the main clinical symptoms of heart failure and primarily responsible for exercise intolerance. In the management of this syndrome, regular exercise and noninvasive ventilation (NIV) are related to a decrease of symptoms and improvement of functional capacity. The use of NIV associated with exercise is recent, and there are only few randomized controlled trials on the subject. In this context, it is known that the use of NIV in CPAP mode applied before exercise increases exercise tolerance in people with heart failure; however, it's not yet known if the bi-level mode, applied under the same conditions, is able to generate similar or even better results, due to pressure increase  of the ventilatory support in this modality.Objective: Therefore, this study aims to test whether there is a difference between the acute effects of NIV on exercise tolerance in patients with HF, when applied CPAP or bi-level mode. Methodology: This is a controlled, randomized, double-blind and cross-over clinical trial, composed of 14 volunteers (age 63 ± 9 years), with chronic heart failure, functional class II and III (New York Heart Association) in clinical stability. The experiment took place in three different days with an interval of 48 hours between them. Each volunteer has a graduated walk test (GCT) per day, namely: one TGC without intervention (T-Co), another after 30 minutes of NIV in CPAP mode (T-CP), and another after 30 minutes of VNI in Bi-level mode (T-Bi), following randomized sequence. During the tests, we analyzed the walking distance (WD), perceived levels of fatigue and dyspnea, affective response and other physiological variables. Statistical analysis was performed using ANOVA for repeated measures followed by Bonferroni post-test, considering p-value less than or equal to 0.05 as statistically significant. Results: No difference was found between the DC obtained in T-CP (440.4 + 72,4m) and T-Bi (441.6 + 79,4m) (p = 1.00). However, the WD was higher after the use of NIV in both the T-CP, as in T-Bi compared to that observed in T-Co (381.2 + 79,8m) (p = 0.004 and p = 0.007, respectively). Conclusion: The use of a non-invasive ventilatory support, regardless of mode, promotes improvement in exercise tolerance in people with heart failure, which can allow this population range, more broadly, the benefits from the exercise of its functionality and quality of life.

16
  • DAYANNA DA SILVA PEREIRA
  • RELAÇÃO ENTRE DOR E DESEMPENHO FÍSICO DE IDOSOS RESIDENTES
    EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA.

  • Orientador : ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • ALINE DO NASCIMENTO FALCAO FREIRE MONTE
  • Data: 28/07/2016

  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: A dor tem consequências funcionais, cognitivas,
    emocionais e sociais significativas na vida de um indivíduo. A
    incapacidade resultante da dor é multideterminada, e é ainda um
    desafio elucidar quais os mecanismos envolvidos nesta repercussão na
    vida dos idosos. A manutenção da capacidade funcional é importante
    fator para a independência e qualidade de vida dos idosos,
    particularmente para os que vivem em instituições de longa
    permanência (ILPI). OBJETIVO: Avaliar a relação entre a dor e o
    desempenho físico em idosos residentes em ILPI. METODOLOGIA: Foi
    realizado um estudo transversal, com 133 idosos residentes em ILPI, no
    Estado da Paraíba. Dentre os instrumentos utilizados destacam-se o
    Geriatric Pain Measure (GPM) para avaliação da dor e a _Short Physical
    Performance Balance_ (SPPB) para a avaliação do desempenho físico. Na
    análise estatística, com o programa estatístico SPSS 20.0, foram
    utilizadas medidas de distribuição. O teste t, ANOVA e o teste de
    correlação de Pearson foram utilizados na análise bivariada. Por fim,
    na análise multivariada, foi aplicada análise de regressão linear
    múltipla. Em toda análise estatística foi considerado um intervalo de
    confiança (IC) de 95% e um p < 0,05. RESULTADOS: A amostra
    caracterizou-se pelo predomínio do sexo feminino (65,4%), de solteiros
    (43,2%) e de baixa escolaridade (59,2%). A média de idade foi 78,8
    (±7,62) anos e de institucionalização foi 3,80 (±3,49) anos. A dor
    foi referida por 57,5% dos idosos, sendo 48% com dor crônica e 13,4%
    com dor aguda. Na avaliação através do GPM ajustado, a média de
    pontuação foi de 29,44 (±28,62) pontos. A intensidade da dor da
    maioria dos idosos com dor em geral e dor crônica foi moderada (60,6% e
    69,5%) e entre os idosos com dor aguda foi leve (52,9%). O desempenho
    físico mostrou-se significativamente menor nos idosos acima de 80 anos
    e nas mulheres, já os idosos com uma autopercepção positiva da saúde
    tiveram melhores resultados nessa avaliação. Ao correlacionar os
    resultados obtidos na GPM com a avaliação funcional foi verificado que
    apenas o escore de equilíbrio não se correlacionou com a avaliação
    da dor pela GPM (r=-0,110; p=0,22). Na análise multivariada, foi
    verificado que a dor aguda afetou negativamente os resultados do
    desempenho nos testes velocidade da marcha (ß=-0,23; p=0,03) e levantar
    da cadeira (ß=3,7; p=0,04) e no escore total da SPPB (ß=-1,9; p=0,01),
    não se relacionando significativamente com o desempenho do equilíbrio
    dos idosos (ß=-0,23; p=0,53). A dor crônica não apareceu como fator
    limitante no desempenho dos idosos nesta análise. CONCLUSÃO: A dor
    aguda exerceu impacto de forma independente no desempenho funcional de
    idosos, principalmente nas atividades dinâmicas (marcha e
    sentar-levantar).


  • Mostrar Abstract
  • INTRODUCTION: Pain has significant functional, cognitive, emotional and
    social consequences in an individual’s life. The resulting incapacity
    of pain is multidetermined, and it is still a challenge to determine
    which the mechanisms are involved in such a repercussion in the
    elderly’s life.  Maintenance of functional capacity is an important
    factor for the elderly’s life independence and quality of living,
    particularly when one takes into account those who live in long term
    care centers (ILPI). OBJECTIVE: To evaluate the relation between the
    kind of pain and the physical performance of the elderly living in long
    term centers (ILPI). METHODOLOGY: A transversal study has been made with
    113 elderly living in long term care certers in Paraiba State. Among the
    instruments used the Geriatric Pain Measure (GPM) for pain evaluation
    stands out, and the Short Physical Performance Balance (SPPB) for
    evaluation of physical performance. Statistical analysis with SPSS 20.0,
    distribution measurements were used. The t-test , ANOVA and Pearson
    correlation test were used in the bivariate analysis. Finally, in the
    multivariate analysis was applied multiple linear regression
    analysis.Throughout the statistics analysis a confidence interval (CI)
    of 95% and a p < 0,05 was considered. RESULTS: The sample features the
    feminine sex predominance (65,4%), single (43,2%), and low educational
    level (59,2%). The age average was 78,8 (±7,62) years and 3,80 (±3,49)
    years living in the care center. Pain was referred to by 57,5%  of the
    elderly, where 48%  admitted having chronic pain and  13,4% acute
    pain. In the set Pain Geriatric Measure (GPM) evaluation, the average
    punctuation was of 29,44 (±28,62) points. The pain intensity in most of
    the elderly in pain in general and chronic pain was moderated (60,6% and
    69,5% ), and among the elderly in acute pain it was lightweight
    (52,9%). Physical performance was significantly shorter in the elderly
    over 80 and the women; since the elderly who had a positive
    self-perception of health achieved better results at this phase of
    evaluation. As we correlated the results from Pain Geriatric Measure
    with the functional evaluation we found that only the balance score did
    not correlate to the pain evaluation by  GPM (r=-0,110; p=0,22). In the
    multivariate analysis, we found that pain affected negatively the
    performance results in gait speed tests (ß=-0,23; p=0,03) and lifting a
    chair (ß=3,7; p=0,04) and at the SPPB  total score (ß=-1,9; p=0,01),
    not relating significantly to the elderly’s balance performance
    (ß=-0,23; p=0,53). Chronic pain did not appear as a limiting factor on
    the elderly’s performance in this analysis. CONCLUSION: Acute pain had
    an impact in an independent way on the elderly’s functional
    performance, mostly at dynamic activities (gait, sitting and standing).

17
  • VANESSA DA NÓBREGA DIAS
  • DESEMPENHO FUNCIONAL DE IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

  • Orientador : JULIANA MARIA GAZZOLA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JULIANA MARIA GAZZOLA
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • JULIANA MARTINS PINTO
  • Data: 07/10/2016

  • Mostrar Resumo
  • OBJETIVO: Analisar o desempenho funcional de idosos portadores de Diabetes Mellitus tipo 2 (DM 2). MÉTODO: Trata-se de um estudo observacional analítico, de caráter transversal. Foram avaliados 81 indivíduos dos sexos feminino e masculino, com idade igual ou superior a 60 anos. Os idosos foram avaliados em relação aos dados sociodemográficos, clínicos-funcionais, psico-cognitivos, equilíbrio postural e desempenho funcional, por meio do WHODAS 2.0. Foi realizada análise descritiva simples. O escore total do WHODAS 2.0 foi analisado em relação às demais variáveis do estudo, por meio da aplicação dos testes estatísticos: Mann-Whitney, Kruskall-Wallis, com o pos hoc de Dunn e Correlação de Spearman, p<0,05. RESULTADOS: A amostra apresentou média etária de 69,4 ± 6,4 anos, maioria feminina (66,7%), cor branca (44,4%), analfabetos (29,6%), saúde geral boa (50,6%), visão boa (43,2%) e boa audição (53,1%), não praticante de atividade física (66,7%), possuir três ou quatro doenças conhecidas (40,7%),com utilização de cinco ou mais medicamentos (65,4%), diagnóstico de DM 2 há mais de dez anos (54,3%), presença de dor em membros inferiores (MMII) (59,3%), sem histórico de queda no último ano (48,1%), com tendência a quedas (65,4%), medo de cair (69,1%), presença de tontura (54,3%), sem déficit cognitivo (53,1%) e ausência de sintomas depressivos (56,8%). A média do Índice de Massa Corporal (IMC) foi 28,1 ± 4,4 kg/m², do Time Up and Go (TUG) foi de 14,1 ± 11,4 segundos e para Força de Prensão Palmar (FPP) foi de 20,8 ± 8,1 kg. Em relação ao desempenho funcional, os entrevistados apresentaram uma mediana de 9,0 pontos. Houve significância entre o WHODAS e as variáveis: sexo (p = 0,003), escolaridade (p = 0,005), pior percepção da saúde (p<0,001) e da visão (p<0,001), dor em MMII (p=0,002), quedas no último ano (p = 0,006), medo de cair (0=0,01), tendência a quedas (p<0,001), tontura (p = 0,003), prática de atividade física (p=0,03), utilização de dispositivo de auxílio à marcha (p=0,03), maior número de doenças (p<0,001) e sintomas depressivos (p<0,001). CONCLUSÃO: Idosos portadores de DM 2 apresentam restrição do desempenho funcional quando associado com sexo feminino, menor escolaridade, pior percepção da saúde e da visão, inatividade física, utilização de dispositivo de auxílio à marcha, dor em MMII, prejuízo da mobilidade, diminuição da FPP, maior IMC, maior número de doenças, histórico de quedas, medo de quedas, tontura e presença de sintomas depressivos.


  • Mostrar Abstract
  • OBJECTIVE: Analyse the functional performance in elderly people with type-2 diabetes mellitus (DM2). METHODS: It comes to an analytical observational study in a transversal nature. 81 female and male individuals, aged over 60 years were evaluated. The elderly were assessed in relation to psycho-cognitive, postural balance and functional performance, clinical-functional and sociodemographic data, through the WHODAS 2.0. It was performed simple descriptive analysis. The total score by WHODAS 2.0 was analyzed in relation to other study variables, through the application of statistical tests: Mann-Whitney, Kruskal-Wallis test with post hoc Dunn and Spearman correlation, p <0.05. RESULTS: The sample had a mean age of 69.4 ± 6.4 years, female majority (66.7%), white (44.4%), illiterare (29.6%), good general health (50.6%), good vision (43.2%) and good hearing (53.1%), without physical activity (66.7%), having three or four diseases (40.7%), using five or more medications (65.4%), diagnosis of DM 2 for more than ten years (54.3%), pain in the lower limbs (LL) (59.3%) without loss history in the last year (48.1 %), prone to falls (65.4%), fear of falling (69.1%), presence of dizziness (54.3%); without cognitive impairment (53.1%) or without depressive symptoms (56.8 %). The average Body Mass Index (BMI) was 28.1± 4.4 kg/m² in Time Up and Go (TUG) was 14.1 ± 11.4 seconds to Hand Grip Strength (HGS) was 20.8 ± 8.1kg. Regarding functional performance, respondents showed a median of 9.0 points. There was significance between WHODAS and the variables: gender (p = 0.003), educational level (p = 0.005), worse health perception (p <0.001) and vision ( p <0.001), pain in lower limbs (p = 0.0002), fell in the last year (p = 0.006), fear of falling (0 = 0.01), tendency to fall (p <0.001), dizziness (p = 0.003), physical activity (p = 0.03), use of walking assistive devices (p = 0.03), more diseases (p <0.001) and depressive symptoms (p <0.001). CONCLUSION: Elderly patients with DM2 have constrainted functional performance when associated with older age, female sex, less education, worse health and  vision perception and physical inactivity, use of the walking aid device, pain in lower limbs, impaired mobility, decreased FPP, increased BMI, more diseases, history of falls, fear of falling, dizziness and depressive symptoms.

18
  • JOSE DIEGO SALES DO NASCIMENTO
  • CONFIABILIDADE INTER E INTRAEXAMINADOR DO DIAGNÓSTICO DE PONTOS-GATILHO MIOFASCIAIS E LIMIAR DE DOR À PRESSÃO EM MÚSCULOS DO OMBRO

  • Orientador : CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • DANILO DE ALMEIDA VASCONCELOS
  • Data: 10/10/2016

  • Mostrar Resumo
  • Objetivo: verificar a confiabilidade inter e intraexaminador do diagnóstico de pontos-gatilho miofasciais (PGMs) e do limiar de dor a pressão (LDP) de músculos do ombro, em indivíduos assintomáticos e sintomáticos para síndrome do impacto subacromial (SIS) unilateral. Metodologia: Trata-se de um estudo de confiabilidade, composto por 52 indivíduos, 26 assintomáticos (12 homens e 14 mulheres; 33,8±12,02 anos; IMC de 23,99 kg/m2) e 26 sintomáticos (12 homens e 14 mulheres; 33,77±11,76 anos; IMC de 24,26 kg/m2) para SIS unilateral. Todos os indivíduos foram avaliados bilateralmente por dois examinadores inexperientes, independentes e cegos quanto à condição clínica do indivíduo. Os procedimentos consistiram de avaliação dos músculos do ombro quanto à identificação e classificação de PGMs em seis músculos (trapézio superior e inferior, infraespinal, supraespinal, peitoral menor e deltóide médio) e LDP em seis músculos (trapézio superior e inferior, infraespinal, supraespinal, deltóide médio e tibial anterior), realizados no mesmo dia. Resultados: A confiabilidade intraexaminador e interexaminador de identificação de PGMs foi, de maneira geral, moderada a quase perfeita com porcentagem de concordância (PC) >70%, nos dois grupos, com exceção de três músculos na avaliação intraexaminador e quatro na interavaliador que apresentaram PC<70% e confiabilidade entre fraca e razoável. Na classificação dos PGMs, a confiabilidade do examinador 1 foi fraca a razoável em 4 músculos, apesar do PC<70% em apenas dois músculos, e o examinador 2 obteve PC>70% em todos os músculos e confiabilidade entre boa a quase perfeita. Já a confiabilidade interexaminador de classificação de PGMs, esta variou entre fraca e moderada, com PC>70% em apenas um músculo. Para o LDP, a confiabilidade intraexaminador de ambos os examinadores foi boa ou quase perfeita (ICC: 0.73 – 0.96) para indivíduos assintomáticos e sintomáticos; a confiabilidade interexaminador foi quase perfeita (ICC: 0.85 – 0.94) para indivíduos assintomáticos e entre boa e quase perfeita em sintomáticos (ICC: 0.77 – 0.91). Conclusão: O estudo evidenciou uma confiabilidade intra e interexaminador aceitável na prática clínica para identificação de PMGs, independente dos músculos avaliados, mas variável entre condições clínicas. Quanto ao LDP, a confiabilidade intra e interexaminador apresentou-se adequada para o uso em estudos clínicos e prática clínica, fornecendo valores de referência para o LDP.


  • Mostrar Abstract
  • Objectives: To verify the interrater and intrarater reliability of the diagnosis of myofascial trigger points (MTrPs) and pressure pain threshold (PPT) in the shoulder muscles in asymptomatic individuals and individuals with symptoms of unilateral subacromial impingement syndrome (SIS). Methods: This is a reliability study, composed to 52 individuals, 26 asymptomatic (12 men and 14 women; 33,8±12,02 years old; 23,99 kg/m2 of BMI) and 26 with symptoms of unilateral SIS (12 men and 14 women; 33,77±11,76 years old; 24,26 kg/m2 of BMI). All of the individuals were evaluated by two novice raters, independent and blinded to clinical condition of the individual. The procedures consisted of evaluation the shoulder muscles for identification and classification of MTrPs in six muscles (upper trapezius, lower trapezius, infraspinatus, supraspinatus, pectoralis minor, and middle deltoid) and PPT in also six muscles (upper trapezius, lower trapezius, infraspinatus, supraspinatus, middle deltoid, and tibialis anterior), evaluated in the same day. Results: The intrarater and interrater reliability of identification of MTrPs was, generally, moderated to almost perfect with percentages of agreements (PA) >70%, in both groups, in exception of three muscles in the intrarater reliability and four muscles in the interrater reliability that presented PA<70% and reliability between slight and fair. In the classification of MTrPs, the reliability of rater 1 was slight and fair in four muscles, despite the PA>70% only in two muscles; and the rater 2 obtained PA> 70% in all muscles and reliability between good almost perfect. For the interrater reliability of the classification of MTrPs, this was between slight and moderate, with PA>70% in only one muscle. About the PPT, the intrarater reliability of both raters was good or almost perfect (ICC: 0.73 – 0.96) in asymptomatic and symptomatic individuals, the interrater reliability was almost perfect (ICC: 0.85 – 0.94) in asymptomatic individuals and between good or almost perfect (ICC: 0.77 – 0.91) in symptomatic individuals. Conclusion: This study showed acceptable intrarater and interrater reliability for clinical practicing to identification of MTrPs, independent of muscles evaluated, but variable between clinical conditions. About the PPT, the intrarater and interrater reliability presented proper to using in clinical studies and practice, providing reference values for PPT.

19
  • YANNA FERREIRA DA SILVA
  • Efeitos imediatos da adição de carga sobre a marcha de crianças com Hemiplegia Espástica e com desenvolvimento motor típico

  • Orientador : ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • TATIANA SOUZA RIBEIRO
  • RAQUEL DE PAULA CARVALHO
  • Data: 02/12/2016

  • Mostrar Resumo
  •  

    INTRODUÇÃO: Crianças com Paralisia Cerebral (PC) diferentemente de crianças com desenvolvimento motor típico apresentam distintos padrões motores compensatórios mediante as demandas exigidas durante a marcha. Existe ainda uma lacuna para a diferenciação da marcha normal e a patológica entre crianças mediante o uso de uma perturbação externa durante a locomoção, havendo a necessidade de estudos que possibilitem melhor entendimento a respeito de tais diferenças. OBJETIVO: Comparar os efeitos imediatos da adição de carga sobre a marcha de crianças com Paralisia Cerebral e crianças com desenvolvimento motor típico durante a marcha. MATERIAIS E MÉTODOS: Trata-se de um estudo quase experimental. A amostra foi constituída por 39 crianças com idades de cinco a 12 anos, divididas em dois grupos: Grupo PC (n=20) formado por crianças com PC do tipo hemiplégica; e o Grupo DT (n=19) formado por vinte crianças com desenvolvimento motor típico. As crianças com PC foram avaliadas quanto ao seu nível de funcionalidade (GMFCS - Sistema de Classificação da Função Motora Grossa), função motora grossa (GMFM - Gross Motor Function Measure), grau de espasticidade muscular (Escala Modificada de Ashworth) e quanto aos dados antropométricos. As crianças do grupo DT foram pareadas quanto à idade e sexo com as crianças do grupo PC. A marcha foi avaliada pelo sistema Qualisys® e todos os voluntários executaram o protocolo do treino, na esteira Gait Trainner System 2®, dividido em 3 fases: antes da adição da carga (fase PRÉ), imediatamente após a remoção da carga (fase IME) e 8 minutos após a remoção da carga (fase RET). O protocolo avaliativo da marcha consistiu em uma única sessão de treino. As medidas de desfechos foram as variáveis angulares das articulações do quadril e joelho, a altura máxima do pé e as variáveis espaço temporais. Os dados foram analisados pelo programa SPSS 20.0, atribuindo nível de significância de 0,05. Para a comparação entre as fases foi realizada a ANOVA one way para medidas repetidas em ambos os grupos. O teste t Student foi realizado para comparação entre membro parético das PCs e o não dominante das crianças típicas. RESULTADOS: Na comparação entre as fases do protocolo, os resultados mostraram que as crianças PCs apresentaram aumento da flexão máxima (p=0,000) e amplitude do movimento (p=0,013) do joelho parético e da altura do pé (p=0,001) parético imediatamente após a retirada da carga. Os efeitos não foram retidos após os cinco minutos de repouso. As crianças típicas apresentaram aumento das amplitudes do quadril (p=0,037) e do joelho (p=0,019) do membro não dominante e maior altura do pé do membro não dominante (p=0,009), imediatamente após o uso da carga entre as fases PRÉ e IME. Na comparação intermembros, foi observada maior flexão do quadril no membro parético na fase PRÉ (p=0,001), na fase IME (0,000) e na fase RET (0,001) quando comparado ao membro não dominante. A extensão do quadril parético também foi maior na fase PRÉ (0,02), na fase IME (0,002) e na fase RET (0,005). A articulação do pé parético mostrou maior altura do que o pé do membro não dominante das crianças típicas, na fase PRÉ (p=0,000), na fase IME (p=0,000) e na fase RET (p=0,000). CONCLUSÃO: As crianças com PC e as crianças com desenvolvimento motor típico apresentaram ajustes motores mediante a carga imposta no membro parético e no membro não dominante, respectivamente. As crianças com PC demonstraram que apesar de um padrão motor alterado decorrente da lesão, um novo comportamento motor emergiu a partir das capacidades remanescentes e das demandas da tarefa, enquanto que nas crianças típicas as respostas à carga refletiram o repertório de estratégias com controle motor intacto que estas crianças poderiam adotar para vencer a resistência imposta aos membros.


  • Mostrar Abstract
  • INTRODUCTION: Children with Cerebral Palsy (CP) differently from children with typical motor development have different compensatory motor patterns through the demands during gait. There is also a gap for the differentiation of normal and pathological gait among children through the use of an external disturbance during locomotion, and there is a need for studies that allow a better understanding of such differences. PURPOSE: To compare the immediate effects of loading on the gait of children with Cerebral Palsy and children with typical motor development during gait. MATERIALS AND METHODS: This is a quasi-experimental study. The sample consisted of 39 children aged five to 12 years, divided into two groups: PC group (n = 20) composed of children with PC of type hemiplegic; and the DT Group (n = 19) comprised of twenty children with typical motor development. Children with CP were assessed for their level of functionality (GMFCS - Gross Motor Function Measure), degree of muscle spasticity (Ashworth Modified Scale), and anthropometric data. The children in the DT group were matched for age and sex with children in the CP group. The gait was evaluated by the Qualisys® system and all volunteers performed the training protocol on the Gait Trainner System 2® treadmill, divided into three phases: before the addition of the load (PRÉ phase) immediately after the removal of the load (IME phase ) and 8 minutes after the removal of the load (RET phase). The gait assessment protocol consisted of a single training session. The measures of outcomes were the angular variables of the hip and knee joints, the maximum height of the foot and the temporal space variables. The data were analyzed by the SPSS 20.0 program, assigning a level of significance of 0.05. For the comparison between the phases, the one-way ANOVA was performed for repeated measurements in both groups. Student's t-test was performed to compare the paresis of children with CP and non-dominant of typical children limbs. RESULTS: In the comparison between the phases of the protocol, the results showed that the PC children had increased maximal flexion (p = 0,000) and range of motion (p = 0,013) of the paretic knee and paretic foot height (p = 0,001) immediately after removal of the load. The effects were not retained after five minutes of rest. The typical children showed increased amplitudes of the hip (p = 0,037) and knee (p = 0,019) of the non-dominant limb and greater height of the foot of the non-dominant limb (p = 0,009), immediately after the use of the load between phases PRE and IME. In the inter-limb comparison, greater hip flexion was observed in the paretic limb in the PRE (p = 0,001), IME (0,000) and RET (0,001) phases when compared to the non-dominant limb. Paretic hip extension was also higher in the PRE (0,015), IME (0,002) and RET (0,005) phases. The paretic foot joint showed higher height than the foot of the non-dominant limb of typical children, in the PRE (p = 0,000), IME (p = 0,000) and RET phases (p = 0,000) phases. CONCLUSION: Children with CP and children with typical motor development presented motor adjustments through the load imposed on the paretic limb and the non - dominant limb, respectively. Children with CP showed that despite an altered motor pattern due to injury, new motor behavior emerged from the remaining abilities and demands of the task, while in typical children the responses to the load reflected the repertoire of strategies with intact motor control that these children could adopt to overcome the resistance imposed on the limbs.

20
  • ADRIANA GUEDES CARLOS
  • FATORES RELACIONADOS AO CONTROLE POSTURAL EM IDOSOS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2


  • Orientador : JULIANA MARIA GAZZOLA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JULIANA MARIA GAZZOLA
  • ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • FLÁVIA DONÁ SIMONE
  • Data: 12/12/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O Diabetes Mellitus (DM) é fator de risco para outras comorbidades no idoso, devido às alterações funcionais dos sistemas sensoriais, motores e autonômicos que ficam expostos ao descontrole do metabolismo dos carboidratos, podendo comprometer o Controle Postural (CP) nas tarefas diárias, tornando-os mais susceptíveis às quedas. Objetivos: Verificar a associação entre o sistema do controle postural, avaliado pelo Mini BESTest, e os dados sociodemográficos, clínicos, funcionais e psico-cognitivos de idosos com DM do tipo 2 (DM2). Método: Trata-se de um estudo observacional analítico de caráter transversal em que foram avaliados 90 indivíduos, dos sexos feminino e masculino, com idade igual ou superior a 60 anos. Os idosos também foram avaliados por meio dos instrumentos Mini Exame do Estado Mental, Escala de Depressão Geriátrica e WHODAS. Foram aplicados os testes de Mann-Whitney, de Kruskal-Wallis seguido do teste de Tukey e o Coeficiente de Correlação de Spearman (ρ), p<0,05. Resultados: A amostra apresentou a maioria feminina (65,6%), com média etária de 68,6 ±7,5 anos. O número médio de doenças associadas ao DM2 foi de 3,1 ± 0,7 e o número médio de medicamentos foi de 5,8 ± 2,8. Grande parte dos idosos relatou conhecer o diagnóstico da DM há mais de dez anos (51,2%). A média do Mini BESTest foi de (74,3%), a sessão com pior desempenho foi a de Respostas Posturais (57,1%), enquanto que a Orientação Sensorial obteve o melhor desempenho (89,8%). Ocorreram associações significantes entre a pontuação total do Mini BESTest e as categorias das variáveis: faixa etária (p<0,001), escolaridade (p=0,024), visão (p=0,002), prática regular de atividade física (p=0,008), doenças dos transtornos mentais e/ou comportamentais (p=0,021), doenças do sistema respiratório (p=0,02), medicamentos em uso para o sistema nervoso (p=0,001), uso de dispositivo de marcha (p=0,001), número de alterações nos pés (p=0,006), calosidade nos pés (p=0,002), alterações dermatológicas (p=0,026), dor em MMII (p=0,019), quedas no último ano (p=0,001), medo de quedas (p=0,035), tendência a quedas (p=0,012), mobilidade e risco de quedas (p<0,001), queixa de tonturas (p=0,008) e sintomas depressivos (p=0,001). Correlações significantes foram encontradas entre a pontuação do Mini BESTest e as variáveis quantitativas: idade (ρ= -0,391; p<0,001), número de doenças (ρ= -0,278; p=0,031), dor em MMII (ρ= -0,279; p=0,008), força de preensão palmar (ρ= 0,227; p=0,033), Mini Exame do Estado Mental (ρ=-0,295; p=0,005), Escala de Depressão Geriátrica (ρ=-0,389; p<0,001) e Desempenho Funcional (ρ= -0,504; p<0,001). Conclusões: O CP de idosos com DM tipo 2 é mais comprometido quando associado ao avançar da idade, baixa escolaridade, maior número de doenças, pior percepção visual, inatividade física, diminuição da força no membro superior dominante, presença das doenças dos transtornos mentais e/ou comportamentais e respiratório, uso de medicamentos para o sistema nervoso, uso de dispositivo de marcha, maior número de alterações nos pés, calosidade nos pés, alterações dermatológicas, dor em MMII, quedas recorrentes, medo de quedas, tendência a quedas, risco de quedas, prejuízo na mobilidade, queixa de tontura e presença de sintomas depressivos.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Diabetes Mellitus (DM) has been a risk factor for other comorbidities in elderly due to the functional abnormalities of the sensorial, motor and autonomic systems that are exposed to the lack of control of the carbohydrate metabolism, they can  compromise the Postural Control (PC) in the daily tasks, making them  most susceptible to falls. Objectives:  Verifying the association between the system of postural control, evaluated by the Mini BESTest, and sociodemographic, clinical, functional and psycho-cognitive data of the elderly with type-2 DM (DM2). Method: This is an observational, cross-sectional, observational study in which 90 male and female individuals,  aged 60 years or over were evaluated. The elderly were also evaluated through the Mini Mental State Test, Geriatric Depression Scale and WHODAS instruments. The Mann-Whitney tests, from Kruskal-Wallis followed by the Tukey's test and the Spearman's Correlation Coefficient (ρ), p <0.05, were applied. Results: The sample showed a female msjority (65.6%), with a mean age of 68.6 ± 7.5 years. The mean number of diseases associated with DM2 was 3.1 ± 0.7 and the mean number of drugs  was 5.8 ± 2.8. Most of the elderly reported having been diagnosed with DM more than ten years ago (51.2%). The average  of Mini BESTest was (74.3%), the worst performing session was Postural Responses (57.1%), while Sensory Orientation achieved the best performance (89.8%). There were significant associations between the total score of the Mini BESTest and the categories of variables: age range (p <0.001), schooling (p = 0.024), vision (p = 0.002), regular physical activity (P = 0.021), diseases of the respiratory system (p = 0.02), medications in use for the nervous system (p = 0.001), use of walking device (p = 0.001), number of mental and / or behavioral disorders (P = 0.026), pain in the lower limbs (p = 0.019), falls in the last year (p = 0.001), fear of falls (p = 0.006), P = 0.035), tendency to falls (p = 0.012), mobility and risk of falls (p <0.001), complaint of dizziness (p = 0.008) and depressive symptoms (p = 0.001). Significant correlations were found between the Mini BESTest score and the quantitative variables: age (ρ = -0.391, p <0.001), number of diseases (ρ = -0.278, p = 0.031), pain in MMII (ρ = -0.279; (P = 0.008), palmar grip strength (ρ = 0.227, p = 0.033), Mini Mental State Examination (ρ = -0.295, p = 0.005), Geriatric Depression Scale (ρ = -0.389, p <0.001) and Functional Performance (ρ = -0.504, p <0.001). Conclusions: The PC of elderly with type-2 diabetes mellitus is more compromised when associated with age, low schooling, greater number of diseases, worse visual perception, physical inactivity, decreased strength in the dominant upper limb, presence of behavioral and or mental illness and respiratory problems, use of medications for the nervous system, use of gaiters, greater number of changes in feet, calluses in feet, dermatological alterations, pain in lower members (MMI)I, recurrent falls, fear of falls, tendency to falls, risk Of falls, impairment in mobility, complaint of dizziness and presence of depressive symptoms

21
  • SAMARA ALENCAR MELO
  • EFEITOS DO KINESIO TAPING NO QUADRO ÁLGICO E NO DESEMPENHO NEUROMUSCULAR DE PORTADORES DA SÍNDROME DA DOR FEMOROPATELAR

  • Orientador : JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
  • JAMILSON SIMOES BRASILEIRO
  • JOSÉ JAMACY DE ALMEIDA FERREIRA
  • Data: 20/12/2016

  • Mostrar Resumo
  • A Síndrome da Dor Femoropatelar (SDFP), definida como dor anterior ou retropatelar, é uma das disfunções músculo-esqueléticas mais frequentes no joelho que acomete, sobretudo, a população feminina e cujo tratamento apresenta-se controverso. Objetivo: Analisar os efeitos imediatos e tardios da aplicação do Kinesio Taping (KT) na atividade eletromiográfica do músculo vasto medial oblíquo (VMO), no desempenho isocinético do quadríceps femoral e na dor de sujeitos portadores da SDFP. Métodos: Ensaio clínico, controlado, randomizado e cego, no qual 54 voluntárias, com idade média de 23,70 ± 3,76 anos, foram distribuídas aleatoriamente em três grupos e realizaram um dos seguintes protocolos: (1) grupo controle - permaneceram em repouso; (2) grupo com tensão - aplicação do KT com tensão na região do VMO; (3) grupo sem tensão - aplicação do KT sem tensão, na mesma região. Todas as voluntárias foram submetidas à avaliação da intensidade da dor, da atividade eletromiográfica do VMO e do VL e dos parâmetros dinamométricos em três momentos distintos: antes da aplicação do KT, imediatamente após e 72h depois da aplicação. A análise estatística foi realizada por meio do SPSS (versão 20.0). Foi utilizada uma ANOVA de modelo misto para verificar diferenças intra e intergrupo, com nível de significância de 5% (p ≤ 0,05). Resultados: Houve diferença significativa intergrupo na intensidade da dor na avaliação 72h entre o grupo sem tensão e o grupo controle. Com relação às variáveis dinamométricas, pico de torque normalizado pelo peso corporal, pico de torque médio, potência média e trabalho total não houve diferença significativa entre os grupos avaliados. No que se refere às variáveis eletromiográficas, razão VMO/VL e tempo de início da ativação do VMO em relação ao VL em cadeia aberta e fechada, também não foram observadas diferenças. Conclusão: O Kinesio Taping, aplicado no vasto medial oblíquo, não promove alterações imediatas e nem tardias no desempenho isocinético e nos parâmetros eletromiográficos de portadores da Síndrome da Dor Femoropatelar. Entretanto, foi observada uma redução da dor no grupo sem tensão, após 72 horas da aplicação.


  • Mostrar Abstract
  • Patellofemoral pain syndrome (PFPS) is defined as anterior or retropatellar pain. It is one of the most frequent musculoskeletal dysfunctions in the knee, that affects mainly, the female population and whose treatment is controversial. Objective: To analyze the immediate and late effects of Kinesio Taping (KT) in the electromyography activity of the vastus medialis obliquus (VMO), in the isokinetic performance of the quadriceps femoris and the pain of subjects with PFPS. Methods: Randomized clinical trial, in which 54 volunteers, with a mean age of 23.70 ± 3.76 years were randomized into three groups and performed one of the following protocols: (1) control group - remained in rest; (2) group with tension - application of KT with tension in the VMO region; (3) group without tension - application of KT without tension, in the same region. All volunteers were submitted to the evaluation of pain intensity, electromyography activity of the VMO and the VL and the dynamometric parameters in three different moments: before the application of KT, after the application and 72 hours after the application. Statistical analysis was performed using SPSS (version 20.0). A mixed model ANOVA was used to verify intra and intergroup differences, with a significance level of 5% (p ≤ 0.05). Results: There was a significant intergroup difference in pain intensity in the 72h evaluation between the no tension group and the control group. Dynamometric variables, peak torque normalized by body weight, mean peak torque, mean power and total work did not show significant difference between the groups evaluated. No differences were observed in the electromyography variables, VMO/ VL ratio and time of onset of VMO activation in relation to VL. Conclusion: Kinesio Taping, applied to the vastus medialis obliquus, does not promote immediate or late changes in the isokinetic performance and in the electromyography parameters of patients with Patellofemoral Pain Syndrome. However, was observed a reduction in pain, in the no tension group after 72 hours of application.

Teses
1
  • RAFAELA PEDROSA
  • EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO SOBRE A ADAPTAÇÃO NEURAL E ESTRUTURAL DE MÚSCULOS RESPIRATÓRIOS

  • Orientador : GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • SHIRLEY LIMA CAMPOS
  • TICIANA LEAL LEITE BUARQUE
  • WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
  • Data: 18/01/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O treinamento muscular inspiratório (TMI) tem sido considerado uma opção na reversão ou prevenção da diminuição da força dos músculos respiratórios, no entanto, pouco se sabe sobre as adaptações desses músculos decorrentes do treinamento com carga.  Objetivos: Investigar o efeito do TMI sobre a adaptação neural e estrutural do músculo diafragma, em jovens sedentários, comparar os efeitos do TMI de intensidade leve com os do TMI de intensidade moderada sobre a espessura, mobilidade e atividade elétrica do diafragma e na força dos músculos inspiratórios e estabelecer um protocolo para a realização de uma revisão sistemática com a finalidade de avaliar os efeitos do treinamento muscular respiratório em crianças e adultos com doenças neuromusculares. Materiais e Métodos: Ensaio clínico controlado, randomizado e duplo-cego, com uma amostra de 28 adultos jovens, saudáveis e sedentários, divididos em dois grupos: treinamento com carga leve (G10%) e treinamento com carga moderada (G55%). Os voluntários realizaram, durante 9 semanas, um protocolo de TMI domiciliar, com o POWERbreathe®. O G55% treinou com carga de 55% pressão inspiratória máxima (PImáx) e o G10% utilizou uma carga de 10% da PImáx. O treinamento foi realizado em sessões de 30 repetições, duas vezes/dia, seis dias/semana. A cada duas semanas foi avaliada a PImáx e reajustada a carga. A amostra foi submetida, antes e após o TMI, à avaliação através de ultrassonografia, eletromiografia de superfície, espirometria e manovacuometria. Os dados foram analisados pelo SPSS 20.0, foram realizados o Teste t-Student para amostras pareadas para comparar espessura diafragmática, PImáx e PEmáx antes e após o protocolo de TMI e Wilcoxon para comparar os valores de RMS e frequência mediana (Fmed) também antes e após protocolo de treinamento. Em seguida, foram realizados o Teste t-Student para amostras independentes para comparar mobilidade e espessura diafragmática, PImáx e PEmáx entre os dois grupos e o teste de Mann-Whitney para comparar os valores de RMS e Fmed também entre os dois grupos. Paralelamente ao estudo experimental, foi desenvolvido um protocolo com apoio da Colaboração Cochrane sobre TMI em pessoas com doenças neuromusculares. Resultados: Houve, nos dois grupos, aumento da força muscular inspiratória (P<0,05) e expiratória no G10% (P=0,009), aumento no RMS e espessura do músculo relaxado no G55% (P=0,005; P=0,026) e não houve alteração na FMed (P>0,05). A comparação entre os dois grupos demonstrou diferença no valor RMS (P=0,04) e não apresentou diferença na espessura e mobilidade do diafragma e força dos músculos respiratórios. Conclusões: Foi identificado aumento da atividade neural e da estrutura diagramática, com consequente aumento da força muscular respiratória, após o TMI com carga moderada. Dessa forma, a adaptação da musculatura respiratória ao treinamento com carga moderada ocorre de forma mais acelerada que a adaptação do músculo periférico ao treinamento. TMI com carga de 10% da PImáx não pode ser considerado como dose placebo, pois aumenta a força muscular inspiratória e TMI com intensidade moderada é capaz de potencializar o recrutamento de fibras musculares do diafragma e promover sua hipertrofia. O protocolo para realização da Revisão Sistemática foi publicado na The Cochrane Library.


  • Mostrar Abstract
  • Introdução: O treinamento muscular inspiratório (TMI) tem sido considerado uma opção na reversão ou prevenção da diminuição da força dos músculos respiratórios, no entanto, pouco se sabe sobre as adaptações desses músculos decorrentes do treinamento com carga.  Objetivos: Investigar o efeito do TMI sobre a adaptação neural e estrutural do músculo diafragma, em jovens sedentários, comparar os efeitos do TMI de intensidade leve com os do TMI de intensidade moderada sobre a espessura, mobilidade e atividade elétrica do diafragma e na força dos músculos inspiratórios e estabelecer um protocolo para a realização de uma revisão sistemática com a finalidade de avaliar os efeitos do treinamento muscular respiratório em crianças e adultos com doenças neuromusculares. Materiais e Métodos: Ensaio clínico controlado, randomizado e duplo-cego, com uma amostra de 28 adultos jovens, saudáveis e sedentários, divididos em dois grupos: treinamento com carga leve (G10%) e treinamento com carga moderada (G55%). Os voluntários realizaram, durante 9 semanas, um protocolo de TMI domiciliar, com o POWERbreathe®. O G55% treinou com carga de 55% pressão inspiratória máxima (PImáx) e o G10% utilizou uma carga de 10% da PImáx. O treinamento foi realizado em sessões de 30 repetições, duas vezes/dia, seis dias/semana. A cada duas semanas foi avaliada a PImáx e reajustada a carga. A amostra foi submetida, antes e após o TMI, à avaliação através de ultrassonografia, eletromiografia de superfície, espirometria e manovacuometria. Os dados foram analisados pelo SPSS 20.0, foram realizados o Teste t-Student para amostras pareadas para comparar espessura diafragmática, PImáx e PEmáx antes e após o protocolo de TMI e Wilcoxon para comparar os valores de RMS e frequência mediana (Fmed) também antes e após protocolo de treinamento. Em seguida, foram realizados o Teste t-Student para amostras independentes para comparar mobilidade e espessura diafragmática, PImáx e PEmáx entre os dois grupos e o teste de Mann-Whitney para comparar os valores de RMS e Fmed também entre os dois grupos. Paralelamente ao estudo experimental, foi desenvolvido um protocolo com apoio da Colaboração Cochrane sobre TMI em pessoas com doenças neuromusculares. Resultados: Houve, nos dois grupos, aumento da força muscular inspiratória (P<0,05) e expiratória no G10% (P=0,009), aumento no RMS e espessura do músculo relaxado no G55% (P=0,005; P=0,026) e não houve alteração na FMed (P>0,05). A comparação entre os dois grupos demonstrou diferença no valor RMS (P=0,04) e não apresentou diferença na espessura e mobilidade do diafragma e força dos músculos respiratórios. Conclusões: Foi identificado aumento da atividade neural e da estrutura diagramática, com consequente aumento da força muscular respiratória, após o TMI com carga moderada. Dessa forma, a adaptação da musculatura respiratória ao treinamento com carga moderada ocorre de forma mais acelerada que a adaptação do músculo periférico ao treinamento. TMI com carga de 10% da PImáx não pode ser considerado como dose placebo, pois aumenta a força muscular inspiratória e TMI com intensidade moderada é capaz de potencializar o recrutamento de fibras musculares do diafragma e promover sua hipertrofia. O protocolo para realização da Revisão Sistemática foi publicado na The Cochrane Library.

2
  • TATIANA SOUZA RIBEIRO
  • Efeitos do treino de marcha em esteira com adição de carga ao membro inferior não parético de indivíduos com Acidente Vascular Cerebral: ensaio clínico controlado e randomizado

  • Orientador : ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANA CARLA COSTA RIBEIRO CLEMENTINO
  • ANA MARIA FORTI BARELA
  • ANA RAQUEL RODRIGUES LINDQUIST
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • ROBERTA DE OLIVEIRA CACHO
  • Data: 10/05/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A marcha após Acidente Vascular Cerebral (AVC) caracteriza-se por expressiva assimetria entre os membros inferiores, com o uso preponderante do membro inferior não-parético (MINP) em detrimento do uso do membro inferior parético. Nesse sentido, tem sido sugerido que adição de carga ao MINP como forma de restrição ao movimento deste membro possa favorecer o uso do membro parético, reduzindo a assimetria intermembros. Contudo, há poucos estudos realizados até o momento, os quais têm investigado apenas os efeitos imediatos dessa abordagem. Objetivos: 1) Investigar se há influência da adição de carga ao MINP durante o treinamento em esteira sobre os parâmetros cardiovasculares e sobre a performance da marcha de indivíduos com AVC; 2) Analisar os efeitos do treinamento em esteira com e sem adição de carga ao MINP sobre os parâmetros cinemáticos de cada membro inferior durante a marcha; 3) Analisar os efeitos do treinamento em esteira com e sem adição de carga ao MINP sobre as medidas de mobilidade funcional e equilíbrio postural desses pacientes. Materiais e Métodos: Trata-se de um ensaio clínico randomizado e simples cego, no qual participaram 38
    indivíduos, com média de idade de 56,5 anos, na fase subaguda pós-AVC (tempo médio de sequela de 4,5 meses). Os participantes foram distribuídos aleatoriamente em grupo experimental (GE) e grupo controle (GC). O GE (n= 19) foi submetido ao treino de marcha em esteira com adição de carga ao MINP, feita por meio de caneleiras com carga equivalente a 5% do peso corporal. O GC (n= 19) foi submetido somente ao treino de marcha em esteira. Em ambos os grupos, também foram aplicadas estratégias comportamentais, que incluíam exercícios domiciliares. As intervenções ocorreram diariamente durante duas semanas consecutivas (Dia 1 ao Dia 9), com duração de 30 minutos cada. As medidas de desfecho: equilíbrio postural (Escala de Equilíbrio funcional de Berg – EEB), mobilidade funcional (Timed Up and Go – TUG; variáveis cinemáticas do movimento de giro de 180°), variáveis cinéticas e cinemáticas da marcha e coordenação dos membros inferiores (Teste para Coordenação dos Membros Inferiores - LEMOCOT) foram avaliadas na linha de base (Dia 0), após quatro sessões de treinamento (Dia 4), após nove sessões de treinamento (Dia 9) e após 40 dias do término dos treinamentos (Follow-up). Os parâmetros cardiovasculares foram avaliados em quatro momentos dentro de cada sessão de treinamento. Análise de variância (ANOVA) foi utilizada para comparar os desfechos entre o GE e o GC no decorrer do estudo (Dia 0, Dia 4, Dia 9 e Follow-up). Testes t não-pareados permitiram a comparação intergrupos em cada sessão de treinamento. Em todos os testes, a significância foi estabelecida em 5%. Resultados: 1) Os parâmetros cardiovasculares não sofreram alterações após as intervenções e não houve diferenças entre os grupos dentro de cada sessão de treinamento. Houve melhora da performance da marcha, com aumento da velocidade e da distância percorrida, sem diferença estatisticamente significante entre os grupos. 2) Após as intervenções, os pacientes aumentaram o comprimento do passo parético e não parético, além de exibirem maior excursão articular no quadril e joelho de ambos os membros inferiores. Os ganhos foram observados no GE e GC, sem diferença estatística entre os grupos e mantidos (em sua maioria) no follow-up. 3) Após as intervenções, os pacientes exibiram melhor equilíbrio postural (maiores escores na EEB) e mobilidade funcional (redução do tempo gasto no teste TUG e melhora da performance do movimento de giro de 180°). Todos os ganhos foram observados no GE e GC, sem diferença estatisticamente significativa entre os grupos e foram mantidos no follow-up. Conclusões: A adição de carga ao MINP não alterou os parâmetros cardiovasculares de indivíduos com AVC subagudo, semelhante ao treino em esteira sem carga, mostrando-se um treinamento seguro a ser aplicado nestes pacientes. Entretanto, o uso da carga não ocasionou
    benefícios adicionais ao treinamento de marcha. O programa de treinamento de marcha (nove sessões de treino em esteira + estratégias e exercícios para estimulação do membro parético) mostrou-se útil para melhora da performance e da cinemática da marcha, da mobilidade funcional e do equilíbrio postural, sendo sugerida a sua utilização com o intuito de promover a otimização desses desfechos após AVC na fase subaguda.


  • Mostrar Abstract
  • Introdução: A marcha após Acidente Vascular Cerebral (AVC) caracteriza-se por expressiva assimetria entre os membros inferiores, com o uso preponderante do membro inferior não-parético (MINP) em detrimento do uso do membro inferior parético. Nesse sentido, tem sido sugerido que adição de carga ao MINP como forma de restrição ao movimento deste membro possa favorecer o uso do membro parético, reduzindo a assimetria intermembros. Contudo, há poucos estudos realizados até o momento, os quais têm investigado apenas os efeitos imediatos dessa abordagem. Objetivos: 1) Investigar se há influência da adição de carga ao MINP durante o treinamento em esteira sobre os parâmetros cardiovasculares e sobre a performance da marcha de indivíduos com AVC; 2) Analisar os efeitos do treinamento em esteira com e sem adição de carga ao MINP sobre os parâmetros cinemáticos de cada membro inferior durante a marcha; 3) Analisar os efeitos do treinamento em esteira com e sem adição de carga ao MINP sobre as medidas de mobilidade funcional e equilíbrio postural desses pacientes. Materiais e Métodos: Trata-se de um ensaio clínico randomizado e simples cego, no qual participaram 38
    indivíduos, com média de idade de 56,5 anos, na fase subaguda pós-AVC (tempo médio de sequela de 4,5 meses). Os participantes foram distribuídos aleatoriamente em grupo experimental (GE) e grupo controle (GC). O GE (n= 19) foi submetido ao treino de marcha em esteira com adição de carga ao MINP, feita por meio de caneleiras com carga equivalente a 5% do peso corporal. O GC (n= 19) foi submetido somente ao treino de marcha em esteira. Em ambos os grupos, também foram aplicadas estratégias comportamentais, que incluíam exercícios domiciliares. As intervenções ocorreram diariamente durante duas semanas consecutivas (Dia 1 ao Dia 9), com duração de 30 minutos cada. As medidas de desfecho: equilíbrio postural (Escala de Equilíbrio funcional de Berg – EEB), mobilidade funcional (Timed Up and Go – TUG; variáveis cinemáticas do movimento de giro de 180°), variáveis cinéticas e cinemáticas da marcha e coordenação dos membros inferiores (Teste para Coordenação dos Membros Inferiores - LEMOCOT) foram avaliadas na linha de base (Dia 0), após quatro sessões de treinamento (Dia 4), após nove sessões de treinamento (Dia 9) e após 40 dias do término dos treinamentos (Follow-up). Os parâmetros cardiovasculares foram avaliados em quatro momentos dentro de cada sessão de treinamento. Análise de variância (ANOVA) foi utilizada para comparar os desfechos entre o GE e o GC no decorrer do estudo (Dia 0, Dia 4, Dia 9 e Follow-up). Testes t não-pareados permitiram a comparação intergrupos em cada sessão de treinamento. Em todos os testes, a significância foi estabelecida em 5%. Resultados: 1) Os parâmetros cardiovasculares não sofreram alterações após as intervenções e não houve diferenças entre os grupos dentro de cada sessão de treinamento. Houve melhora da performance da marcha, com aumento da velocidade e da distância percorrida, sem diferença estatisticamente significante entre os grupos. 2) Após as intervenções, os pacientes aumentaram o comprimento do passo parético e não parético, além de exibirem maior excursão articular no quadril e joelho de ambos os membros inferiores. Os ganhos foram observados no GE e GC, sem diferença estatística entre os grupos e mantidos (em sua maioria) no follow-up. 3) Após as intervenções, os pacientes exibiram melhor equilíbrio postural (maiores escores na EEB) e mobilidade funcional (redução do tempo gasto no teste TUG e melhora da performance do movimento de giro de 180°). Todos os ganhos foram observados no GE e GC, sem diferença estatisticamente significativa entre os grupos e foram mantidos no follow-up. Conclusões: A adição de carga ao MINP não alterou os parâmetros cardiovasculares de indivíduos com AVC subagudo, semelhante ao treino em esteira sem carga, mostrando-se um treinamento seguro a ser aplicado nestes pacientes. Entretanto, o uso da carga não ocasionou
    benefícios adicionais ao treinamento de marcha. O programa de treinamento de marcha (nove sessões de treino em esteira + estratégias e exercícios para estimulação do membro parético) mostrou-se útil para melhora da performance e da cinemática da marcha, da mobilidade funcional e do equilíbrio postural, sendo sugerida a sua utilização com o intuito de promover a otimização desses desfechos após AVC na fase subaguda.

3
  • MAYLE ANDRADE MOREIRA
  • OBESIDADE SARCOPÊNICA, SÍNDROME METABÓLICA E DESEMPENHO FÍSICO EM MULHERES DE MEIA-IDADE: UM ESTUDO TRANSVERSAL

  • Orientador : ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALVARO CAMPOS CAVALCANTI MACIEL
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • LILIAN LIRA LISBOA
  • ALINE DO NASCIMENTO FALCAO FREIRE MONTE
  • ANA CARLA LIMA NUNES
  • Data: 27/07/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O envelhecimento populacional associado ao aumento da expectativa de vida vem fazendo com que as doenças crônicas não transmissíveis exijam mais atenção, particularmente aquelas relacionadas às mudanças nos padrões morfofisiológicos. Neste contexto, a obesidade sarcopênica e a síndrome metabólica estão associadas ao maior risco cardiovascular, entretanto, têm sido pouco estudadas em mulheres de meia-idade, particularmente nas regiões de baixo desenvolvimento socioeconômico, como no Nordeste brasileiro. É importante considerar mulheres nessa faixa etária como um grupo populacional vulnerável à síndrome metabólica, buscando seus potenciais fatores de risco. Ademais, ainda não está claro na literatura a relação da obesidade sarcopênica com o desempenho físico, nem o seu nível de impacto quando comparado à sarcopenia ou obesidade de forma isolada. Objetivos: 1) Analisar a prevalência da obesidade sarcopênica e explorar a relação entre obesidade sarcopênica e desempenho físico em mulheres de meia-idade do Nordeste do Brasil. 2) Determinar a prevalência da síndrome metabólica e identificar os fatores associados a essa síndrome em mulheres de meia-idade do Nordeste do Brasil. Materiais e Métodos: Estudo observacional analítico de caráter transversal com uma amostra de mulheres entre 40 e 65 anos, residentes no município de Parnamirim-RN. Foram coletados dados demográficos e socioeconômicos, medidas antropométricas, estágio menopausal, história reprodutiva, hábitos de vida, atividade física, qualidade de vida, composição corporal (bioimpedância), hormônio estradiol e desempenho físico (força de preensão manual, força de extensores e flexores de joelho, velocidade da marcha e teste sentar-levantar). A sarcopenia foi determinada pelo percentil 20 (<6,08 kg / m²) da soma da massa muscular esquelética apendicular dividida pela altura ao quadrado (Kg / m2) e a obesidade pela circunferência da cintura ≥ 88 cm. Obesidade sarcopênica foi definida como a coexistência da sarcopenia e obesidade. A síndrome metabólica foi considerada pela presença de pelo menos três dos seguintes critérios: glicose em jejum ≥ 110 mg/dL, triglicéridos ≥ 150 mg/dL, lipoproteína de alta densidade (HDL) < 50 mg/dL e pressão arterial ≥ 130/85mmHg, de acordo com o critério diagnóstico do NCEP-ATP III. Os quatro grupos de mulheres (obesas sarcopênicas, sarcopênicas, obesas e normais) foram comparados quanto às variáveis de desempenho físico por meio de análises de variância (ANOVA) e por regressões lineares múltiplas ajustadas pelos potenciais fatores de confusão (idade, educação e estágio menopausal). Para comparar médias e frequências das variáveis entre os grupos com síndrome metabólica presente e ausente foram utilizados teste t ou qui-quadrado. Por fim, foram realizados modelos de regressão multivariada de Poisson para estimar a razão de prevalência e identificar os fatores associados, pelo método passo a passo (stepwise approach). Em todos os testes foi considerado p < 0,05 e intervalos de confiança de 95%. Resultados: As taxas de prevalência dos quatro grupos foram: obesidade sarcopênica (7,1%), obesidade (67,4%), sarcopenia (12,4%) e normal (13%). Mulheres com obesidade sarcopênica apresentaram significativamente menor força de preensão, menor força de extensão e flexão do joelho e maior tempo no teste sentar-levantar quando comparadas às mulheres não-obesas e não-sarcopênicas (p < 0,001). Exceto para o teste sentar-levantar, essas diferenças estatisticamente significativas também foram encontradas entre mulheres obesas e obesas sarcopênicas, sendo as últimas com piores resultados de desempenho. Não houve diferença significativa para a velocidade de marcha entre os quatro grupos (p = 0,50). Quanto à síndrome metabólica, foram identificados 275 (65,6%) casos. Os três indicadores mais prevalentes foram obesidade (73,5%), redução da HDL (63,0%), e hipertensão (60,9%). No modelo ajustado final, raça negra (RP: 1,34, IC: 1,11-1,63), menor força de preensão / IMC (RP: 1,32, IC: 1,15-1,50), pior qualidade de vida (RP: 1,20, IC: 1,03 - 1,40), menor nível de estradiol (RP: 1,16, IC: 1,00-1,34) e, surpreendentemente, caminhada (RP: 1,16, IC: 1,01-1,34) foram significativamente associados com a síndrome metabólica. Conclusões: Obesidade sarcopênica foi presente em 7,1% das mulheres de meia-idade do Nordeste brasileiro e tem relação com o pior desempenho físico, podendo ocorrer com limitações maiores que naquelas com apenas sarcopenia ou obesidade. A prevalência da síndrome metabólica foi alta (65,6%) na presente amostra. Raça negra, menor força de preensão / IMC, pior qualidade de vida e menor nível de estradiol foram fatores de risco para a síndrome metabólica. Maior tempo de caminhada permaneceu relacionado no modelo final, no entanto a direção dessa relação deve ser examinada em estudos longitudinais futuros.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Population‟s aging associated with increased life expectancy demands chronic diseases to require more attention, particularly those related changes in morph physiological standards. In this sense, sarcopenic obesity and metabolic syndrome are associated with increased cardiovascular risk. However, those conditions have been poorly studied in middle-aged women, particularly in low-income regions such as Northeast Brazil. It is important to consider women in this age group as a vulnerable to metabolic syndrome, seeking their potential risk factors. Furthermore, the relationship of sarcopenic obesity with physical performance is not clear in literature, or their level of impact when compared to sarcopenia or obesity alone. Objectives: 1) To evaluate the prevalence of sarcopenic obesity and to explore the relationship between sarcopenic obesity and physical performance in middle-aged women from Northeast Brazil. 2) To determine the prevalence of metabolic syndrome, and identified factors associated with this syndrome in middle-aged women in Northeast Brazil. Methods: Cross-sectional study in a sample of women between 40 and 65 years living in Parnamirim-RN. We collected demographic and socioeconomic data, anthropometric measurements, menopausal status, reproductive history, lifestyle habits, physical activity, quality of life, body composition (bioimpedance electrical), estradiol hormone and physical performance (grip strength, knee extensor and flexor strength, gait speed and chair stand test). The sarcopenia was determined by the 20th percentile (<6.08 kg/m²) of the sum of appendicular skeletal muscle mass divided by height squared (kg/m2) and obesity by waist circumference ≥ 88 cm. Sarcopenic obesity was defined as the coexistence of sarcopenia and obesity. Metabolic syndrome is considered by the presence of at least three of the following criteria: abdominal obesity (waist circunference > 88 cm), fasting glucose ≥ 110 mg/dL, triglycerides ≥ 150 mg/dL, high density lipoprotein (HDL) < 50 mg/dl and blood pressure ≥ 130/85 mmHg, according to the diagnostic criteria of the NCEP-ATP III. The four groups of women (sarcopenic obese, sarcopenic, obese and normal) were compared to physical performance variables using analysis of variance (ANOVA) and linear regressions adjusted for potential confounders (age, education and menopausal status). To compare means and frequencies of variables between groups of presence or absence of metabolic syndrome t or Chi-square test were used. Finally, multivariate Poisson regression models were conducted to estimate the prevalence ratio and identify associated factors, by the method step by step (stepwise approach). In all tests, it was considered p < 0.05 and confidence intervals of 95%. Results: Prevalence rates of the four obesity-sarcopenia groups were: Sarcopenic obesity (7.1%), obesity (67.4%), sarcopenia (12.4%) and normal (13%). Women with sarcopenic obesity had significantly lower grip strength, weaker knee extension and flexion and longer time to raise from a chair compared with non-obese and non-sarcopenic women (p values < 0.001). Except for the chair stands, these statistically significant differences were also found between sarcopenic obese and obese women. There was no significant difference for gait speed across the four groups (p = 0.50). Regarding metabolic syndrome, 275 (65.6%) cases were identified. The three most prevalent indicators were obesity (73.5%), reduced HDL (63.0%), and elevated blood pressure (60.9%). In the final adjusted model, black race (PR: 1.34, CI: 1.11 - 1.63), lower grip strength/BMI (PR: 1.32, CI: 1.15 - 1.50), worse quality of life (PR: 1.20, CI 95%: 1.03 - 1.40), low levels of estradiol (PR: 1.16, CI: 1.00 - 1.34) and surprisingly, walking (PR: 1.16, CI: 1.01 - 1.34) were significantly associated with metabolic syndrome. Conclusions: Sarcopenic obesity was present in 7.1% of middle-aged women from Northeast Brazil and it was associated with poor physical performance. Sarcopenic obesity may occur in middle-aged women with limitations beyond pure sarcopenia or obesity alone. The prevalence of metabolic syndrome in our sample was high (65,6%) in the present sample. Black race, lower grip strength/BMI, worse quality of life, and lower levels of estradiol were risk factors for metabolic syndrome. More walking remained related to metabolic syndrome in the final model; however, the direction of this relationship remains to be examined in future longitudinal studies.

4
  • ADRIANA GOMES MAGALHAES
  • DEPRESSÃO E FATORES ASSOCIADOS NO CONTEXTO DA MULHER BRASILEIRA

  • Orientador : ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DAMIAO ERNANE DE SOUZA
  • ELIZABEL DE SOUZA RAMALHO VIANA
  • KARLA VERUSKA MARQUES CAVALCANTE DA COSTA
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • WANESSA CRISTINA TOMAZ DOS SANTOS BARROS
  • Data: 26/10/2016

  • Mostrar Resumo
  • Resumo

    Introdução: A depressão é um problema de saúde pública e afeta pacientes, familiares e cuidadores, estando entre as dez principais causas de incapacidade no mundo. As mulheres são duas vezes mais acometidas por depressão que os homens. Objetivos:1)  Avaliar a prevalência e fatores associados à depressão em mulheres brasileiras em idade reprodutiva; 2) Avaliar a ocorrência de tratamento fisioterapêutico, no manejo da depressão em mulheres no contexto brasileiro. Metodologia: Trata-se de um estudo transversal de base populacional, realizado a partir da Pesquisa Nacional de Saúde – PNS 2013 (PNS) que abrangeu todo o território nacional da qual foram retirados 22.621registros de mulheres com idade entre 18 a 49 anos.  A variável desfecho primário, foi ter diagnóstico de depressão, e a variável desfecho secundário foi a ocorrência de tratamento fisioterapêutico, as variáveis independentes foram itens sociodemográficos, hábitos de vida, histórico reprodutivo e doenças crônicas. Foi realizada  análise descritiva e análise bivariada para estimar a magnitude da associação entre as variáveis de exposição e os desfechos primário e secundário,  expressa em OR (odds ratio) e respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%) pelo método de Mantel-Haenszel. Resultados: observou-se uma prevalência de 8.26% de diagnóstico de depressão, fatores sócio-demográficos e hábitos de vida estiveram associados à diagnóstico de depressão. Mulheres que tiveram relação sexual (OR=0.78; IC95% 0.69-0.87), usavam métodos contraceptivos (OR=0.78; IC95% 0.71-0.86) e estavam gestantes (OR=0,43; IC95% 0,30-0.63), apresentaram menor probabilidade de ter depressão. Em contrapartida, mulheres com autorrelato de saúde precária (OR=4.24; IC95% 3.64-4.94), vítimas de violência de pessoa conhecida (OR=2.79; IC95% 2.35-3.31) ou desconhecida (OR=1.86; IC95% 1.52-2.28), com menarca antes dos doze anos (OR=1.10; IC95% 1.01-1.21), com pelo menos um parto (OR=1.70; IC95% 1.52-1.92), submetidas a parto cesáreo (OR=1.33; IC95% 1.19-1.48), com filho com baixo peso (OR=1.36; IC95% 1.18-1.56) ou pré-termo (OR=1.69; IC95% 1.49-1.93) tiveram mais chances de ter depressão. Todas as condições crônicas analisadas aumentaram as chances para desfecho depressivo na amostra. Observou-se que mulheres que autorreferiram sua saúde como precária (OR=0.36; IC95%: 0.14-0.96), que relataram problemas de sono (OR=0.57; IC95%: 0.36-0.90) e sensação de cansaço ou indisposição (OR=0.52; IC95%: 0.33-0.83), tiveram menor probabilidade de fazer tratamento fisioterapêutico. Conclusão: este estudo demonstrou considerável prevalência de depressão entre as mulheres avaliadas, assim como, sua associação a fatores sociodemográficos, histórico ginecológico e reprodutivo e condições de saúde avaliados e que o tratamento fisioterapêutico para depressão, ainda não é uma realidade entre as mulheres brasileiras, uma vez que, pequena parcela realizou esse tipo de tratamento.


  • Mostrar Abstract
  • Depression is a public health problem and affects patients, families and caregivers, and it is among the ten leading causes of disability in the world. Women are twice as affected by depression than men. Aim: This study evaluated prevalence and factors associated to depression in Brazilian women at reproductive age. Methods: 22,621 women aged 18-49 years were analyzed from the National Health Survey 2013. The outcomes were depression diagnosis and physical therapy as an adjunct treatment in the management of depression, independent variables were sociodemographic items, lifestyle, reproductive history and chronic diseases. Descriptive and bivariate data analysis were conducted. Results: there was a prevalence of 8.26% of depression diagnosis, socio-demographic factors and lifestyle habits were associated to depression diagnosis. Women who have had sexual intercourse (OR=0.78; CI95% 0.69-0.87), who used contraception (OR=0.78; CI95% 0.71-0.86) and were pregnant (OR=0.43; CI95% 0.30-0.63) were less likely to have depression. In contrast, women with self-reported poor health (OR=4.24; CI95% 3.64-4.94), victims of violence from a known person (OR=2.79; CI95% 2.35-3.31) or unknown person (OR=1.86; CI95% 1.52-2.28 ), with menarche before twelve years (OR=1.10; CI95% 1.01-1.21), with at least one delivery (OR=1.70; CI95% 1.52-1.92), submitted to cesarean section (OR=1.33; CI95% 1.19- 1.48), with low birth weight child (OR=1.36; CI95% 1.18-1.56) or preterm (OR=1.69; CI95% 1.49-1.93) were more likely to have depression. Chronic conditions increased chances for depressive outcome. It was observed that women who self-reported their health as poor (OR=0.36; CI95%: 0.14-0.96), who reported sleep problems (OR=0:57; CI95%: 0.36-0.90) and feeling fatigue or indisposition (OR=0.52; CI95%: 0.33-0.83) were less likely to be under physical therapy treatment. Conclusions: This study showed considerable prevalence of depression among the women studied, as well as its association to sociodemographic factors, gynecological and reproductive history and health conditions and It was observed that physical therapy treatment for depression is still not usual among Brazilian women, since only a small portion performed this type of treatment.

5
  • DIANA AMÉLIA DE FREITAS
  • MÉTODO BUTEYKO PARA CRIANÇAS COM ASMA - ESTUDO CONTROLADO RANDOMIZADO

  • Orientador : KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BALDOMERO ANTONIO KATO DA SILVA
  • GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • LIRIA YURI YAMAUCHI
  • PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • Data: 03/11/2016

  • Mostrar Resumo
  • INTRODUÇÃO: A asma é a doença crônica mais comum em crianças e
    se tornou um problema de saúde pública devido aos seus grandes
    custos em cuidados de saúde. O método Buteyko é um exercício
    respiratório, constituindo uma intervenção não farmacológica de
    baixo custo que vem sendo utilizada por fisioterapeutas em diferentes
    países no tratamento de pacientes asmáticos. OBJETIVO: Avaliar os
    efeitos do método Buteyko como terapia adjunta no tratamento de
    crianças asmáticas. MÉTODOS: Estudo controlado randomizado
    simples-cego, devidamente cadastrado no _ClinicalTrails.gov_, que
    avaliou 32 crianças de 7 a 12 anos com diagnóstico clínico de asma.
    As crianças participantes foram aleatoriamente randomizadas em dois
    grupos: grupo Buteyko e grupo controle. O grupo Buteyko foi formado
    por 16 crianças que realizaram 3 semanas de tratamento presencial (2
    sessões semanais) com o Método Buteyko. As crianças também
    realizaram o Método Buteyko em casa diariamente durante o período do
    tratamento. O grupo controle foi formado por 16 crianças que
    receberam, juntamente com seus pais e/ou responsáveis, intervenções
    educativas em relação à asma. Foram realizadas avaliações
    antropométricas, de qualidade de vida por meio do questionário PAQLQ
    (_Paediatric Asthma Quality of Life Questionnaire_), de função
    pulmonar (espirometria) e de capacidade de exercício (teste de
    caminhada dos 6 minutos – TC6M). Além disso, foram coletadas
    informações quanto à ocorrência de hospitalizações, visitas ao
    pronto-socorro, faltas na escola por exacerbação da doença, crises
    alérgicas e de asma e uso da medicação para alívio de sintomas. As
    avaliações ocorreram em dois momentos: antes do início do
    treinamento e após as 3 semanas de tratamento. Os dados foram
    analisados por meio do _software _SPSS 20.0, com nível de
    significância de 5%. A normalidade dos dados foi verificada pelo
    teste Shapiro-Wilk. As variáveis contínuas com distribuição normal
    foram apresentadas como médias e desvios padrões. Aquelas com
    distribuição não normal como medianas e intervalos interquartis. As
    variáveis categóricas foram apresentadas como frequência. Os testes
    Mann-Whitney e Wilcoxon foram utilizados para comparar os escores do
    PAQLQ entre os grupos e intragrupos, respectivamente. A comparação
    entre os grupos e intragrupos das variáveis de espirometria e de
    distância percorrida no TC6M foi realizada por meio da ANOVA
    _two-way_ com _post hoc_ de Bonferroni. O teste Exato de Fisher foi
    realizado para comparar, entre os grupos controle e Buteyko, a
    ocorrência de crises alérgicas e de asma, faltas na escola por
    exacerbação da doença e uso de medicação de alívio. RESULTADOS:
    A comparação intragrupos mostrou melhora para todos os escores de
    qualidade de vida em ambos os grupos e melhora no pico de fluxo
    expiratório (PFE) no grupo Buteyko. A comparação entre os grupos
    mostrou melhora para dois parâmetros de função pulmonar (relação
    do volume expiratório forçado no primeiro segundo com a capacidade
    vital forçada - VEF1/CVF e fluxo expiratório forçado entre 25% e
    75% da capacidade vital forçada - FEF25-75%) e menor ocorrência de
    crises de asma, uso de medicação para alívio dos sintomas e faltas
    na escola por exacerbação da doença no grupo Buteyko. CONCLUSÃO:
    Dados do presente estudo mostram que o Método Buteyko otimizou
    parâmetros de função pulmonar (VEF1/CVF, FEF25-75% e PFE) e relatos
    de sintomas (crises de asma, uso de medicação para alívio dos
    sintomas e faltas na escola) na população estudada. Tanto o Método
    Buteyko quanto a educação sobre asma foram capazes de melhorar a
    qualidade de vida nas crianças avaliadas.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Asthma is the most common chronic disease among children and became a public health problem due to its high cost in health care. The Buteyko method is a breathing exercise and a low cost and non-pharmacological intervention that has been used by physical therapists in different countries in the treatment of patients with asthma. Objective: To assess the effects of the Buteyko method as an adjunct therapy on the treatment of children with asthma. Methods: Single-blind randomized controlled trial registered on ClinicalTrails.gov that assessed 32 children aged 7 to 12 years old with asthma diagnose. Children were randomized into two groups: Buteyko group and control group. Buteyko group consisted of 16 children who underwent three weeks of treatment (two sessions per week) with the Buteyko method. Children also performed the Buteyko Method daily at home during the treatment period. Control group consisted of 16 children who received, along with their parents and / or guardians, educational interventions on asthma. We assessed quality of life by the PAQLQ (Paediatric Asthma Quality of Life Questionnaire), lung function (spirometry) and exercise capacity (six-minute walk test). Morever, we colected data regarding occurrence of admissions to hospital, visits to the emergency room and days off school due to asthma exacerbations, episodes of allergy and asthma exacerbations, and reliever medication usage. Assessments were held in two moments: before and after the three weeks of treatment. Data were analyzed by the SPSS software with a significant level of 5%. Data normality was analyzed by the Shapiro-Wilk test. Continuous variables with normal distribution were expressed as means and standard deviations. Those with a non-normal distribution as median and interquartile ranges. Categorical variables were expressed as frequency. The Mann-Whitney U and Wilcoxon tests were used to compare the scores of PAQLQ between and intragroups, respectively. Between and intragroup comparison of the spirometry variables and the 6-minute walk test distance was performed by two-way analysis of variance (with a Bonferroni Post Hoc Test). The Fisher exact test was used to compare the occurrence of visits to the emergency room and days off school due to asthma exacerbations, episodes of allergy and asthma exacerbations, and reliever medication usage between groups. Results: Intragroup analysis showed an improvement in all quality of life scores in both groups and in peak expiratory flow (PEF) in the Buteyko group. Between-group analysis showed an improvement in two lung function parameters (forced expiratory volume in 1s / forced vital capacity ratio- FEV1/FVC and forced expiratory flow between 25 and 75% of forced vital capacity - FEF25-75%) and fewer occurance of episodes of asthma exacerbations, reliever medication usage and days off school due to asthma exacerbations in the Buteyko group. Conclusion: Data from the present showed that the Buteyko Method was effective to improve some lung function (FEV1/FVC, FEF25-75% and PEF) and symptoms parameters (episodes of asthma exacerbations, reliever medication usage and days off school due to asthma exacerbations). Both the Buteyko Method and asthma education improved quality of life in the children assessed. 

6
  • THALITA MEDEIROS FERNANDES DE MACEDO LINS
  • Efeitos do método buteyko em crianças asmáticas respiradoras orais: estudo controlado randomizado

  • Orientador : KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BALDOMERO ANTONIO KATO DA SILVA
  • GARDENIA MARIA HOLANDA FERREIRA
  • KARLA MORGANNA PEREIRA PINTO DE MENDONCA
  • LIRIA YURI YAMAUCHI
  • PATRICIA ANGELICA DE MIRANDA SILVA NOGUEIRA
  • Data: 04/11/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: A asma é uma das doenças crônicas mais comuns em crianças, com importante morbidade e mortalidade nos indivíduos acometidos. A respiração oral é um distúrbio respiratório também com elevada prevalência na população infantil. Terapêutica não farmacológica tem sido amplamente utilizada na busca de terapias alternativas no tratamento dessa patologia, dentre elas, encontra-se o método Buteyko. Objetivo: Avaliar os efeitos do método Buteyko como terapia adjunta no tratamento de crianças asmáticas respiradoras orais. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo controlado, randomizado e simples-cego onde 35 crianças com asma do tipo leve ou moderada, na faixa etária entre 7 e 12 anos e diagnóstico fonoaudiológico de respirador oral foram divididas em 2 grupos (Buteyko e controle). Todas as crianças realizaram avaliação respiratória em dois momentos: inicial e final. Foram realizadas avaliações antropométricas, dos distúrbios de sono por meio da Escala de Distúrbios de Sono em Crianças, da função pulmonar (ventilometria e espirometria) e do relato de sintomas (hospitalização e faltas na escola). As crianças do grupo Buteyko (20 crianças) realizaram treinamento presencial em grupo do método Buteyko duas vezes por semana durante 3 semanas e monitoramento semanal do controle de sintomas foi realizado nos dias presenciais. Foi fornecido um vídeo com orientações para a realização do método Buteyko diariamente no domicílio. As crianças do grupo controle (15 crianças) receberam aula educativa e foram contatadas semanalmente para relato do controle dos sintomas. Os dados foram analisados por meio do software SPSS 20.0, com nível de significância de 5%. A normalidade dos dados foi verificada pelo teste de Shapiro-Wilk, o de Levene para homogeneidade das variâncias e ANOVA two way para verificar diferenças intra e intergrupos. O test t de student não pareado foi realizado para comparar a variável altura e o de Mann-whitney para comparação das variáveis peso, idade, percentil e faltas na escola entre os grupos. O teste Exato de Fisher foi realizado para comparar a distribuição de gêneros e a classificação da asma e o qui-quadrado para comparar o percentual de distúrbios do sono apresentado pelas crianças inicialmente. Resultados: Após o treinamento, o grupo Buteyko melhorou de forma significativa os escores das dimensões distúrbios respiratórios do sono, distúrbios do despertar, distúrbios de transição sono vigília (DTSV), escore total dos distúrbios do sono, capacidade vital forçada (CVF), pico de fluxo expiratório e fluxo expiratório forçado entre 25% e 75% da CVF (FEF25-75%). Comparativamente ao grupo controle, na avaliação final, o grupo Buteyko melhorou também os DTSV, escore total do sono, FEF25-75%, a relação entre o volume expiratório forçado no primeiro segundo com a CVF e o número de faltas na escola. Conclusão: O treinamento com método Buteyko proporcionou melhora dos distúrbios do sono, da função pulmonar e redução do número de faltas na escola de crianças asmáticas respiradoras orais.



  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Asthma is one of the most common chronic diseases in children, with significant morbidity and mortality in affected individuals. Mouth breathing is a breathing disorder also highly prevalent in children. Non pharmacologic therapy has been widely used in the search for alternative therapies in the treatment of this pathology, among them is the Buteyko method. Objective: To evaluate the effects of the Buteyko method as adjunctive therapy in the treatment of children with asthma mouth breathing. Methods: This is a controlled, randomized, single-blind where 35 children with asthma mild to moderate type, aged between 7 and 12 years old and diagnosis of mouth breathers were divided into 2 groups (Buteyko and control). All children underwent respiratory assessment in two stages: initial and final. anthropometric evaluations were performed, of sleep disorders through the Sleep Disturbance Scale for Children, pulmonary function (spirometry and ventilometry) and the reporting of symptoms (hospitalization and lack of schools). Children of the Buteyko group (20 children) conducted classroom training in Buteyko method the group twice a week for 3 weeks and weekly monitoring of symptom control was carried out in the presence days. A video with guidelines for the conduct of the Buteyko method daily at home was provided. The children in the control group (15 children) received education class and have weekly contact for symptom control report. Data were analyzed using the SPSS 20.0 software with 5% significance level. The normality of the data was verified by the Shapiro-Wilk test, Levene for homogeneity of variances and two-way ANOVA to verify intra and inter-group differences. The test t student unpaired was conducted to compare the variable height and the Mann-Whitney to compare the variables weight, age, percentiles and lack of schools among the groups. Fisher's exact test was used to compare the distribution of genders and classification of asthma and the chi-square test to compare the percentage of sleep disorders presented by children initially. Results: After training, the Buteyko group significantly improved the scores of the dimensions sleep-disordered breathing, waking disorders, sleep wake transition disorders, total score of sleep disorders, forced vital capacity (FVC), peak expiratory flow and forced expiratory flow between 25% and 75% of FVC (FEF25-75%). Compared to the control group in the final assessment, the Buteyko group also improved sleep wake transition disorders, total score of sleep, FEF25-75%, the ratio of forced expiratory volume in one second with FVC and the number of absences in school. Conclusion: The training with Buteyko method provided improvement in sleep disorders, lung function and reduce the number of absences in school children with asthma mouth breathing.

7
  • BRUNA SILVA OLIVEIRA
  • COMPRIMENTO DE TELÔMERO E CURSO DE VIDA: RELAÇÕES COM CONDIÇÕES DE SAÚDE, MARCADORES INFLAMATÓRIOS E DESEMPENHO FÍSICO EM IDOSAS DA COMUNIDADE

  • Orientador : RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA CAROLINA PATRICIO DE ALBUQUERQUE SOUSA
  • DANIELE SIRINEU PEREIRA
  • FLORENCIA MARÍA BARBÉ-TUANA
  • MARIA BERNARDETE CORDEIRO DE SOUSA
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • Data: 25/11/2016

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: o comprimento do telômero (TL) tem sido apontado como um possível biomarcardor do envelhecimento celular, pois ocorre encurtamento fisiológico e progressivo do seu comprimento com o decorrer das replicações celulares e com o envelhecimento. Adicionalmente a esse encurtamento fisiológico, a disfunção do TL também é favorecida pela exposição ao estresse oxidativo, inflamação e após o estresse psicossocial crônico. Estudos evidenciam associações entre o comprimento do TL e adversidades ao longo do curso da vida, doenças cardiovasculares, câncer, acidente vascular cerebral, obesidade, depressão e menor desempenho físico. Entretanto, ainda existe uma lacuna de conhecimento em populações especificas e peculiares como as mulheres idosas do nordeste brasileiro. Considerando que maior exposição ao estresse crônico e precárias condições socioeconômicas representam importante impacto sobre as condições de saúde de um indivíduo e que o Rio Grande o Norte (RN) pertence a uma região do Brasil menos favorecida socioeconomicamente, principalmente em relação ao nível de escolaridade, estudos sobre biomarcadores e curso de vida nessa população podem auxiliar na compreensão de fatores biológicos envolvidos com prejuízos à saúde. Objetivos: 1) explorar evidências sobre associações entre estresse crônico durante o curso de vida e comprimento de TL por meio de revisão sistemática; 2) analisar possíveis associações entre comprimento de TL e adversidades na infância (social e econômica) em uma população de mulheres idosas com diferentes níveis de educação; 3) avaliar se o comprimento do TL está relacionado com doenças crônicas e biomarcadores sanguíneos alterados em mulheres idosas; e 4) verificar se telômeros mais curtos estão associados com pior desempenho físico e maior auto relato de limitações funcionais. Materiais e métodos: foi desenvolvida uma revisão sistemática seguindo protocolo publicado em 2014. Em paralelo, realizou-se um estudo observacional analítico de caráter transversal com uma amostra de mulheres (n=106) com idade entre 64-74 anos e residentes no Município de Natal/RN. Os dados foram coletados no período de maio de 2014 a março de 2015. O comprimento relativo de TL de leucócitos foi medido por meio da qPCR em tempo real em 83 mulheres com diferentes níveis de escolaridade: médio incompleto (n=42) e médio completo ou mais anos de estudo (n=41). O questionário padronizado incluiu informações sociodemográficas, adversidades na infância, medidas antropométricas, auto relato de saúde, função cognitiva, hábitos de vida, condições crônicas, capacidade funcional e desempenho físico (short physical performance battery, velocidade da marcha, teste de levantar/sentar da cadeira e força de preensão manual). Foram coletadas também variáveis bioquímicas, incluindo biomarcadores inflamatórios (interleucina-6 e proteína c reativa). A análise dos dados foi realizada por meio do programa estatístico SPSS versão 20. Foi considerado p<0,05 e intervalos de confiança de 95%. Para verificar a normalidade dos dados foi utilizado o teste de Kolmogorov-Smirnov. Como o comprimento relativo de TL apresentou distribuição não normal, a transformação da medida em logaritmo natural foi realizada para as análises subsequentes. Para comparar médias e frequências das variáveis entre os grupos educacionais foram utilizados teste t ou qui-quadrado. Foram realizados modelos de regressão linear múltipla spline para análise da associação entre TL e adversidades na infância ajustadas pelos potenciais fatores de confusão (idade e abuso de álcool pelos pais). Para verificar associações independentes entre o comprimento de TL com as variáveis bioquímicas e as variáveis de desempenho físico foram realizados modelos de regressão linear ajustados pelos seguintes fatores: idade, educação e experiência de adversidades na infância. Resultados: na revisão sistemática os resultados foram relatados de acordo com o Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses. Dezoito estudos publicados até 01 de maio de 2015 investigaram a associação entre estresse social crônico, caracterizado por pobreza, exposição à violência e cuidar de familiar doente e comprimento dos telômeros. No geral, indivíduos expostos ao estresse crônico apresentaram telômeros mais curto em relação aos indivíduos não expostos às adversidades. As análises do estudo transversal mostraram que as idosas com menos anos de estudo apresentaram maior comprimento de TL em comparação com o grupo de alta educação (2.8 ± 0.9 e 2.0 ± 0.9, respectivamente; p = 0,0001). As mulheres que não concluíram o ensino médio foram expostas a mais adversidades na infância, e entre estas, as que sofreram duas ou mais adversidades apresentavam TL mais longo do que as mulheres expostas a ≤1 adversidades (p = 0,03); entre as mulheres com no mínimo o ensino médio de grau de escolaridade ou mais anos de estudo, essa diferença não foi significativa (p = 0,49). Em análises ajustadas por idade, escolaridade e abuso parental de álcool, a tendência linear de maior TL com maior número de adversidades foi confirmada (p = 0,02) e a média da diferença no comprimento do TL entre os grupos educacionais permaneceu significativa (p = 0,002). Não observou-se diferença entre os grupos educacionais em relação as variáveis bioquímicas (colesterol, triglicérides, hemoglobina glicada, proteína c reativa ou interleucina-6) (p>0,05). Condições crônicas, medidas antropométricas, fatores de risco cardiovasculares e marcadores inflamatórios não foram associados com o comprimento do TL, mesmo após o ajuste para idade, escolaridade e adversidades na infância (p>0,05). Igualmente, o comprimento de TL não foi relacionado com nenhuma das variáveis utilizadas para avaliar o desempenho físico e a capacidade funcional (p>0,05) nem após ajuste pelas variáveis: idade, nível educacional e experiências de adversidades na infância. Conclusões: A relação positiva inesperada entre menor escolaridade e adversidades na infância com TL na nossa amostra sugere que os participantes sobreviveram a duras condições de vida e que provavelmente essas mulheres têm o TL mais longo em relação ao daquelas de sua coorte de nascimento. A ausência de relação entre comprimento de TL e doenças crônicas, risco cardiovascular, inflamação e desempenho físico não deu suporte à hipótese de que o TL é um bom biomarcador do envelhecimento na população em estudo.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: telomere length (TL) has been suggested as a possible biomarcardor of cellular aging because occurs physiological and progressive TL shortening with cell replication and aging. In addition, TL dysfunction is also favored by exposure to oxidative stress, inflammation and after chronic psychosocial stress. Studies have shown associations between TL length and life course adversities, cardiovascular disease, cancer, stroke, obesity, depression and poor physical performance. However, there is lack of knowledge in specific and particular populations such as older women in Northeastern Brazil. Whereas greater exposure to chronic stress and poor socioeconomic conditions represent major impact on the individual health status, and such as Rio Grande do Norte (RN) belongs to less socioeconomically favored Brazil region, especially in relation to education level, studies on biomarkers and life course in this population may help to understand the biological factors related to health hazards. Objectives: 1) to explore evidence on associations between chronic stress in life course and TL length through systematic review; 2) to analyze associations between TL length and childhood adversities (social and economic) in older women with different education levels; 3) to assess whether TL length is related to chronic diseases and altered blood biomarkers in older women; and 4) to verify whether shorter telomeres are associated with poor physical performance and more self-reported functional limitations. Methods: A systematic review was developed following the protocol published in 2014. In parallel, we developed a cross-sectional study with women sample (n = 106) aged 64-74 years and living in Natal, RN. Data were collected from May 2014 to March 2015. The relative TL length from peripheral blood leukocytes was measured by qPCR in real time in 83 women with different educational levels: less than secondary education (n = 42) and secondary or more education (n = 41). The questionnaire included sociodemographic information, childhood adversity experiences, anthropometric measures, self-report health, cognitive function, lifestyle, chronic conditions, functional limitations and physical performance (short physical performance battery, gait speed, chair test, and handgrip strength). It was also collected biochemical variables, including inflammatory biomarkers (interleukin-6 and C-reactive protein). Data analysis was performed using SPSS version 20, it was considered p <0.05, and 95% confidence intervals. The Kolmogorov–Smirnov test was used to check data normality. Since T/S ratio measures were highly skewed, the log transformed values was performed for subsequent analysis. To compare means and frequencies of variables between educational groups was used Student’s t test or chi-square tests. Spline multiple linear regression models were performed for association between TL and childhood adversities adjusted by potential confounding factors (age and parental alcohol abuse). To check independent associations between TL length and biochemical variables, and physical performance variables were performed linear regression models adjusted by the following factors: age, education and childhood adversity experiences. Results: the systematic review results were reported according to the Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses. Eighteen studies published up to May 1, 2015 investigated the association between chronic social stress, characterized by poverty, exposure to violence and caregiving and TL length. In general, individuals exposed to chronic stress had shorter telomeres compared to individuals not exposed to adversities.The cross-sectional study showed that older women with low education had longer TL than the high education group (2.8 ± 0.9 and 2.0 ± 0.9, respectively; p = 0.0001). Women with less than secondary education had been exposed to more childhood adversities, and among them, those experiencing two or more adversities had longer TL than women exposed to ≤1 adversity (p = 0.03); among women with high education, this difference was not significant (p = 0.49). In analyses adjusted by age, education and parental alcohol abuse, the linear trend of higher TL with increasing adversities was confirmed (p = 0.02), and the mean difference in TL length between educational groups remained significant (p = 0.002). No difference was observed between educational groups regarding the biochemical variables (cholesterol, triglycerides, glycated hemoglobin, c-reactive protein and interleukin-6) (p > 0.05). Chronic conditions, anthropometric measures, cardiovascular risk factors and inflammatory markers were not associated with TL length, even after adjusting by age, education and childhood adversities (p> 0.05). Likewise, TL length was not related to variables used to assess physical performance and functional capacity (p> 0.05), nor after adjustment for age, educational level and adverse childhood experiences. Conclusions: The unexpected positive relationship between low education and adverse childhood experiences with TL suggests that our sample who has survived harsh living conditions prevailing in Northeast Brazil, and these women have the longest TL of their birth. The lack of relationship between TL length and chronic diseases, cardiovascular risk, inflammation and physical performance gave no support to the hypothesis that TL is a good biomarker of aging in our population.

8
  • LUCIANA PROTASIO DE MELO
  • Fatores Epidemiológicos, Clínicos e Funcionais de Pacientes com Acidente Vascular Cerebral no Nordeste Brasileiro

  • Orientador : TANIA FERNANDES CAMPOS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
  • RICARDO OLIVEIRA GUERRA
  • TANIA FERNANDES CAMPOS
  • TIOTREFIS GOMES FERNANDES
  • VERALICE MEIRELES SALES DE BRUIN
  • Data: 29/11/2016

  • Mostrar Resumo
  • O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é um importante problema de saúde pública, por isso foi realizado um