Banca de DEFESA: GLEIDSON FRANCIEL RIBEIRO DE MEDEIROS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GLEIDSON FRANCIEL RIBEIRO DE MEDEIROS
DATA : 07/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do departamento de fisioterapia
TÍTULO:

ESTIMULAÇÃO CEREBRAL VIBROACÚSTICA BINAURAL NA REABILITAÇÃO DA MARCHA DE PACIENTES COM PARKINSON


PALAVRAS-CHAVES:

Doença de Parkinson, Marcha, Eletroencefalografia, Estimulação Acústica, Reabilitação Neurológica.

 

 


PÁGINAS: 12
RESUMO:

RESUMO

A Doença de Parkinson é uma patologia do sistema nervoso central crônica, degenerativa, progressiva que acomete os gânglios da base, destruindo os neurônios da substância negra e reduzindo a dopamina no cérebro, suscitando um quadro de bradicinesia, tremor ao repouso, rigidez, alterações posturais, do equilíbrio e da marcha. Dentre os principais protocolos de reabilitação motora para a marcha do Parkinson destaca-se o treino na esteira. Além deste, destaca-se atualmente a modulação cerebral com corrente contínua. A estimulação cerebral vibro-acústica binaural (ECVAB) é um tipo de modulação cerebral, de menor custo, com poucos estudos na área da reabilitação motora, motivos pelos quais se justifica este trabalho. O objetivo desse estudo, foi investigar os efeitos da ECVAB na  marcha de idosos com Parkinson. Participaram deste estudo 18 pessoas com Parkinson graus 2 a 4, na escala de Hoehn Yahr com idades entre 55 e 75 anos. Foram alocados em Grupo experimental (GE), tratados com ECVAB e Treino de Marcha na Esteira (TM); e Grupo Controle (GC), tratados com Estimulação Cerebral Placebo (ECP) e TM. Inicialmente, os sujeitos foram avaliados pelo protocolo de estadiamento Hoehn e Yahr; pelo Functional Gait Assessment e pelo Freezing Of Gait Questionnaire; em seguida, aleatorizados nos grupos correspondentes para a intervenção, sendo o GE, tratado com 20 minutos de ECVAB seguido de 30 minutos de TM, e o GC com 20 minutos de ECP, seguido de 30 minutos de TM. Foram realizadas 16 sessões, durante 8 semanas. Após 48hs da última sessão, os pacientes foram reavaliados. A análise estatística foi feita atribuindo-se o nível de significância de 5%. Foi utilizado o teste de Kruskal-Wallis com Post Hok para comparação dos valores do grupo controle e experimental antes e após a intervenção.

Como resultado, no grupo controle foi observada melhoria na FGA apenas no critério de marcha com olhos fechados (X2: 4,07; P:0,043). Não foram observados resultados significativos quanto aos critérios da FOG-Q.

Já para o grupo experimental, observou-se melhoria tanto para a FGA:  velocidade da marcha (X2: 3,92; P: 0,048) e capacidade de transpor obstáculos (X2: 4,13; P: 0,042), quanto para a FOG-Q: congelamento durante a marcha (X2: 3,92; P:0,048), congelamento e as AVD’s (X2: 6,97; P:0,008), pés colados (X2: 4,98; P:0,026), e tempo de permanência do congelamento (X2: 6,12; P:0,013). Diante do exposto, pode-se sugerir que o protocolo de intervenção com ECVAB associada a esteira (grupo experimental) foi melhor para o tratamento da fluência da marcha quando comparado ao protocolo de esteira isolado (grupo controle).

 


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1369275 - CLECIO DE OLIVEIRA GODEIRO JUNIOR
Presidente - 2374822 - FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
Externa à Instituição - LUCIANA PROTASIO DE MELO - UES - RN
Notícia cadastrada em: 27/01/2020 07:50
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa15-producao.info.ufrn.br.sigaa15-producao