Banca de DEFESA: ALANE MACATRAO PIRES DE HOLANDA ARAUJO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ALANE MACATRAO PIRES DE HOLANDA ARAUJO
DATA : 28/02/2019
HORA: 14:00
LOCAL: AUDITÓRIO DO DEPTO DE FISIOTERAPIA
TÍTULO:

AVALIAR O EFEITO DA TERAPIA LASER DE BAIXA INTENSIDADE NO ALÍVIO DE DOR DA INCISÃO CESARIANA: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO E DUPLO CEGO


PALAVRAS-CHAVES:

Periodo Pós-parto; Fototerapia; Analgesia; Qualidade de vida


PÁGINAS: 33
RESUMO:

Introdução e Objetivo: A dor na região da incisão cesariana é a principal queixa das puérperas no pós parto imediato e considerada como morbidade pós materna de difícil recuperação. Este estudo teve como objetivo avaliar o efeito da Terapia Laser de Baixa Intensidade (LBI) para alívio da dor na região da incisão cirúrgica das mulheres submetidas à cesárea. Desenho/Materiais e Métodos: Ensaio clínico randomizado-controlado, duplo cego, composto por 88 mulheres no puerpério imediato randomizadas em quatro grupos: grupo controle (sem aplicação de LBI, n=20), grupo placebo (aplicação de LBI sem emissão de radiação, n=20), grupo experimental I (aplicação LBI com dosagem de 4J/cm2, n=17) e grupo experimental II (aplicação LBI com dosagem de 2J/cm2, n=17). Houveram 14 perdas devido as seguintes causas: não aceitar realizar a avaliação clínica da dor, puérpera com dificuldade de comunicação e expressão, alta hospitalar antes de finalizar as coletas, ausência de quadro álgico na avaliação inicial e presença de hemorragia como intercorrência clínica. A terapia com LBI utilizou um comprimento de onda de 660nm, modo contínuo, e potência de 30mW. Todas as voluntárias foram entrevistadas com um questionário geral sobre as informações sociodemográficas e obstétricas na primeira avaliação. A avaliação clínica foi realizada em três momentos distintos: primeira entre 8 e 12 horas, segunda entre 20 e 24 horas e terceira entre 44 e 48 horas pós o parto. Para avaliação da dor foram utilizados a Escala PGIC e a algometria. Os grupos intervenção realizaram duas sessões sendo a primeira com 8-12 horas pós o parto e a segunda com 20-24 horas pós o parto. Na segunda e terceira avaliação também foi aplicada a Escala de Percepção Global de Mudança (PGIC) ocorreu no segundo e terceiro momento da avaliação do desfecho dor. Na análise estatística, os dados foram analisados utilizando o software SPSS 20.0 para Windows 23.0, atribuindo um nível de significância < 5%. A normalidade dos dados de cada grupo foi avaliada pelo teste de Shapiro-Wilk. A estatística descritiva foi apresentada por meio de medidas de tendência central. A ANOVA one-way e ANOVA de medidas repetidas. O tamanho do efeito foi demostrado pelo Cohen´s d. Resultados: Houve diferença estatisticamente significante entre os grupos na terceira avaliação númerica da dor (p=0,03) e na algometria (p=0,04). Também houve diferença significativa entre os grupos na primeira avaliação do PGIC (p=0,04) e na segunda avaliação (p=0,04). Considerando a escala númerica da dor, o tamanho do efeito nos grupos não intervenção foi de 11% (grupo placebo) e 43% (grupo controle). No grupo experimental I foi de 71% e no experimental II de 68%. Conclusão: A terapia LBI parece ter promovido efeitos benéficos para alívio de dor na ferida operatória em puérperas submetidas ao parto cesáreo.

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2786809 - MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
Externo ao Programa - 2646619 - RODRIGO PEGADO DE ABREU FREITAS
Externa à Instituição - CRISTINE HOMSI FERREIRA - USP
Notícia cadastrada em: 28/02/2019 11:31
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao