Banca de DEFESA: DÁUREA ADÍLIA CÓBE SENA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DÁUREA ADÍLIA CÓBE SENA
DATA : 23/06/2022
HORA: 14:00
LOCAL: DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA - AUDITÓRIO
TÍTULO:

ESTUDO DA IMUNOEXPRESSÃO DE PROTEINAS ENVOLVIDAS NA TRANSIÇÃO EPITÉLIO-MESENQUIMA EM TUMORES DE GL NDULA SALIVAR


PALAVRAS-CHAVES:

Neoplasias de glândula salivar, Transição epitélio-mesênquima (TEM), Snail1, Twist1, E-caderina, Vimentina, MMP9, Miofibroblastos, Imuno-histoquimica.


PÁGINAS: 157
RESUMO:

Os tumores de glândula salivar (TGS) apresentam notável complexidade clínica e biológica, razão para a qual muitos estudos investigam os eventos envolvidos na sua progressão. Uma das dinâmicas envolvidas na invasão tumoral de diversos tipos de carcinomas é a transição epitélio-mesênquima (TEM). Neste processo, as células epiteliais sofrem transição para um estado mesenquimal móvel, favorecendo a invasão e metástase. Para adquirir este fenótipo, as células epiteliais reduzem a expressão da E-caderina e aumentam a expressão de Twist1, Snail1, vimentina (VM) e metaloproteinases de matriz (MMPs). Aliado a isso, os miofibroblastos, presentes no estroma, expressam alfa-actina de músculo liso (α-SMA) e modulam a progressão tumoral. Sendo assim, esta pesquisa analisou a expressão imuno-histoquímica de algumas proteínas envolvidas no processo da TEM em uma série de casos de TGS, correlacionando-os entre si e com parâmetros clinicopatológicos. Foram selecionados 20 casos de Adenoma pleomórfico (AP), 20 casos de Carcinoma mucoepidermoide (CME), 20 casos de Carcinoma adenoide cístico (CAC), 10 casos de Adenocarcinoma polimorfo (ACP), 10 casos de Carcinoma epitelial-mioepitelial (CEME) e 10 casos de Carcinoma ex-adenoma pleomórfico (CexAP). A análise de E-caderina, Twist1, Snail1 foi realizada em parênquima tumoral sendo observado o percentual de células positivas (PP), com escores variando de 0 a 4 e a intensidade de expressão (IE), cujos escores variaram de 0 a 3. A avaliação de MMP-9 foi realizada em parênquima e estroma tumoral, também avaliando-se a PP e a IE, ambos baseados em escores que variaram de 0 a 3. A marcação para α-SMA e VM foi analisada em região de estroma tumoral. Células positivas para α-SMA foram contabilizadas em 10 campos, obtendo-se, então a média. A VM foi avaliada de forma qualitativa, utilizando-se 4 escores de acordo com a IE e se a marcação foi difusa ou focal. Os dados obtidos foram analisados no software Statistical Package for Social Science, GraphPad Prism e STATA. O nível de significância de 5% foi adotado para os testes estatísticos. Os pacientes do estudo foram principalmente do sexo feminino, com média de idade de 49,8 anos; as glândulas salivares maiores, foram o sítio anatômico mais afetado, predominantemente a parótida. Foi verificada menor imunomarcação de E-caderina nos APs em relação às neoplasias malignas de glândula salivar (NMGS). Observou-se baixa imunoexpressão de Twist1 e Snail1 em APs. Em relação a expressão nuclear do Twist1, constatou-se maior expressão nas neoplasias malignas quando comparadas aos APs. Ainda, Twist1 em núcleo foi correlacionado à expressão citoplasmática de E-caderina nas NMGS. No que concerne aos parâmetros clinicopatológicos, esta proteína se relacionou estatisticamente com maiores chances de óbito. A imunoexpressão do Twist1 em citoplasma, demonstrou perda da expressão nos CACs em comparação aos CMEs, ACPs e CEMEs. Foi evidenciada baixa imunoexpressão de Snail1 entre as NMGS. No entanto, na análise dos CACs, foi verificada maior expressão nuclear na variante sólida em relação às demais. A expressão de MMP-9 em parênquima demonstrou correlação positiva com Twist1 citoplasmático e Snail1nuclear nas NMGS. A MMP-9 também apresentou correlação positiva na comparação da sua imunoexpressão em região de parênquima e de estroma. A VM se apresentou como um biomarcador a ser considerado na avaliação clínica dos pacientes, já que esta apresentou relação significativa com tamanho do tumor (T3-T4) e maior frequência de óbito. Ademais, a alta expressão desta proteína se apresentou como um fator preditivo independente para piores taxas de sobrevida global (SG). A avaliação dos demais fatores clinicopatológicos apresentou estágios clínicos avançados como indicador de valor prognóstico independente para menores taxas de SG, enquanto que para a sobrevida livre da doença, estes foram a localização em glândula salivar menor e presença de metástase à distância. Nossos resultados sugerem que o processo de TEM pode estar relacionado ao estágio de diferenciação celular em APs e à progressão tumoral nas NMGS. Ressalta-se, também, maior participação de Twist1 e MMP-9 no cenário da TEM em tumores malignos de glândula salivar, além da possibilidade de utilização da VM como indicador de valor prognóstico.


MEMBROS DA BANCA:
Externa ao Programa - 3218128 - AMANDA KATARINNY GOES GONZAGA - UFRNExterna à Instituição - JAMILE MARINHO BEZERRA DE OLIVEIRA MOURA - UERN
Interno - 344668 - LEAO PEREIRA PINTO
Presidente - ***.887.244-** - LELIA BATISTA DE SOUZA - UFRN
Externo à Instituição - LEORIK PEREIRA DA SILVA - UFCG
Notícia cadastrada em: 10/06/2022 10:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao