Banca de QUALIFICAÇÃO: ONDINA KARLA MOUSINHO ROCHA TORRES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ONDINA KARLA MOUSINHO ROCHA TORRES
DATA : 26/04/2022
HORA: 14:30
LOCAL: PLATAFORMA REMOTA
TÍTULO:

Influência da via hippo em carcinomas de células escamosas de língua oral


PALAVRAS-CHAVES:

Câncer oral, Língua, Prognóstico, Imunoistoquímica, Via Hippo


PÁGINAS: 55
RESUMO:

O carcinoma de células escamosas de língua oral (CCELO) é uma neoplasia maligna com origem no epitélio de revestimento que apresenta pobre prognóstico, baixas taxas de sobrevida, invasão local rápida e propensão a metástases linfonodais precoces. Apesar dos enormes progressos nas últimas décadas, a compreensão dos processos biológicos e moleculares envolvidos nesta lesão, não está completamente elucidada. Por isso, os pesquisadores continuam em busca de biomarcadores moleculares que tenham valor preditivo para identificar pacientes de alto risco, como também, que possibilitem o desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas. A via Hippo vem sendo bastante estudada por apresentar funções no controle do tamanho dos órgãos, homeostase e regeneração tecidual, bem como, no processo da carcinogênese quando há inativação desta via. Existem várias proteínas envolvidas na ativação e inativação desta via. Em mamíferos, as principais proteínas, MST1/2 e LAST1/2, têm como principal função regular os coativadores de transcrição YAP e TAZ. Dependendo do estado de fosforilação do complexo YAP/TAZ, a via pode ser direcionada para um efeito supressor tumoral ou pró-oncogênico.  Por isso, as proteínas da via Hippo têm sido estudadas como possíveis marcadores de progressão tumoral, prognóstico e alvos terapêuticos, em algumas neoplasias, por estarem envolvidas na regulação de vários processos celulares. Portanto, esta pesquisa tem como objetivo avaliar a imunoexpressão de LATS2 e YAP1 em casos de CCELO, correlacionando as suas expressões com parâmetros clinicopatológicos e com a sobrevida dos pacientes.  A amostra será constituída por 60 casos de CCELO e 20 casos de mucosa oral normal. Para avaliar a morfologia dos casos de CCELO será utilizada a profundidade de invasão (DOI) incorporada ao parâmetro T do sistema TNM, bem como, as gradações propostas pela OMS (2005) e por Almangush et al. (2014). O perfil imunoistoquímico de LATS2 e YAP1 serão avaliados por escores, com base na sua localização intracelular (citoplasma e/ou núcleo) e distribuição epitelial. Para a análise entre os parâmetros estudados serão realizados os testes estatísticos Qui-quadrado de Pearson, Exato de Fisher, Mann-Whitney e Kruskal-Wallis. A análise de sobrevida será realizada através do método de Kaplan Meier e do teste log-rank. Para todas as avaliações serão considerados valores significativos com p<0,05.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 2492713 - ERICKA JANINE DANTAS DA SILVEIRA
Externo ao Programa - 2885547 - JOABE DOS SANTOS PEREIRA
Presidente - 1298808 - MARCIA CRISTINA DA COSTA MIGUEL
Notícia cadastrada em: 13/04/2022 12:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa27-producao.info.ufrn.br.sigaa27-producao