Banca de QUALIFICAÇÃO: MAHARA GABRIELLE BARBOSA DIOGENES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MAHARA GABRIELLE BARBOSA DIOGENES
DATA : 08/03/2024
HORA: 09:00
LOCAL: https://meet.google.com/snq-aiwk-fxp
TÍTULO:

EFEITO DO ANTIBIÓTICO AZITROMICINA NO CICLO DE DESENVOLVIMENTO DE Chrysomya megacephala (DIPTERA: CALLIPHORIDAE) E AVALIAÇÃO DE NOVA DIETA PARA MANUTENÇÃO DA ESPÉCIE EM LABORATÓRIO


PALAVRAS-CHAVES:

Entomologia forense, azitromicina, entomofauna cadavérica, criação de dípteros, bionomia 


PÁGINAS: 50
RESUMO:

Decorrente do cenário pandêmico perpassado em 2020, 2021 e, ainda em 2022, o antibiótico azitromicina foi utilizado como um dos itens presentes no “kit covid”, amplamente utilizado durante a pandemia de COVID-19. O presente trabalho possui como objetivos analisar os efeitos do antibiótico azitromicina no desenvolvimento de Chrysomya megacephala, além de avaliar e propor nova dieta para manutenção dessa espécie em laboratório. Metodologia: Para a realização do primeiro objetivo foram utilizados 200 ovos, para cada tratamento, mantidos em insetário e criados em recipientes plásticos contendo carne moída crua acrescida de azitromicina em três concentrações: D1(30μl), D2 (60μl) e D3 (120μl). O monitoramento foi realizado a cada seis horas, onde observou-se a inibição da emergência, duração de cada estágio/estádio e aferições de massa e tamanho. Para o segundo objetivo, foram comparadas 10 dietas: oito tipos de rações úmidas em sachês para pets, uma de carne moída bovina e uma dieta artificial que utiliza levedo de cerveja, leite em pó e farinha láctea. Em 120g de cada dieta foram acrescidos 100 ovos de C. megacephala e o monitoramento foi realizado a cada 12h, observando-se inibição da emergência, duração de cada fase e aferição de massa e tamanho. Também foram realizadas análises bromatológicas e organolépticas das dietas. Os ensaios foram realizados em triplicata. Resultados e discussão: Verificou-se que os indivíduos em contato com a azitromicina apresentaram maior massa e tamanho, sobretudo na fase larval. Em relação a inibição de emergência, nos tratamentos D2 e D3, apresentaram menores índices, com 7,56% e 27,73%, respectivamente. O grupo D1 registrou a maior taxa de inibição, com 64,71%.  A duração do ciclo dos tratamentos com azitromicina apresentaram, no período larval, um adiantamento de 6h em relação ao controle, seguindo a mesma tendência no período de pupa. A emergência também foi observada 24h antes que o grupo controle, em todas as concentrações. Sobre as dietas avaliadas, os ensaios ainda estão sendo finalizados. As análises bromatológicas mostram que a dieta já utilizada possui cerca 7,14% de proteínas. Seguindo as mesmas análises, os dois sachês que apresentaram maior percentual de proteínas foram da marca whiskas, sabor cordeiro (9,56%) e frango (9,41%). A terceira, foi da marca GranPlus, sabor frango, para cães 9,30%).  Conclusão: Observou-se que azitromicina ocasionou um desenvolvimento distinto do controle, tanto no ciclo larval, pupal e emergência e  influenciou positivamente o ganho de massa e tamanho das larvas.. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1715271 - RENATA ANTONACI GAMA
Interno - 1143204 - RAFAEL WESLEY BASTOS
Interno - ***.948.304-** - TACIANO DE MOURA BARBOSA - UFRN
Notícia cadastrada em: 19/02/2024 22:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao