Banca de DEFESA: RAYANE FRANÇA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAYANE FRANÇA DA SILVA
DATA : 25/08/2022
HORA: 14:00
LOCAL: virtual
TÍTULO:

IMPACTO DA PANDEMIA DA COVID-19 NO PERFIL DE RESISTÊNCIA BACTERIANA EM UM HOSPITAL DA CIDADE DO NATAL-RN


PALAVRAS-CHAVES:

Antibióticos; Covid-19; Infecção relacionada à saúde; Resistência bacteriana; Coinfecção; Multirresistência.


PÁGINAS: 58
RESUMO:

A emergência da Covid-19 trouxe um cenário epidemiológico e sanitário incerto, acarretando no aumento do uso de antimicrobianos de forma empírica como prevenção de possíveis infecções bacterianas adquiridas de forma secundária à infecção viral em pacientes internados em UTIs. Este estudo tem como objetivo avaliar o impacto da pandemia da Covid-19 no perfil de resistência bacteriana em um hospital da rede privada localizado na cidade do Natal-RN. Trata-se de um estudo transversal descritivo de natureza retrospectiva, no qual foi avaliado o perfil de resistência de isolados bacterianos provenientes de pacientes internados em um período de três anos, abrangendo períodos pré-pandemia e de pandemia. Através das planilhas de notificação do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) do hospital estudado, constatou-se 4.330 (92,3%) culturas positivas para bactérias nos três anos avaliados. Os isolados bacterianos apresentaram distribuição igual entre pacientes do sexo feminino e masculino, com maior prevalência em hemoculturas (31%) e uroculturas (29,3%) e provenientes das UTIs (43,2%). Os pacientes com Covid-19 apresentaram 12,1% de coinfecção bacteriana. As bactérias mais prevalentes foram as Gram negativas Klebsiella spp. (26,5%), Pseudomonas spp. (22,4%) e Escherichia coli (11,6%). Dentre as Gram positivas, os Staphylococcus spp. foram os mais prevalentes (27,1%). A multirresistência foi observada em 2.767 (63%) das bactérias com as seguintes prevalências: Acinetobacter spp. 110 (86,8%), Pseudomonas spp. 679 (69,9%), Staphylococcus spp. 960 (81,8%) e Klebsiella spp. 692 (60,1%). Foi verificado uma associação estatisticamente significativa (p<0,001) da multirresistência com o período da pandemia (2020-2021) assim como, com os pacientes diagnosticados com COVID-19 (p=0,001). Esses resultados mostram que a COVID-19 pode implicar num possível aumento da circulação de cepas bacterianas mais resistentes no hospital estudado nos anos que se seguem, caso medidas de controle mais específica não sejam tomadas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CAIO AUGUSTO MARTINS AIRES - UFERSA
Interno - 348473 - JOSE VERISSIMO FERNANDES
Presidente - 1452833 - MARIA CELESTE NUNES DE MELO
Notícia cadastrada em: 24/08/2022 14:42
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao