Banca de DEFESA: MEIRE KARLA MIGUEL CRUZ

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MEIRE KARLA MIGUEL CRUZ
DATA : 23/02/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Reuniões do Centro de Biociências
TÍTULO:

Receptores da imunidade inata na Leishmaniose Visceral Canina 


PALAVRAS-CHAVES:

receptores da imunidade Inata, leishmaniose visceral canina, Leishmania infantum, receptores do tipo TOLL (TLRs) e NOD (NLRs).


PÁGINAS: 59
RESUMO:

Cães são os reservatórios primários dos parasitos do gênero Leishmania. Receptores da imunidade inata fazem a detecção precoce do parasito e conduzem a imunidade adaptativa específica na tentativa de controlar a infecção. Entretanto, poucos estudos tem investigado a correlação entre a expressão de receptores da imunidade inata e a resistência ou susceptibilidade em cães infectados por Leishmania infantum. O objetivo deste estudo foi correlacionar os achados clínicos em cães naturalmente infectados por L. infantum à expressão de receptores da imunidade inata (Toll Like Receptors-TLRs e Nod Like Receptors-NLRs). Inicialmente, o soro de 76 cães foi coletado no Centro de Controle de Zoonoses de Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. A positividade dos cães para L. infantum foi confirmada pela reatividade nos testes de ELISA e DPP®. Os cães foram clinicamente avaliados e classificados como sintomáticos (n=19), oligossintomáticos (n=19), assintomáticos (n=19) e não infectados (n=19). Os cães naturalmente infectados por L. infantum e controles não infectados foram eutanasiados e fragmentos de fígado foram coletados para quantificação da expressão de RNAm de TLRs (TLR1-9), NLRs (NOD1, NOD2, NLRP1 e NLRP3) citocinas (IL1β, IL-6, IL-12, IL-10, TNFα, IFN-γ) e iNOS com auxilio da técnica de PCR em tempo real. Os resultados demonstram o aumento na expressão da maioria dos receptores do tipo Toll e do tipo Nod nos cães naturalmente infectados por L. infantum, comparado a animais não infectados. Entretanto, cães sintomáticos apresentaram maior expressão de TLR1, TLR2, TLR3, TLR4, TLR5, TLR7, TLR8, NLRP1, NLRP3, NOD1 e IL-1β quando comparado a animais assintomáticos, mostrando significante aumento na transcrição destas moléculas com a progressão da doença. Por outro lado, cães assintomáticos apresentaram maior expressão de RNAm de citocinas (IFN-γ, IL-12) e iNOS quando comparado a animais oligossintomáticos e sintomáticos. Este estudo gerou novos conhecimentos envolvendo receptores da imunidade inata (TLRs, NLRs, NLRPs) na leishmaniose visceral canina (LVC), podendo servir de base para o melhor entendimento dos mecanismos de resistência ou susceptibilidade à infecção por L. infantum em cães, bem como dar subsídio a estratégias profiláticas para o controle da LVC.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1752367 - PAULO MARCOS DA MATTA GUEDES
Interno - 2213126 - VALTER FERREIRA DE ANDRADE NETO
Externo à Instituição - MARIA ADELAIDE DO VALLE MATTA - Fiocruz - RJ
Notícia cadastrada em: 08/02/2017 14:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao