Banca de DEFESA: NAYANA LUÍZA SOARES DE ARAÚJO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : NAYANA LUÍZA SOARES DE ARAÚJO
DATA : 24/02/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Reuniões do Centro de Biociências
TÍTULO:

Expressão de quimiocinas em pacientes portadores das diferentes formas clínicas crônicas da doença de Chagas 


PALAVRAS-CHAVES:

Doença de Chagas, Trypanosoma cruzi, quimiocinas, receptores de quimiocinas, formas clínicas.


PÁGINAS: 53
RESUMO:

As quimiocinas são conhecidamente participantes do influxo leucocitário no processo inflamatório, que é importante no desenvolvimento da cardiomiopatia chagásica e da forma digestiva da doença de Chagas. Neste estudo foi avaliada a expressão de RNAm de quimiocinas (CCL1, CCL2, CCL3, CCL4, CCL5, CCL17, CCL22, CCL24, CCL27, CCL28, CXCL9, CXCL10) e receptores de quimiocinas (CCR2, CCR3, CCR4, CCR5, CCR6, CCR7, CCR8, CCR10, CXCR3) em pacientes chagásicos crônicos com as formas clínicas indeterminada (n=18), cardíaca (n=17), cardiodigestiva (n=15) e digestiva (n=15). A expressão relativa de RNAm foi aferida por PCR em tempo real a partir de células mononucleares do sangue periférico. Pacientes portadores da forma cardíaca da doença apresentaram maior expressão de RNAm de CXCL9, CXCL10, CCR5 e CXCR3, quando comparado a pacientes com a forma indeterminada da doença. Pacientes com a forma digestiva exibiram uma maior expressão relativa de RNAm de CCR3 em relação a pacientes com a forma cardíaca e indeterminada; houve ainda correlação positiva entre a expressão deste receptor e a dilatação do sigmoide. Em pacientes portadores da forma cardiodigestiva houve elevada expressão de RNAm de CCL5, quando comparado à pacientes com a forma indeterminada e cardíaca. As quimiocinas CCL1, CCL2, CCL3, CCL4, CCL17, CCL22, CCL24, CCL27 e CCL28 e os receptores de quimiocinas CCR2, CCR4, CCR6, CCR7, CCR8 e CCR10 não apresentaram diferenças significativas em suas expressões de RNAm entre os diferentes grupos clínicos. Nossos resultados mostram que pacientes cardiopatas apresentaram maior expressão de RNAm de CXCL9, CXCL10, CCR5 e CXCR3, quimiocinas e receptores de quimiocinas que induzem a migração de linfócitos do perfil Th1, possivelmente contribuindo para maior miocardite e dano cardíaco. Por outro lado, pacientes portadores da forma digestiva apresentaram maior expressão de CCR3, receptor de quimiocinas envolvido na migração de linfócitos do perfil Th2.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - MANUELA SALES LIMA NASCIMENTO - IINN
Presidente - 1752367 - PAULO MARCOS DA MATTA GUEDES
Interno - 1715271 - RENATA ANTONACI GAMA
Notícia cadastrada em: 03/02/2017 13:05
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao