Banca de DEFESA: SUANY CAMPOS DA SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : SUANY CAMPOS DA SILVA
DATA : 16/05/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do CCET
TÍTULO:

Padrões Sazonais e Anuais do Fechamento e do Particionamento do Balanço de Energia em uma Área de Caatinga Preservada sob Condições de Seca Extrema


PALAVRAS-CHAVES:

Eddy covariance, Particionamento de energia, Fechamento de energia, Bioma Caatinga


PÁGINAS: 120
RESUMO:

O fechamento do balanço de energia obtido pelo método de covariância de vórtices turbulentos é um problema que persiste, apesar dos avanços no desenvolvimento e aperfeiçoamento de instrumentos e recentes esforços nas descrições de correções e na caracterização das incertezas das medições. Na maioria dos lugares, a soma dos fluxos de calor sensível e latente (H e λE) é menor do que a energia disponível, isto é, a diferença entre a radiação líquida (Rn) e o fluxo de calor no solo (G). Este estudo analisou o comportamento anual e sazonal do particionamento e balanço de energia no Bioma Caatinga, floresta tropical sazonalmente seca, localizada no semiárido do Brasil, utilizando o método de covariância de vórtices turbulentos. Os resultados mostraram alta variabilidade sazonal no particionamento de energia. Durante a estação seca, aproximadamente 70% do Rn foi convertido em H e menos de 5% foi convertido em λE. Durante a estação chuvosa, a porção do Rn convertida em H e λE foi similar: ~ 40%. Em termos anuais, a porção do Rn convertida em H e λE foi da ordem de 50% e 20%, respectivamente. O grau de fechamento do balanço de energia variou dependendo do método utilizado. Quando o fechamento foi calculado por meio de regressões ortogonais, a inclinação variou de 0,87 a 0,90 em 2014 e de 0,92 a 1,00 em 2015. No entanto, quando o fechamento foi calculado pelo método da razão do balanço de energia, os valores variaram de 0,70 a 0,79 em 2014 e de 0,73 a 0,82 em 2015. Observou-se uma melhora pouca significativa no fechamento do balanço de energia quando se incluíram as taxas de armazenamento no cálculo. O fechamento foi melhor em 2015 se comparado a 2014, possivelmente devido à turbulência mais intensa observada em 2015, uma vez que a velocidade de atrito foi maior do que em 2014. A relação entre a razão do balanço de energia e a velocidade de atrito mostrou claramente que quando a velocidade de atrito aumenta, o fechamento melhora. Além da turbulência, o melhor fechamento de 2015 em relação a 2014 também pode estar associado à ocorrência mais frequente de grandes redemoinhos em 2014, o que foi evidenciado pelos coeficientes de correção para velocidade vertical do vento e vapor d'água   e velocidade vertical do vento e temperatura . Em 2014, ambos os coeficientes foram menores do que em 2015, o que pode ter causado maiores resíduos naquele ano. O fechamento do balanço de energia também foi analisado considerando as condições de instabilidade atmosférica e os melhores resultados foram encontrados em condições muito instáveis , enquanto os resultados menos expressivos foram encontrados sob condições estáveis . Nessas condições, também foram observados valores negativos da razão do balanço de energia durante as estações secas e estações de transição, indicando que os fluxos foram invertidos durante essas estações.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2086472 - BERGSON GUEDES BEZERRA
Interno - 1752417 - CLAUDIO MOISES SANTOS E SILVA
Externa ao Programa - 859.425.702-30 - KEILA RÊGO MENDES - UFPE
Externo à Instituição - ANTONIO CELSO DANTA ANTONINO - UFPE
Externo à Instituição - LUIS MARCELO DE MATTOS ZERI
Notícia cadastrada em: 16/04/2019 08:12
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao