Banca de DEFESA: MARCELE DE JESUS CORREA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARCELE DE JESUS CORREA
DATA : 25/02/2019
HORA: 14:00
LOCAL: SALA 4, ECT
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DA URBANIZAÇÃO SOBRE AS TEMPERATURAS DO AR E DE SUPERFÍCIE NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA – CEARÁ


PALAVRAS-CHAVES:

Clima urbano. Efeito de urbanização. Teste Mann-Kendall. Land Use Land Cover. Land Surface Temperature. Normalized Difference Built-up Index.

 


PÁGINAS: 120
RESUMO:

A Região Metropolitana de Fortaleza, no estado do Ceará, apresenta população aproximada de 4,051 milhões de habitantes, sendo que mais da metade desta população se concentra em Fortaleza. A urbanização, o modo como se dá o processo de uso e ocupação do solo, propicia a formação de um clima próprio, que influencia o modo de vida da população destas áreas. O aumento da população urbana tem gerado anseios quanto ao estudo de alterações do clima em escala local e regional, na tentativa de compreender a relação entre as atividades antropogênicas e possíveis alterações no clima. Desta forma, o objetivo da pesquisa foi investigar o efeito da urbanização sobre as temperaturas do ar e de superfície na Região Metropolitana de FortalezaCE (estação urbana) e Jaguaruana (estação rural). Para tanto, primeiro, foram utilizados os dados observados da média mensal de temperatura do ar máxima e mínima de estações meteorológicas do Instituto Nacional de Meteorologia para o período de 1980 a 2017, e imagens de satélite do Landsat 5-Thematic Mapper e Landsat 8-Operational Lande Imager/Thermal Infrared Sensor referente a julho de 2006 e agosto de 2017, respectivamente. Assim, utilizaram-se os métodos paramétricos (Regressão Linear Simples) e não paramétricos (Mann-Kendall e Theil-Sen) para a investigação de tendência de temperatura do ar nas estações urbana e rural; método de classificação supervisionada por máxima verossimilhança para mudança no uso e cobertura da terra (Land Use Land Cover); o Normalized Difference Built-up Index para mapear áreas urbanas, bem como, algumas etapas do método Surface Energy Balance Algorithms for Land foram utilizadas para a obtenção da estimativa da temperatura de superfície (Land Surface Temperature). Os resultados obtidos para a temperatura do ar mostraram que: (i) foi constatada tendência linear positiva na média da temperatura máxima para a estação urbana de 0,37°C/década, enquanto que, para a estação rural, a tendência foi positiva para a média da temperatura mínima, porém não significante estatisticamente; (ii) o efeito de urbanização em relação à média da temperatura máxima entre as estações urbana e rural foi de 0,11°C/década. (iii) Para temperatura de superfície, o ano de 2017 apresentou uma diferença de 4,5°C na temperatura entre as estações urbana e rural, visto que foi constatado por meio do Land Use Land Cover aumento do solo exposto em ambas as regiões para os anos de 2006 e 2017. (iv) por meio do Normalized Difference Built-up Index constatou-se aumento da temperatura em relação à área construída tanto para a estação urbana quanto rural, sendo esta 2,5°C mais elevada que aquela, aproximadamente. No entanto, este índice não diferencia com precisão área urbana de solo exposto, visto que essas superfícies apresentam resposta espectral semelhantes para áreas construídas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1914304 - KELLEN CARLA LIMA
Interno - 2411669 - JONATHAN MOTA DA SILVA
Externo ao Programa - 1023112 - MARCELO BOURGUIGNON PEREIRA
Externo à Instituição - HELIOFABIO BARROS GOMES - UFAL
Notícia cadastrada em: 31/01/2019 11:13
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao