Banca de DEFESA: MARIA APARECIDA DO NASCIMENTO SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA APARECIDA DO NASCIMENTO SILVA
DATA : 25/11/2021
HORA: 16:00
LOCAL: https://meet.google.com/ece-wieb-vaw
TÍTULO:

“AS ROSAS DA RESISTÊNCIA NASCEM NO ASFALTO”: Uma análise da violência cometida contra as mulheres Trans durante o governo Bolsonaro


PALAVRAS-CHAVES:

Mulheres trans. Violência. Relações Patriarcais de gênero .Governo Bolsonaro.


PÁGINAS: 174
RESUMO:

O trabalho ora apresentado teve como objetivo analisar a violência contra as mulheres trans durante o governo Bolsonaro. Para tanto teve como objetivos específicos: analisar as especificidades da violência cometida contra as mulheres Trans brasileiras em relação às mulheres cis; analisar as estratégias e limites das políticas de combate à violência contra a população LGBTI+ durante o governo Bolsonaro; identificar e analisar as ações de resistência das mulheres Trans durante os dois primeiros anos do governo Bolsonaro. O estudo fez uso de abordagem qualitativa, constituindo-se em um estudo documental e bibliográfico, por meio de consulta e análise da legislação, documentos, sites, livros e revistas especializadas acerca do nosso objeto de estudo, na busca de responder às questões colocadas pela pesquisa. Entre os documentos analisados estão: os relatórios dos anos de 2019 e 2020 do Grupo Gay da Bahia (GGB) que analisa os crimes de violência contra a população LGBTI+ brasileira; os Dossiês dos assassinatos e violência contra Travestis e Transexuais brasileiras no ano de 2019 e 2020, de autoria da ANTRA (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) e os relatórios do Anuário Brasileiro de Segurança Pública produzidos durante o governo Bolsonaro que tratem  da violência contra a mulher. Os dados demonstram que houve um aumento no número de asssassinatos das mulheres trans em 2020 no comparativo ao ano de 2019. Constatamos que 78% das mulheres trans vítimas de morte  violenta são negras ou pardas. Enquanto em 2020, 71, 5% dos transfeminicídios ocorreram em locais públicos,  54% dos feminicídios ocorreram nas residências das vítimas. Em 72% dos casos o agresssor das mulheres trans era seu cliente, mas no caso das mulheres cis, 54% dos assassinatos ocorreram em suas residências, tendo como o seu agressor em 89,9% dos casos os seus companheiros. Em relação às armas utilizadas, enquanto 55,1% dos feminicídios ocorridos em 2020 foram utilizadas “ armas brancas”, nos tranfeminicídios em igual período, foram utilizados em 47% dos casos armas de fogo. Conclui-se portanto, que a violência contra as mulheres trans tem se intensificado durante o governo Bolsonaro e que existem especificidades em relação à violência cometida contra as mulheres cis. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 307.164.894-49 - RITA DE LOURDES DE LIMA - UFRN
Interna - 1714329 - ANDREA LIMA DA SILVA
Externa ao Programa - 1091789 - JANAIKY PEREIRA DE ALMEIDA
Externo à Instituição - MARIA ELAENE RODRIGUES ALVES - UnB
Notícia cadastrada em: 16/11/2021 08:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao