Banca de QUALIFICAÇÃO: MIZZAELY SUIANNY LACERDA DE SALES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MIZZAELY SUIANNY LACERDA DE SALES
DATA : 27/07/2020
HORA: 15:00
LOCAL: Plataforma virtual (google meet - https://meet.google.com/kkx-pdqo-bhu)
TÍTULO:

A origem da indústria cultural no capitalismo monopolista


PALAVRAS-CHAVES:

Capitalismo monopolista. Excedente econômico. Indústria cultural


PÁGINAS: 53
RESUMO:

Este projeto de dissertação tem como objetivo analisar as determinações econômicas que possibilitaram a origem da indústria cultural a partir de bibliografias que tratam das principais tendências do capitalismo monopolista. Embora a indústria cultural esteja presente na realidade atual do século XXI, envolvendo a economia, a política e a cultura, a sua origem e, portanto, o seu estudo, não surgem nos dias de hoje. A sua investigação é iniciada no século XX pelos filósofos alemães da Escola de Frankfurt, Theodor Adorno e Max Horkheimer, com a publicação de Dialética do esclarecimento, em 1947. Nessa obra, a indústria cultural apresenta-se, de modo central, como uma expressão do avanço da razão instrumental presente na técnica fordista de produção em série de produtos culturais voltados para o seu valor de troca. A preocupação dos frankfurtianos, contudo, não estava direcionada para a origem material da indústria cultural, mas, fundamentalmente, aos seus efeitos sociais nos indivíduos, enquanto meio de controlá-los, manipulá-los e integrá-los na sociedade capitalista, na medida em que padroniza ideias, predileções e hábitos de consumo. Seguindo esse pensamento, seu trato analítico superdimensionou o poder de controle da indústria cultural, demonstrando-se pessimista em relação às possibilidades de resistência popular capazes de alcançar uma razão crítica emancipatória e suprimir a dominação do homem pelo homem. Nesse sentido, percebeu-se que, dando ênfase aos efeitos sociais da indústria cultural, os filósofos alemães se ausentaram de análises que considerem o fundamento estrutural e a processualidade histórica da indústria cultural a partir das particularidades e contradições do capitalismo monopolista, embora não tenham negado a existência de determinações materiais. Diante disso, este projeto de pesquisa parte do seguinte questionamento: a partir de uma análise das determinações econômicas, como surge a indústria cultural? E, surgindo, qual é a sua função social? Para tanto, à luz do materialismo histórico dialético, se empreenderá uma pesquisa teórica explicativa de tipo bibliográfica e natureza qualitativa, recorrendo-se a bibliografias que versam sobre as principais tendências do capitalismo monopolista. Como instrumento de coleta e produção de dados, utilizar-se-á um roteiro de leitura organizado em eixos, com aplicação durante a leitura reflexiva das obras selecionadas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2475019 - HENRIQUE ANDRE RAMOS WELLEN
Interna - 1149518 - SILVANA MARA DE MORAIS DOS SANTOS
Externo ao Programa - 1283608 - MARCELO BRAZ MORAES DOS REIS
Externo à Instituição - RANIERI CARLI DE OLIVEIRA - UFF
Notícia cadastrada em: 11/07/2020 11:54
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa27-producao.info.ufrn.br.sigaa27-producao